Espasticidade: sintomas, causas e tratamentos

A espasticidade é um sintoma comum em diversas condições neurológicas, caracterizada por contrações musculares involuntárias e persistentes que resultam em rigidez e dificuldade de movimento. As principais causas da espasticidade incluem lesões na medula espinhal, acidente vascular cerebral, esclerose múltipla e paralisia cerebral. O tratamento da espasticidade envolve uma abordagem multidisciplinar, com o uso de medicamentos, terapias físicas e ocupacionais, e em alguns casos, procedimentos cirúrgicos. O acompanhamento médico especializado é fundamental para controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Quais são as possíveis causas da espasticidade?

A espasticidade é um sintoma comum em condições neurológicas como a esclerose múltipla, acidente vascular cerebral, lesões na medula espinhal, paralisia cerebral e doenças degenerativas do sistema nervoso. Ela é caracterizada por um aumento no tônus muscular, levando a rigidez e dificuldade de movimentação.

As possíveis causas da espasticidade incluem lesões na via piramidal, que é responsável pelo controle dos movimentos voluntários, alterações nos neurotransmissores que controlam a atividade muscular, excesso de atividade dos músculos, redução no controle inibitório do sistema nervoso central e alterações na comunicação entre os neurônios.

Além disso, fatores como estresse, fadiga, infecções e alterações na temperatura corporal podem desencadear ou piorar a espasticidade. É importante que o paciente seja avaliado por um profissional de saúde para identificar a causa específica do problema e propor um tratamento adequado.

O tratamento da espasticidade pode envolver fisioterapia, medicamentos para relaxar os músculos, injeções de toxina botulínica, terapias alternativas como acupuntura e cirurgia em casos mais graves. O acompanhamento médico regular e a adoção de medidas para melhorar a qualidade de vida do paciente são fundamentais para o controle da espasticidade.

Sintomas da espasticidade: conheça os sinais mais comuns dessa condição neurológica.

A espasticidade é uma condição neurológica que afeta a capacidade de controle dos músculos, resultando em rigidez e espasmos involuntários. Os sintomas mais comuns da espasticidade incluem rigidez muscular, espasmos, movimentos involuntários e dificuldade de movimentação.

Os pacientes com espasticidade podem apresentar contraturas musculares, o que dificulta a realização de atividades diárias. Além disso, a espasticidade pode causar dor e desconforto nos músculos afetados.

Outros sintomas da espasticidade incluem alterações na marcha, fadiga muscular e perda de força nos membros afetados. Esses sintomas podem variar de leve a grave, dependendo da gravidade da condição.

É importante procurar um médico se você apresentar sintomas de espasticidade, pois o diagnóstico precoce e o tratamento adequado podem ajudar a melhorar a qualidade de vida do paciente. O tratamento da espasticidade pode incluir fisioterapia, medicação e procedimentos cirúrgicos, dependendo da gravidade do caso.

Qual é o tratamento mais eficaz para a espasticidade muscular?

A espasticidade muscular é um sintoma comum em diversas condições médicas, como lesões cerebrais, esclerose múltipla e acidente vascular cerebral. Caracteriza-se pela rigidez e contração involuntária dos músculos, o que pode causar desconforto e limitar a mobilidade do paciente. Existem diversos tratamentos disponíveis para ajudar a controlar a espasticidade muscular, sendo que o mais eficaz geralmente envolve a combinação de terapias.

Uma das abordagens mais comuns para tratar a espasticidade muscular é a fisioterapia, que consiste em exercícios e técnicas de alongamento para melhorar a flexibilidade e fortalecer os músculos. Além disso, a terapia ocupacional pode ajudar o paciente a realizar tarefas do dia a dia de forma mais eficiente, reduzindo a rigidez muscular. Medicamentos também podem ser prescritos para relaxar os músculos e controlar os sintomas da espasticidade.

Em casos mais graves de espasticidade, a toxina botulínica, conhecida popularmente como botox, pode ser injetada nos músculos afetados para bloquear os sinais nervosos que causam as contrações musculares. Essa é uma opção eficaz para pacientes que não respondem bem a outras formas de tratamento. Em alguns casos, a cirurgia pode ser necessária para corrigir problemas estruturais que contribuem para a espasticidade.

É importante consultar um médico especializado para avaliar o melhor plano de tratamento para cada caso específico.

Dicas para reduzir a espasticidade e melhorar a qualidade de vida.

A espasticidade é um sintoma comum em diversas condições neurológicas, como a esclerose múltipla, acidente vascular cerebral e paralisia cerebral. Ela se caracteriza pela rigidez muscular, dificultando os movimentos e causando desconforto. Para melhorar a qualidade de vida de quem sofre com esse problema, é importante adotar algumas medidas que podem ajudar a reduzir a espasticidade.

Uma das dicas mais importantes é manter a prática regular de exercícios físicos. O fortalecimento muscular e a melhora da flexibilidade podem contribuir para diminuir a rigidez dos músculos. Além disso, a atividade física ajuda a melhorar a circulação sanguínea e a reduzir o estresse, o que pode beneficiar o controle da espasticidade.

Relacionado:  Fisiopatologia da depressão: principais características

A fisioterapia também é fundamental no tratamento da espasticidade. O fisioterapeuta pode orientar exercícios específicos para alongar os músculos e melhorar a mobilidade, além de utilizar técnicas como massagem e aplicação de calor para relaxar a musculatura.

Outra dica importante é manter uma alimentação saudável e equilibrada. Uma dieta rica em nutrientes pode contribuir para o bom funcionamento do corpo como um todo, ajudando a reduzir a espasticidade. É importante também manter-se hidratado, pois a desidratação pode agravar os sintomas da espasticidade.

Além disso, evitar situações de estresse e ansiedade pode ser benéfico para quem sofre com espasticidade. O estresse pode desencadear ou piorar os sintomas, por isso é importante encontrar formas de relaxar e manter a mente tranquila.

Em casos mais graves, o médico pode indicar o uso de medicamentos para controlar a espasticidade. É importante seguir corretamente a orientação médica e informar sobre qualquer efeito colateral que possa surgir durante o tratamento.

Com essas medidas, é possível controlar os sintomas da espasticidade e ter uma vida mais confortável e ativa.

Espasticidade: sintomas, causas e tratamentos

A espasticidade é uma condição médica na qual um aumento anormal no tono muscular, ou seja, rigidez muscular ocorre.Esse sintoma interfere em muitos casos na produção de movimento ou linguagem e está associado à dor ou desconforto postural.

Normalmente, a espasticidade é geralmente considerada um distúrbio do tipo motor associado a várias doenças e deficiências .Sua causa é encontrada na presença de danos ou lesões nas vias nervosas que controlam os movimentos musculares , causando um aumento no tônus ​​muscular e, portanto, dificultando ou impedindo o movimento parcial / total dos grupos musculares afetados.

Espasticidade: sintomas, causas e tratamentos 1

Além disso, a espasticidade geralmente aparece como um dos sintomas de algumas das seguintes condições médicas: lesões na medula espinhal, esclerose múltipla, paralisia cerebral, acidente vascular cerebral, trauma craniocerebral, esclerose lateral amiotrófica, paraplegias espásticas hereditárias e algumas patologias metabólicas como adrenoleucodistrofia, fenilcetonúria e doença de Krabbe.

No nível clínico, o quadro sintomático da espasticidade pode variar de hipertonia (aumento anormal do tônus ​​muscular), clônus (contrações musculares rápidas e repentinas), reflexos exagerados, espasmos musculares, fechamento involuntário das pernas e presença de contraturas.

Em alguns casos, a espasticidade pode apresentar rigidez muscular leve, porém, em muitos outros, espasmos musculares intensos, dolorosos e incontroláveis aparecem .

Essa condição médica pode interferir significativamente tanto na execução das atividades da vida diária (caminhada, alimentação, etc.) quanto na evolução da reabilitação física para determinadas patologias.

O que é espasticidade?

Espasticidade: sintomas, causas e tratamentos 2

A espasticidade é um distúrbio do tipo motor em que certos grupos musculares se contraem continuamente, o que causa tensão e rigidez muscular.

A espasticidade pode ocorrer levemente, uma sensação de aperto nos músculos ou agravar, produzindo rigidez muscular significativa, espasmos involuntários ou movimentos bruscos.

Normalmente, essa alteração pode causar dor ou desconforto e interferir nas atividades da vida cotidiana, sendo um obstáculo para caminhar, sentar, adotar posturas confortáveis ​​e até dormir.

As pessoas que sofrem dessa patologia costumam descrevê-la como: “sensação de peso e rigidez nas pernas ou braços”, “pernas apreendidas”, ” como se carregassem vários quilos nas pernas ou braços”, “dificuldade em levantar”. pés ao caminhar », etc.

Além do termo espasticidade, no campo da medicina outros são freqüentemente usados ​​como rigidez muscular ou hipertonia para se referir a essa patologia.

No caso da hipertonia, os profissionais de saúde definem-na como uma elevação patológica do tônus ​​muscular, ou seja, uma contração permanente de um músculo e distinguem dois tipos.

  • Estático: o tônus ​​muscular elevado está presente independentemente da atividade corporal, podendo ser observado em qualquer posição.
  • Dinâmico: a rigidez muscular ocorre apenas em situações específicas e geralmente é variável. Geralmente aparece quando é feita uma mudança de posição, na
    presença de estímulos dolorosos ou ao fazer movimentos voluntários, entre outros.

Quem a espasticidade afeta?

A espasticidade pode afetar qualquer pessoa, independentemente de sua faixa etária, sexo ou outras características sociodemográficas. Portanto, podemos encontrar casos de espasticidade em crianças, adolescentes, adultos ou idosos.

Relacionado:  Abscesso cerebral: sintomas, causas e tratamento

O perfil do envolvimento clínico é geralmente bastante variado, pois é um distúrbio motor que está dentro da sintomatologia de uma ampla variedade de patologias, tanto congênitas, adquiridas quanto neurodegenerativas.

A Associação Americana de Cirurgiões Neurológicos (2006) observa que a espasticidade afeta aproximadamente 12 milhões de pessoas em todo o mundo, com paralisia cerebral e esclerose múltipla sendo as causas mais prevalentes.

Especificamente, a espasticidade é considerada um dos sintomas mais comuns na esclerose múltipla (EM). Um estudo do Consórcio Norte-Americano de Escerose Múltipla (2001) mostrou que aproximadamente 84% das pessoas pesquisadas com esclerose múltipla apresentavam espasticidade em algum momento durante o curso clínico.

No caso de paralisia cerebral, estima-se que aproximadamente 80% das pessoas afetadas tenham graus variados de espasticidade. Nos Estados Unidos, cerca de 400.000 pessoas podem ser afetadas.

Sintomas

Embora os sintomas de espasticidade variem consideravelmente entre os afetados, podemos destacar alguns dos mais comuns:

  • Flexões ou extensões não intencionais e repentinas de qualquer um dos membros.
  • Rebocadores nos principais grupos musculares: peito, costas, abdômen, etc.
  • Espasmos musculares ou reflexos hiperativos.
  • Rigidez muscular em repouso.
  • Dificuldade para relaxar ou alongar os grupos musculares.
  • Tensão de vários grupos musculares durante a atividade.
  • Dificuldade ou incapacidade de controlar movimentos voluntários.
  • Clonus: contração / relaxamento involuntário, repetitivo e rítmico da musculatura afetada.
  • Dores musculares e articulares

Quais áreas do corpo são as mais afetadas?

Embora possa afetar grandes grupos musculares, a espasticidade é mais comum em:

  • Membros inferiores : no caso das pernas, a espasticidade afeta fundamentalmente os músculos extensores do quadríceps, gêmeos e adutores do quadril.
  • Membros superiores : no caso dos braços, a espasticidade afeta principalmente os músculos flexores dos dedos, punho, bíceps e adutores do ombro.

Por esse motivo, também é possível observar padrões posturais anormais: quadril flexionado para dentro, ponta dos pés para baixo, joelhos flexionados, entre outros.

Causas

As conexões nervosas existentes entre a medula espinhal e o cérebro fazem parte de um complexo circuito de transmissão de informações que controla nossos movimentos.

Todas as informações sobre processos e sensações como toque, movimento ou alongamento muscular são transmitidas da medula espinhal para o cérebro.

O cérebro é responsável por interpretar todas as informações que as alcançam e desenvolve uma resposta na forma de instruções através da medula espinhal, controlando assim nossos movimentos.

Quando lesões e danos significativos nas vias nervosas envolvidas no controle de movimentos e grupos musculares ocorrem , um dos sintomas que podem se desenvolver é a espasticidade.

Após uma lesão, o fluxo normal de resposta à informação é interrompido, a mensagem pode não chegar ao cérebro ou não desenvolve uma resposta eficiente. Portanto, a espasticidade pode aparecer quando ocorrem danos no nível do cérebro e da coluna vertebral.

Quando as lesões são restritas às áreas do cérebro, a espasticidade afeta fundamentalmente a flexão das extremidades superiores e a extensão das inferiores; Pelo contrário, se a lesão afetar diferentes áreas da medula espinhal, será observada espasticidade na forma de flexão e adução dos membros superiores.

No caso da espasticidade, foram descritas várias patologias que afetarão as vias que controlam o movimento:

  • Paralisia Cerebral (PC).
  • Esclerose múltipla (EM).
  • Traumatismo craniano (TCE).
  • Stroke
  • Lesões na medula espinhal.
  • Encefalite
  • Meningite
  • Esclerose lateral amiotrófica (ELA).
  • Fenilcetonúria

A espasticidade está sempre presente?

A gravidade da espasticidade é amplamente variável, de casos leves a moderados a graves. É também uma condição médica variável ao longo do dia; em muitos casos, sua ocorrência depende da posição ou atividade que está sendo executada.

Além disso, fatores ambientais e psicológicos também influenciam a percepção da dor.

Fatores que aumentam o tônus ​​ou a espasticidade muscular

Alguns eventos, ações ou circunstâncias que aumentam a gravidade e a ocorrência de espasticidade foram identificados:

  • Mova as pernas ou os braços.
  • Estique os músculos.
  • Doenças de pele: irritação, vermelhidão, urticária, etc.
  • Úlceras por pressão
  • Infecção completa da bexiga ou do trato urinário.
  • Constipação
  • Fraturas e outras lesões musculares.

Diagnóstico

Quando uma pessoa sofre de qualquer uma das condições etiológicas mencionadas acima (paralisia cerebral, EM, etc.), podem ocorrer fraqueza e hipertonia muscular.

O diagnóstico preciso da espasticidade requer a elaboração detalhada do histórico médico do paciente e a realização de um exame físico detalhado.

Relacionado:  Afasia: tipos, sintomas, causas, tratamentos

Muitos especialistas médicos acreditam que as seguintes áreas devem ser avaliadas:

  • Tônus muscular : através da escala de Ashworth modificada.
  • Equilíbrio articular : através da medição dos ângulos articulares.
  • Controle motor seletivo : através da observação da capacidade de realizar diferentes movimentos.
  • Capacidade funcional : é mensurada através da realização de atividades da vida diária.
  • Análise da marcha : é medida através da observação direta da marcha.
  • Espasmos musculares : através da escala de espasmos .
  • Dor : através da escala analógica visual.
  • Avaliação global subjetiva : por meio de uma escala de classificação do tipo Likert.
  • Padrão de observação : através de exame físico.

Complicações associadas

Em uma grande parte das pessoas que sofrem de espasticidade, existem vários problemas ou aspectos negativos associados a esta condição médica:

  • Dificuldade ou incapacidade de executar ações que envolvam atividade muscular voluntária.
  • Presença de padrões posturais anormais.
  • Dificuldade para caminhar, distúrbio da marcha.
  • Dificuldade ou incapacidade de realizar muitas das atividades rotineiras da vida diária (comer, tomar banho, vestir-se etc.).
  • Desenvolvimento de contratura, espasmos musculares, dores musculares e articulares.
  • Dificuldade em urinar e defecar, incontinência urinária.
  • Maior probabilidade de sofrer fraturas, malformações ósseas e articulares, úlceras por pressão.
  • Em um nível psicológico, pode favorecer o isolamento e o desenvolvimento da sintomatologia depressiva.
  • Diminuição significativa na qualidade de vida.
  • Dificuldade em desenvolver efetivamente um tratamento de reabilitação.

Apesar disso, a espasticidade também pode ser benéfica em alguns casos:

  • Melhora ou diminui a atrofia muscular devido ao desuso de vários grupos musculares.
  • Reduz o inchaço ou edema nas pernas que ocorrem como resultado da imobilidade.
  • Reduz o risco de sofrer trombose venosa nas extremidades inferiores.
  • Reduz a fraqueza muscular nas pernas e favorece a postura em pé.
  • Favorece o reflexo de abstinência antes de um estímulo que causa dor.
  • Reduz a probabilidade de apresentar hipotensão, favorecendo o controle da pressão arterial.

Tratamento

Espasticidade: sintomas, causas e tratamentos 3

Existem várias intervenções terapêuticas destinadas a tratar os sintomas e complicações da espasticidade. Isso deve ser tratado quando a dor e a rigidez muscular interferirem negativamente nas atividades de rotina e na qualidade de vida da pessoa afetada.

Em geral, um grande grupo de especialistas geralmente participa do tratamento da espasticidade, incluindo: neurologista, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, neurocirurgião, cirurgião ortopédico, entre outros.

No nível clínico, a espasticidade pode ser tratada através de abordagens farmacológicas e não farmacológicas.

Intervenção não farmacológica terapêutica

A intervenção ou tratamento físico visa reduzir os sintomas de espasticidade:

  • Atividades regulares de alongamento muscular ajudam a melhorar a flexibilidade e reduzir a tensão muscular.
  • Exercícios com peso ou na posição vertical, também permitem melhorar a flexibilidade muscular.
  • O uso de próteses, talas ou outras medidas ortopédicas permite modificar a presença de posturas anormais e melhorar a frequência de apresentação de espasmos musculares.
  • O uso de calor / frio também é benéfico para reduzir o tônus ​​muscular.

Essas e outras medidas de intervenção física devem ser controladas e supervisionadas por um especialista, geralmente os fisioterapeutas são responsáveis ​​pela implementação de programas de reabilitação nos serviços de saúde.

Intervenção terapêutica farmacológica

A intervenção medicamentosa é usada quando a fisioterapia não é eficaz. Se houver um amplo envolvimento de várias áreas do corpo, os médicos podem prescrever medicamentos orais, como: bacloneno, benzodiazepínicos, intoleno ou rizanidina.

Embora muitas vezes produzam benefícios em muitos casos, eles também trazem vários efeitos colaterais, como sonolência, cansaço, fadiga, fraqueza ou náusea.

Referências

  1. AANS (2016). Espasticidade . Obtido da Associação Americana de Cirurgiões Neurológicos.
  2. Cleveland Clinic (2015). Espasticidade . Obtido na Cleveland Clinic.
  3. Clinic, M. (2014). Tratamento da espasticidade para lesão medular . Obtido na Mayo Clinic.
  4. Voce mora (2009). O que é espasticidade? Obtido de Você vive com Espasticidade.
  5. Doctors, E. (2013). Guia de exercícios para melhorar a espasticidade na esclerose múltipla . Obtido em Multiple Sclerosis.com.
  6. MSKTC (sf). Espasticidade e lesões na medula espinhal . Obtido no Model Systems Knowledge Translation Center.
  7. NIH (2015). Espasticidade . Obtido no MedlinePlus.
  8. NIH (2011). Informações sobre espasticidade . Obtido no Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame.
  9. Tecglen, C. (2015). Guia Para pessoas que vivem com espasticidade. Madri: Universidade Nacional de Educação a Distância.
  10. UMMC (2015). Espasticidade . Obtido no Centro Médico da Universidade de Maryland.

Deixe um comentário