Ecdisozoos: características, habitat, reprodução, alimentação

Os ecdisozoos são um grupo de animais que pertencem ao superfile dos ecdisozoários. Agrupa um grande número de animais como nematóides, artrópodes, tardígrados e onicóforos, entre muitos outros. Eles devem seu nome a um processo de muda que experimentam, conhecido como ecdisis.

Esse superfile não é totalmente reconhecido por todos os especialistas. Foi estabelecido há alguns anos, mas sua aceitação representaria uma reestruturação total no que diz respeito a sistemática e filogenética.

Ecdisozoos: características, habitat, reprodução, alimentação 1

Ascaris lumbricoides, um exemplo de ecdisozoo. Fonte: Veja a página do autor [Domínio público]

O estudo dos ecdisozoários é um desafio, dada a diversidade de espécies que abrange, além de ser interessante, pois é constituído por um grupo de animais de grande importância para os diferentes ecossistemas em que se encontram.

Caracteristicas

Ecdisozoários são animais que pertencem ao grupo de organismos eucarióticos multicelulares. Isso significa que, em suas células, o material genético (DNA) é delimitado no núcleo celular, formando os cromossomos.

Também são constituídos por diferentes tipos de células, especializadas em diversas funções, como secreção de substâncias, absorção e reprodução, entre outras.

Esses animais são classificados como triblásticos com simetria bilateral. Durante seu desenvolvimento embrionário, as três camadas germinativas estão presentes: ectoderma, mesoderma e endoderma. Essas camadas são o ponto de partida para o desenvolvimento dos diferentes tecidos que compõem o animal adulto.

Na maioria das espécies, o corpo dos ecdisozoários é coberto por uma cutícula resistente que fornece proteção. Eles são pequenos e existem até alguns microscópicos.

Em relação à anatomia interna, os ecdisozoários têm um sistema digestivo completo, com um orifício de entrada, que é a boca, e uma saída, que é o ânus. Algumas espécies não têm sistema circulatório ou respiratório, enquanto outras têm e são rudimentares.

As espécies de animais que compõem o grupo de ecdisozoários são dióicas, o que significa que existem indivíduos do sexo masculino e feminino. Em alguns, o dimorfismo sexual também é evidente, no qual o homem tende a ser muito menor que o feminino.

Taxonomia

A classificação taxonômica dos ecdisozoários é a seguinte:

Domínio: Eukarya.

Reino: Animalia.

Subreino: Bilateria.

Protostomia

Superfilo: Ecdysozoa.

Habitat e distribuição

Os ecdisozoários são um amplo grupo de animais que engloba um grande número de bordas. É por isso que eles são encontrados em todos os ecossistemas do planeta, tanto aquáticos quanto terrestres.

Devido à grande variedade de espécies que podem ser encontradas dentro desse grupo de animais, é possível encontrá-las nos ecossistemas marinhos e de água doce.

Eles também conseguiram desenvolver mecanismos para se adaptar a diferentes níveis de temperatura, para que possam ser encontrados, tanto em águas tropicais de temperaturas quentes quanto em águas frias.

Ecdisozoos: características, habitat, reprodução, alimentação 2

Priapulus caudatus, exemplo de ecdisozoo aquático. Fonte: Shunkina Ksenia [CC BY 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)]

Em relação aos ecossistemas do tipo terrestre, os ecdisozoários também conseguiram conquistar todos os nichos ecológicos. Obviamente, cada espécie está perfeitamente equipada para sobreviver nos diferentes ecossistemas em que habita. É assim que existem ecdisozoários em desertos, florestas, estepes, selvas e muitos outros ecossistemas tão diferentes um do outro.

Algumas espécies que são parasitas também estão incluídas nos ecdisozoários. Levando isso em conta, seu habitat natural está dentro do corpo de algum hospedeiro. É o caso do Ascaris lumbricoides , localizado no intestino do ser humano, ou do Toxocara canis que parasita o cão.

Reprodução

Os ecdisozoários são um grupo tão grande de animais que exibem vários mecanismos de reprodução. Existem espécies, como alguns nematóides, que se reproduzem assexuadamente, por meio da partenogênese, enquanto outras espécies, como a maioria dos artrópodes, se reproduzem sexualmente.

Reprodução assexuada

A reprodução assexuada não requer a fusão de gametas feminino e masculino. Partenogênese é um processo pelo qual um indivíduo é gerado a partir de um ovo.

Ele começa a experimentar divisões contínuas até se tornar um espécime adulto da espécie. Às vezes, são as condições ambientais que determinam se a partenogênese ocorre ou não.

Reprodução sexual

A reprodução sexual também apresenta algumas variações. Por exemplo, existem algumas espécies que têm ritos de namoro, como escorpiões ou alguns insetos.

Continuando com a reprodução sexual, a fertilização pode ser interna ou externa. No primeiro caso, ocorre dentro do corpo da fêmea. Isso pode ser por meio da relação sexual ou pela introdução de uma estrutura conhecida como esperma na costa, na qual o esperma está contido.

A fertilização externa ocorre fora do corpo da fêmea. É muito mais comum nos organismos que habitam os ecossistemas aquáticos, pois liberam os gametas para o ambiente aquoso e estes estão ocorrendo fertilização.

Da mesma forma, os membros desse superfilo podem ser ovíparos ou ovovivíparos. Ovíparos são aqueles que se desenvolvem a partir de ovos fora do corpo da fêmea. Por outro lado, os ovovivíparos são aqueles que também se desenvolvem nos óvulos, a diferença em relação aos ovíparos, é que esse óvulo está dentro do corpo da fêmea.

Com relação ao desenvolvimento, neste tipo de animal é apresentado o tipo de desenvolvimento indireto. Nisso, os filhotes produzidos devem passar por um processo de muda (ecdisis) até atingirem a aparência e a forma de um indivíduo adulto.

Alimento

Os ecdisozoários representam um grupo amplo e diversificado de animais, no qual os métodos de nutrição são igualmente variados. De qualquer forma, generalizando, as formas mais comuns de alimento são parasitismo e predação.

No caso daqueles que são parasitas, existem espécies que são hematófagas, ou seja, se alimentam do sangue de seus hospedeiros. Por sua vez, existem outros que se alimentam dos nutrientes ingeridos por seus hospedeiros (como a minhoca) e muitos outros que se alimentam dos restos de tecidos mortos.

Finalmente, também existem espécies predadoras que podem se alimentar de pequenos invertebrados e até casos de canibalismo foram relatados. Dentro dos predadores, existem alguns que até secretam veneno e o inoculam em suas presas, para que possam ser manuseados com mais facilidade.

Ecdisozoos: características, habitat, reprodução, alimentação 3

Tardigrade visto sob o microscópio. Isso se alimenta de pequenos invertebrados. Fonte: Tommy, da Arad [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)]

Referências

  1. Aguinaldo, A., Turbeville, J., Linford, L., Rivera, M., Garey, J., Raff, R. e Lake, J. (1997). Evidências para um clado de nemátodos, artrópodes e outros animais mudos. Natureza 387 (6632)
  2. Brusca, RC & Brusca, GJ, (2005). Invertebrados, 2ª edição. McGraw-Hill-Interamericana, Madri
  3. Curtis, H., Barnes, S., Schneck, A. e Massarini, A. (2008). Biologia Editorial médico pan-americano. 7ª edição
  4. Dunford, J., Somma, L., Serrano, D. e Rutledge, C. (2008). Ecdysozoa. Enciclopédia de Entomologia.
  5. Hickman, CP, Roberts, LS, Larson, A., Ober, WC e Garrison, C. (2001). Princípios integrados de zoologia (Vol. 15). McGraw-Hill
  6. Nielsen, C. (2003). Propondo uma solução para a controvérsia Articulata – Ecdysozoa. Scripta Zoo. 32 (5)
  7. Telford, M., Bourlat, S., De Economou, A. e Papillon, D. (2008). A evolução dos ecdysozoa. Transações filosóficas das Ciências Biológicas da Royal Society. 363 (1496)

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies