Dislalia: sintomas, causas e tratamento

A dislalia é um dos distúrbios de linguagem mais comuns entre as crianças durante o período primário e pré-escolar.É um distúrbio da articulação dos diferentes fonemas ou grupos de fonemas.

Na dislalia, os órgãos envolvidos na fala, também chamados de órgãos fonoarticulatórios (lábios, mandíbula, véu do palato, língua etc.), são colocados de maneira incorreta, resultando em uma pronúncia inadequada de certos sons ou fonemas.

Dislalia: sintomas, causas e tratamento 1

Exemplos de dislalia

A dislalia é caracterizada pela presença de erros na articulação dos sons da fala em pessoas que não apresentam patologia relacionada ao sistema nervoso central .

Em algumas ocasiões, esse defeito de pronúncia derivado de uma má articulação pode ser automatizado e normalizado, isso é evidenciado na linguagem escrita.

A dislalia pode afetar qualquer consoante ou vogal. No entanto, a alteração da pronúncia ocorre com mais frequência em alguns sons, como, por exemplo, o / r /, pois sua articulação exige maior agilidade e precisão em seus movimentos.

Também ocorre geralmente no / k /, porque o ponto de articulação não é visível e, portanto, a imitação é mais difícil, assim como no / s /, onde a deformação ocorre na posição articulatória da língua.

Tipos de dislalia

Dislalia: sintomas, causas e tratamento 2

Seguindo Pascual (1988), a dislalia pode ser classificada de acordo com sua etiologia. Assim, distinguimos entre:

Dislalia evolutiva ou fisiológica

Esse tipo de dislalia ocorre em algumas fases do desenvolvimento da fala das crianças, nas quais as crianças ainda não articulam bem sons diferentes ou distorcem alguns fonemas.

As causas desse fenômeno podem ser imaturidade, ausência de discriminação auditiva, falta de controle da respiração, distúrbios respiratórios ou movimentos inadequados nos órgãos articulatórios.

Na evolução da maturidade da criança, essas dificuldades são superadas, somente se persistirem entre quatro ou cinco anos é quando consideramos isso patológico.

Dislalia audiogênica

A etiologia da dislalia audiogênica está na presença de um déficit auditivo que é acompanhado por outros distúrbios de linguagem, como voz e ritmo.

Para poder articular os sons de maneira adequada, é essencial uma audição correta.

Dislalia orgânica

A dislalia orgânica se origina devido a uma lesão no sistema nervoso central (disartria) ou devido a uma alteração orgânica dos órgãos periféricos da fala sem danificar o sistema nervoso central (disglossia).

Dislalia funcional

A dislalia funcional é gerada devido ao funcionamento inadequado dos órgãos articulatórios, sem evidência de dano ou dano ao órgão. Entre as dislalias funcionais, distinguimos os desvios fonéticos e os desvios fonológicos.

Distúrbios fonéticos são alterações na produção de fonemas. A alteração está focada no aspecto motor da articulação.

Os erros são estáveis ​​e é possível observar que os erros no som aparecem igualmente na repetição da linguagem espontânea. Não há alteração nos processos de discriminação auditiva.

Os distúrbios fonológicos são alterações no nível perceptivo-organizacional, ou seja, nos processos de discriminação auditiva, afetando os mecanismos de conceituação de sons e a relação entre significado e significância.

Nesses casos, a expressão da linguagem oral é ruim e, dependendo da gravidade, pode se tornar ininteligível.

Os erros geralmente estão flutuando. Isoladamente, os sons podem ser bem articulados, mas a pronúncia da palavra é afetada.

Causas da dislalia funcional

Entre as causas mais comuns de dislalia funcional estão:

Fraca capacidade motora

Há dificuldade em articular a linguagem e as habilidades motoras finas. Parece haver uma relação direta entre o atraso motor e o grau de atraso do idioma nas alterações de pronúncia.

Essa é a causa mais frequente nos casos de dislalia. As crianças com dislalia apresentam falta de jeito nos movimentos dos órgãos articulatórios e déficit na coordenação motora geral, o que só é observável em termos de habilidades motoras finas.

Dificuldades na percepção do espaço e do tempo

Nesses casos, na pessoa com dislalia há dificuldades na percepção e organização do espaço e do tempo.

Se a criança tem dificuldade em percebê-la e não internalizou as noções espaço-temporais, a linguagem é difícil.

O desenvolvimento dessa percepção é importante para a linguagem evoluir.

Falta de compressão ou discriminação auditiva

O indivíduo não pode imitar os sons porque não os percebe corretamente, ou seja, ele não é capaz de discriminar.

Às vezes a criança ouve bem, mas analisa ou faz uma integração inadequada dos fonemas que ouve.

Fatores psicológicos

Existe uma grande variedade de fatores psicológicos que podem afetar o desenvolvimento da linguagem, como qualquer tipo de distúrbio de afeto, desajustamento familiar, falta de amor, ciúmes entre irmãos, trauma ou ambientes superprotetores.

Fatores ambientais

Entre os fatores ambientais, existem situações de bilinguismo, superproteção materna, institucionalização da criança ou aprendizado por imitação, bem como em um nível cultural baixo.

Discapacidade intelectual

Nesses casos, a dislalia funcional seria secundária ao déficit intelectual.

Sintomas

Os sintomas da dislalia variam dependendo do grau de envolvimento. A dificuldade da articulação pode variar de um fonema específico a muitos fonemas, tornando a linguagem ininteligível.

A sintomatologia consiste na comissão de erros. Os erros que são cometidos com mais frequência na dislalia são:

Substituição

O erro de substituição é substituir um som por outro.

Por exemplo, o indivíduo não consegue pronunciar o som / r /, substituindo-o por outro fonema mais simples, como o som / l /, ou seja, “brass” em vez de “mouse”.

Às vezes, a criança comete esse erro de substituição devido ao déficit de discriminação auditiva, ou seja, a criança percebe indevidamente uma palavra e emite esse som como ele a percebe.

Por exemplo, a criança percebe “furboneta” em vez de “van”. A substituição pode ocorrer no início, no meio ou no final da palavra.

Distorção

O erro de distorção ocorre quando damos a ele uma forma incorreta ou deformada, tentando aproximar mais ou menos a junta apropriada.

Eles são principalmente devido à colocação inadequada dos órgãos de articulação. Por exemplo, a criança diz “eu perco” em vez de “cachorro”.

Omissão

O indivíduo omite o fonema que ele não pode pronunciar, mas não o substitui.

Às vezes, essa omissão é de um único fonema como “osquilleta” em vez de “rosquilleta” e outras vezes a omissão é de uma sílaba completa “lota” em vez de “ball”.

No caso de ter que pronunciar dois grupos consoantes “bla”, “cri” etc., a consoante líquida é omitida.

Adendo

O erro de adição é adicionar um fonema à palavra para facilitar a pronúncia.

Por exemplo “tigres” em vez de “tigres”, “cuatoro” em vez de “quatro” ou diga “maratona” em vez de “mouse”.

O problema com esse tipo de erro é que ele pode ser automatizado e convertido em outra palavra.

Investimentos

O erro de inversão consiste em modificar a ordem dos sons. Por exemplo, diz “tapa” em vez de “jaqueta”.

Avaliação

Para a avaliação da dislalia funcional em crianças, devemos levar em consideração os seguintes aspectos:

– Entrevista com os pais

A entrevista com os pais é de grande relevância para obter uma anamnese do problema, tanto pessoal quanto familiar.

Esta entrevista é o primeiro passo necessário em qualquer diagnóstico. Não apenas os dados estritamente lingüísticos serão explorados, mas também aqueles que se referem à maturação geral.

Esta entrevista coletará informações relacionadas a dados pessoais, como histórico pessoal, desenvolvimento motor, personalidade , escolaridade e dados da família.

– Joint

Para realizar a avaliação das dislalias, é necessário examinar a articulação para saber exatamente quais são os defeitos que o sujeito apresenta.Essa avaliação da pronúncia deve ser completa e sistemática para que não leve a um diagnóstico incorreto.

Portanto, é necessário detalhar a situação do problema fonema, se ele é inicial, intermediário ou final e a que tipo de expressão se refere, se a linguagem repetida, dirigida ou espontânea, dependendo da frequência, variará suas dificuldades de articulação de um para outro. outro.

É necessário considerar que as dificuldades que surgem na linguagem repetida também aparecerão na linguagem dirigida e espontânea, pois assumimos que, se a criança não puder imitar, ela também não será capaz de fazê-lo espontaneamente.

Para a avaliação da linguagem repetida, é utilizada uma lista de palavras nas quais o som examinado está contido em todas as situações mencionadas.Para avaliar a linguagem alvo, apresentamos alguns objetos ou desenhos conhecidos da criança, cujos nomes contêm o fonema a ser examinado.

Para avaliar linguagem espontânea, são utilizadas conversas informais, perguntas etc. Assim, uma avaliação psicológica poderia ser considerada se houver disparidade entre linguagem repetida e espontânea, sendo a primeira elaborada corretamente, enquanto a fala espontânea se torna ininteligível.

Isso poderia nos levar a considerar um problema emocional-emocional, caso em que seria necessária uma exploração psicológica da criança.

– Habilidades motoras

Em muitos casos, um atraso motor pode ser um fator causal que favorece o aparecimento de uma dislalia funcional.

Às vezes, o atraso motor é generalizado e, em outros casos, a dificuldade está especificamente no movimento dos órgãos articulatórios.

– Discriminação auditiva

É importante avaliar a capacidade de percepção auditiva que se refere à discriminação de sons, articulações e palavras ambientais.

Para realizar esta avaliação, serão propostos pares de cada uma das três áreas a serem examinadas:

Discriminação de sons ambientais:

Para avaliar a discriminação de sons ambientais, sons familiares são usados, por exemplo, folhas de jornais.

O estímulo A será o “rasgar de uma folha de jornal” e o estímulo B será “enrugar uma folha de jornal”, o sujeito de costas para o profissional deve dizer que som pertence a qual ação.

Discriminação conjunta:

Para avaliar a discriminação conjunta, escolheremos três sílabas semelhantes, como “ba”, “da”, “ga”.

Esses estímulos são apresentados em pares e o indivíduo deve ser capaz de discriminar o que é cada som.

Discriminação de palavras:

Para avaliar a discriminação de palavras, as palavras são escolhidas para avaliar a capacidade de discriminar sons articulares inseridos nas palavras.

Para fazer isso, é solicitado que você repita as palavras que você está apresentando em pares, se forem diferentes ou se forem as mesmas palavras, como “pequeno”, “boca” / “gato”, “pato /.

  • Respiração

A respiração é necessária para a emissão da voz e a articulação da linguagem.

É importante conhecer a capacidade respiratória do indivíduo, se existem defeitos no processo respiratório e o controle e direcionalidade do ar expirado.

– Tom muscular e relaxamento

A tensão muscular desempenha um papel na articulação da linguagem. Especialmente na área oral, pois às vezes bloqueia a agilidade de articular palavras.

Tratamento na dislalia funcional

Para desenvolver um programa de articulação, devemos estabelecer:

  1. O objetivo que queremos alcançar, no nosso caso, a articulação correta de um fonema ou grupo de fonemas que não é possível espontaneamente.
  2. Definir o comportamento: articulação correta de um ou vários fonemas em espanhol.
  3. Pré-requisitos: que a criança possa prestar atenção, imitar e seguir as instruções orais. O ouvido e o dispositivo sonoro devem funcionar normalmente.

Moldagem é uma técnica operacional usada para aumentar o comportamento. Essa técnica é indicada quando o comportamento que queremos alcançar não existe.Para isso, reforçaremos as aproximações (as partes em que dividimos o comportamento) até atingirmos o objetivo final.

O reforçador deve ser contingente e deve ser entregue imediatamente após a emissão da conduta.Para aplicar a moldagem é necessário:

  1. Defina o comportamento final que queremos alcançar.
  2. Selecione os reforçadores a serem usados.
  3. Estabeleça a linha de base ou o ponto inicial.
  4. Estabeleça aproximações sucessivas.
  5. Saiba como usar outras técnicas comportamentais, como instruções, modelagem, orientação física ou indução situacional.
  6. Reforçar imediatamente

As fases que seguiremos serão:

  1. Linha de base : na fase de avaliação, podemos saber quais fonemas são os que causam problemas e em que posição da palavra eles causam mais dificuldade.
  2. Moldagem fonêmica das articulações : o profissional atua como modelo articulando o fonema duas vezes.
  3. Moldagem do fonema em linguagem repetida . Uma lista de palavras e frases é preparada com o fonema com o qual estamos lidando.
  4. Moldagem do fonema em toques . Apresentamos objetos, fotos ou desenhos contendo o fonema tratado. Passamos para a próxima fase após 10 respostas apropriadas.
  5. Moldagem do fonema em intraverbal . Fazemos uma lista com dez perguntas cuja resposta implica que o fonema interveio.
  6. avaliação final . Apresentamos as palavras que apresentamos para estabelecer a linha de base e, assim, sabemos se existem diferenças entre o teste e o reteste.
  7. Generalização . Avaliamos outros ambientes da criança e treinamos professores, pais, etc. atuar como co-terapeutas da intervenção.
  8. Rastreamento . Cerca de duas vezes por mês, passaremos novamente no teste de linha de base para verificar se a intervenção está sendo ótima.

Referências bibliográficas

  1. Aldana, Y. (2007). Manual prático para professores. Atividades para trabalhar dislalias funcionais em crianças entre 6 e 10 anos de idade. Maracaibo: UNICA
  2. Alonso, P. (2010). Dislalia (classificação, diagnóstico e tratamento). Revista digital magazine 2 pp.159-162.
  3. Barros, A. e Flores, F. (1974). Dislalia: problema de linguagem ou fala? Rev. Chileno de Pediatria 45 (6) pp. 501-504.
  4. Moreno, R e Ramírez MA (2012). Os quartos da dislalia . ReiDoCrea (1) pp. 38-45.
  5. Regal. N. (1999). Dislalias Rev. Cubana Ortod 14 (2), 89-93.
  6. Rodríguez, E. (2010). Alunos com dislalia: avaliação e intervenção. Revista Digital: Reflexões e experiências inovadoras em sala de aula (25).

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies