Depressão devido à ruptura do parceiro: o que é, sintomas, causas e o que fazer

A depressão devido à ruptura do parceiro é um transtorno psicológico que ocorre após o término de um relacionamento amoroso. Essa condição pode ser desencadeada por diversos fatores, como a sensação de perda, solidão, baixa autoestima, entre outros. Os sintomas podem variar de pessoa para pessoa, mas geralmente incluem tristeza profunda, choro frequente, falta de motivação, insônia, perda de interesse em atividades antes prazerosas, entre outros.

As causas da depressão após o término de um relacionamento podem estar relacionadas a questões emocionais não resolvidas, dependência emocional, baixa autoestima, entre outros fatores. É importante buscar ajuda profissional caso os sintomas persistam, pois a depressão pode se agravar e afetar negativamente a qualidade de vida da pessoa.

Para lidar com a depressão devido à ruptura do parceiro, é fundamental cuidar da saúde emocional, buscar apoio de amigos e familiares, praticar atividades que tragam bem-estar, como exercícios físicos, meditação, terapia, entre outros. O mais importante é não se isolar e procurar ajuda especializada para superar esse momento difícil e aprender a lidar de forma saudável com as emoções.

Como superar a depressão causada pelo amor e retomar o bem-estar emocional.

Quando um relacionamento chega ao fim, é normal sentir tristeza e desânimo. Porém, em alguns casos, a dor da separação pode desencadear um quadro de depressão. A depressão causada pela ruptura do parceiro é uma condição que afeta a saúde emocional e pode prejudicar o bem-estar da pessoa.

Os sintomas da depressão devido à ruptura do parceiro incluem tristeza profunda, falta de interesse em atividades que antes eram prazerosas, alterações no sono e no apetite, sentimentos de desesperança e baixa autoestima. Esses sintomas podem ser intensificados pela sensação de perda e pelo rompimento do vínculo afetivo com a pessoa amada.

As causas dessa depressão podem estar relacionadas à idealização do relacionamento, à dependência emocional do parceiro e ao medo da solidão. Além disso, a falta de suporte emocional adequado e a dificuldade de lidar com as emoções após o término podem agravar o quadro depressivo.

Para superar a depressão causada pela ruptura do parceiro e retomar o bem-estar emocional, é importante buscar ajuda profissional. Psicoterapia, apoio de amigos e familiares, prática de atividades físicas e hobbies, e cuidados com a saúde mental são essenciais para o processo de recuperação.

É fundamental também trabalhar a autoestima e o amor próprio, reconhecendo o próprio valor e buscando a felicidade independente de um relacionamento amoroso. A reflexão sobre o término, a aceitação do fim da relação e o perdão são passos importantes para a cura emocional.

Busque ajuda, cuide da sua saúde mental e emocional, e lembre-se de que é possível encontrar a felicidade novamente, mesmo após o fim de um relacionamento.

Como lidar com a tristeza após o fim de um relacionamento amoroso?

Quando um relacionamento amoroso chega ao fim, é comum sentir tristeza e até mesmo entrar em um estado de depressão. A Depressão devido à ruptura do parceiro é uma condição que afeta muitas pessoas e pode causar um grande impacto na vida individual. É importante saber identificar os sintomas, entender as causas e buscar formas saudáveis de lidar com esse momento difícil.

O que é a Depressão devido à ruptura do parceiro?

A Depressão devido à ruptura do parceiro é um estado emocional caracterizado por sentimentos intensos de tristeza, solidão e desespero após o fim de um relacionamento amoroso. Essa condição pode levar a mudanças no comportamento, no sono, na alimentação e na saúde mental como um todo.

Sintomas da Depressão devido à ruptura do parceiro

Alguns dos sintomas mais comuns da Depressão devido à ruptura do parceiro incluem tristeza profunda, falta de energia, dificuldade de concentração, alterações no sono e no apetite, sentimentos de desesperança e pensamentos negativos recorrentes sobre si mesmo e sobre o futuro.

Causas da Depressão devido à ruptura do parceiro

A Depressão devido à ruptura do parceiro pode ser desencadeada por uma série de fatores, como a perda do vínculo emocional com o parceiro, a sensação de rejeição e abandono, a mudança na rotina diária e a incerteza em relação ao futuro. Esses elementos podem contribuir para o surgimento da depressão nesse contexto específico.

O que fazer para lidar com a tristeza após o fim de um relacionamento amoroso?

Para lidar com a tristeza após o fim de um relacionamento amoroso e evitar a depressão, é importante buscar apoio emocional de amigos e familiares, praticar exercícios físicos, cuidar da saúde mental com terapias e atividades relaxantes, manter-se ocupado com hobbies e projetos pessoais, e permitir-se sentir e expressar as emoções de forma saudável.

Lembrando que a Depressão devido à ruptura do parceiro é uma condição séria e que pode exigir ajuda profissional. Se os sintomas persistirem e interferirem significativamente na qualidade de vida, é fundamental procurar a orientação de um psicólogo ou psiquiatra.

Superando a depressão após o fim do relacionamento: estratégias para se recuperar e seguir em frente.

Depressão devido à ruptura do parceiro é um problema comum que muitas pessoas enfrentam. Quando um relacionamento chega ao fim, é natural sentir tristeza e dor, mas em alguns casos, esses sentimentos podem se transformar em uma depressão mais profunda. Os sintomas incluem tristeza persistente, falta de interesse em atividades que antes traziam prazer, dificuldade para dormir, mudanças no apetite e pensamentos negativos recorrentes.

Relacionado:  Como conversar com pessoas com demência: 15 dicas para se comunicar

As causas da depressão após o fim do relacionamento podem variar de pessoa para pessoa, mas geralmente estão relacionadas à perda do apoio emocional do parceiro, à sensação de rejeição e ao medo do futuro. É importante reconhecer esses sentimentos e buscar ajuda quando necessário.

Para superar a depressão após o término de um relacionamento, é fundamental adotar estratégias eficazes. Uma delas é buscar apoio emocional de amigos e familiares. Também é importante cuidar da saúde física, praticando atividades físicas e mantendo uma alimentação saudável.

Outra estratégia importante é procurar ajuda profissional, como terapia individual ou em grupo. Um psicólogo ou psiquiatra pode ajudar a trabalhar questões emocionais e a desenvolver habilidades para lidar com a situação de forma saudável.

Além disso, é essencial permitir-se sentir as emoções, sem reprimi-las. É natural sentir tristeza e dor após o fim de um relacionamento, e é importante permitir-se vivenciar esses sentimentos para poder superá-los.

Com o tempo e o apoio adequado, é possível se recuperar e seguir em frente para uma vida mais saudável e feliz.

Depressão amorosa: entenda como o sentimento pode afetar a saúde mental.

Depressão amorosa é um quadro clínico que surge após o término de um relacionamento afetivo. Essa situação pode desencadear uma série de sintomas que afetam a saúde mental da pessoa, causando sofrimento e impactando diversas áreas da vida.

Os sintomas da depressão amorosa podem variar de pessoa para pessoa, mas geralmente incluem tristeza profunda, falta de interesse em atividades que antes traziam prazer, alterações no sono e no apetite, sentimentos de culpa e desesperança, entre outros. É importante ficar atento a esses sinais e buscar ajuda profissional se necessário.

As causas da depressão devido à ruptura do parceiro podem ser diversas, envolvendo questões emocionais, psicológicas e até mesmo fisiológicas. O fim de um relacionamento pode desencadear um processo de luto, no qual a pessoa precisa lidar com a perda do parceiro e com as mudanças que isso acarreta em sua vida. Além disso, questões como autoestima, dependência emocional e padrões de relacionamento também podem influenciar no desenvolvimento da depressão amorosa.

Para lidar com a depressão devido à ruptura do parceiro, é fundamental buscar ajuda profissional, como psicoterapia e acompanhamento psiquiátrico. Além disso, é importante cuidar da saúde física, praticando atividades físicas, alimentando-se de forma saudável e mantendo uma rotina equilibrada. O apoio de amigos e familiares também é essencial nesse processo de recuperação.

Não hesite em buscar auxílio se estiver enfrentando esse tipo de situação.

Depressão devido à ruptura do parceiro: o que é, sintomas, causas e o que fazer

Depressão devido à ruptura do parceiro: o que é, sintomas, causas e o que fazer 1

Viver em casal é uma experiência que pode ser extremamente gratificante. No entanto, amor e relacionamentos também são complexos, e é provável que em mais de uma ocasião as coisas não funcionem e o relacionamento finalmente chegue ao fim.

O fim de um relacionamento é algo que geralmente gera muita dor e tristeza, a ponto de as pessoas frequentemente indicarem ter depressão devido à ruptura . Mas, embora a experiência obviamente não seja gratificante (como regra geral) e seja comum a existência de sintomas semelhantes … existe realmente uma depressão de ruptura? Por que geralmente é considerado como tal? A depressão pode surgir por esse motivo? Como tentar lutar contra isso? Vamos ver ao longo deste artigo.

Depressão maior

Antes de entrar para avaliar as possíveis reações afetivas que podem surgir após sofrer um rompimento de amor, vale a pena comentar primeiro sobre o que estamos falando quando nos referimos a uma depressão. Isso é necessário, uma vez que as reações normativas ou mesmo os humores em que a tristeza abunda são freqüentemente tomados como depressões, mas não atendem aos critérios para se tornar uma depressão verdadeira.

É chamado de depressão maior, um dos transtornos mentais mais frequentes e prevalentes em todo o mundo , caracterizado pela presença de um humor triste e / ou falta de capacidade de perceber gratificação ou prazer, mesmo essas atividades. que anteriormente nos empolgava.

Além desses sintomas, presença de forte desesperança em relação ao futuro, sentimentos de culpa e inutilidade (que podem até se tornar ilusórios), passividade extrema, tendência ao isolamento, problemas de sono, perda de apetite e peso, perda de energia e fadiga, lentidão física e mental, problemas de concentração, agitação psicomotora e pensamentos de morte e suicídio.

Relacionado:  Estou cansado de viver: causas e o que fazer para voltar ao normal

Esses sintomas, especialmente os dois primeiros, estão presentes quase todo dia durante pelo menos duas semanas e podem não ser devidos ao uso de substâncias ou a outras alterações, como a presença de problemas psicóticos.

Alguns desses sintomas podem surgir em resposta a situações específicas, como tristeza, problemas de concentração ou perda de peso, apetite e sono. Mas, como regra geral, eles não são considerados parte de uma depressão maior, a menos que excedam a reação normal pela perda que isso acarreta , neste caso a cessação do relacionamento.

Depressão devido a colapso emocional

Não há dúvida de que uma pausa sentimental é uma experiência que pode ser dolorosa e até traumática, dependendo das circunstâncias que a cercam. Especialmente se não for mutuamente acordado e um deles quiser continuar com o relacionamento . E, embora a situação geralmente seja muito dolorosa para a pessoa deixada, também pode ser difícil para quem sai. Na maioria dos casos, gera grande tristeza, sofrimento e dúvidas, além de uma perda do desejo de fazer as coisas e um aumento na tendência de se isolar.

No entanto, deve-se levar em conta que não existe “depressão devido à ruptura” como etiqueta de diagnóstico . De fato, embora existam depressões reativas a certos eventos e uma ruptura sentimental possa se tornar um gatilho para uma depressão maior, na maioria dos casos o que experimentamos é um processo de luto.

Ou seja, na maioria das vezes estamos enfrentando algo normal e não patológico , pois acabamos de sofrer uma perda de algo que tínhamos até agora e que era importante em princípio para nós. E esse duelo pode exigir um longo processo para conseguir a aceitação do referido colapso, no qual ele pode passar por diferentes fases.

Nesse sentido, é comum que, após o rompimento, primeiro passemos por um estágio de negação da nova situação, na qual não experimentamos nenhuma reação emocional ao rompimento, porque não o processamos apenas como algo real .

Posteriormente, é possível que uma fase de raiva surja da frustração, na qual raiva e culpa possam aparecer para si ou para a outra pessoa, ou até mesmo ser direcionada para o resto do mundo, mesmo que não tenha nada a ver com a situação. .

Pode surgir uma fase de negociação, para buscar alternativas no nível mental, para pensar sobre o que poderia ter mudado a situação para que a ruptura não ocorresse ou mesmo tentativas de recuperar a pessoa.

Depois disso, chegaria a fase depressiva, que seria a que a população costuma considerar como “depressão de ruptura”: nessa fase, podemos sentir tristeza, falta de desejo de fazer coisas, fadiga e apatia, pensamentos ruminantes sobre o outro pessoa, problemas de sono ou falta de apetite.

Finalmente, a última fase seria a aceitação : ela gradualmente acaba processando e aceitando que teremos que viver nossa vida sem que a outra pessoa esteja nela como casal. Com o tempo, a dor do intervalo é remitente e, com isso, as energias são recuperadas e o duelo é superado.

É conveniente deixar algum tempo passar antes de ver nosso ex-parceiro novamente , para que possamos separar o que essa pessoa significa para nós (se o intervalo foi positivo, é possível manter um certo relacionamento e até sermos amigos novamente, embora recomenda que isso não seja tentado até muito mais tarde) do que era antes.

Quando esse distúrbio aparece?

Embora, como dissemos na maioria dos casos, estamos enfrentando um processo normativo de luto, típico da perda do tipo de relacionamento que tivemos com essa pessoa, a verdade é que há momentos em que podemos começar a desenvolver uma depressão real . Isso ocorre quando o processo de luto não termina o fechamento, de modo que quem sofre não chega à fase de aceitação e supera seu desconforto.

Especificamente, estaríamos falando de uma depressão reativa ou situacional, ou um distúrbio adaptativo com características depressivas (embora também possa ocorrer com ansiedade ou de maneira mista), na qual a sintomatologia depressiva e / ou ansiosa se manifesta derivada de uma experiência concreta que Não somos capazes de superar e sem os quais o problema não existiria.

Essa alteração gera grande disfuncionalidade em diferentes áreas. De fato, o quadro pode acabar se tornando uma depressão maior, se tornando um gatilho para ela.

Embora determinar uma data aproximada para vencer um duelo seja algo artificial (cada um de nós tem nosso ritmo para superar as coisas), podemos suspeitar da existência de uma depressão causada pela ruptura quando, após esse evento, nosso humor fica mais triste. Na maior parte do dia, sofremos de graves distúrbios do sono (insônia ou sonolência excessiva), fala e pensamento lentos, baixa auto-estima e desesperança em relação ao futuro.

Relacionado:  Os 5 melhores psicólogos especialistas no tratamento da ansiedade em Sevilha

A presença de distorções cognitivas que perpetuam o desconforto e que incluem uma visão aversiva de si mesmo, do mundo e do futuro, sentimentos de inutilidade, incapacidade de tomar decisões ou realizar atividades do dia-a-dia, evitar desconforto e a dor gerada pela ruptura (às vezes com comportamentos extremos ou compulsivos, como relações sexuais compulsivas ou uso de drogas), extremo isolamento e / ou pensamentos de morte e suicídio, entre outros.

Embora muitas dessas alterações também ocorram durante o luto, ela estará em depressão quando mais extrema, intensa e acentuada. Também na depressão, esses sintomas não se acalmam com o tempo, mas permanecem, ou você pode até ver como eles se intensificam com o passar do tempo.

O que fazer? Diretrizes para superar a tristeza

Superar a dor da ruptura tem seu processo e deve ser respeitado, mas nesse desenvolvimento podemos incorporar diferentes tipos de estratégias para impedir que a dor psicológica se torne crônica ou que o duelo se torne algo mais sério e até uma depressão.

Tente praticar atividades agradáveis

Quando estamos deprimidos ou mesmo durante períodos de luto, é normal que o desejo de fazer as coisas possa ser reduzido. Agora, mesmo que isso nos custe, devemos nos forçar a buscar gratificações e coisas que nos motivam . Se necessário, algo na aparência é tão simples quanto dar um passeio à procura de um único estímulo ou elemento positivo para lembrar.

Também podemos tentar explorar e descobrir novas atividades e lugares. O fato de a outra pessoa não estar em nossa vida não significa que não podemos desfrutá-la.

Apoie-se no seu e evite se isolar

Outro elemento comum quando estamos tristes ou deprimidos é que surge a tendência de isolar ou querer ficar sozinho. A verdade é que isso pode ser bastante prejudicial, pois perpetua o sentimento de abandono e solidão e dificulta a superação do intervalo. É muito mais aconselhável confiar nas pessoas ao nosso redor. Também é importante ser capaz de desabafar e expressar nossos sentimentos, dúvidas e medos (no entanto, sem fazê-lo constantemente ou de outra forma, pode gerar rejeição).

Coma e durma

Falta de sono e nutrientes suficientes tornam a recuperação muito mais difícil, tanto na depressão causada por um colapso quanto em qualquer outra alteração psicológica do humor.

Mesmo se não tivermos apetite, devemos tentar nos forçar a comer de maneira saudável e equilibrada. Quando se trata de dormir, é aconselhável tentar planejar os momentos de sono e preparar um cenário que nos permita relaxar. Também é aconselhável praticar técnicas de relaxamento

Valorize seus pensamentos, crenças e demandas

Quando um relacionamento é rompido, diferentes tipos de crenças e pensamentos podem surgir. É aconselhável tentar revisá-los objetivamente, sem avaliá-los e sem julgá-los. Também é útil perguntar se existe alguma interpretação alternativa .

Aspectos como o que significa ter um parceiro, o que exigimos dos outros e de nós mesmos (às vezes temos demandas ou demandas excessivas e irreais) e que autoimagem que temos são elementos a serem analisados.

Não evite a dor

Um erro frequente que quase todo mundo comete nesses tipos de situações é tentar evitar a dor que sentimos, muitas vezes ativamente.

Embora a distração possa ser útil em determinados momentos, a verdade é que é realmente muito mais eficiente permitir-se sentir dor e desconforto, para que a situação possa ser processada cognitiva e emocionalmente . Por outro lado, não se trata de recriar e felicitar-se pela dor (algo que também seria prejudicial), mas de permitir-se sentir o sofrimento e não negá-lo.

Praticar esportes

O esporte é uma prática muito saudável, que também foi útil para ajudar a combater os sintomas de humor. Uma estratégia útil seria tentar aumentar o nível de exercício que fazemos, algo que eventualmente leva a um aumento de endorfinas que podem nos ajudar a sair do desconforto.

Ir para ajuda profissional

Embora geralmente um duelo não precise de tratamento profissional, se for crônico e, especialmente, se se tornar uma depressão, pode ser necessário solicitar a ajuda de um especialista em psicoterapia .

Pode ser benéfico monitorar algum tipo de terapia ou tratamento psicológico em que aspectos como autoestima, prática de atividades agradáveis ​​ou modificação de vieses cognitivos e crenças disfuncionais, entre outros. Às vezes, a prescrição de um psiquiatra de algum tipo de antidepressivo ou ansiolítico também pode ser necessária, embora como apoio no processo e não como um único tratamento em si.

  • Você pode estar interessado: ” Como encontrar um psicólogo para fazer terapia: 7 dicas “

Referências bibliográficas:

  • Martell, C. et al. (2010). Ativação comportamental para depressão. The Guilford Press
  • Weissman, M., Markowitz, J. e Klerman, G. (2000). Guia Completo de Psicoterapia Interpessoal. Livros básicos

Deixe um comentário