O que é memória seletiva e como funciona?

A memória seletiva é um fenômeno psicológico que se refere à tendência das pessoas lembrarem-se melhor de informações que são congruentes com suas crenças, valores e interesses, enquanto tendem a esquecer ou distorcer informações que são discordantes. Em outras palavras, as pessoas selecionam e filtram as informações que recebem de acordo com suas próprias experiências e perspectivas, formando assim uma memória seletiva. Esse processo funciona como uma espécie de filtro que nos ajuda a processar e armazenar informações de forma mais eficiente, priorizando aquelas que são mais relevantes e significativas para nós. No entanto, a memória seletiva também pode levar a distorções e viéses cognitivos, influenciando a forma como percebemos e interpretamos o mundo ao nosso redor.

Conheça os variados tipos de memória existentes e como funcionam em nosso cérebro.

A memória é um processo complexo que envolve diversas áreas do cérebro e pode ser dividida em diferentes tipos. Os principais tipos de memória são a memória sensorial, a memória de curto prazo e a memória de longo prazo. Cada uma dessas formas de memória desempenha um papel fundamental em nossa capacidade de aprender, lembrar e processar informações.

A memória sensorial é responsável por armazenar brevemente informações sensoriais, como imagens visuais ou sons. Essas informações são retidas por um curto período de tempo e, se não forem transferidas para a memória de curto prazo, acabam sendo esquecidas. A memória de curto prazo, por sua vez, é responsável por reter informações temporariamente, permitindo que possamos realizar tarefas simples, como lembrar um número de telefone por alguns segundos.

Por fim, a memória de longo prazo é responsável por armazenar informações de forma mais duradoura. Essas informações podem ser acessadas e recuperadas posteriormente, mesmo após um longo período de tempo. A memória de longo prazo é essencial para a aprendizagem e a formação de novas memórias.

A memória seletiva, por sua vez, é um fenômeno psicológico que ocorre quando selecionamos consciente ou inconscientemente as informações que desejamos lembrar ou ignorar. Isso significa que nosso cérebro é capaz de filtrar e armazenar apenas as informações que consideramos mais relevantes ou importantes, enquanto descartamos aquelas que consideramos menos significativas.

Este processo de seleção pode ser influenciado por diversos fatores, como nossas crenças, valores, interesses e experiências passadas. Por exemplo, se uma pessoa tem interesse em música, é mais provável que ela se lembre de informações relacionadas a esse tema do que de informações relacionadas a esportes.

É importante ressaltar que a memória seletiva pode variar de pessoa para pessoa e pode ser influenciada por diversos fatores externos e internos.

Por que minha memória não recorda eventos passados de minha vida?

A memória seletiva é um fenômeno intrigante que ocorre em nossas mentes, afetando a forma como lembramos de eventos passados de nossa vida. Muitas vezes nos perguntamos por que nossa memória não recorda certos acontecimentos, mesmo que sejam momentos importantes ou marcantes para nós. Isso ocorre porque a memória seletiva é um mecanismo natural do cérebro que nos ajuda a filtrar e armazenar informações relevantes, descartando aquelas consideradas menos importantes.

A memória seletiva funciona de forma a priorizar informações que são consideradas mais significativas para nós. Quando nosso cérebro recebe uma grande quantidade de estímulos e dados diariamente, ele precisa selecionar o que será armazenado e o que será descartado. Dessa forma, eventos que são percebidos como menos relevantes podem não ser retidos em nossa memória de longo prazo.

Além disso, a memória seletiva pode ser influenciada por diversos fatores, como emoções, interesses pessoais, crenças e experiências anteriores. Por exemplo, se um evento causou uma forte emoção em nós, é mais provável que ele seja lembrado, pois as emoções têm o poder de reforçar a memória. Da mesma forma, se algo está relacionado aos nossos interesses ou valores, é mais provável que seja retido em nossa memória.

Portanto, quando nos perguntamos por que nossa memória não recorda eventos passados de nossa vida, é importante lembrar que a memória seletiva é um processo natural e necessário para o funcionamento eficiente de nosso cérebro. Nem todos os eventos serão lembrados da mesma forma, e isso faz parte da complexidade e da singularidade de cada indivíduo.

Entenda o funcionamento do processo de memória em detalhes de forma simplificada.

A memória seletiva é um processo complexo que envolve a capacidade do cérebro de reter e recuperar informações importantes. Para entender como funciona, é importante compreender como a memória em geral opera.

A memória é dividida em três etapas principais: codificação, armazenamento e recuperação. Durante a codificação, as informações são processadas e transformadas em um formato que o cérebro pode armazenar. Em seguida, essas informações são armazenadas em diferentes áreas do cérebro, dependendo de sua importância e relevância. Finalmente, durante a recuperação, o cérebro busca e acessa as informações armazenadas quando necessário.

Relacionado:  Autismo atípico: sintomas, causas e tratamento

A memória seletiva é um aspecto desse processo, que se refere à capacidade do cérebro de escolher quais informações são mais relevantes e importantes para reter. Isso significa que, diante de uma grande quantidade de informações, o cérebro seleciona apenas aquelas que são consideradas significativas, descartando o restante.

Esse processo de seleção é influenciado por diversos fatores, como a atenção, interesse, relevância e contexto. Por exemplo, se uma informação está relacionada a um interesse pessoal ou é considerada importante para uma determinada situação, é mais provável que seja retida na memória.

Portanto, a memória seletiva desempenha um papel fundamental em nossa capacidade de processar e reter informações de forma eficaz, garantindo que possamos focar no que realmente importa. É importante ressaltar que a memória seletiva não é infalível e pode ser influenciada por diversos fatores, como distrações, emoções e viéses cognitivos.

Por que nossa memória seleciona algumas lembranças e ignora outras?

A memória seletiva é um fenômeno comum em nossas vidas, onde lembramos de algumas experiências e informações, enquanto outras são simplesmente ignoradas. Mas por que isso acontece?

Nossa memória funciona de forma seletiva devido a diversos fatores, como a relevância emocional das lembranças, a frequência com que são acessadas e a conexão com nossos interesses e valores pessoais. Quando uma lembrança está associada a uma emoção intensa ou a um momento significativo em nossas vidas, tendemos a recordá-la com mais facilidade.

Além disso, nossa memória tende a priorizar informações que estão alinhadas com nossos interesses e crenças, descartando aquelas que não se encaixam nesse padrão. Isso ocorre porque nosso cérebro está constantemente filtrando as informações que recebemos, selecionando apenas o que considera mais relevante para nós.

Outro fator que influencia a memória seletiva é a repetição. Quando uma informação é repetida com frequência, nosso cérebro tende a armazená-la com mais facilidade, tornando-a mais acessível em nossa memória.

Portanto, a memória seletiva é um mecanismo natural do nosso cérebro, que nos ajuda a processar e armazenar as informações de forma mais eficiente, priorizando aquelas que são mais importantes e relevantes para nós. É importante compreender esse processo para entender como nossas lembranças são formadas e por que algumas são mais facilmente recordadas do que outras.

O que é memória seletiva e como funciona?

A memória seletiva é um fenômeno popularmente usado para justificar por que uma pessoa pode se lembrar muito bem uma coisa e esqueceu todos os outros eventos.

Por que alguém pode se lembrar do perfume do perfume que sua avó usava há 20 anos, mas é incapaz de se lembrar do que ele tinha jantado no domingo passado? A resposta a esta pergunta é simples. A memória funciona de maneira seletiva; isto é, não se lembra de todas as informações que captura da mesma maneira.

O que é memória seletiva e como funciona? 1

Certos elementos podem ser armazenados profundamente na mente das pessoas e lembrados perfeitamente. Por outro lado, outros aspectos podem não ser bem memorizados e facilmente esquecidos.

Essas características da memória humana mostram que a memória seletiva não é um tipo específico de memória. Muito pelo contrário, todo o processo mnésico é seletivo.

Por que a memória é seletiva?

O que é memória seletiva e como funciona? 2

Os processos de memória dos seres humanos estão em operação contínua. Eles não descansam e trabalham durante todo o dia para nutrir o pensamento das pessoas.

Do mesmo modo, os sentidos capturam permanentemente um número infinito de estímulos. Seja através da visão, cheiro, toque ou audição, a quantidade de informações que chega ao cérebro durante um dia é incontável.

De fato, se alguém tentar se lembrar à noite das informações que capturou durante o dia, será totalmente impossível que se lembre de todos os elementos percebidos.

Esta situação é explicada e justificada através da seletividade da memória. O cérebro humano é incapaz de armazenar e lembrar de todos os elementos que captura. Da mesma forma, muitas das informações percebidas são irrelevantes para a vida das pessoas.

Qual era a cor do estofamento do táxi que você pegou esta tarde? Como foram os brincos do vendedor da loja onde você foi comprar? Que caneta você usou esta manhã no escritório?

Todos esses exemplos são elementos que são facilmente esquecidos devido à memória seletiva. O cérebro interpreta essas informações como irrelevantes; portanto, a menos que haja um estímulo que capte a atenção, geralmente não é lembrado.

Assim, conclui-se que a memória é seletiva porque o cérebro humano não consegue se lembrar de tudo. Você precisa filtrar e filtrar as informações para manter essa informação especialmente importante e ignorar as irrelevantes.

O que é esquecido?

A memória não é um processo linear que corre diretamente com a vontade das pessoas. Em outras palavras, os seres humanos não esquecem aqueles aspectos dos quais não querem se lembrar.

De fato, quanto mais você deseja esquecer um determinado tipo de informação, maior a probabilidade de ela continuar sendo lembrada.Essa situação é explicada pela própria operação de memória. Isso não funciona como um computador em que você pode inserir e excluir arquivos voluntariamente.

O que determina algo a ser esquecido?

Compreender os fatores que determinam o esquecimento de informações é altamente complexo. Não existe um processo único ou uma maneira infalível de prever quais elementos serão esquecidos.

No entanto, pesquisas recentes sobre processos mnésicos revelaram certos aspectos que permitem que essa pergunta seja respondida até certo ponto.

Percepção pelos sentidos

Em primeiro lugar, foi demonstrado como, para que as informações sejam armazenadas corretamente e lembradas com confiabilidade, elas devem ser capturadas corretamente pelos sentidos.

Essa primeira característica da memória mostra a importância da atenção e da percepção. Se essas duas habilidades cognitivas não funcionarem corretamente e você não prestar atenção ao estímulo, ele será armazenado de maneira fraca e facilmente esquecida.

A percepção desempenha um papel muito importante na memória, e é por isso que a memória seletiva está intimamente relacionada à atenção seletiva. No entanto, não é o único elemento que prevê as informações que são esquecidas.

Processamento de informação

Segundo, o trabalho realizado nas informações armazenadas é exibido. Se, quando você se lembra de um determinado elemento, pensa nele continuamente, a memória é consolidada.

Por exemplo, se uma pessoa, todos os dias ao chegar ao trabalho, precisar digitar a senha de seu usuário para poder ligar o computador, essas informações serão lembradas facilmente. No entanto, se você nunca digitar, será mais provável que você esqueça.

O que você lembra?

O que é memória seletiva e como funciona? 3

Os mesmos fatores que explicam o esquecimento servem para explicar a memória e os elementos lembrados.Para se lembrar de uma determinada informação, é importante fazer esforços repetidos em seu armazenamento.

Esse fato explica que, durante o estudo, ler as mesmas informações várias vezes, fazer esquemas e repetir mentalmente as palavras-chave é essencial para lembrar mais tarde.

A atenção e repetição de informações servem para armazená-las na memória. Da mesma forma, uma vez armazenados, é importante continuar trabalhando e memorizando esses elementos para mantê-los na memória.

Esses dois elementos principais – atenção e memorização – explicam muitas das coisas que estão estruturadas corretamente na mente e são facilmente lembradas.

No entanto, existem muitos outros fatores envolvidos na escolha dos elementos que são lembrados. As pessoas podem se lembrar das informações de maneira mais ou menos automática e alheias ao esforço cognitivo.

Por exemplo, uma pessoa pode se lembrar do que deu a ele em seu aniversário de 15 anos atrás ou onde foi jantar pela primeira vez com sua esposa.Nesses casos, vários estudos destacaram a importância dos processos emocionais na memória e na memória.

Aqueles eventos que são vividos de maneira intensa (seja gratificante ou perturbadora) são armazenados e lembrados mais facilmente na mente das pessoas.

A memorização ocorre?

O que é memória seletiva e como funciona? 4

O fato de que a memória é seletiva, ou seja, que algumas coisas são lembradas e outras esquecidas, levanta a questão de saber se o aprendizado ocorre.Ou seja, memorizar um tipo de informação motiva o esquecimento de outro devido ao limite da capacidade de armazenamento do cérebro ?

Esta pergunta não tem uma resposta simples, pois a seletividade de memória é um processo altamente complexo.Obviamente, as pessoas não conseguem se lembrar de todas as informações que capturam. Em alguns casos, porque não têm intenção de fazê-lo e não prestam atenção suficiente a estímulos irrelevantes.

No entanto, em outros casos, a pessoa pode ter a intenção de reter todas as informações e não conseguir fazê-lo. Tentar memorizar todos os tópicos apresentados em sala de aula ou todas as informações discutidas em uma reunião de trabalho é geralmente complicado.

Esse fato é explicado pela incapacidade de fazer o esforço cognitivo necessário para armazenar todos esses conceitos em um período de tempo tão limitado.

Durante o horário da aula, a maioria das pessoas não tem tempo para aprender todas as informações. Mas isso não significa que mais tarde, se eles gastarem o tempo necessário, não poderão fazê-lo.

Desse modo, a informação é esquecida não porque a mente esteja saturada ou a aquisição de um novo elemento substitua, mas devido à ausência de trabalho cognitivo suficiente.

Relacionado:  Colpocefalia: sintomas, causas e tratamentos

As pessoas geralmente não estão memorizando permanentemente todas as informações que capturaram. Primeiro porque não há tempo material para fazê-lo e, segundo, porque não é uma atividade mentalmente saudável.

Você pode treinar e manipular a memória seletiva?

O que é memória seletiva e como funciona? 5

A memória seletiva funciona, em muitos casos, automaticamente. Muitas vezes, a pessoa não tem consciência do que se lembra e muito menos do que se esquece.

Esse fato mostra que a memória seletiva não pode ser manipulada diretamente. Ou seja, as pessoas não podem escolher conscientemente quais elementos desejam se lembrar e quais elementos desejam esquecer.

No entanto, existe um certo grau de ação voluntariamente. As pessoas podem escolher quais elementos desejam prestar atenção e quais não.

Por exemplo, se um aluno quiser aprender o conteúdo exposto pelo professor, ele precisará ativar sua atenção e concentração durante a aula. Caso contrário, você não poderá capturar as informações corretamente.

Além disso, se você quiser se lembrar de toda a agenda do dia do exame, invista longas horas de esforço para memorizar todas as informações.

Em vez disso, quando uma pessoa deseja esquecer uma situação ou aspecto em particular, ele deve tentar evitar pensar nisso. Se você não conseguir, a memória permanecerá, mas se você não conseguir pensar nesse elemento, a passagem do tempo fará com que você esqueça.

Memória e crenças seletivas

A memória seletiva está intimamente ligada às crenças e estruturas mentais das pessoas.Ou seja, um indivíduo será capaz de lembrar muito mais facilmente as informações que se encaixam em seus pensamentos do que as contrárias.

Por exemplo, um indivíduo pode ter muito mais facilidade para lembrar aqueles dados que correspondem à hipótese que ele defende em sua tese do que aqueles que mostram o contrário.

Desse modo, a memória seletiva é um processo cognitivo que desempenha um papel importante na formação estrutural do pensamento.

As pessoas exigem um certo grau de organização em suas crenças . Caso contrário, o pensamento seria difuso, mal organizado e improdutivo.

A memória seletiva contribui para esses requisitos mentais dos seres humanos, lembrando as informações que permitem organizar e estruturar pensamentos e esquecendo os elementos que desempenham um papel oposto.

Memória seletiva e identidade

O que é memória seletiva e como funciona? 6

A memória seletiva não apenas intervém na formação das crenças e estruturas de pensamento das pessoas, mas também é a base de sua identidade.

A mente dos indivíduos é uma mistura de seus fatores genéticos e das experiências que eles viveram. E o último só pode deixar uma marca e tornar-se parte do modo de ser da pessoa através da memória.

Desse modo, a memória define a personalidade , pois modula e gerencia os pensamentos que se originam dentro da sua mente.

A identidade não é uma versão compactada dos eventos que um indivíduo experimentou principalmente graças à memória seletiva. Isso permite filtrar quais experiências se tornam parte do pensamento e do modo de ser do indivíduo e quais se tornam parte do esquecimento.

Essa importante característica da memória seletiva revela mais uma vez sua estreita relação com os sentimentos e motivações das pessoas.

A memória seletiva é responsável por armazenar as memórias que estão ligadas aos valores, necessidades e motivações que definem as pessoas e caracterizam sua maneira de perceber as coisas.

Memória seletiva e ansiedade

A memória seletiva pode desempenhar um papel importante em certos distúrbios psicológicos. Especialmente, demonstrou ser importante em transtornos de ansiedade .

Por exemplo, na fobia social , tanto o medo de interagir com os outros quanto a ansiedade experimentada antes, durante e após o contato social, estão nas informações lembradas.

Pessoas com esse distúrbio prestam atenção excessiva ao seu comportamento social. Dessa forma, após a interação com os outros, eles lembram e revisam exatamente todos os comportamentos realizados.

O fato de a memória seletiva focar nesses aspectos motiva a pessoa a encontrar vários defeitos ou aspectos para melhorar seu comportamento social, motivo pelo qual são percebidos como socialmente não qualificados e experimentam ansiedade.

Referências

  1. Baddeley, A. (2004). Sua memória: um guia do usuário. Firefly Books Ltd.
  2. Berrios, GE, Hodges, J. et al. (2000) Distúrbios da memória na prática psiquiátrica. Nova York: Cambridge University Press.
  3. Morris, P. e Gruneberg, M. (orgs.) (1994). Aspectos teóricos da memória. Londres: Routletge.
  4. Schacter, DL e Scarry, E. (ed.) (2000). Memória, cérebro e crença. Cambridge, EUA: Harvard University Press.
  5. Tulving, E. (ed) et al. (2000) Memória, consciência e cérebro: a Conferência de Tallinn. Filadélfia, PA, EUA: Psychology Press / Taylor & Francis.
  6. Tulving, E. i Craik, FIM (eds.) (2000). O manual da memória de Oxford. Nova York: Oxford University Press.

Deixe um comentário