Dilemas éticos: tipos, como lidar com eles e exemplos

Os dilemas éticos , também conhecidos como dilemas morais são situações hipotéticas, onde ele é necessário para fazer uma escolha entre duas opções diferentes. Para que este seja um dilema ético, nenhuma opção deve ser aceitável de acordo com as normas sociais pelas quais a pessoa é governada.

Os dilemas éticos não podem ser resolvidos satisfatoriamente se a pessoa seguir um código moral tradicional. Quando eles surgem, nem a sociedade nem os valores individuais podem fornecer uma resposta aceitável para o indivíduo que precisa tomar a decisão.

Dilemas éticos: tipos, como lidar com eles e exemplos 1

Fonte: pexels.com

Esses tipos de dilemas aparecem principalmente em disciplinas como filosofia, hipoteticamente. Seu principal objetivo é ajudar a pessoa solicitada a refletir sobre seus próprios valores, ética e código moral. No entanto, é possível que, em algum momento de nossa vida, nos deparemos com alguma decisão desse tipo.

O uso de dilemas éticos como forma de ensino remonta a civilizações tão antigas quanto a Grécia e o Império Romano. Hoje eles ainda são usados ​​em alguns contextos educacionais, mas também aparecem em questões fundamentais da política e da vida cotidiana; portanto, entender e aprender a resolvê-los é mais importante do que nunca.

O que são dilemas éticos?

Dilemas éticos são situações em que uma escolha entre duas opções é apresentada, sendo ambas moralmente inaceitáveis ​​para a pessoa. Essas situações podem ocorrer hipoteticamente, como parte de um exercício filosófico para entender melhor a ética e o próprio sistema de valores; ou eles podem aparecer na vida real.

Quando surge um dilema ético, as duas opções possíveis contradizem, de alguma maneira, o sistema de valores da pessoa diante da situação ou as normas morais da sociedade ou cultura em que está imersa. De qualquer forma, escolher entre as duas opções é muito difícil.

Freqüentemente, dilemas morais apresentam à pessoa uma situação de perda-perda . Isso significa que, independentemente da opção escolhida, haverá consequências negativas e que serão consideradas aceitáveis. No entanto, normalmente as duas opções também têm consequências positivas, tornando a escolha ainda mais difícil.

Esses dilemas podem surgir em um nível hipotético, em áreas como a educação, como método de ensino. No entanto, na vida real também pode haver situações que possam causar um dilema moral.

Condições que devem ser atendidas para que um dilema ético ocorra

Dilemas éticos: tipos, como lidar com eles e exemplos 2

Existem basicamente três condições que devem estar presentes em uma situação para que possa ser considerado um dilema moral. O primeiro ocorre em situações nas quais um indivíduo, conhecido como “agente”, precisa tomar uma decisão sobre qual curso de ação é melhor.

Isso implica que uma situação desconfortável ou contrária aos valores de uma pessoa, mas que não implica uma decisão, não poderia ser considerada um dilema ético. Por outro lado, a segunda condição tem a ver com a existência de vários cursos de ação possíveis, os quais estariam relacionados à primeira condição.

Finalmente, o terceiro requisito para uma situação ser considerada um dilema ético é que, independentemente da decisão tomada, é necessário violar um princípio moral. Em outras palavras, nessas situações, não há solução perfeita.

Relacionado:  Heráclito: biografia, filosofia e contribuições

Para que servem?

Como já vimos, os dilemas morais são frequentemente usados ​​como um recurso educacional na sala de aula. Eles são especialmente usados ​​em assuntos como filosofia ou ética; e, dependendo da situação e do contexto, eles podem desempenhar diferentes funções.

Por exemplo, dilemas éticos são muito úteis para ajudar um aluno a refletir sobre seus próprios valores e sistema moral. Quando é necessário escolher entre dois valores, é mais fácil perceber qual deles é considerado mais importante.

Por outro lado, a discussão de dilemas morais de grupo pode servir para promover a capacidade de debate entre os estudantes. É muito comum os alunos diferirem no caminho que seguiriam, de modo que uma discussão muito enriquecedora possa ser gerada em torno dessas situações hipotéticas.

Por fim, se um dilema moral for discutido em um grupo, os alunos poderão perceber que existem outras pessoas que têm pontos de vista diferentes dos seus. Isso pode ser muito útil para promover valores como tolerância e respeito.

Tipos

Dilemas éticos: tipos, como lidar com eles e exemplos 3

Dependendo das diferentes características e variáveis, geralmente falamos sobre seis tipos de dilemas morais: hipotético, real, aberto, fechado, completo e incompleto. A seguir, veremos no que cada um deles consiste.

Dilemas hipotéticos

Dilemas hipotéticos são aqueles em que a pessoa se depara com uma situação que dificilmente será enfrentada na vida real. A maioria dos utilizados em um contexto educacional pertence a esta categoria.

Nos dilemas hipotéticos, geralmente é apresentada uma história, na qual o aluno deve decidir o que o protagonista deve fazer com base em seus próprios valores e crenças. No entanto, em alguns casos, o aluno deve responder com base no que ele pensa que faria em uma situação semelhante.

As situações colocadas nos dilemas hipotéticos não são completamente impossíveis, mas simplesmente incomuns. Isso é importante, pois, se as situações fossem consideradas totalmente fora da realidade, os alunos teriam muito mais dificuldade em ter empatia com a história e se colocar na pele do protagonista.

Dilemas reais

De muitas maneiras, os dilemas reais são o oposto dos hipotéticos. São situações reais nas quais a pessoa precisa tomar uma decisão complicada ou um exemplo educacional que tem uma relação muito mais próxima com a vida do próprio aluno.

Em geral, dilemas reais geralmente envolvem situações muito menos dramáticas do que situações hipotéticas. No entanto, devido à relação do dilema com a própria vida da pessoa, emoções muito mais intensas podem ser despertadas.

Quando um dilema ético ocorre naturalmente na vida da pessoa, as consequências no nível psicológico podem ser bastante prejudiciais. Isso ocorre porque o indivíduo precisa tomar uma decisão que contradiga um de seus valores, que às vezes causa problemas emocionais mais ou menos graves.

Dilemas abertos

Quando surge um dilema aberto, os alunos recebem todas as informações necessárias sobre uma situação; no entanto, eles não são explicados como a história é resolvida. Seu objetivo é incentivar os alunos a discutir o curso de ação que deve ser seguido pelo protagonista da ação.

Esse tipo de dilema ético é útil para forçar os alunos a tomar uma decisão complicada e escolher qual dos seus valores é mais importante para eles. No entanto, às vezes eles podem gerar muito debate; e se a situação for muito extrema, eles podem ficar desconfortáveis ​​em responder.

Relacionado:  Trasímaco: Biografia, Pensamento e Obras

Dilemas fechados

Em dilemas fechados, os alunos são informados não apenas sobre qual é a situação, mas também sobre a decisão tomada pelo protagonista da história. O objetivo dos alunos, portanto, é discutir entre si se a pessoa fez a coisa certa ou não e por quê.

Os dilemas fechados são menos comprometidos, no sentido de que os alunos precisam apenas julgar as ações de outra pessoa (real ou hipotética) em vez de ter que tomar sua própria decisão. Mas, por esse mesmo motivo, eles geram menos aprendizado e menos envolvimento emocional.

Dilemas completos

Quando um dilema ético completo é apresentado, todos os detalhes da situação analisada são compartilhados com os alunos. Dessa forma, os participantes conhecem perfeitamente as consequências de cada uma das opções possíveis.

Portanto, os alunos não precisam refletir muito sobre os possíveis resultados de cada um dos cenários e se concentrar apenas no dilema moral proposto. No entanto, muitas vezes o aprendizado alcançado com esse tipo de situação não é tão completo quanto o fornecido em outros tipos.

Dilemas incompletos

Ao contrário do que ocorre nos dilemas éticos completos, nos alunos incompletos não se conhecem todas as consequências decorrentes das possíveis escolhas do protagonista da história.

Isso implica que, antes de escolher qual caminho eles devem seguir, os alunos precisam usar sua criatividade e imaginação para determinar o que aconteceria em cada caso. Isso pode não apenas envolvê-los na história, mas, em geral, melhorará o aprendizado e incentivará o debate.

Como enfrentar dilemas éticos?

Dilemas éticos: tipos, como lidar com eles e exemplos 4

Já vimos que a maioria dos dilemas éticos é hipotética e, como tal, não têm consequências reais na vida das pessoas que os enfrentam. No entanto, o que acontece quando nos encontramos em uma situação em que temos que tomar essa decisão?

Para nos ajudar a fazer a escolha mais apropriada se alguma vez enfrentarmos uma situação dessas em nossas vidas, diferentes sistemas foram desenvolvidos para enfrentar um dilema ético real.

A seguir, veremos quais etapas a serem seguidas ao enfrentar um desses cenários.

Estabelecer os fatos que cercam a situação

A primeira coisa a fazer quando se depara com um dilema ético é determinar se a situação realmente requer uma decisão que contraria os próprios valores.

Às vezes, o conflito é apenas aparente, por isso é necessário refletir profundamente sobre o que está acontecendo para tentar encontrar uma solução alternativa.

Reflita sobre os valores envolvidos

Se foi determinado que realmente existe um conflito entre vários valores, independentemente da decisão tomada, o próximo passo é identificar quais estão envolvidos. Mais tarde, uma vez que você esteja realmente ciente do que está em jogo com cada opção, poderá ser tomada uma decisão fundamentada.

Imagine, por exemplo, que uma pessoa precise cuidar de sua família, mas não tenha dinheiro para comprar comida ou uma maneira de obtê-la. Um dia, andando na rua, há uma carteira cheia de dinheiro. A pessoa teria que decidir entre levar a carteira para a polícia e ser um bom cidadão, ou usar o dinheiro de outra pessoa para cuidar de si.

Relacionado:  Karl Jaspers: biografia, filosofia, obras e frases

Nessa situação, poderíamos identificar, por um lado, o valor da pessoa de não usar dinheiro que não é seu e, por outro, o de alimentar sua família. A pessoa envolvida teria que refletir sobre qual deles é mais importante antes de tomar uma decisão.

No exemplo anterior, é importante enfatizar que não haveria uma resposta completamente correta: em ambos os cenários, a pessoa teria que sacrificar um de seus valores para seguir o outro.

Implementar o plano e refletir sobre os resultados

Depois que os valores envolvidos em uma situação específica forem identificados, e qual deles é mais importante, o próximo passo é agir com base nessa hierarquia. Geralmente, nesses cenários, muitas vezes é muito prejudicial evitar tomar uma decisão por medo de cometer um erro.

Por fim, uma vez executada a ação, seria necessário refletir sobre as consequências que causou. Dessa forma, se uma situação semelhante surgir no futuro, seria possível tomar uma decisão melhor e mais fácil.

Exemplos

A seguir, veremos dois exemplos concretos de dilemas éticos para entender ainda melhor em que consistem.

O dilema de Heinz

É um dos exemplos mais usados ​​de dilema moral. Nele, Heinz precisa comprar um remédio para sua esposa, que está morrendo e não sobreviveria sem ele. No entanto, embora o medicamento custe 1000 euros, o único farmacêutico que o vende aumentou o preço e pede 5000 euros.

Heinz conseguiu coletar apenas 2500 e não tem como ganhar mais dinheiro. Embora o homem explique a situação ao farmacêutico, ele se recusa a vender o remédio mais barato ou a pagar metade depois. Neste ponto, Heinz planeja roubar o medicamento. O que devo fazer nesta situação?

Dilema “furtivo”

Um estudante do ensino médio fez um grafite na fachada do prédio, e o diretor do centro quer saber quem é o responsável. Para conseguir isso, ameaça todos os alunos da turma em que o culpado suspende o ano acadêmico, a menos que seja entregue, ou alguém lhe diga quem fez o grafite.

Outro aluno sabe quem é o responsável e está enfrentando um dilema. Devo dizer ao diretor quem foi para evitar todos os seus companheiros o castigo? Ou, pelo contrário, seria melhor ele ficar calado para não se tornar um “furtivo”?

Referências

  1. “Dilemas éticos” em: Psicologia e Mente. Retirado em: 25 de fevereiro de 2019 de Psychology and Mind: psicologiaymente.com.
  2. “O que é um dilema ético?” In: The New Social Assistant. Retirado em: 25 de fevereiro de 2019 de The New Social Worker: socialworker.com.
  3. “Resolvendo dilemas éticos” em: BC Campus. Retirado em: 25 de fevereiro de 2019 do BC Campus: opentextbc.ca.
  4. “Como lidar com um dilema ético” em: Sociedade de Finanças Pessoais. Retirado em: 25 de fevereiro de 2019 da Personal Finance Society: thepfs.org.
  5. “Dilema ético” em: Wikipedia. Retirado em: 25 de fevereiro de 2019 da Wikipedia: en.wikipedia.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies