Errata fé: origem, usos e exemplos

A expressão “errata fé” é comumente utilizada para se referir a um erro de boa fé, ou seja, um equívoco cometido de forma involuntária e sem intenção de prejudicar alguém. Neste contexto, a expressão é frequentemente utilizada em publicações para indicar que houve um engano naquilo que foi divulgado, mas que não foi intencional.

Neste artigo, exploraremos a origem da expressão “errata fé”, seus principais usos e exemplos de situações em que ela pode ser aplicada. Ao compreender melhor o significado e a aplicação dessa expressão, será possível utilizá-la de forma correta e adequada em diferentes contextos.

Exemplo de errata: explicação sobre o que é e como utilizar corretamente.

Errata é um termo utilizado para corrigir erros em publicações impressas ou digitais, como livros, artigos, relatórios, entre outros. A errata geralmente consiste em uma lista de correções que devem ser feitas para esclarecer informações imprecisas ou incorretas.

Para utilizar corretamente uma errata, é importante identificar claramente os erros que precisam ser corrigidos e fornecer as informações corretas de forma precisa e concisa. É recomendável incluir a data da errata e a página onde o erro foi encontrado para facilitar a localização da correção.

Um exemplo de errata pode ser encontrado em um livro que possui um erro de digitação no nome do autor. A errata seria uma nota no início do livro informando que o nome correto do autor é João Silva, e não José Silva como impresso erroneamente.

Portanto, a errata é uma ferramenta importante para garantir a precisão e a credibilidade de publicações, permitindo que os leitores tenham acesso às informações corretas e atualizadas.

Em que situações o termo errata é utilizado de forma correta?

O termo errata é utilizado de forma correta em situações onde é necessário corrigir erros de impressão, ortografia, ou informações errôneas em documentos, livros, artigos, entre outros. A errata é uma lista de correções que são publicadas posteriormente à publicação original do material, com o intuito de informar os leitores sobre os equívocos presentes no texto.

Por exemplo, se um autor comete um pequeno erro de digitação em seu livro, como escrever “cometar” ao invés de “cometer”, ele pode publicar uma errata para corrigir esse engano. Da mesma forma, se um jornal publica uma notícia com informações incorretas, uma errata pode ser publicada para esclarecer os fatos de forma precisa.

Passo a passo para inserir uma correção em um documento ou publicação.

Quando perceber que há erros em um documento ou publicação, é importante corrigi-los o mais rápido possível. Para inserir uma correção, siga os passos abaixo:

Passo 1: Identifique o erro no texto e anote a correção que precisa ser feita.

Passo 2: Abra o documento original e localize o trecho que contém o erro.

Passo 3: Insira a correção diretamente no texto, destacando-a de alguma forma, como por exemplo colocando entre parênteses ou utilizando um tipo diferente de formatação.

Passo 4: Caso a publicação já esteja impressa, é importante inserir uma nota de errata no início ou no final do documento, informando o erro encontrado e a correção feita.

Relacionado:  O que a etologia estuda?

Passo 5: Se a publicação for online, certifique-se de atualizar o conteúdo com a correção para que os leitores tenham acesso à informação correta.

Lembre-se de revisar o texto corrigido para garantir que não haja novos erros. Com esses passos simples, você poderá corrigir qualquer erro em um documento ou publicação de forma eficiente e profissional.

Como elaborar e divulgar uma correção de informação de forma eficiente.

Para elaborar e divulgar uma correção de informação de forma eficiente, é importante seguir alguns passos importantes. O primeiro passo é identificar o erro de forma clara e objetiva. Em seguida, é necessário redigir a correção de maneira concisa e direta, evitando repetições e digressões.

Após redigir a correção, é essencial divulgar a informação corrigida nos mesmos canais em que a informação errada foi veiculada. É importante destacar a correção de forma visível e acessível para que os leitores possam identificar facilmente a informação corrigida.

Além disso, é recomendável utilizar ferramentas de comunicação eficientes, como redes sociais, e-mails e comunicados oficiais, para garantir que a correção seja amplamente divulgada. É importante também manter a transparência e a honestidade ao corrigir uma informação errada, demonstrando responsabilidade e compromisso com a veracidade dos fatos.

Seguindo esses passos, é possível corrigir informações de maneira eficaz e transparente.

Errata fé: origem, usos e exemplos

Errata fé: origem, usos e exemplos

A fé em erros de impressão são erros encontrados em material impresso, livros ou revistas publicados, que resultam de algum tipo de falha mecânica. Essas correções são encontradas em uma seção da mesma publicação, que indica a natureza do erro e sua localização no contexto.

Este método é aplicado nos casos em que o material é extremamente extenso para correção imediata. O recurso de fé errata deve ser usado apenas naqueles em que o erro é claramente ortográfico ou pontuação.

Erros que não se enquadram nesse campo, como, por exemplo, a estrutura de uma sentença, sua imprecisão, sobre adjetivos, entre outros truques de estilo, não podem ser corrigidos nesse método.

Um erro no texto impresso pode resultar de letras transpostas, linhas de texto ausentes ou erros simples de composição que são o resultado de uma impressora ou de um trainee que comete um erro ao montar texto na impressora. Alguns erros de layout, como as chamadas palavras órfãs, se enquadram nesse intervalo.

Origem do termo fé errata

Errata é originalmente o plural do substantivo latino erratum.  Foi legado em meados do século XVII para ser usado como substantivo singular, significando “uma lista de erros ou correções a serem feitas em um livro.

Apesar das objeções de alguns ao seu uso no singular, é comum encontrar dimensões como esta: o erro de digitação começa na página 237 . Embora as impressões erradas tenham sido frequentes na primeira impressão, a maioria delas foi corrigida nas impressões subsequentes.

Como substantivo singular, a errata desenvolveu uma plural “errata” em inglês, que raramente é usada, a menos que seja acompanhada pela palavra “fé”. O termo também aparece no diário de Benjamin Franklin, onde se refere aos vários erros em sua própria vida como impressões erradas .

Método de uso

Erratas se referem a erros de impressão ou escrita, como erros de ortografia, omissões e algumas variações de tipografia.

Por exemplo, após uma entrevista, o testemunho é transcrito pelo repórter. Depois de ler a transcrição, ambas as partes podem enviar uma lista de erros de impressão ao repórter, para que as correções possam ser feitas para refletir e aumentar a precisão do próprio testemunho.

No entanto, nenhuma das partes envolvidas na correção do texto pode usar uma lista de erratas para alterar a redação impressa devido a uma mudança de opinião sobre o testemunho prestado.

Ele é usado para simplesmente corrigir erros que passaram despercebidos aos olhos do editor ou revisor; portanto, se alterações drásticas forem buscadas no conteúdo impresso, a fé na errata poderá ser rejeitada ou sujeita a uma nova revisão e impressão, que atrasaria a impressão do manuscrito.

Formas de apresentação: A página ou folha de errata

Sua apresentação é geralmente padrão. É vista como uma lista de correções no texto ou no conteúdo de uma obra inteira, geralmente colocada ou incluída no livro como uma folha de papel separada, mas às vezes como uma folha inteira anexada ou vinculada.

A folha da errata é o anexo que contém as correções do editor-chefe encarregado de publicar o manuscrito. As razões para essas correções também são encontradas na página, colocando-as em um contexto literal no trabalho.

Uma folha ou página de errata tem como objetivo informar o leitor, editor, revisor ou autor de erros no manuscrito, referindo-se a eles e listando-os um por um. 

Esta folha não pretende alterar drasticamente e substancialmente o que é declarado no manuscrito, mas revelar dúvidas ortográficas que foram divulgadas.

Importância da fé errata no mundo editorial

No processo de publicação, o editor deve ter um amplo critério ao colocar a página, pois deve imprimir e incluir um deslizamento indicando os erros, onde estão localizados e a correção do local e do erro.

Se o editor-chefe decidir não colocar a página, poderá haver sérias conseqüências de que o trabalho em si não seja publicado. Por fim, o editor pode optar por remover o livro das prateleiras por um tempo definido e substituí-lo por um novo e corrigido.

A presença de erros de impressão pode ser um ponto significativo na prioridade de edição de um determinado livro, dependendo do volume do livro e dos erros de impressão.

Considerações sobre Fé em Erratas

Se o autor encontrar um erro significativo após a publicação, as versões online do manuscrito serão corrigidas e as erratas serão referenciadas. Tudo isso quando o erro não é significativo.

Um erro significativo implica informações incorretas. Alguns erros de ortografia podem se enquadrar nesse intervalo se esse contexto alterar o significado do contexto.

Erros tipográficos ainda legíveis, correções gramaticais e descobertas feitas após a publicação on-line e em papel digital geralmente não são consideradas erros de impressão. Isso inclui atualizações de informações.

Relacionado:  Quais são os componentes culturais do México?

Quando uma fé errata é necessária?

O recurso é sempre necessário para correções de última hora que não possam ser interrompidas depois que o manuscrito for aprovado para publicação, pelo menos em formato físico, para que a página da errata seja adicionada como uma medida de contingência.

A expressão fé nas erratas tende a ser confundida com a fé nos erros. A diferença é que esse erro distorce o contexto e a base do trabalho em geral.

Alterações técnicas podem ser feitas, por exemplo, o verificador tem o poder absoluto de corrigir erros ortográficos menores ou próprios.

Atualmente, a fé em erratas pode ser obtida de outras formas durante o texto, agregando ao recurso das anotações da página ou ao glossário de termos, de acordo com a característica literária, da editora, da editora e da maneira como foi apresentada. .

Exemplos de fé errata

O papa não católico

Em agosto de 2015, o prestigioso jornal The Times publicou uma reportagem sobre João Paulo II, na qual cometeu um erro pelo qual teve que corrigir com as seguintes erratas:

João Paulo II foi mencionado na coluna no sábado passado como o primeiro papa não católico em 450 anos. Obviamente, deveria ter sido lido que era o primeiro não italiano. Pedimos desculpas pelo erro.

Candidato do Toy Story brasileiro

Em entrevista a Eduardo Jorge Diz, candidato à presidência do Brasil, pela médium Veja, ela cometeu o erro de confundir o hobby de seu entrevistado, tendo que corrigir da seguinte maneira:

O candidato presidencial que entrevistamos dias atrás não se diverte com os desenhos animados de Toy Story, como relatamos originalmente, mas com Tolstoi, autor de clássicos russos. Pedimos desculpas aos leitores.

Diferença com a fé nos erros

Geralmente acontece que há confusão entre fé errata e fé errônea, expressões que não têm nada em comum.

No caso de erros, isso é usado em jornais informativos, especificamente na seção Cartas ao editor para esclarecer os erros que foram publicados nos dias anteriores.

Este é um exemplo que apareceu no jornal espanhol El País:

Em relação às informações publicadas por este jornal em 8 de fevereiro na edição impressa – página 22 – e digital da Galiza, sob o título Apoteose do plug, […] ordena a publicação do seguinte texto de retificação:

“O motorista que dirigia o veículo é funcionário do advogado, não tem vínculo empregatício ou de dependência com o Sr. Baltar, nem era membro do Partido Popular ou candidato à eleição. Da mesma forma, sua esposa não aprovou a última oposição convocada no Conselho Provincial, nem trabalha nessa entidade, mas é trabalhadora independente. ”

Referências

  1. Diretrizes para escrever uma lista de erratas – Faculdade de Humanidades recuperada por hf.uio.no.
  2. Diretrizes de Erratas recuperadas de annualreviews.org.
  3. Quando é necessária uma errata? – recuperado de MathOverflow.org.
  4. O que é errata – Sesli Sözlük recuperado de seslisozluk.net.
  5. Lei de erratas e definição legal | recuperado de settings.uslegal.com.
  6. O que significa erratum? Recuperado de audioenglish.org.
  7. Erratas, retrações, corrigidas recuperadas de nlm.nih.gov.

Deixe um comentário