Embolia Cerebral: Sintomas, Causas, Tratamento

A embolia cerebral é uma condição médica grave que ocorre quando um vaso sanguíneo no cérebro é obstruído por um coágulo de sangue, resultando em falta de oxigênio e nutrientes para as células cerebrais. Os sintomas incluem fraqueza ou paralisia em um lado do corpo, dificuldade para falar, visão turva, dor de cabeça intensa e perda de consciência. As causas mais comuns incluem a formação de coágulos sanguíneos no coração ou nas artérias do pescoço, que podem se deslocar e bloquear um vaso cerebral. O tratamento geralmente envolve a administração de medicamentos anticoagulantes para dissolver o coágulo e a reabilitação para recuperar as funções afetadas. É essencial procurar ajuda médica imediatamente ao suspeitar de uma embolia cerebral, pois o tempo é crucial para minimizar os danos ao cérebro.

Principais causas de embolia cerebral: fatores de risco, sintomas e prevenção.

A embolia cerebral é uma condição grave que pode ser causada por diferentes fatores. Entre as principais causas de embolia cerebral estão a formação de coágulos sanguíneos, a presença de placas de gordura nas artérias e a presença de um êmbolo que se desloca pelo sistema circulatório até o cérebro.

Alguns dos fatores de risco para a embolia cerebral incluem a hipertensão arterial, a fibrilação atrial, o tabagismo, o diabetes, a obesidade e o sedentarismo. Pessoas com histórico familiar de doenças cardiovasculares também estão mais suscetíveis a desenvolver a condição.

Os sintomas da embolia cerebral podem variar, mas geralmente incluem dor de cabeça intensa, dificuldade para falar, fraqueza em um lado do corpo, visão turva e dificuldade para se movimentar. É importante procurar ajuda médica imediatamente ao apresentar qualquer um desses sintomas.

A prevenção da embolia cerebral envolve a adoção de hábitos saudáveis, como a prática regular de exercícios físicos, a manutenção de uma alimentação balanceada, o controle da pressão arterial e do diabetes, além de evitar o tabagismo e o consumo excessivo de álcool. O uso de medicamentos anticoagulantes também pode ser recomendado em alguns casos.

Em resumo, a embolia cerebral é uma condição grave que pode ser causada por diferentes fatores, sendo essencial adotar medidas de prevenção e buscar tratamento adequado ao apresentar os sintomas. Mantenha sempre hábitos saudáveis e consulte regularmente um médico para monitorar a sua saúde cerebral.

Sinais de coágulo cerebral: conheça os principais sintomas para identificar a condição com rapidez.

Embólia Cerebral: Sintomas, Causas, Tratamento.

Um coágulo cerebral, também conhecido como embolia cerebral, é uma condição séria que pode levar a complicações graves se não for tratada rapidamente. É importante estar ciente dos sinais de um coágulo cerebral para identificar a condição o mais cedo possível e procurar ajuda médica.

Alguns dos principais sintomas de um coágulo cerebral incluem dor de cabeça intensa, fraqueza em um lado do corpo, perda de visão em um olho ou ambos, dificuldade para falar ou compreender a fala, e tonturas ou perda de equilíbrio. Estes sintomas podem ocorrer subitamente e exigem atenção imediata.

As causas de um coágulo cerebral podem variar, mas geralmente estão relacionadas a condições como pressão alta, diabetes, colesterol alto e tabagismo. Além disso, pessoas com histórico familiar de doenças cardiovasculares têm um risco maior de desenvolver um coágulo cerebral.

O tratamento para um coágulo cerebral geralmente envolve a administração de medicamentos anticoagulantes para dissolver o coágulo e prevenir novos coágulos. Em casos mais graves, a cirurgia pode ser necessária para remover o coágulo e restaurar o fluxo sanguíneo para o cérebro.

É fundamental estar atento aos sinais de um coágulo cerebral e procurar ajuda médica imediatamente se você ou alguém que você conhece apresentar sintomas. A rapidez no diagnóstico e tratamento pode fazer toda a diferença na recuperação e prevenção de complicações graves.

Como identificar a trombose cerebral por meio de exames diagnósticos específicos.

Para identificar a trombose cerebral, é fundamental realizar exames diagnósticos específicos que possam confirmar o diagnóstico. Um dos principais exames utilizados para esse fim é a ressonância magnética cerebral, que permite visualizar detalhadamente o cérebro e identificar possíveis obstruções nos vasos sanguíneos.

Além da ressonância magnética, a angiografia cerebral também é uma ferramenta importante no diagnóstico da trombose cerebral. Esse exame consiste na injeção de contraste em um vaso sanguíneo para melhor visualização do fluxo sanguíneo e possíveis bloqueios.

Outro exame que pode auxiliar no diagnóstico da trombose cerebral é a tomografia computadorizada, que também fornece imagens detalhadas do cérebro e pode identificar áreas de isquemia causadas pela obstrução dos vasos sanguíneos.

É importante ressaltar que, além dos exames de imagem, exames laboratoriais também podem ser solicitados para avaliar os níveis de coagulação do sangue e identificar possíveis fatores de risco para a trombose cerebral.

Portanto, a combinação de exames de imagem e laboratoriais é fundamental para identificar a trombose cerebral e iniciar o tratamento adequado o mais rápido possível, o que pode ser crucial para a recuperação do paciente.

Possibilidade de cura para a trombose cerebral: o que é e como tratar?

A trombose cerebral é um tipo de embolia cerebral que ocorre quando um coágulo sanguíneo bloqueia uma artéria no cérebro, interrompendo o fluxo sanguíneo e causando danos ao tecido cerebral. Os sintomas da embolia cerebral incluem dor de cabeça intensa, fraqueza em um lado do corpo, dificuldade de fala e visão turva.

Relacionado:  Serotonina: função, produção, estrutura

As causas da trombose cerebral podem variar, desde condições genéticas até fatores de risco como obesidade, tabagismo e sedentarismo. O tratamento para a embolia cerebral geralmente envolve a administração de medicamentos anticoagulantes para dissolver o coágulo e restaurar o fluxo sanguíneo no cérebro.

Em casos graves, pode ser necessário realizar uma cirurgia para remover o coágulo e prevenir danos permanentes ao cérebro. A possibilidade de cura para a trombose cerebral depende da rapidez com que o tratamento é iniciado e da extensão dos danos causados ao tecido cerebral.

Portanto, é fundamental estar atento aos sintomas da embolia cerebral e procurar ajuda médica imediatamente em caso de suspeita. Com um diagnóstico precoce e um tratamento adequado, as chances de recuperação são maiores e a qualidade de vida do paciente pode ser preservada.

Embolia Cerebral: Sintomas, Causas, Tratamento

O acidente vascular cerebral , também conhecido como acidente vascular cerebral embólico, é um tipo de acidente vascular cerebral, isto é, uma alteração transiente ou permanente do fluxo sanguíneo em áreas do cérebro que um ou mais (Martinez-Villa et al., 2011).

Na embolia cerebral, a oclusão sanguínea é o produto da presença de um êmbolo, um corpo de matéria orgânica (coágulo sanguíneo, gordo ou gasoso) que é colocado em um vaso sanguíneo cerebral, impedindo ou impedindo o fluxo sanguíneo habitual e gerando uma doença isquêmica ou infartados (Ardila e Otrosky, 2012).

Embolia Cerebral: Sintomas, Causas, Tratamento 1

No nível clínico, a embolia cerebral pode produzir um amplo espectro de alterações neurológicas: dormência e paralisia muscular, dor de cabeça intensa, confusão, perda de consciência, etc. (Universidade de Washington, 2016).

Além disso, este tipo de acidente vascular cerebral constitui uma condição médica com risco de vida. Até aproximadamente 20% das pessoas afetadas morrem precocemente e muitos sobreviventes têm deficiências secundárias por toda a vida (Universidade de Washington, 2016).

Os procedimentos de diagnóstico são geralmente ajustados a protocolos padronizados para intervenção hospitalar. Eles geralmente incluem um extenso exame neurológico, baseado essencialmente no uso de testes de neuroimagem (tomografia computadorizada, ressonância magnética etc.).

Além disso, as intervenções terapêuticas na fase aguda geralmente incluem uma abordagem farmacológica e / ou cirúrgica, com o objetivo fundamental de restaurar o fluxo sanguíneo cerebral. Por outro lado, as intervenções na fase pós-aguda se concentram na reabilitação física e neuropsicológica.

Características de embolia cerebral

Embolia Cerebral: Sintomas, Causas, Tratamento 2

Um acidente vascular cerebral ou derrame é um distúrbio neurológico no qual o suprimento sanguíneo cerebral é subitamente interrompido, por uma obstrução ou por um derramamento de sangue (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2015).

Nosso cérebro, diferentemente de outras estruturas, não tem capacidade de acumular ou armazenar reservas de energia; por esse motivo, o suprimento constante de sangue é essencial para o seu funcionamento eficiente.

Sob condições normais, glicose e oxigênio circulam pela corrente sanguínea, atingindo todas as estruturas do corpo, incluindo o cérebro. Assim, a perfusão sanguínea cerebral necessária é de 52 ml / min / 100 g.

Portanto, qualquer evento que altere esse fluxo, colocando-o abaixo de 30ml / min / 100g, interferirá significativamente no metabolismo celular cerebral (León-Carrión, 1995; Balmesada, Barroso e Martín e León-Carrión, 2002).

Dessa forma, se uma ou várias áreas do cérebro receberem pouco oxigênio (hipóxia) ou nenhum (anóxia) e glicose, resultantes de uma obstrução maciça ou entrada de material sanguíneo, boa parte das células afetadas poderá ser danificada e, consequentemente, , morra imediatamente e gere uma área infartada (área de tecido morto) (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2015).

Embora existam diferentes tipos de acidente vascular cerebral, a embolia cerebral é classificada em eventos isquêmicos.

Ataques ou acidentes isquêmicos constituem um evento médico no qual um vaso sanguíneo cerebral é fechado ou bloqueado, impedindo a passagem de sangue e, como conseqüência, de oxigênio e glicose para diferentes áreas cerebrais (Jhons Hopkins University, 2016).

Embolia Cerebral: Sintomas, Causas, Tratamento 3

Além disso, os eventos isquêmicos podem ser divididos em dois grupos: acidentes trombóticos (oclusão devido à formação de coágulo sanguíneo nas áreas do cérebro) e acidentes embólicos (oclusão devido à presença de coágulo sanguíneo, fragmento de ingestão de gordura ou ar, de uma área extra-cerebral) (Ardila e Otrosky, 2012).

Classificamos embolia cerebral em acidentes do tipo embólico (American Heart Associaton, 2016

Um êmbolo é um acúmulo ou massa de caráter líquido, sólido ou gasoso que é gerado dentro dos vasos sanguíneos e flui através do sistema circulatório, impedindo ou impedindo a passagem de sangue.

No caso de embolia cerebral, o material que dificulta ou impede o fluxo sanguíneo normal é gerado em outros locais do sistema circulatório, ou seja , fora do cérebro, acessando-o através das artérias cerebrais (American Heart Associaton, 2016 )

Tipos de embolia cerebral

Além disso, a embolia cerebral pode ser classificada de acordo com suas características ou tipo de embolia:

Êmbolo cardíaco: neste caso, ocorre a formação de um coágulo sanguíneo formado a partir do aumento da espessura do sangue. Endurece formando uma massa. Geralmente se forma nas veias ou artérias do nosso sistema circulatório, de modo que elas tendem a se romper e a viajar pela corrente sanguínea para o cérebro.

Relacionado:  Crise de ausência: características, classificação, tratamento

Êmbolo gorduroso: neste caso, há um acúmulo de matéria gorda na forma de um depósito ou placa que, como o material sanguíneo coagulado, pode se desprender e viajar, através do sistema circulatório, para o cérebro.

– Pistão de ar: o evento que obstrui a circulação sanguínea é uma bolha de ar. Normalmente, resulta de vazamento de vasos sanguíneos ou acidentes cirúrgicos.

– Pistão séptico: o material que causa a obstrução é derivado do acúmulo de tecido ou material purulento, produto de um processo infeccioso.

Êmbolo: neste caso, um fragmento de tecido cancerígeno ou neoplásico emerge de sua fonte de origem e viaja para o cérebro, obstruindo o fluxo sanguíneo.

Êmbolo do corpo estranho : quando outros tipos de corpos fora do corpo (por exemplo, Bala) o acessam, eles também podem causar obstrução da circulação sanguínea cerebral, quando atingem essas áreas.

Estatisticas

Em geral, os acidentes vasculares cerebrais constituem uma das patologias neurológicas mais comuns na população em geral.

Assim, a Organização Mundial da Saúde (OMS), no início de 2015, observou que até aproximadamente 6,7 milhões de mortes em todo o mundo tiveram origem em um acidente vascular cerebral (Organização Mundial da Saúde, 2015).

Além disso, dentre todos os eventos crebrovasculares, os acidentes isquêmicos são os mais comuns, representando cerca de 88% deles (The Internet Stroke Center, 2016).

Embora existam poucos dados exatos sobre a prevalência específica de acidente vascular cerebral e hemorragia cerebral, no nível clínico, eles representam um dos eventos neurológicos mais frequentes e, além disso, causam um grau significativo de incapacidade funcional nas pessoas afetadas.

Quem pode sofrer um derrame?

Embora qualquer pessoa possa sofrer um derrame e, em particular, um derrame, esses distúrbios neurológicos são mais freqüentes na população acima de 55 anos e sua ocorrência aumenta exponencialmente com a idade (Martínez -Vila et al., 2011).

Além disso, existem alguns fatores pessoais e ambientais que podem aumentar o risco de sofrer com eles, alguns deles incluem: pertencer ao sexo masculino, apresentar histórico familiar, sofrer de hipertensão, diabetes, vida sedentária, consumo de substâncias tóxicas, etc. ( Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2015).

Signos e sintomas

Embolia Cerebral: Sintomas, Causas, Tratamento 4

Quando o fluxo sanguíneo cerebral é interrompido temporária ou permanentemente, diferentes eventos patológicos clinicamente identificáveis ​​podem parecer que, embora possam variar dependendo das áreas cerebrais afetadas, em muitos casos, geralmente incluem (Jhons Hopkins University, 2016 ):

– Desenvolvimento progressivo ou aparecimento repentino de sensações de formigamento, fraqueza muscular, dormência ou paralisia em uma ou várias áreas do corpo, especialmente nas extremidades ou áreas faciais.

– Desenvolvimento progressivo ou aparecimento repentino de espaço-tempo e confusão pessoal, difícil de falar ou alteração do nível de alerta e estado de consciência.

– Desenvolvimento progressivo ou aparecimento repentino de distúrbios visuais, geralmente associados à perda da visão.

– Desenvolvimento progressivo ou início repentino de sensação de cansaço, sono, fadiga, desequilíbrio e até tontura ou náusea.

– Desenvolvimento progressivo ou início repentino de dor de cabeça intensa, na forma de dor de cabeça intensa.

Quando observamos esse conjunto de sintomas em uma pessoa, é essencial ir ao serviço médico de emergência, pois ela pode estar sofrendo um derrame e, portanto, a intervenção médica é decisiva para sua sobrevivência e prognóstico funcional futuro.

Sequelas médicas

Passada a fase aguda da embolia cerebral, ou seja, os momentos iniciais após a hospitalização e intervenção médica de emergência, quando os sinais vitais da pessoa afetada são estabilizados e têm um nível de consciência funcional, é possível observar uma série de sequelas ou complicações médicas secundárias. Os mais comuns são (National Heart, Lung e Blodd Institute, 2016):

– Paralisia ou fraqueza muscular: a incapacidade de realizar movimentos com uma ou mais extremidades é uma das sequelas médicas mais frequentes após embolias cerebrais. Na maioria das vezes, geralmente afeta unilateralmente, isto é, em um lado do corpo. Podemos identificar uma dificuldade significativa para realizar atos motores com as áreas afetadas (Hemiparesia) e uma incapacidade completa (Hemiplegia).

– Apraxia: incapacidade ou dificuldade significativa para realizar e coordenar voluntariamente atos motores coordenados aprendidos anteriormente.

– Afasia: incapacidade ou dificuldade significativa na produção ou compreensão da linguagem.

– Disfagia: incapacidade ou dificuldade significativa de engolir, isto é, engolir alimentos, líquidos externos ou saliva com eficiência.

– Déficits neuropsicológicos: normalmente, uma das sequelas mais prevalentes após o AVC é a presença de déficits relacionados à orientação espacial, atenção ou capacidade de resolução de problemas; no entanto, problemas de memória também podem ocorrer , associados a eventos antes ou depois do acidente vascular cerebral.

– Transtornos emocionais: o impacto das complicações físicas e cognitivas do evento cerebrovascular pode gerar irritabilidade, alterações de humor, problemas comportamentais e até sentimentos de tristeza na pessoa afetada, portanto, é possível que alguns distúrbios psicológicos relacionados a ela possam se desenvolver. .

Causas

Como indicamos na descrição inicial da embolia cerebral, essa patologia tem sua origem etiológica na oclusão da circulação sanguínea devido à presença de um êmbolo.

Relacionado:  Epilepsia infantil: tipos, causas e tratamentos

Trata-se de um acúmulo anormal de material estranho e / ou biológico, de origem cardíaca ou não cardíaca, originado em outro ponto do sistema e transportado pelo sistema arterial para as áreas do cérebro (León-Carrión, 1995).

Um êmbolo, portanto, pode ser um coágulo sanguíneo, uma bolha de ar, gordura ou células semelhantes a tumores (León-Carrión, 1995). Portanto, existe uma grande variedade de doenças ou patologias que podem gerá-las e, portanto, contribuir para a ocorrência de embolia cerebral.

Os distúrbios mais frequentemente associados à formação de êmbolos são patologias cardíacas, especialmente infarto do miocárdio ou fibrilação atrial. No caso de êmbolos de origem gordurosa, a patologia mais relacionada à sua formação é a arterioscrorisis ou níveis elevados de colesterol no sangue (The Internet Stroke Center, 2016).

Diagnóstico

Um dos objetivos fundamentais da intervenção diagnóstica é a identificação das causas etiológicas e das áreas afetadas, com o objetivo de projetar o melhor tratamento (University of Washington, 2016).

Começando com o exame físico e neurológico, o diagnóstico de embolia cerebral concentra-se principalmente nos resultados obtidos por meio de vários exames laboratoriais (University of Washington, 2016):

– Tomografia Computadorizada (TC): considerado um dos melhores testes para detectar a presença de áreas hemorrágicas ou infartadas no cérebro, oferece informações visuais sobre sua integridade estrutural. Além disso, também pode oferecer informações sobre a perfusão sanguínea e, portanto, identificar as áreas em que há um fluxo significativamente ruim.

– Imagem por Ressonância Magnética (RM): como a anterior, oferece informações visuais sobre as áreas afetadas, além de oferecer resultados confiáveis, mesmo após alguns minutos do início dos primeiros sinais e sintomas clínicos.

– Angiografia: este tipo de teste é usado para examinar a integridade dos vasos sanguíneos que compõem nosso sistema circulatório, no caso de embolia, aqueles que nutrem as áreas do cérebro são examinados especificamente. A angiografia pode nos dizer se algum dos vasos sanguíneos estudados está bloqueado por um corpo estranho.

– Duplex carotídeo: no caso deste teste, os resultados podem indicar se existe ou não um processo arteriosclerótico, ou seja, a presença de um estreitamento dos vasos sanguíneos devido à adesão de placas.

– Doppler transcraniano (DTC): é utilizado para a mesma finalidade que o teste descrito acima; além disso, também pode mostrar a presença de coágulos sanguíneos obstrutivos.

– Ecocardiograma: este tipo de teste é usado principalmente para detectar a presença ou formação de coágulos sanguíneos em áreas cardíacas que podem se desprender e viajar para outras áreas dos ramos circulatórios.

Tratamento

Quanto ao tratamento da embolia cerebral, a primeira fase do atendimento será primariamente médica, com o objetivo de controlar o acidente e as possíveis conseqüências (León-Carrión, 1995).

Quando uma pessoa vai ao serviço médico de emergência com um quadro sintomático compatível com o sofrimento de uma embolia cerebral, o centro e os profissionais de saúde responsáveis ​​pelo caso são coordenados por meio do “Código do Ictus”, um protocolo hospitalar que estimula Os procedimentos médicos recomendados e, portanto, facilitam o diagnóstico e o início do tratamento (Martínez-Vila et al., 2011).

Embora, nos momentos iniciais – na fase aguda -, haja um alto percentual de óbitos, atualmente a melhoria e aprimoramento dos procedimentos de intervenção, medidas e tratamentos técnicos tenham reduzido significativamente o número de casos.

Geralmente, a intervenção terapêutica mais apropriada nessa fase concentra-se na terapia farmacológica, benéfica para o controle do evento embólico, prevenção de crises recorrentes, alterações da consciência ou sintomatologia secundária (León-Carrión, 1995).

Uma vez que o paciente consiga superar as complicações médicas, a gravidade clínica das sequelas dependerá principalmente de uma série de fatores relacionados às características das lesões e do paciente, com alguns dos fatores mais relevantes sendo a localização e a extensão da lesão. a lesão (León-Carrión, 1995).

Em geral, a recuperação ocorre nos primeiros três meses na maioria dos 90% dos casos, no entanto, não existe um critério exato de tempo (Balmesada, Barroso e Martín e León-Carrión, 2002).

Além disso, uma parte importante das abordagens terapêuticas serão as medidas que ajudam o indivíduo a controlar sua postura, movimentos, fala e funções cognitivas (León-Carrión, 1995).

Referências

  1. Balmesada, R., Barroso e Martín, J., & León-Carrión, J. (2002). Déficits neuropsicológicos e comportamentais dos distúrbios cerebrovasculares. Revi
    ta Brasileira de Neuropsicologia, 4 (4), 312-330
  2. ASA. (sf). Stroke Obtido da Stroke Association.
  3. NIH (2014). Embolia arterial. Obtido no MedLinePlus.
  4. NIH (2015). Stroke Obtido no MedlinePlus.
  5. NIH (2015). Curso: Esperança através da pesquisa. Obtido no Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame.
  6. NIH (2016). Quais são os sinais e sintomas de um derrame? Obtido no National Heart, Lung e Blood Institute.
  7. Martínez-Vila, E., Murie Fernández, M., Pagola, I., & Irimia, P. (2011). Doenças cerebrovasculares Medicine, 10 (72), 4871-4881.
  8. SEN (2016). O QUE É O ICTUS, QUAIS SÃO AS SUAS CAUSAS? Obtido no Grupo de Estudo Doenças Cerebrovasculares.
  9. Distúrbios neurológicos (1995). Em J. León-Carrión, Manual de Neuropsicologia Clínica. Madri: Century Ventiuno Editores.
  10. TISC (2016). Curso Isquêmico Obtido no Internet Stroke Center.
  11. University, JH (2016). Stroke Obtido em Johns Hopkins University Medicine.
  12. Washington, EUA. (2016). Curso embólico Obtido em UW Medicine.

Deixe um comentário