Elena Poniatowska: biografia, estilo, obras, frases

Elena Poniatowska (1932) é escritora e jornalista nascida na França, mas com sede no México. Ela é uma das autoras mais importantes da América Latina, graças a uma obra literária reconhecida com distinções como o Prêmio Cervantes, concedido pelo Ministério da Cultura da Espanha.

Sua obra literária é prolífica e abrange vários gêneros literários, como a história, o romance e a crônica. Destaca-se pelo uso de uma linguagem sóbria e por possuir elementos de jornalismo. Os textos de Poniatowska são sociais, históricos, literários e jornalísticos.

Elena Poniatowska: biografia, estilo, obras, frases 1

Elena Poniatowska Fonte: Rodrigo Fernández [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons
Os títulos mais relevantes deste escritor são : Flor de Lis, Lilus Kikus, Cruzados, Noite de Tlatelolco, Forte é o silêncio, Até eu te ver, Jesus meu e Você vem à noite. Elena Poniatowska foi reconhecida ao longo de sua obra literária com vários prêmios e homenagens.

Biografia

Nascimento e família

Hélène Elizabeth Louise Amélie Paula Dolores Poniatowska Amor nasceu em 19 de maio de 1932 em Paris, França, dentro de uma família culta com alto status social. Seu pai era descendente da realeza polonesa e sua mãe era de origem mexicana.

Nos primeiros dez anos de sua infância, ele viveu em Paris. Em 1942, ele chegou ao México com sua mãe e irmã Sofia, fugindo dos efeitos da Segunda Guerra Mundial. Por um tempo, eles ficaram longe do pai, que permaneceu até 1945 lutando no concurso.

Estudos

Uma vez instalada no México, Poniatowska ingressou no sistema escolar e rapidamente aprendeu espanhol, graças em grande parte ao contato que teve com sua babá Magdalena Castillo. O escritor estudou na Windsor School e no Liceo de México. Por sua vez, ele continuou estudando francês e teve aulas de dança e piano.

Em 1947, a mãe de Elena deu à luz Jean, que era uma fonte de alegria para toda a família. Dois anos depois, Elena foi para os Estados Unidos para continuar o ensino médio no Convento do Sagrado Coração do Éden, na Filadélfia. Então ele estudou no Manhattanville College, em Nova York.

Primeiros passos profissionais

No início dos anos cinquenta, Elena Paniatowska voltou ao seu país. Ele decidiu não terminar o ensino médio e preferiu estudar digitação para começar a trabalhar. No início, trabalhou como assistente bilíngue, até que em 1953 começou no jornalismo.

Suas habilidades para escrever e pesquisar lhe permitiram publicar suas crônicas em Excelsior, sob o nome de Hélène. Depois, teve a oportunidade de publicar diariamente e, durante um ano, conduziu entrevistas que foram feitas para grandes personalidades do mundo cultural, artístico e literário.

Boom jornalístico

Poniatowska começou a ter um crescimento jornalístico em meados do século XX. Foi então que ele fez um trabalho social especialmente focado no papel das mulheres. Em 1954, ele teve a oportunidade de publicar seu primeiro livro, intitulado Lilus Kikus.

Elena Poniatowska: biografia, estilo, obras, frases 2

Elena Poniatowska, 2008. Fonte: Pedrobautista [CC BY 3.0], via Wikimedia Commons
Naquela época, ele começou a escrever nos jornais La Jornada e Novedades. Ele ganhou prestígio internacional devido às entrevistas e trabalhos de pesquisa que realizou. Ele esteve em Roma por um tempo para trabalhar em várias publicações. Enquanto ele estava em terras italianas, seu filho mais velho, Emmanuel, nasceu.

De volta ao México

Após sua estadia na Itália, a escritora retornou ao México e obteve uma bolsa do Mexican Writers Center. Ele desenvolveu várias entrevistas, sendo uma delas o astrônomo Guillermo Haro. No início dos anos sessenta, trabalhou com o antropólogo Oscar Lewis, de quem aprendeu sociologia.

Casamento

Elena Poniatowska conheceu Guillermo Haro em uma entrevista e, posteriormente, iniciou um relacionamento romântico. Em 1968, o casal se casou e permaneceu juntos até a morte de Haro. Eles tiveram dois filhos: Felipe e Paula.

Duelo familiar

Pouco depois de se casar com Guillermo Haro, Poniatowska sofreu a perda de seu irmão Jean em um acidente de carro. A tristeza tomou conta da família, mas sobretudo do pai do escritor, que não teve forças para resistir à perda e morreu pouco depois.

Outras publicações

Entre 1969 e 1971, Elena publicou as duas obras mais reconhecidas e importantes de sua carreira como escritora, ambas de conteúdo social. O primeiro foi Até não ver você, meu Jesus, enquanto o segundo foi intitulado La noche de Tlatelolco, que foi relacionado aos assassinatos de estudantes mexicanos em 1968.

Mais duas tragédias

Em 1985, o México sofreu um forte terremoto que deixou muitas perdas, sendo a capital uma das áreas mais afetadas do país. A escritora se dedicou a coletar dados e testemunhos sobre a tragédia. Em 1988 publicou com as informações obtidas o trabalho Nada, ninguém, as vozes do tremor. Naquele ano, seu marido Guillermo Haro morreu.

Últimos anos

O autor permanece ativo na literatura, cultura e atividades de direitos humanos no México. Ele também se dedicou a dar palestras em universidades da Europa e dos Estados Unidos.

Para manter seu legado e disseminar a cultura mexicana, a Fundação Elena Poniatowska foi criada em sua homenagem. A velhice não foi um impedimento para continuar escrevendo e alguns de seus títulos mais recentes são: O vendedor de nuvens, Cry in the soup e Duas vezes único .

Prêmios e prêmios

– Prêmio Mazatlan de Literatura em 1971, para o romance Até não ver você, meu Jesus.

– Prêmio Nacional de Jornalismo em 1978.

– Doutor Honoris Causa pela Universidade Autônoma de Sinaloa em 1979.

– Doutor Honoris Causa pela Universidade Autônoma do Estado do México em 1980.

– Prêmio Manuel Buendía em 1987.

– Prêmio Coatlicue em 1990, como a mulher do ano.

– Prêmio Mazatlan de Literatura em 1992.

– Prêmio Juchimán de Plata em 1993.

– Doutor Honoris Causa pela New School of Research em 1994, Nova York.

– Doutor Honoris Causa pela Florida Atlantic University em 1995.

– Prêmio Nova Alfaguara em 2001.

– Doutorado honorário pela Universidade Nacional Autônoma do México em 2001.

– Doutor Honoris Causa pelo Manhattanville College em 2001, Nova York.

– Prêmio Nacional de Ciências e Artes em 2002.

– Doutorado Honorário pela Universidade Autônoma de Puebla em 2002.

– Prêmio María Moors Cabot da Columbia University em 2004.

– Prêmio Rómulo Gallegos em 2007.

– Prêmio Internacional Martin Strachit em 2008.

– Prêmio Agustín Delgado em 2009.

– Presa Rosario Rosario em 2010.

– Prêmio Eugenio Galo Espejo Cevallos em 2010.

– Doutor Honoris Causa da Universidade de Porto Rico em 2010.

– Short Library Award em 2011.

– Prêmio Internacional Alberto Spencer Schwiebert Rosalito em 2012.

– Prêmio Cervantes em 2013.

– Medalha de Belas Artes em 2014.

– Doutor Honorário da Universidade Autônoma de Chiapas em 2014.

– Doutor Honoris Causa, da Universidade Complutense de Madri, em 2015.

– Doutorado Honorário pela Universidade Autônoma de San Luis Potosí em 2016.

Estilo

O estilo literário de Elena Poniatowska foi caracterizado pelo uso de uma linguagem bem trabalhada, clara e precisa. A autora usou em suas narrativas a entrevista e a investigação para dar mais realidade e credibilidade aos seus escritos. Quanto à questão social, teve uma posição predominante em sua criação literária.

No caso específico das crônicas, destacaram-se pela variedade de testemunhos, que deram imparcialidade e contraste. Seus textos eram sobre sociedade, vida, mulheres, o dia-a-dia dos mexicanos, literatura e o mundo em geral. Sua influência máxima foi a que recebeu das obras do escritor Oscar Lewis.

Trabalhos

Conto de fadas

– Lilus Kikus (1954).

– La Adelita (2006).

– O burro que estragou tudo (2007).

– Casamento em Chimalistac (2008).

– O vendedor da nuvem (2009).

Teatro

Melés e Teleo. Notas para uma comédia (1956).

Crônica

– Palavras cruzadas (1961).

– Tudo começou no domingo (1963).

– A noite de Tlatelolco. Depoimentos de história oral (1971).

– Forte é o silêncio (1980).

– nada ninguém. As vozes do tremor (1988).

– Luz e lua, os lunitas (1994).

– Amanhecer no zócalo. Os 50 dias que o México enfrentou (2007).

– Ferida de Paulina: crônica da gravidez de uma garota estuprada (2007).

Elena Poniatowska: biografia, estilo, obras, frases 3

Elena Poniatowska assinando livro sobre Mariana Yampolsky no Museu de Arte Popular de 2012. Fonte: Alejandro Linares Garcia [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons
– Não agradeça. A colônia Rubén Jaramillo e o Güero Medrano (2009).

Novel

– Até eu te ver, meu Jesus (1969).

– Caro Diego, Quiela te abraça (1978).

– Moletiques e paixões (1987).

– A flor de Lis (1988).

– A pele do céu (2001).

– O trem passa primeiro (2006).

– Paseo de la Reforma (2009).

– Duas vezes único (2015).

Contos

– Você vem à noite (1979).

– domingo 7 (1982).

– Tlapalería (2003).

– Chore na sopa (2014).

– Folhas de papel voador (2014).

Biografia

– Gaby Brimmer (1979).

– Tinísima (1992).

– Leonora (2011).

Outras publicações

– O último peru (1982).

– Oh vida, você não me merece! (1985).

– Todo o México I-VII (1991-2002).

– Paseo de la Reforma (1996).

– Octavio Paz, as palavras da árvore (1998).

– Os mil e um … ferida de Paulina (2000).

Juan Soriano. Criança de mil anos (2000).

– Os sete filhos (2000).

– Mariana Yampolsky e bugambilia (2001).

– O universo ou nada. Biografia da estrela Guillermo Haro (2013).

Breve descrição de algumas de suas obras

Lilus Kikus (1954)

É considerado o primeiro livro de histórias do escritor, destinado a crianças. Era uma garota (cujo nome dá título ao trabalho) que, através de sua imaginação, vivia experiências fantásticas, cheias de magia e cor. É um dos livros mais populares do México.

Até eu te ver, meu Jesus (1969)

Foi o primeiro romance de Elena Poniatowska. Este trabalho nasceu como resultado das conversas que teve desde 1964 com uma lavadeira. A autora conheceu Josefina Bórquez depois de ouvi-la gritar do alto de um prédio. Ela conectou o autor com as experiências de pessoas menos favorecidas.

Josefina inspirou Elena a dar vida ao personagem principal da peça: Jesusa Palancares. Esta mulher foi descrita como corajosa e lutadora, testemunha da Revolução Mexicana. Durante sua vida, ela teve que trabalhar como empregada doméstica e em pequenos trabalhos. O trabalho era de natureza social.

A noite de Tlatelolco. Depoimentos de história oral (1971)

Foi uma crônica que coletou em ordem sucessiva cada um dos eventos que aconteceram no México em 2 de outubro de 1968, onde vários estudantes foram mortos pelas autoridades estaduais. Poniatowska conduziu um trabalho de pesquisa e coletou testemunhos experimentais.

Caro Diego, Quiela te abraça (1978)

Neste romance, o pintor mexicano Diego Rivera foi o protagonista. Essencialmente, foram algumas cartas que a artista Angelina Belkoff enviou a ela sem obter respostas. Foi um trabalho sobre amor e desgosto, decepção e infidelidade.

A Flor de Lis (1988)

Era um romance de Poniatowska de caráter autobiográfico. A trama era simples, embora descrita por uma linguagem expressiva e ao mesmo tempo nostálgica. Ele contou a história de Mariana, uma garotinha que teve que deixar seu país de origem para ir ao México. Ele morava com a mãe e a irmã e ansiava pelo pai.

A pele do céu (2001)

Este romance escrito por Elena no início do século XXI foi uma espécie de homenagem ao seu falecido marido, o astrônomo Guillermo Haro. Neste trabalho, o autor expôs as deficiências nessa área de pesquisa em toda a América Latina, utilizando um estilo jornalístico e uma linguagem de denúncia e crítica.

O trem passa primeiro (2006)

Foi um romance de depoimento sobre a vida de Demetrio Vallejo, um ativista e lutador mexicano originário de Oaxaca, que foi o representante máximo dos trabalhadores das ferrovias de 1959. Embora ele apresente elementos de ficção, o autor imprimiu a realidade através das entrevistas que coletou.

Frases

– “As mulheres são as grandes esquecidas da história. Os livros são a melhor maneira de prestar homenagem a eles. ”

– “Sou evangelista depois de Cristo, que pertence ao México e a uma vida nacional que é escrita todos os dias e todos os dias são apagados, porque as folhas de papel de um jornal duram um dia”.

– “Os primeiros amores são aqueles que esperam nos cantos para ver passar e depois sonham. São amores que não se tocam, mas são muito evocados. ”

– “Isso é felicidade, às vezes ótimo, às vezes não existe.”

– “Ter um livro na cama é ter um amigo seguro, conselhos e apoio.”

– “Com a prática adquirimos a intuição de saber quando fizemos alguma coisa certa e depois a mantemos”.

– “As mulheres podem falar melhor sobre si mesmas do que muitos escritores”.

– “A vida se torna um rosto único que podemos tocar com nossos lábios.”

– “A cultura não pode ser separada da ética.”

– “De repente olho para ela e ela se foi. Eu olho para ela novamente, a ausência dela a define ”.

Referências

  1. Elena Poniatowska (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado de: es.wikipedia.org.
  2. Tamaro, E. (2019). Elena Poniatowska (N / a): Biografias e Vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com.
  3. Gaxiola, M. (S. f.). 20 frases inspiradoras da grande Elena Poniatowska. México: MX City. Recuperado de: mxcity.mx.
  4. Elena Poniatowska Biografia (2015). Espanha: Instituto Cervantes. Recuperado de: cervantes.es.
  5. Elena Poniatowska (2016). Espanha: Círculo de Belas Artes de Madri. Recuperado de: circulobellasartes.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies