Estratégias didáticas: características, para que servem, exemplos

Estratégias didáticas: características, para que servem, exemplos

As  estratégias de ensino  são ações, ferramentas e recursos utilizados por um professor ou decentes para aumentar a probabilidade de os alunos atingirem os objetivos de aprendizagem e internalizar novos conhecimentos que se pretende adquirir.

Em sentido estrito, um elemento de ensino só pode ser considerado uma estratégia didática quando é um procedimento organizado, estruturado formalmente e aplicado para obter uma meta definida de acordo com critérios claros e concretos. No entanto, na prática, podemos encontrar estratégias didáticas de naturezas muito diferentes.

As estratégias didáticas usadas em um processo de ensino determinam amplamente sua eficácia. Portanto, os professores precisam entender completamente os resultados que desejam alcançar e o ponto em que seus alunos começam e selecionar as ferramentas que melhor se adequam à situação específica.

As estratégias didáticas trouxeram uma revolução no ensino, uma vez que tradicionalmente era seguido um modelo em que o professor se limitava a ministrar aulas de mestrado sem levar em consideração o ponto de partida dos alunos ou suas necessidades. Neste artigo, veremos exatamente em que consistem e como funcionam.

Características das estratégias de ensino

– Com base em objetivos

Possivelmente, a característica mais importante das estratégias didáticas é que elas são orientadas para que os alunos atinjam objetivos concretos de aprendizado. Seu uso básico é ajudar os alunos a melhorar os resultados de seu tempo na escola e, para isso, eles se adaptam às necessidades de cada momento.

Nos contextos educacionais tradicionais, os professores sempre usavam as mesmas ferramentas para transmitir informações, independentemente de sua natureza. Pelo contrário, cada estratégia didática é projetada para ser usada em um contexto específico, tornando-a muito mais eficaz no ensino.

– Eles têm naturezas muito diferentes

Os alunos podem ter necessidades de aprendizado muito diferentes, dependendo de fatores como o contexto em que estão, o nível educacional, a idade ou o assunto que estão tentando entender. Portanto, uma estratégia de ensino eficaz deve ser adaptada à situação específica em que será aplicada.

Isso implica que, na prática, podemos encontrar estratégias didáticas com naturezas muito diferentes. Por exemplo, é impossível usar os mesmos métodos para ensinar sintaxe e para fazer uma pessoa entender os princípios da química orgânica.

Relacionado:  Perturbações generalizadas do desenvolvimento: tipos, sintomas, causas

– Promover o papel ativo do aluno

Uma das características da aprendizagem tradicional é que o aluno desempenha um papel passivo na aquisição de conhecimento. No ensino regular, os professores são responsáveis ​​por transmitir o conteúdo diretamente, sem nunca ouvir o feedback dos alunos e sem levar em conta suas necessidades.

Em vez disso, a maioria das estratégias de ensino se baseia na ideia de que cada aluno aprende melhor de uma maneira diferente. Por isso, a maioria promove a individualidade e o desempenho de cada um dos estudantes, de maneira que eles assumem um papel muito mais independente do que com outros métodos educacionais.

Para que servem as estratégias de ensino?

As estratégias de ensino podem ser muito benéficas em praticamente todos os contextos educacionais existentes, desde que sejam usados ​​corretamente. Quando um professor é capaz de realizar um planejamento adequado, criar objetivos concretos e corretos e encontrar a ferramenta mais útil para cada momento, a experiência de aprendizado melhora muito.

Por um lado, como já vimos, as estratégias didáticas são úteis para envolver os alunos em seu próprio processo de aquisição de conhecimento. Isso ocorre porque eles promovem sua individualidade, além de criar situações de aprendizado mais agradáveis ​​e nas quais os alunos estão mais conscientes do que estão internalizando.

Além disso, isso também implica que há maior colaboração entre alunos e professores quando ferramentas de ensino apropriadas são usadas. Esse fator facilita para os professores, que podem se concentrar mais facilmente nas necessidades específicas de cada aluno.

Por outro lado, as estratégias de ensino também tornam muito mais provável que os alunos atinjam os objetivos educacionais propostos no início do processo. Isso é verdade mesmo no caso de alunos com necessidades especiais ou com mais dificuldades na realização de novos aprendizados.

Finalmente, os alunos com os quais estratégias de ensino apropriadas são aplicadas tendem a se tornar mais responsáveis ​​e a se responsabilizar pelo seu próprio processo de aprendizagem, o que melhora ainda mais seus resultados.

Relacionado:  Os 3 estágios do desenvolvimento da linguagem

Exemplos de estratégias de ensino

1- Aprendizagem baseada em problemas

Essa estratégia didática é baseada no fato de que os alunos devem ser capazes de resolver um problema levantado pelo professor. Para isso, devem realizar um processo de aprendizado, reflexão, investigação e exploração que os ajude a adquirir os novos conhecimentos de que precisam muito mais direta e facilmente do que em um contexto tradicional de ensino.

2- Aprendizagem colaborativa

O aprendizado colaborativo é uma estratégia didática que busca explorar o poder do trabalho em equipe, para que os alunos tenham que alcançar um objetivo comum e se apoiarem no processo.

Dessa forma, cada aluno contribui com suas próprias habilidades e pode tirar proveito das dos outros para ir além do que faria separadamente.

3- Aprendizagem baseada em projetos

A aprendizagem baseada em projetos é semelhante à primeira estratégia de ensino que vimos, com a diferença de que, neste caso, são os próprios alunos que escolhem o desafio que desejam enfrentar e como o farão.

Assim, ao usar essa estratégia de ensino, os alunos devem escolher o tópico em que irão trabalhar, formar suas próprias equipes, realizar pesquisas independentes e tirar suas próprias conclusões. Isso incentiva tanto o interesse pelo assunto quanto o aprendizado, a responsabilidade e o trabalho em equipe.

4- Auto-aprendizagem

Uma das estratégias de ensino mais individualizadas é a autogestão ou autoaprendizagem. Nele, o aluno é incentivado a tomar a iniciativa e escolher os tópicos em que deseja trabalhar, enquanto o professor desempenha um papel mais orientador e o ajuda quando está preso ou não conhece uma ferramenta que precisa para avançar. .

5- Ensinar por descoberta

Com essa técnica, os alunos adquirem gradualmente novos conhecimentos à medida que exploram o mundo através dos materiais fornecidos. Essa estratégia de ensino ajuda os alunos a pensar por si mesmos, aumentar sua criatividade e ganhar mais confiança no que podem fazer.

6- Leitura

Estratégias baseadas em leitura são essenciais para capturar a compreensão de leitura do texto. Da mesma forma, favorece outras habilidades e habilidades nos alunos e naqueles que são leitores, em geral.

Relacionado:  Avaliação diagnóstica: características, instrumentos

A leitura é um procedimento em que várias funções cognitivas da pessoa entram em cena. Compreensão, através da escuta e leitura, e produção de escrita e fala.

Benefício do aluno

A possibilidade de introduzir estratégias de ensino terá um impacto positivo no ambiente escolar, no uso dos livros dos alunos, promovendo boas relações entre os próprios alunos e com suas famílias.

Quanto ao aluno, os benefícios que ele traz são:

  • Ele é responsável por suas ações e tarefas, enquanto constrói seu aprendizado.
  • Ele desenvolverá sua autonomia, uma vez que o professor será um mero conselheiro que fornecerá as instruções a serem realizadas.
  • Você desempenhará um papel ativo no seu aprendizado, aprendendo enquanto entendendo, esquecendo a rotina.

Que papel o professor / professor deve mostrar?

O professor professor deve:

  • Desenvolva o papel de “facilitador”.
  • Ele será o guia do aluno, deixando de lado seu papel de mero avaliador.
  • Ele mostrará situações complexas que os alunos terão que resolver e será o suporte para obter os resultados esperados. Mostrando a eles a possibilidade de focar esse aprendizado em sua vida diária.
  • Faça o aluno contrastar o que foi aprendido em relação ao conhecimento anterior.
  • Estimule os alunos por meio de:

    • Esclarecendo instruções.
    • Idioma de acordo com a idade e situação dos alunos.
    • Estabeleça a meta como objetivo prioritário em cada ação.
    • Envolva todos os membros para reconhecer o que está sendo aprendido.

Referências

  1. “Estratégia didática” em: Ecured. Retirado em: 15 de abril de 2020 de Ecured: ecured.cu.
  2. “O que são estratégias de ensino?” em: UNED. Retirado em: 15 de abril de 2020 da UNED: uned.ac.cr.
  3. “Estratégias didáticas: definição, características e aplicação” em: Psicologia e Mente. Retirado em: 15 de abril de 2020 de Psychology and Mind: psicologiaymente.com.
  4. “Estratégias de ensino inovadoras para aplicar em suas aulas” em: Miniland Educational. Retirado em: 15 de abril de 2020 em Miniland Educational: spain.minilandeducational.com.
  5. “Estratégias didáticas para aprendizagem significativa em contextos universitários” em: Universidad de Concepción. Retirado em: 15 de abril de 2020 da Universidad de Concepción: docencia.udec.cl.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies