Cultura indiana: história, tradições, costumes, religião, idioma

Cultura indiana: história, tradições, costumes, religião, idioma

A cultura indiana inclui todos os fenômenos culturais religiosos e sociais, artísticos, apresentados entre os mais de cem grupos étnicos que vivem naquele país. O tamanho do território e as diferenças entre suas regiões fazem com que exista um grande número de tradições, costumes, idiomas e tipos de gastronomia.

Dessa forma, a cultura indiana foi construída a partir da mistura das várias subculturas que habitam o país. Muitas de suas tradições e crenças datam de meados do 2º milênio aC. C., quando o texto mais antigo da Índia foi composto, o Rig-Veda.

Um dos fatores que mais influencia a formação de uma cultura é a religião. No caso da Índia, existem vários que coexistem com maior ou menor tolerância entre eles. Alguns nasceram no próprio país, como hinduísmo, budismo, sikhismo ou jainismo, enquanto outros, como o islamismo ou o cristianismo, vieram do exterior em diferentes períodos históricos.

Precisamente, um dos eventos que marcaram a história cultural da Índia foram as invasões islâmicas do século 10. Além disso, outras culturas como persa ou turca também influenciaram, como pode ser visto na língua, vestuário ou gastronomia .

Origem e história

As pinturas rupestres encontradas em Bhimbetka, no estado indiano de Madhya Pradesh, confirmam que esse território já era habitado durante a Idade da Pedra .

Os historiadores afirmam que os primeiros assentamentos humanos datam de 6.000 aC. C., especificamente no vale do Indo. Esses assentamentos, cerca de 3 300 a. C., daria origem à cultura Indo, cujo domínio da área durou até 500 aC. C.

Cultura do vale do rio Indus

A civilização do vale do Indo era comparável à do Egito ou da Mesopotâmia. Ele estava localizado no atual Paquistão e levantou cidades importantes como Harappa ou Mohenjo-Daro, ambas no vale do rio.

Essa cultura praticava agricultura, metalurgia de bronze e comércio. A religião era politeísta e adorava a Deusa Mãe e os animais da selva.

Cultura védica

A cultura védica é considerada a origem da civilização hindu. Este período durou de 1500 aC. C. até 800 a. C.

Durante esta etapa, o texto mais antigo da cultura indiana, o Rig-veda, foi escrito aproximadamente em meados do 2º milênio aC. C.

Essa cultura foi estabelecida pela população ariana, que veio do Mar Negro e do norte do Mar Cáspio. Sua chegada ao vale do Indo ocorreu durante o 2º milênio aC. C. e eles introduziram no país o cavalo, o tanque e as armas de ferro. Depois de conquistar a área, eles estabeleceram pequenos reinos independentes.

Período Brahminical

O próximo período histórico foi brâmane. A principal característica era o domínio exercido pela casta sacerdotal, os chamados brâmanes. É dividido em duas etapas: a pré-budista e a budista

Período budista

Os abusos dos brâmanes dominantes provocaram uma revolta que terminou com a vitória dos budistas. Assim, o Império Maurya começou, o primeiro período de esplendor da cultura indiana.

O primeiro imperador foi Chandragupta Mauria, que unificou o norte da Índia e estabeleceu sua capital em Pataliputra (hoje Patna).

Outro dos governantes de destaque deste período foi Ashoka, neto de Mauria. A princípio, o rei reprimiu duramente seus inimigos, mas depois, seguindo os ensinamentos de Buda, sentiu arrependimento. Assim, ele renunciou à violência e decidiu levar uma existência honesta e piedosa.

A morte de Ashoka e invasões de outras cidades causaram a queda e o desmembramento do Império. Mais tarde, a Índia foi conquistada pelos persas de Dario, o Grande, e pelos gregos de Alexandre, o Grande.

Dois grandes poemas épicos descreveram as lutas da época: o Mahabharata e o Ramayana.

The Kushan

Um povo da Ásia Central, o Kushan, invadiu o norte da Índia e criou um império que chegou às margens do Ganges.

Os governantes desta cidade se converteram ao budismo e recuperaram parte do esplendor do Império Maurya. Nesta etapa, destacam-se as esculturas budistas, a construção de grandes cidades e o trabalho de seus artesãos. Estes foram divididos em guildas e as crianças continuaram o trabalho dos pais, sempre dentro de casa.

Após três séculos, esse império entrou em colapso e deu lugar ao próximo período histórico.

Império Gupta

Uma rica família de proprietários de terras, os guptas, chegou ao poder em Magadha por volta de 320 dC. C. Seus primeiros reis foram dedicados a ampliar seu território, criando um grande império. Seu esplendor máximo ocorreu durante o reinado de Chandragupta II (375-413), quando eles conseguiram controlar todo o norte do país.

Ao contrário de seus antecessores, os guptas adotaram a religião hindu e recuperaram os rituais brâmanes. Várias escolas de filosofia hindu foram estabelecidas, com seus correspondentes livros de pensamento.

Os filósofos hindus começaram a escrever seus pensamentos, e várias escolas diferentes de filosofia hindu se desenvolveram, que ainda existem hoje. Filósofos e padres do período gupta escreveram muitos dos livros mais sagrados do hinduísmo

Invasão dos hunos

Os hunos, outro povo da Ásia Central, acabaram com a paz e a prosperidade que levaram ao reinado dos gupta. Embora os índios tentassem resistir ao seu avanço, os hunos acabaram invadindo o país por volta de 460 aC. C.

Invasões muçulmanas

Uma nova invasão, desta vez de povos da religião islâmica, ocorreu em 700 dC. Esses conquistadores carregavam consigo sua cultura, que teve uma influência decisiva na dos índios.

O poder muçulmano se estabeleceu definitivamente na área em 1192 e teve seu esplendor durante o governo de Mughal. Um de seus reis, Shah Jahan, mudou a capital para Delhi e mandou construir, por volta de 1650, o edifício mais famoso da Índia, o Taj Mahal.

Chegada dos europeus

Em meio à escalada na Europa para aumentar seus domínios coloniais, a Companhia Britânica das Índias Orientais chegou a Bombaim em 1687. Nas décadas seguintes, seu exército privado lutou contra os franceses, que também tentavam tirar vantagem comercial dessas terras. Depois de derrotá-los, os britânicos começaram a conquistar o território indiano.

Em 1820, os britânicos controlavam quase todo o país, que se tornou a “jóia da coroa britânica”. Com a Revolução Industrial em andamento, as matérias-primas indianas foram críticas para aumentar o poder econômico da Grã-Bretanha.

Os índios viram cidadãos de segunda classe serem relegados, causando algumas insurreições. O mais importante foi o estrelado pelos sipaios, entre 1857 e 1858. O protesto cresceu enormemente e uniu os hindus e muçulmanos da Índia.

Os britânicos conseguiram derrotar os rebeldes, mas em troca da dissolução da Companhia das Índias Orientais. A rainha Vitória tornou-se imperatriz da Índia.

No entanto, uma mudança estava ocorrendo graças à educação recebida pelos nativos. Embora os britânicos tivessem concebido para os índios aceitar e participar da administração colonial, o resultado foi o surgimento de uma elite intelectual que se tornaria a base do Congresso Nacional Indiano em 1885.

Gandhi

Um membro dessa elite intelectual, Mohandas Gandhi, tornou-se o líder da causa da independência indiana. Educado na Inglaterra, esse advogado criou um sistema de resistência não-violento. Gandhi era um hindu devoto e pregava tolerância entre as religiões de seu país.

Por outro lado, o Congresso Nacional Indiano começou a realizar ações violentas contra a ocupação. Jawaharlal Nehru estava ganhando influência nesse movimento, especialmente em seu ramo mais radical.

Os britânicos, depois de vários anos de ações não violentas e violentas, tiveram que negociar a independência, que ocorreu em 1947.

Índia moderna

A Índia independente englobava uma grande variedade de grupos étnicos, idiomas e culturas, cuja coexistência era muito complicada. Gandhi foi assassinado por um radical hindu em 1948 e a Índia foi dividida em dois estados: a União Indiana e o Paquistão, com uma população muçulmana.

Nas últimas décadas, a Índia passou por várias crises importantes devido ao seu confronto com o Paquistão. Além disso, conflitos internos, pobreza e outros fatores têm sido uma fonte de instabilidade.

No entanto, também conseguiu melhorar sua situação econômica para se tornar um poder influente nessa área da Ásia.

Tradições

A Índia é um país que preservou boa parte de suas tradições antigas. Estes surgiram da mistura de várias culturas com a própria do país, do persa ao árabe. No entanto, nem todas essas tradições são positivas e os governos tentaram erradicar os mais perigosos.

Sistema de castas

A causa desse sistema de estratificação social é o hinduísmo. De acordo com essa religião, o ser humano foi criado a partir das diferentes partes do deus Brahma e, assim, surgiram as quatro castas que foram mantidas por séculos.

Os brâmanes, o grupo mais privilegiado, apareceram da boca do deus; os nobres guerreiros, as chatrias, foram criados a partir do braço da divindade; os Vaisias, comerciantes e agricultores, emergiram das coxas de Brahma; e os sudras ou servos, a casta mais baixa, dos pés.

Além dessas quatro castas, estão os intocáveis ​​ou párias, fora do sistema e da sociedade. Eles só podiam fazer os trabalhos mais baixos.

Embora o sistema de castas tenha sido abolido oficialmente, até hoje sua influência permanece na sociedade.

Os rios sagrados da Índia

Embora o Ganges seja o mais conhecido dos rios sagrados da Índia, há muitos outros no país que têm esse respeito. Para os hindus, a água é sagrada, pois é o símbolo do ser. Este elemento ajuda a limpar o espírito dos homens.

Entre os rios sagrados, destacam-se sete, o chamado sapta sindhu. Todos eles são visitados por um grande número de peregrinos, que descem às costas para fazer abluções.

O Ganges tem consideração especial. Quem pode se aproximar de Benares (Varanasi) para morrer ao lado de suas margens. De acordo com suas crenças, aqueles que são cremados pelo rio recebem salvação instantânea.

Diwali

Diwali é o festival mais espetacular de todo o país. É comemorado por todas as suas culturas, independentemente de suas crenças.

Este feriado é comemorado no outono e as pessoas decoram suas casas e trocam presentes. A decoração mais comum são luzes, velas e luminárias de barro.

A origem da festa é religiosa. Segundo os hindus, o Diwali lembra a derrota de Narakasura, um semideus, nas mãos de Krishna, o que significou a libertação de 16.000 donzelas que os primeiros tinham prisioneiros.

O festival também comemora o retorno do príncipe Rama a Ayodhya depois que ele derrotou Ravana, o rei demônio.

Casamento arranjado

A tradição de organizar casamentos tem séculos de idade na Índia. Embora a sociedade tenha se modernizado, um grande número de casamentos ainda está sendo arranjado, embora hoje os noivos muitas vezes dêem seu consentimento final.

As leis atuais proíbem casamentos arranjados de crianças, embora haja queixas de que eles ainda sejam celebrados no país.

Quando o casamento é acordado, a família da noiva dá um dote à família do noivo ou ao próprio noivo.

Holi, o festival das cores

Outro dos festivais mais importantes do país em Holi, também chamado Holaka ou festival de cores. Este festival celebra a primavera hindu, um dia após a lua cheia do mês de Phalguna (primeira parte de março).

Além dessa celebração da primavera, Holi celebra vários eventos na mitologia hindu. Nestas datas, as ofensas devem ser perdoadas e as normas sociais temporariamente esquecidas.

Ladakh Buddha Song

É uma tradição praticada na área trans do Himalaia, em Ladakh, nos diferentes mosteiros e aldeias. Os “lamas” ou sacerdotes budistas cantam e recitam os textos sagrados da religião, a fim de promover os ensinamentos e a filosofia do Buda. A maneira como essa atividade é realizada pode variar de mosteiro para mosteiro.

Durante o canto, os textos são acompanhados de gestos feitos pelos monges e representando a divindade do Buda. Alguns dos instrumentos que acompanham a atividade são tambores, sinos, trombetas e pratos. 

As apresentações das músicas são realizadas em grupo, em mosteiros ou em casas particulares. Essa tradição é considerada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO desde 2012.

Dança Chhau

É uma dança tradicional desenvolvida na região leste da Índia, principalmente em Seraikela, no distrito de Purulia Bengal e no distrito de Mayurbhanj, em Odisha, de onde derivam os três estilos mais populares de dança: seraikella chhau, purulia chhau e mayurbhanj chhau.

Esse tipo de arte performática combina técnicas de combate, imitações de animais e muito mais. As danças tendem a representar cenas ou episódios de poemas épicos e outros temas folclóricos.

É uma dança ensinada apenas a homens que fazem parte de comunidades locais ou são membros de famílias com uma tradição artística. Os principais instrumentos que acompanham a dança são os tambores e dois instrumentos de palheta conhecidos como mohuri e shehnai. 

Desde 2010, essa dança também foi reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

Oi Mohalla 

É um festival pertencente à religião sikh, realizado no mês de março após o festival Holi. Ocorre em Anandpur Sahib em Punjab, o atual coração do sikhismo na Índia. Na celebração são realizadas diversas atividades, como exercícios militares e combate simulado, a fim de demonstrar aptidão física.

Há exposições de gatka, a arte marcial específica dessa comunidade, e concursos de poesia e música. Por outro lado, há momentos dedicados ao culto, leituras religiosas, canto de hinos e procissões. Esta celebração foi apresentada por Guru Gobind Singh, o décimo guru do sikhismo.

Kumbh Mela

É o maior festival religioso hindu, realizado em ciclos de 12 anos, durante os quais o evento é realizado 4 vezes. São quatro peregrinações que ocorrem em quatro rios sagrados. Os eventos passam por cada um desses locais: Haridwar no rio Ganges, Ujjain no rio Sphira, Nashik no rio Godavari e Prayag, que ocorre em Jamuna, onde o Ganges e Saraswati convergem.

Durante o festival, um ritual de redenção ou expiação de pecados é realizado através da imersão de pessoas nas águas dos rios. Acredita-se que é assim que a penitência é feita pelos erros cometidos. Entre outras atividades, há feiras comunitárias, comida para pessoas de baixa renda ou monges e alguns shows de entretenimento.

Dentro desse mesmo tema de celebração também está o Great Kumbh Mela, que ocorre a cada 144 anos em Prayag. O mais recente foi em 2001 e atraiu aproximadamente 60 milhões de pessoas. A celebração do Kumbh Mela é baseada em certas posições astrológicas específicas entre o Sol , a Lua e Júpiter .

personalizadas

A vaca sagrada

Índios, pelo menos hindus, consideram vacas animais sagrados. A causa é que eles a identificam como Devi (a deusa), um símbolo da mãe natureza.

Além disso, várias religiões da Índia vão além. Assim, o vegetarianismo é bastante comum no país.

O bindi

Um dos costumes mais conhecidos na Índia é o uso do bindi. Esta é uma pequena toupeira vermelha pintada na testa de mulheres casadas como um símbolo de compromisso.

Às vezes, alguns homens também usam esse sinal quando vão trabalhar, desta vez como um símbolo de boa sorte.

A interpretação mística do bindi é que ele é colocado no sexto chakra, também chamado de terceiro olho.

Consumo de “paan”

É comum na Índia consumir uma preparação chamada “paan”, feita com folha de betel, tabaco e noz de areca, que assume um tom avermelhado. Muitas pessoas na Índia estão acostumadas a mastigar e cuspir. Por esse motivo, é comum ver manchas vermelhas nas paredes e pisos das ruas. Alguns afirmam que ele tem propriedades digestivas.

Namaste

A saudação mais tradicional da Índia é não apertar as mãos. Neste país, o normal é juntar as palmas das mãos e trazê-las ao peito, dizendo namasté. A origem desta palavra é muito antiga e pode ser traduzida como “eu te saúdo”.

Esmolas

Tanto o hinduísmo quanto o islamismo, a segunda religião mais praticada na Índia, incluem a esmola como uma de suas obrigações.

No caso dos hindus, o ato de dar esmolas é chamado dana. Trata-se de oferecer alguma riqueza, uma vez que não será necessária após a morte.

Sadhus

Os sadhus são uma espécie de monges nômades que se movem incessantemente em busca da iluminação. Esses homens carregam todos os seus pertences e podem viajar de graça nos transportes públicos. Além disso, a população geralmente lhes dá comida para que eles possam continuar sua viagem.

Superstições

Grande parte da vida cotidiana dos índios está ligada a superstições, que muitas vezes moldam muito os hábitos das pessoas na sociedade. Muitas das crenças e decisões que são tomadas na Índia na vida cotidiana têm a ver com preceitos astrológicos ou religiosos. 

Do nome dos bebês, a profissão, a escolha do parceiro para o casamento e outras decisões na vida de uma pessoa são geralmente influenciadas pelas crenças dessa sociedade no nível da fé.

Economia informal

É comum observar como as atividades econômicas informais acontecem nas ruas. São oferecidas várias vendas e serviços de produtos externos. Pintura, carpintaria, cortes de cabelo e outros negócios mais peculiares, como limpeza de orelhas, cicatrização de fraturas e muito mais.

Homens de mãos dadas

É um sinal de carinho e amizade ver os homens de mãos dadas. Essa ação representa um elo importante entre eles e não está necessariamente relacionada ao amor. Entre pai e filho, ou entre amigos, dar as mãos é um ato comum. 

Coma com as mãos

Outra tradição bem conhecida na Índia é o fato de comer com as mãos. Está amplamente relacionado a uma crença espiritual. Ayurveda, um sistema tradicional de medicina, tem a filosofia de que cada dedo está relacionado aos cinco elementos: fogo, ar, água, terra e éter.

É assim que a disciplina ayurvédica afirma que levar comida com as mãos ajudará na transformação subsequente quando digerido.

Língua

A Constituição indiana afirma que seus idiomas oficiais são hindi e inglês. O último idioma é remanescente do domínio britânico e é usado nos negócios e no ensino superior.

Além dessas duas línguas, a lei reconhece mais 21 línguas, aquelas consideradas clássicas. Alguns deles são tâmil, sânscrito ou telugu. Além disso, existem outros 1.652 dialetos no país.

Áreas de idioma

Existem 15 áreas de idiomas legalmente reconhecidas na Índia. As línguas mais faladas são hindi, bengali, gujarati e marata. Além disso, há uma linguagem considerada sagrada, Pali, usada pelo Buda para transmitir seus ensinamentos.

Script em hindi

O idioma principal do país, o hindi, é escrito da esquerda para a direita. É uma linguagem silábica e cada consoante tem uma vogal associada.

No total, o hindi falado possui 52 fonemas, divididos em 10 vogais, 40 consoantes e 2 especiais. Enquanto isso, o roteiro tem 57 símbolos diferentes.

Roupas

Como em outros aspectos da cultura indiana, as roupas variam de acordo com a área do país. Além disso, há também uma diferença entre a utilizada nas áreas rurais e nas cidades.

As roupas mais populares são saris, para mulheres, e dhoti, para homens. Outros estilos amplamente utilizados são churidar e salwar, ambos femininos.

Quando os índios vão a lugares públicos ou centros religiosos, a norma não é expor nada de pele nem usar roupas apertadas.

Evolução

As roupas na Índia evoluíram ao longo de sua história. Assim, os textos Veda mais antigos incluem referências a roupas feitas com crostas e folhas, enquanto em Rig-veda ele menciona vestidos bordados e tingidos.

Heródoto, historiador grego do século V aC. C., escreveu sobre a qualidade dos trajes de algodão indiano. Mais tarde, no século 2, os muslins do país foram vendidos no Império Romano.

A seda foi outro dos tecidos que ganhou grande importância nos séculos seguintes, a ponto de se tornar um dos principais produtos de exportação.

Já durante o domínio britânico, a indústria têxtil indiana ficou paralisada, pois os colonizadores tentaram vender suas próprias criações lá.

Gandhi promoveu o que chamou de roupas khadi, vestidos de cores claras feitas à mão.

O saree

O sari é sem dúvida o vestido feminino mais conhecido da Índia. É uma tela de seda ou algodão com comprimento variando de 4,5 a 8 metros e largura entre 60 centímetros e 1,20 metros. Esta peça de roupa está enrolada na cintura, deixando a área do abdome no ar.

No mercado, você pode encontrar diariamente e saris de festa. Entre os últimos, destacam-se os de casamento, de cor vermelha. As viúvas, enquanto isso, vestem branco.

Religião

A Índia é considerada um dos países com a maior diversidade de crenças do mundo. Além disso, sua sociedade é muito religiosa, o que causou disputas históricas entre diferentes confissões.

Entre as religiões mais importantes estão o hinduísmo, o islamismo, o sikhismo e o budismo. Há também um grande número de jainistas, zoroastristas, bahá’ís e comunidades cristãs.

Hinduísmo

Segundo os hindus, sua religião é a mais antiga do mundo. Os crentes chamam isso de sanatana dharma, a religião eterna.

Alguns especialistas afirmam que é uma fusão de crenças e tradições de várias culturas, com raízes diversas e sem um fundador específico. Os dados disponíveis indicam que ele se originou entre 500 a. C. e 300 a. C.

O hinduísmo tem muitos ramos diferentes, embora todos sigam a tradição das castas. Seus deuses mais importantes são Rama, Krishna, Kali e Visnú.

budismo

Outra das grandes religiões originais da Índia é o budismo. Foi fundada por Sidarta Gautama, que, embora tenha nascido no Nepal, espalhou sua doutrina pela primeira vez no norte da Índia. Três das quatro cidades sagradas do budismo são encontradas na Índia.

O príncipe Gautam renunciou a todos os seus privilégios e tornou-se um mendigo, quando adotou o apelido de Buda, o Iluminado.

Durante o reinado do imperador Maurya Ashoka, o budismo se tornou a religião majoritária no país. Mais tarde, a conquista islâmica o levou a perder essa posição. A conversão de um grande número de intocáveis ​​permitiu-lhe recuperar a força em 1954.

Hoje, os budistas constituem uma das maiores minorias da Índia, especialmente no norte do país.

Jainismo

Como os hindus, os seguidores do jainismo também afirmam que sua religião é a mais antiga e afirmam ter cerca de 10.000 anos de idade.

Essa religião compartilha algumas características do budismo, como a ausência de um deus. Além disso, foi fundada por um contemporâneo do Buda cujo nome era Mahavira.

Os jainistas rejeitam todos os tipos de violência e foram os únicos que não participaram de nenhum dos conflitos que ocorreram no país. Eles são estritamente vegetarianos e sua defesa da vida animal chega ao ponto de não viajar de carro por medo de morrer de insetos.

Sikhism

Outra das religiões nascidas na Índia é o sikhismo, que tem cerca de 18 milhões de seguidores hoje.

Sikhs e hinduístas estrelaram um conflito violento em 1980, quando grupos da primeira confissão buscaram independência para seu território histórico: Khalistan. Um desses sikhs radicais assassinou a primeira-ministra Indira Gandhi em resposta à sua ordem de bombardear o Templo Dourado, o mais sagrado do sikhismo.

A origem desta religião está localizada durante o governo de Mughal sobre a Índia. Seus postulados parecem ser uma fusão de hinduísmo e islamismo.

O Islã

A segunda religião em número de fiéis na Índia é o Islã, com cerca de 150 milhões de seguidores. Essa presença remonta a invasões islâmicas, quando o Império Mogol governou o país

As tensões entre muçulmanos e hinduístas têm sido muito frequentes ao longo da história da Índia. O mais grave ocorreu após a independência do Império Britânico. O resultado foi a separação de um grande território, o atual Paquistão, para receber muçulmanos que o desejavam.

Música

Há 2.000 anos, o Natyasastra, um sistema para classificar diferentes instrumentos musicais, apareceu em um texto em sânscrito. Isso mostra que a música tem sido parte integrante da cultura indiana ao longo de sua história, em muitos casos relacionados à religião.

Sama-veda

As músicas do Sama-veda são o mais antigo exemplo sobrevivente da música indiana. Datado de cerca de 1 000 a. C., esse tipo de música ainda é cantada em algumas cerimônias religiosas védicas.

O Sama-veda, juntamente com alguns escritos hindus, teve um papel fundamental na música clássica do país. Hoje, esse tipo de música tem dois estilos diferentes: música indo-indiana e música carnática.

Música folclórica

Além do estilo clássico, há música folclórica, dividida em:

-Bhangra: originalmente de Punjab, no sul da Ásia, é um estilo de música e dança frequentemente usado em festividades. 

-Lavani: vem de Maharashtra e do sul de Madhya Pradesh. É dividido em dois estilos, o Nirguni Lavani, caracterizado por um tom filosófico e o Shringari Lavani, com uma inclinação erótica. A maioria das músicas desse estilo geralmente é cantada por mulheres.

-Dandiya: é um tipo de música orientada para a dança e funciona como acompanhamento de danças tradicionais chamadas “garbas” em homenagem a Durba, uma forma da deusa Dervi. Na dança, ele geralmente apresenta uma cena chamada A Dança da Espada , na qual é mostrada uma batalha simulada entre a deusa mencionada e Mahishasura, um poderoso rei demônio.

-Rajasthani: possui vários ramos musicais, como Langas, Sapera, Bhopa, Jogi e Manganiyar. Combina instrumentos de corda, sopro e percussão.

Outros estilos de música foram integrados à cultura musical da Índia, como o pop, que é representado na indústria cinematográfica nessa região do mundo, em combinação com a música tradicional. 

Música real

Atualmente, vários tipos de música religiosa coexistem com outros, como música popular, pop, clássica ou folclórica.

Os dois gêneros com maior impacto são filmi e indipop. O primeiro é composto por uma grande variedade de músicas destinadas às produções de filmes de Bollywood e responde por 70% das vendas no país.

Indipop, enquanto isso, é um dos gêneros mais populares. É uma fusão de música clássica ou sufi com o povo indiano, além de incorporar algumas influências ocidentais.

Gastronomia

A culinária indiana é tão diversa quanto o próprio país, com pratos típicos que variam dependendo da área.

Uma de suas características é o grande número de receitas vegetarianas, especialmente em algumas cidades sagradas, como Benares.

Caril de camarão com leite de coco 

Consiste em um prato de camarão cozido em uma preparação à base de manteiga, cebola, alho, gengibre, açafrão, louro, pimenta e cardamomo, ao qual é adicionado leite de coco. Os camarões são cozidos neste molho em que estão submersos e prontos para comer. É uma receita popular no sul da Índia.

Egg Masala

É uma receita feita com ovos cozidos mergulhados em molho preparado com cebola, alho, gengibre, ervilha, coentro, tamarindo, malagueta picante, coentro e garam masala, uma mistura de especiarias. 

Samosa

Samosa é um tipo de torta muito típica do país. Tem uma forma triangular, com um envoltório feito com massa de farinha de trigo muito crocante.

Esses bolinhos podem ser preenchidos com uma grande variedade de ingredientes. Os mais comuns são vegetais, como batatas e ervilhas. Para adicionar sabor, adicione um pouco de curry.

Masala Dossa

O dosala Masala é consumido com muita frequência em cafés da manhã e lanches indianos. É semelhante a um biscoito enrolado muito picante e bastante picante. O recheio, que varia de acordo com a região, geralmente inclui caril, arroz, cebola, lentilha, batata e outros ingredientes, embora nunca carne.

Frango tandoori

Para não vegetarianos, um dos pratos da estrela é o frango tandoori. Este nome refere-se ao tipo de forno em que é cozido, o tandoor, que significa “forno de argila”. O tradicional é usar um forno a lenha e carvão.

O frango é macerado antes de ser cozido com cominho, cardamomo, alho, pimenta de Caiena, pimenta, gengibre e outras especiarias.

Jalebi

Uma das sobremesas mais tradicionais é o jalebi. Sua forma é muito característica, pois se parece com uma flor ou uma espiral.

Os ingredientes básicos deste doce são farinha, açúcar e óleo e são cobertos com calda de cardamomo, açafrão e limão.

Biryani

Um prato que nunca falta em comida indiana é o arroz. As receitas são inúmeras e variam de acordo com a região do país.

Entre os pratos feitos com este cereal, destaca-se o biryani. Arroz basmati, muitas especiarias, legumes e iogurte são usados ​​para cozinhá-lo. Existem também versões com carne de frango.

Palak Paneer

Outro prato vegetariano muito popular é o palak paneer. Originalmente da região de Punjab, é feito com espinafre e paneer, um queijo fresco e ácido, típico da região.

A receita é complementada com garam masala, uma mistura de especiarias que inclui cominho, cravo, pimenta, canela e noz-moscada. Os índios costumam acompanhar esse prato com lassi, uma bebida láctea e doce.

Masala chai

É uma bebida típica que consiste em um chá cozido com água e leite. O sabor vem da mistura com chá preto e diversas especiarias e ervas aromáticas, como canela, gengibre, pimenta e cardamomo verde. É bastante comercializado em lojas de chá de rua.

Referências

  1. História universal. Cultura indiana. Obtido em mihistoriauniversal.com
  2. EcuRed. Cultura indiana. Obtido de ecured.cu
  3. Sobre a Índia. Cultura indiana. Obtido em sobreindia.com
  4. Zimmermann, Kim Ann. Cultura indiana: tradições e costumes da Índia. Obtido de livescience.com
  5. Conheça a Índia. Cultura e Patrimônio. Obtido de knowindia.gov.in
  6. Países e suas culturas. Cultura da Índia. Obtido em everyculture.com
  7. Atlas Cultural. Cultura indiana. Obtido em culturalatlas.sbs.com.au
  8. Murgai, Sarla R. Cultura Indiana. Obtido de utc.edu

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies