Elena Garro: biografia, estilo, obras e frases

Elena Delfina Garro Navarro (1916-1998) foi uma escritora, dramaturga, roteirista e jornalista mexicana. O desenvolvimento de seu trabalho foi enquadrado por críticas dentro do realismo mágico, isto é, a expressão do irreal na vida cotidiana. Além disso, foi considerado um dos intelectuais mais relevantes do século XX.

O trabalho de Garro abrangeu diferentes gêneros literários, entre os quais: poesia, romance, história e ensaio. Seus escritos eram caracterizados por magia e mistério, também pelo desenvolvimento de temas tabus para a sociedade em que ele vivia, como o direito das mulheres de serem livres.

Elena Garro: biografia, estilo, obras e frases 1

Elena Garro Fonte: Documentação da CITRU [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons

Alguns estudiosos da vida de Elena, bem como seu próprio testemunho, concordaram que sua coexistência conjugal com o escritor Octavio Paz era difícil. O desenvolvimento de sua obra literária foi ofuscado e paralisado por um tempo, tanto pelo casamento quanto por uma série de eventos infelizes que aconteceram.

Biografia

Nascimento e família

Elena Garro nasceu em 11 de dezembro de 1916 na cidade de Puebla de los Angeles, Puebla. Veio de uma família de classe média e politicamente revolucionária. Seus pais eram José Antonio Garro Melendreras, espanhol, e Esperanza Navarro, mexicano. O casamento teve cinco filhos.

Formação Educacional de Elena Garro

Elena Garro viveu seus primeiros anos de infância na cidade de Iguala, no estado de Guerrero, onde recebeu sua primeira educação. Em 1928, quando tinha doze anos, foi para a Cidade do México, onde concluiu seus estudos no ensino médio. Então ele entrou na escola San Idelfonso, onde estudou no ensino médio.

Elena Garro: biografia, estilo, obras e frases 2

Escudo da UNAM, Universidade Nacional Autônoma do México. Fonte: Ambos, o escudo e o lema, José Vasconcelos Calderón [Domínio público], via Wikimedia Commons

Logo, ele começou a treinar filosofia e letras na Universidade Nacional Autônoma do México. Mais tarde, na mesma casa de estudos, iniciou seu treinamento em letras em espanhol, pois desde tenra idade manifestou sua capacidade e capacidade de escrever.

Casamento com Octavio Paz

Quando Elena Garro ainda estava na faculdade, conheceu o escritor Octavio Paz. Então, em 1937, quando ela tinha apenas 21 anos, eles se casaram; isso significava que Garro não terminou sua carreira em letras espanholas, porque um mês viajaram para a Espanha. Eles tiveram uma filha chamada Helena.

Experiência na Espanha

Elena Garro: biografia, estilo, obras e frases 3

II Congresso Internacional de Escritores para a Defesa da Cultura. Fonte: II Congresso Internacional de Escritores para a Defesa da Cultura [Domínio público], via Wikimedia Commons

Recém casado, Garro viajou com o marido para a Espanha, para participar do II Congresso Internacional de Escritores Anti-Fascistas em Defesa da Cultura. Essa experiência ajudou a escritora a desenvolver Memórias da Espanha em 1937, onde expressou o comportamento das personalidades presentes.

Situação com Paz

Segundo os estudantes da vida de Garro, e sua própria versão, desde o início seu casamento com Paz estava destinado a fracassar. No início dos anos quarenta, seu marido era infiel com Bona Tibertelli, que era pintora. Enquanto Elena se apaixonou por Adolfo Bioy Casares, escritor argentino.

Elena Garro vivia na sombra do marido, suas atividades profissionais eram reduzidas. Em 1947, a escritora tentou tirar a própria vida porque se sentia deprimida e frustrada. No entanto, foi substituído e o casamento conseguiu sobreviver mais alguns anos.

Companheiro de um diplomata

Pouco depois de voltar da Espanha, Garro e seu marido foram morar nos Estados Unidos, ele obteve uma bolsa de estudos. Depois, ela se especializou na Universidade da Califórnia em Berkeley e começou uma vida de viagem com o marido.

Embora Elena Garro tivesse talento para letras e escrita, por um longo tempo ela não conseguiu se dedicar a essa tarefa. Isso porque ele teve que se comportar como a esposa de um diplomata, já que Octavio Paz por uma década exerceu essa função em vários países.

Elena veio à luz

Elena voltou ao México em 1953, depois de viver dez anos fora, na França, Índia e Japão, na companhia de seu marido. Três anos depois de se estabelecer em seu país, ele conseguiu publicar três títulos, dramáticos e de curta duração.

Elena Garro: biografia, estilo, obras e frases 4

Octavio Paz, que era seu marido. Fonte: Foto: Jonn Leffmann [CC BY 3.0], via Wikimedia Commons

Os títulos que a tornaram conhecida como dramaturga em 1956 foram: Os pilares da sra. Blanca, Caminhando pelos galhos e Uma casa sólida. O último foi o mais renomado, foi publicado em 1957 em duas revistas. Em 1959, ela se separou do marido Octavio Paz.

Um tempo de escuridão

Nos anos sessenta, Elena Garro experimentou uma série de vicissitudes que a levaram a viajar por um caminho de escuridão. Além da separação do casamento, houve também a estagnação profissional. Além do mencionado, ele acrescentou os problemas que tinha para acusar o partido do PRI de ser um opressor.

Relacionado:  Os 8 poetas equatorianos mais reconhecidos da história

Por outro lado, Elena fez fortes críticas ao comunismo, o que resultou em ser observada pela polícia secreta do México e pela Agência Central de Inteligência. Ao mesmo tempo, ela foi acusada de fornecer informações relacionadas ao movimento estudantil.

Acusações contra outros intelectuais

Foi pedido a Elena Garro que relatasse as atividades realizadas por estudantes mexicanos em 68, o que resultou no conhecido massacre de Tlatelolco. Segundo as autoridades da época, o escritor acusou vários intelectuais de tal evento.

Elena Garro: biografia, estilo, obras e frases 5

Movimento de 1968 no México. Fonte: Cel·lí [Domínio público], via Wikimedia Commons

Entre as personalidades que Elena teria apontado estavam: Rosario Castellanos, Carlos Monsiváis, Leonora Carrington e Luís Villoro. Embora a filha do escritor tenha negado tais acusações à mãe, elas foram vítimas de ameaças e represálias.

Auto-exílio

Os 68 eventos estudantis no México e as supostas acusações que Elena Garro fez a algumas figuras intelectuais obrigaram-na a deixar o México. O escritor foi submetido a ataques e seus colegas a rejeitaram.

Então, a partir de 1972, e por quase vinte anos, ele viveu fora de seu país, refugiou-se primeiro nos Estados Unidos e depois na França. Durante esse período, seu trabalho como escritor foi interrompido, ela foi praticamente forçada, por medo, a viver em anonimato por cerca de dez anos.

Últimos anos de vida e morte

Elena Garro visitou o México em 1991 e tomou a decisão de retornar definitivamente em 1993. A escritora foi morar em Cuernavaca na companhia de sua filha e vários gatos. Ele morreu em 22 de agosto de 1998, aos oitenta e um anos, devido a câncer de pulmão.

Prêmios e reconhecimentos

– Prêmio Xavier Villaurrutia, em 1963, pelo romance Memórias do futuro.

– Prêmio Grijalbo, em 1981, pelo romance Testemunhos sobre Mariana.

– Prêmio Colima de Narrativa de Belas Artes pelo Trabalho, publicado em 1996.

– Prêmio Sor Juana Inés de la Cruz em 1996.

Estilo

O estilo literário de Elena Garro foi caracterizado por ter uma linguagem clara, precisa e expressiva. Além disso, a escritora desenvolveu suas obras dentro do chamado realismo mágico, de modo que os elementos estranhos, irreais, ilógicos e surpreendentes estavam presentes em sua obra.

No trabalho de Garro, era comum observar uma narrativa dinâmica e em constante movimento. Também os personagens do escritor possuíam características mágicas e improváveis, onde a fantasia transportou o leitor para mundos desconhecidos e surpreendentes.

Trabalhos

Contos

– A árvore ou fragmento de um diário (1958).

– Lua perfeita (1958).

– O dia em que éramos cães (1962).

– Nossas vidas são os rios (1963).

– A falha é dos Tlaxcaltecas (1964).

– O Elfo (1964).

– O sapateiro de Guanajuato (1964).

– Que horas são? (1964).

– Antes da Guerra de Tróia (1964).

– O roubo de Tiztla (1964).

– O anel (1964).

– Era Mercúrio (1965-1966).

– Coleção Lola Fugindo (1980). Foi composto pelos seguintes títulos:

A criança perdida.

– A primeira vez que me vi.

O mentiroso.

– Estamos fugindo de Lola.

– A coroa de Fredegunda.

– Cabeças bem pensadas.

Eu devo esquecer.

As quatro moscas.

– Uma mulher sem cozinha.

– A dama e a turquesa.

Breve descrição da história mais representativa

O Anel (1964)

Era uma das histórias mais conhecidas de Garro, que era uma família que, além de viver em extrema miséria, sofria dos abusos e ofensas do pai. A história foi contada por Camila, a mãe, que não descansa em dar amor e proteção aos filhos.

Gabino, que era o chefe da família e a causa dos espancamentos, vendo que seus filhos estavam crescendo, sentiu o medo de ser atacado por eles. A história atinge seu auge quando a mãe pegou um anel de ouro e o entregou à filha mais velha, Severina, que o perdeu para o amante.

Fragmento

“Vamos Camila, um anel de ouro! E eu me abaixei e peguei. Não foi assalto. A rua é a rua e o que pertence à rua pertence a todos nós. Fazia muito frio e não tinha pedra: era uma aliança.

Ele se secou na palma da minha mão e eu não acho que ele tenha perdido nenhum dedo porque ficou parado e depois se aqueceu. No caminho para minha casa, eu estava dizendo: vou dar a Severina, minha filha mais velha … ”.

Novel

Memórias do futuro (1963).

– Depoimentos sobre Mariana (1981).

– Reunião de personagens (1982).

– A casa à beira do rio (1983).

– E Matarazo não ligou (1991).

– Um terno vermelho para um duelo (1996).

– Um coração em uma lata de lixo (1996).

– Procure meu obituário e meu primeiro amor (1998).

– Minha irmãzinha Magdalena (1998).

Breve descrição dos romances mais significativos

Memórias do futuro (1963)

Foi o primeiro romance de Elena Garro, estruturado em duas partes. Cada uma das seções em que foi dividido tratou de questões relacionadas à história do México. Com esta publicação, o escritor ganhou, em 1963, o Prêmio Xavier Villaurrutia.

Relacionado:  Ramiro de Maeztu: biografia, estilo e obras
Argumento

A história do romance é baseada nos irmãos Moncada durante a Guerra de Cristero, na cidade de Ixtepec. No trabalho, são as próprias pessoas que descrevem os eventos que seus habitantes vivenciaram devido às ações do general Francisco Rosas, motivadas por seu amor por Julia.

A discussão muda quando Felipe Hurtado chegou, um homem que desestabilizou a segurança de Rosas depois de se apaixonar por sua amada. Ao mesmo tempo, Hurtado deu aos cidadãos uma visão diferente da vida através da poesia e do teatro.

The Moncada

Quando Rosas não sabia sobre Julia, ele decidiu procurar Hurtado, onde os Moncada, mas ele percebeu que os dois haviam fugido. Furioso com a situação, o general Francisco atacou o povo. Na época, Rosas se apaixonou por Isabel Moncada, no entanto, seu irmão Nicolás é morto por ele.

A jovem Isabel sentiu-se profundamente afetada quando descobriu que o homem por quem ela amava terminara a vida de seu irmão. Chegou o elemento irreal característico de Garro, porque a senhora se tornou uma pedra depois da dor e do sofrimento, o general Rosas desapareceu para sempre.

Personagens

– General Francisco Rosas: governante militar da cidade de Ixtepec.

– Felipe Hurtado: artista que deu uma dose de alegria aos cidadãos de Ixtepec, enquanto fugia com Julia, a amada de Rosas.

– Julia Andrade: é a jovem amante de Rosas, cuja beleza a tornou atraente para todos os homens.

– Isabel Moncada: no início do romance, ela começou quando criança, evoluiu para uma senhora inteligente que se apaixonou por Rosas.

– Nicolás Moncada: era o irmão protetor de Isabel, que também foi vítima da ira da paixão de sua irmã.

Juan Cariño: ele era um dos personagens otimistas da história, suas reivindicações visavam tornar a cidade um lugar próspero.

Fragmento

Ele passou por ela quase com medo, sentindo-se feio e bobo. Ele sabia que o brilho de Julia diminuía sua beleza. Apesar de sua humilhação, fascinado pelo amor, ele se aproximou supersticiosamente dela, esperando que algo se espalhasse para ela.

Reunião de Personagens (1982)

Este trabalho do escritor mexicano foi enquadrado no movimento do realismo mágico, ou seja, que a história expressava eventos irreais e fantásticos desenvolvidos na vida cotidiana. Elena Garro foi influenciada com títulos por Evelyn Waugh e Scott Fitzgerald.

A peça tratava da vida de Veronica, uma mulher que vivia um relacionamento tempestuoso com Frank. O casal constantemente fugia sem rumo para a Europa, porque o homem cometeu um assassinato. Finalmente, os personagens estão relacionados aos escritores que influenciaram Elena Garro.

Fragmento

“… Um péssimo passo foi desobedecer ao pai e se casar sem o consentimento dele; depois o dilúvio caiu sobre ela e, desde aquele dia, o medo tomou conta dela. O medo a levou a fugir do marido, mais tarde de Frank, que a alcançou e agora ela tinha que fugir novamente.

Teatro

– Uma casa sólida (1957).

– O rei mágico (1958).

– A mudança (1959).

– A dama na varanda (1959).

– A árvore (1963).

– A senhora boba (1963).

Os cachorros (1965).

– Felipe Ángeles (1967).

– Benito Fernández (1981).

– A trilha (1981).

– Parada de San Angel (edição póstuma, 2005).

Breve descrição das peças mais representativas

Uma casa sólida (1957)

Foi uma das primeiras peças que Elena Garro escreveu em linguagem lírica. Além disso, se separou do tradicional para avançar em direção à idéia de vida depois de deixar o plano terrestre. O autor não desenvolveu tempo ou espaço, o irracional estava presente.

A história é sobre uma família que esperou o nascimento de Lilia, seu último membro, juntos para aguardar o fim da vida. Finalmente, os personagens encontram seu lugar na eternidade através do simbolismo da morte como um lugar de onde não se pode sair.

Publicação

Em 1957, a peça de Garro foi publicada em várias revistas, incluindo Tomorrow e South . Nesse mesmo ano, ela foi
levada às mesas pelo grupo de teatro Poesía en Voz Alta, dirigido por Juan José Arreola, o público a recebeu e foi escolhida como a melhor obra daquele ano.

Personagens

Clemente, 60 anos.

– Mãe Jesusita, 80 anos.

– Dona Gertrudis, 40 anos.

– Muni, 28 anos.

– Lídia, 32 anos.

– Vicente Mejía, 23 anos.

Eva, 20 anos.

Catalina, 5 anos.

Fragmento

Voz de Dona Gertrudis – Clemente, Clemente! Eu ouço passos!

Voz de Clemente – Você está sempre ouvindo passos! Por que as mulheres serão tão impacientes? Sempre antecipando o que acontecerá, prevendo calamidades.

Relacionado:  Inquilino: origem, significado e exemplos

Voz de Dona Gertrudis – Bem, eu ouvi você.

Voz de Clemente – Não, mulher, você está sempre errado; você se empolga com sua nostalgia por catástrofes …

Voz de Dona Gertrudis – É verdade … Mas desta vez não estou enganado.

Felipe Angeles (1967)

Foi uma peça de Garro baseada em um fato da revolução mexicana, relacionada ao julgamento contra o general Felipe Ángeles. Neste trabalho, o escritor mexicano desenvolveu-se em forma de documentário desde a chegada do herói a Chihuahua até o momento de sua execução.

Felipe Ángeles foi publicado pela primeira vez na revista Coatl de Guadalajara em 1967. Posteriormente, em 3 de outubro de 1978, foi apresentado no University City Theatre. Então, em 1979, o trabalho de Elena, sob a direção de Hugo Galarza, abriu o festival Sitges em Barcelona, ​​Espanha.

Fragmento

General Diéguez – A chegada do prisioneiro causará tumulto …

Batista – Desde a noite passada as tropas de reforço estão esquartejadas. Hoje, de madrugada, os soldados varreram as pessoas que queriam tomar o teatro pela tempestade, quando não havia uma alma na sala. Então limpamos a área circundante e a tropa fechou a boca.

General Dieguez – O homem é contraditório. Ontem à noite, quando cheguei a Chihuahua, fiquei surpreso com a multidão hostil que se fechava no meu caminho. Eu até pensei que não sairia vivo.

Bautista – Esta é a cidade de Francisco Villa e daqui o General Felipe Ángeles saiu para tomar Zacatecas. Eles não esquecem isso. Eles estavam esperando por ele ontem à noite e vendo você irritar você, meu general.

Testemunho

– Memórias da Espanha 1937 (1992).

Breve descrição

Memórias da Espanha 1937 (1992)

Este trabalho de Elena Garro refere-se à sua experiência na Espanha depois de assistir com seu marido Octavio Paz ao Segundo Congresso Internacional de Escritores para a Defesa da Cultura, realizado em 1937. O escritor compilou as ações dos intelectuais na situação espanhola.

Garro, através da linguagem desinibida, expressou as opiniões dos escritores antes da Segunda República Espanhola, bem como sua oposição ao fascismo. Além disso, ele compartilhou a experiência de conhecer o escritor Antonio Machado e sua mãe na cidade de Valência.

Estilo

A linguagem usada por Garro nessas memórias era precisa, clara e cheia de sagacidade, entusiasmo e coerência. A publicação caracterizou-se por ser única e diferente das demais referentes ao mesmo assunto. Foi em 1992 que o livro foi publicado.

Fragmento

“Os intelectuais estavam ocupados com o congresso e as apresentações. Eu, com medo. Manolo Altolaguirre, com olhos claros de canela e um sorriso infantil, me garantiu: Elenita, não se preocupe, também estou com muito medo … E Manolo olhou para o céu … ”.

Recurso

– revolucionários mexicanos (1997).

Frases

– “Infortúnio, como dor física, é igual a minutos. Dias se tornam o mesmo dia, agem no mesmo ato e pessoas em um único caráter inútil. O mundo perde sua variedade, a luz é aniquilada e os milagres são abolidos. ”

– “A memória do futuro é válida, mas me incomodou, e estou mudando o final de todas as minhas histórias e romances não publicados para modificar meu futuro.”

– “Na frente dos degraus de um homem sempre vão os degraus de uma mulher.”

– “Aqui a ilusão é paga com vida”.

– “Meu povo é de pele escura. Ele usa um cobertor branco e calce huaraches … eles são adornados com colares de ouro ou um cachecol de seda rosa está amarrado no pescoço. Ele se move devagar, fala pouco e contempla o céu. À tarde, quando o sol se põe, ele canta ”.

– “No fundo da mentira, sempre há algo perverso”.

– “Gostaria de não ter memória ou me tornar um pó devoto para escapar da condenação de me olhar”.

– “Tive a impressão de que a morte estava apenas a um passo do imperfeito para o perfeito”.

– “Para nós, índios, é o tempo infinito para silenciar.”

– “Uma geração sucede à outra, e cada uma repete os passos da anterior. Apenas um instante antes de morrerem, descobrem que era possível sonhar e desenhar o mundo à sua maneira, depois acordam e começam um desenho diferente ”.

Referências

  1. Elena Garro (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado de: es.wikipedia.org.
  2. Flores, M. (2018). Elena Garro, esposa, vítima e inimiga de Octavio Paz. México: 10mx. Recuperado de: de10mx.com.
  3. Elena Garro e realismo mágico. (2014). (N / a): Millennium. Recuperado de: milenio.com
  4. Quem é Elena Garro? (S. f.). (N / a): Literatura.us. Recuperado de: Literatura.us.
  5. 10 frases de Elena Garro para lembrar dela. (2017). México: uma TV. Recuperado de: unotv.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies