Elysia chlorotica: características, taxonomia e reprodução

Elysia chlorotica é uma espécie de lesma marinha conhecida por sua capacidade única de realizar fotossíntese. Pertencente à família Placobranchidae, essa lesma é encontrada nas águas costeiras do leste dos Estados Unidos e do Canadá. Sua coloração verde é devido à presença de algas simbiontes em seu corpo, que fornecem nutrientes através da fotossíntese. A reprodução da Elysia chlorotica ocorre através de fecundação interna, com os ovos sendo depositados em massas gelatinosas em substratos marinhos. Essa espécie fascinante tem despertado o interesse de cientistas e pesquisadores devido às suas características únicas e adaptações evolutivas.

A incrível capacidade da lesma do mar Elysia Chlorotica em realizar fotossíntese.

Elysia chlorotica é uma espécie de lesma do mar que possui uma característica única e fascinante: a capacidade de realizar fotossíntese. Essa habilidade é possível graças à presença de cloroplastos em suas células, que são obtidos a partir do alimento que consome. Os cloroplastos são responsáveis pela produção de energia a partir da luz solar, tornando a lesma do mar capaz de se alimentar de luz.

Além da fotossíntese, Elysia chlorotica possui outras características interessantes. Pertencente ao filo Mollusca e à classe Gastropoda, essa lesma do mar é encontrada em regiões costeiras da América do Norte. Sua coloração verde escura e corpo alongado a tornam facilmente reconhecível no ambiente marinho.

Quanto à reprodução, Elysia chlorotica segue o padrão de reprodução sexuada com fecundação externa. Os indivíduos liberam gametas na água, onde ocorre a fertilização e o desenvolvimento de novos organismos. O ciclo de vida dessa espécie pode variar dependendo das condições ambientais, mas em geral, as novas lesmas do mar atingem a maturidade sexual após alguns meses.

Em resumo, Elysia chlorotica é uma lesma do mar com características únicas, como a capacidade de realizar fotossíntese. Sua taxonomia a classifica como parte do filo Mollusca e da classe Gastropoda, enquanto seu processo de reprodução envolve a liberação de gametas na água. Essa espécie fascinante continua a surpreender pesquisadores e entusiastas da vida marinha com suas incríveis adaptações ao ambiente aquático.

O processo de fotossíntese realizado pela lesma marinha surpreende pesquisadores e cientistas.

A lesma marinha Elysia chlorotica é uma espécie fascinante que tem chamado a atenção de pesquisadores e cientistas devido ao seu processo de fotossíntese incomum. Essa lesma é capaz de realizar fotossíntese de forma semelhante às plantas, graças à presença de algas simbióticas em seu corpo.

Em termos de características, a Elysia chlorotica possui um corpo alongado e verde, devido à presença das algas em seu sistema. Ela pertence à classe Gastropoda e à família Plakobranchidae, sendo encontrada em águas costeiras da América do Norte.

Quanto à reprodução, a Elysia chlorotica segue o padrão de reprodução das lesmas marinhas, que envolve a fertilização externa dos ovos. Após a eclosão, as larvas passam por um estágio de desenvolvimento antes de se tornarem adultos.

Os pesquisadores estão cada vez mais intrigados com a capacidade da Elysia chlorotica de realizar fotossíntese, um processo geralmente associado apenas às plantas. Esse fenômeno desafia as noções tradicionais sobre a capacidade de diferentes organismos de realizar a fotossíntese e abre novas possibilidades de estudo e pesquisa.

Relacionado:  Teste da coagulase: justificativa, procedimento e usos

Qual é o animal que tem clorofila em sua composição?

O animal que tem clorofila em sua composição é a Elysia chlorotica, uma espécie de lesma marinha conhecida por sua capacidade única de realizar fotossíntese. Essa habilidade é possível devido à presença de cloroplastos roubados de algas durante sua alimentação.

A Elysia chlorotica pertence ao filo Mollusca, classe Gastropoda e família Plakobranchidae. Sua coloração verde vibrante é resultado da clorofila presente nos cloroplastos que se alojam em suas células dérmicas.

Quando se reproduzem, as Elysia chlorotica depositam seus ovos em ambientes propícios, onde os embriões se desenvolvem até eclodirem como pequenas lesmas. Durante todo o processo, a capacidade fotossintética auxilia na obtenção de energia para o crescimento e desenvolvimento dos filhotes.

Em resumo, a Elysia chlorotica é um animal fascinante que desafia as convenções da natureza ao incorporar clorofila em sua composição e realizar fotossíntese de forma única. Sua capacidade de reprodução está intimamente ligada a esse processo, garantindo a sobrevivência e perpetuação da espécie.

Quais são os animais que conseguem realizar fotossíntese?

Existem poucos animais que são capazes de realizar fotossíntese, sendo a Elysia chlorotica um dos exemplos mais conhecidos. Essa lesma-do-mar possui uma característica única que a permite realizar esse processo, tornando-a um organismo fascinante para estudos científicos.

A Elysia chlorotica pertence à classe Gastropoda e à família Plakobranchidae. Ela é encontrada em regiões costeiras do leste dos Estados Unidos e do Canadá, onde se alimenta de algas verdes. Através desse hábito alimentar, a lesma-do-mar consegue absorver cloroplastos das algas e incorporá-los em suas próprias células, o que lhe permite realizar a fotossíntese de forma semelhante às plantas.

Quanto à reprodução, a Elysia chlorotica é hermafrodita, ou seja, possui órgãos sexuais masculinos e femininos. Durante o acasalamento, as lesmas-do-mar trocam esperma para fecundar os ovos, que são depositados em massas gelatinosas. Após um período de desenvolvimento, os ovos eclodem e as larvas se dispersam pelo ambiente marinho.

Em resumo, a Elysia chlorotica é um exemplo fascinante de animal capaz de realizar fotossíntese, graças à incorporação de cloroplastos de algas em suas células. Sua taxonomia a classifica como parte da classe Gastropoda e família Plakobranchidae, enquanto sua reprodução ocorre de forma hermafrodita, com troca de esperma durante o acasalamento. Essas características únicas fazem da Elysia chlorotica um organismo de grande interesse para a ciência.

Elysia chlorotica: características, taxonomia e reprodução

Elysia chlorotica é uma espécie de molusco marinho comumente referido como “Emerald Green Sea Slug” ou simplesmente “Eastern Emerald”. Pertence à família Placobranchidae, conhecida por sua capacidade de estabelecer uma relação de endossimbiose com uma alga ( Vaucheria litorea ) para fotossintetizar alimentos.

A E. chlorotica alimenta as algas, digerindo parcialmente -lo , e mantendo viável o cloroplasto , onde um fenómeno chamado cleptoplastia, permitindo que o corpo arnês capacidade plastídios autotróficas ocorre.

Elysia chlorotica: características, taxonomia e reprodução 1

Por Karen N. Pelletreau et al. [CC BY 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0)], via Wikimedia Commons
Relacionado:  Osmose: processo, tipos, diferenças com difusão e exemplos

Dessa forma, você pode sobreviver por meses sem se alimentar, nutrindo-se apenas da luz solar, graças à capacidade de sintetizar a clorofila através dos cloroplastos incorporados no citoplasma das células do seu corpo.

Esta espécie de lesma está localizada na costa da América do Norte, entre a Flórida e a Nova Escócia. Foi inicialmente descrito por August Addison Gould em 1870, no entanto, foi em 2010 quando pesquisadores da Universidade do Sul da Flórida, liderados pelo Ph.D. Sidney K. Pierce, completou uma pesquisa sobre a biologia molecular da espécie e sua relação endossimbiótica com as algas cromofíticas filamentosas V. litorea .

Características gerais

Pelas suas características fisiológicas, acreditava-se que era um dos primeiros membros do reino animal a produzir clorofila, um pigmento verde presente em vegetais, algas e bactérias, o que facilita o processo de fotossíntese .

Os membros desta espécie se assemelham a uma folha verde larga e ondulada com a cabeça de um caracol. Durante sua vida útil de 9 a 10 meses, eles podem crescer até 2 a 5 cm.

Na fase juvenil, apresenta uma cor marrom acinzentada, com manchas avermelhadas; no entanto, ao se alimentar das algas V. litorea , adquire uma tonalidade verde brilhante na fase adulta devido à concentração de cloroplastos em seus tecidos.

Na natureza, o adulto se alimenta de algas apenas ocasionalmente, obtendo energia metabólica a partir da atividade fotossintética dos cloroplastos intracelulares.

A lesma verde esmeralda sobrevive nos aquários por 8 a 9 meses sem se alimentar, apenas assimilando a energia da luz solar, período de tempo semelhante ao seu ciclo de vida na natureza.

A associação de endossimbiose não é herdada de uma geração para outra, uma vez que os plastídeos não foram localizados nos ovos da espécie. Pelo contrário, a endossimbiose do cloroplasto é renovada a cada nova geração de lesmas fotossintéticas.

Taxonomia

E. chlorotica (Gould, 1870) é uma espécie de molusco opistobranch, pertencente ao gênero Elysia, da família Elysiidae, da ordem Sacoglossa, e classe Gastropoda (subclasse Opisthobranchia).

Esta espécie pertence ao Mollusca (Lophozoa super-afiado), reino infra Protostomia, reino sub-Bilateria, do reino Animalia.

Habitat

Eles habitam os pântanos salgados e das marés, em enseadas e riachos rasos, e lagoas com menos de 0,5 m de profundidade, na costa atlântica da América do Norte.

Esta espécie tolera níveis de salinidade que variam de água quase fresca (<24 miliosmoles -mosm) a águas salobras (> 2.422 mosm).

Geralmente vive perto de sua principal fonte de alimento, a alga marrom V. litorea , devido à sua relação com endossimbiose. Esta alga é um organismo autotrófico, que obtém sua energia através da fotossíntese que ocorre em seus cloroplastos.

As algas são consumidas pela lesma do mar, armazenando os cloroplastos nas células do seu corpo, principalmente no trato digestivo. Essas organelas continuam seu processo de fotossíntese, trazendo energia para a lesma do mar.

Reprodução e desenvolvimento

Lesmas do mar em geral são hermafroditas, no entanto, nesta espécie em particular, o cruzamento ou reprodução sexual com outro indivíduo é mais comum . Os ovos envolvidos por uma mucosa espessa são colocados em cadeias longas, levando aproximadamente uma semana para incubar.

Relacionado:  Amoebozoários: características, taxonomia, morfologia, nutrição

Fases de desenvolvimento

A espécie Elysia chlorotica possui duas fases durante seu ciclo de vida. A fase juvenil que começa antes de começar a se alimentar das algas V. lithorea e a fase adulta. Essas fases diferem de acordo com a morfologia e coloração da lesma.

Na fase juvenil, lesmas surgem do ovo como larvas de Veliger, ou seja, elas têm uma concha e um véu ciliado que lhes permite nadar e obter comida. Nesta fase, são marrons com manchas ventrais de tom avermelhado.

Iniciado o consumo da alga V. lithorea , ela passa por um processo de transformação ou metamorfose, alterando sua cor e morfologia. Ao consumir as algas, a lesma E. chlorotica retém os cloroplastos em seu trato digestivo especializado, iniciando o processo de endossimbiose, adquire uma coloração verde brilhante e perde manchas vermelhas.

Na fase adulta, sua estrutura é característica, devido ao grande parapodia lateral de cada lado do corpo que se assemelha a uma folha. Este formulário é conveniente tanto para a camuflagem quanto para tornar o processo fotossintético que ocorre dentro do seu corpo mais eficiente.

E. chlorotica em condições naturais cumpre seu ciclo de vida aos 11 meses de idade. Os adultos sofrem uma morte em massa após a colocação de cadeias de ovos na primavera anual.

Segundo estudos recentes, isso pode ser devido a uma expressão viral, não a um relógio biológico. Devido à presença de um DNA virulento no núcleo de vários indivíduos examinados.

Importância e conômica

Em nível ecológico, a lesma marinha “Verde Esmeralda” atualmente não tem impacto no meio ambiente, uma vez que não são predadores e não constituem presa específica para outras espécies. Sua atividade nos ecossistemas onde se desenvolve consiste na simbiose que se desenvolve com as algas V. litorea .

No entanto, devido à sua capacidade de sobreviver apenas obtendo energia através do processo fotossintético derivado dos cloroplastos armazenados nas células do seu corpo, é uma espécie de alto valor científico e econômico.

Descobrir os componentes e processos que esta espécie possui em seu genoma é a chave para gerar energia verde sem a intervenção direta das plantas.

Referências

  1. Os dados foram analisados ​​por meio de entrevistas semiestruturadas e entrevistas semiestruturadas. Resposta ativa do hospedeiro a simbiontes de algas na lesma marinha Elysia chlorotica. Biologia molecular e evolução, 35 (7), 1706-1711.
  2. Mulher, CV, Andrews, DL, Manhart, JR, Pierce, SK e Rumpho, ME (1996). Os genes do cloroplasto são expressos durante a associação simbiótica intracelular dos plastídeos de Vaucheria litorea com a lesma marinha Elysia chlorotica. Anais da Academia Nacional de Ciências, 93 (22), 12333-12338.
  3. Rafferty John P. Elysia chlorotica – Lesma do mar. Enciclopédia Britânica Recuperado em: britannica.com
  4. Sidney K. Pierce. (2015) Fisiologia celular e bioquímica. Universidade do sul da Flórida. Faculdade de Artes e Ciências. Recuperado em: Biology.usf.edu
  5. Nº de série taxonômico: 77940 Elysia chlorotica Gould, 1870. Relatório ITIS. Recuperado em: itis.gov

Deixe um comentário