Modificação de comportamento: histórico, técnicas e aplicações

A modificação do comportamento refere-se a todas as técnicas utilizadas para aumentar ou diminuir a ocorrência de um comportamento ou reacção particular. Também é usado em outras áreas: treinadores de animais o usam para desenvolver obediência e ensinar “truques” a seus animais de estimação e os terapeutas o utilizam para promover comportamentos saudáveis ​​em seus pacientes.

A modificação de comportamento é usada até em nossos relacionamentos com amigos e casais, mesmo que inconscientemente. As respostas que fornecemos a seus comportamentos ensinam a eles o que gostamos e o que não gostamos.

Modificação de comportamento: histórico, técnicas e aplicações 1

Embora modificar o comportamento seja algo que podemos fazer quase todos informalmente e às vezes inconscientemente, neste artigo, focaremos na modificação do comportamento na terapia psicológica.

Características da modificação de comportamento

Como não é fácil definir o conceito de modificação de comportamento, veremos uma lista de suas características básicas, incluindo suas bases teóricas.

-É baseado nos princípios teóricos da aprendizagem da psicologia e nos modelos derivados da psicologia científica para explicar, prever e tratar o comportamento.

-Os comportamentos normais ou anormais são adquiridos, mantidos e modificados pelos princípios da aprendizagem. Dessa maneira, o comportamento é, em grande parte, uma consequência do aprendizado.

– Seu objetivo é a modificação ou eliminação de comportamentos desadaptativos ou negativos, substituindo-os por comportamentos mais adaptados.

A modificação do comportamento enfatiza o aqui e o agora, nos determinantes atuais do problema atual. Isso não significa que a história passada seja rejeitada; As causas do comportamento são sempre importantes para determinar como alterá-lo. O objeto de ação é o comportamento atual do problema.

-A metodologia experimental é utilizada na avaliação dos comportamentos, no desenho do tratamento e na avaliação dos resultados.

-A modificação de comportamento está ativa: as tarefas atribuídas são cruciais para a mudança.

– Percebendo o ponto anterior, aumenta a capacidade de autocontrole, tornando o paciente seu próprio terapeuta; Isso implica ensinar habilidades e recursos de enfrentamento.

-A modificação do comportamento é individualizada: o tratamento se adapta ao sujeito e às suas circunstâncias, encontrando o melhor para cada pessoa.

-A modificação de comportamento é gradual, aumentando progressivamente os recursos e habilidades da pessoa.

História

Fundo (1938)

Modificação de comportamento: histórico, técnicas e aplicações 2

Ivan Pavlov

A modificação do comportamento é baseada no conceito de condicionamento, que é uma forma de aprendizado. O que mais tarde será a modificação de comportamentos deriva das leis clássicas de condicionamento de Pavlov, da lei de efeito de Thorndike e das formulações de Watson sobre o behaviorismo.

Existem duas formas principais de condicionamento: o clássico, baseado em um estímulo ou sinal específico que causa uma ação; e o operante, que implica o uso de um sistema de recompensas e / ou punições para mudar um comportamento.

A modificação de comportamento foi desenvolvida a partir dessas teorias porque elas sustentam a ideia de que comportamentos, da mesma maneira que são aprendidos, também podem ser desaprendidos. Como resultado, muitas técnicas foram desenvolvidas para causar ou diminuir a ocorrência de comportamentos.

No entanto, essas aplicações esporádicas à prática pareciam ter sido reduzidas ou cessadas por volta de 1940. Posteriormente, houve um recuo para os laboratórios e o desenvolvimento de teorias de aprendizagem mais consistentes, a fim de derivar técnicas de intervenção mais eficazes.

Relacionado:  Gravidez na adolescência: causas, conseqüências

Emergência e desenvolvimentos iniciais (1938-1958)

Modificação de comportamento: histórico, técnicas e aplicações 3

Skinner

Nesse período, foram desenvolvidas as teorias de aprendizagem neoconductistas: Hull, Guthrie, Mowrer, Tolman e, acima de tudo, Skinner, que afirma que o comportamento deve ser explicável, previsível e controlável a partir das relações funcionais com seus antecedentes e conseqüente ambiente, rejeitando explicações baseadas em construções internas.

A modificação do comportamento apareceu como conseqüência de uma série de fatos: insatisfação com os resultados dos tratamentos tradicionais em psicologia clínica; Críticas a outros tipos de psicoterapias no tratamento da neurose …

O papel do psicólogo clínico limitado apenas ao diagnóstico começou a ser rejeitado e a demanda por ajuda profissional e procedimentos alternativos começou antes dos efeitos da Segunda Guerra Mundial, dado que os procedimentos tradicionais (por exemplo, a psicanálise) não funcionavam.

Sob essas condições, a modificação do comportamento surgiu em diferentes pontos: Estados Unidos, África do Sul e Inglaterra.

Consolidação da modificação de comportamento: fundamentação teórica (1958-1970)

Modificação de comportamento: histórico, técnicas e aplicações 4

Bandura

É um estágio muito comportamental, no qual muita ênfase foi colocada em eventos e comportamentos observáveis. A intervenção teve como objetivo modificar comportamentos desadaptativos e a possibilidade de processos mentais subjacentes a esses comportamentos não foi considerada. Todos os distúrbios foram explicados em termos de relações estímulo-resposta.

A ênfase estava na demonstração objetiva da eficácia do tratamento: era necessário observar alterações verificáveis ​​para verificar se uma terapia ou tratamento havia sido eficaz. Os programas de tratamento e modelos explicativos dos distúrbios eram simples e com poucas variáveis.

Por outro lado, as contribuições teóricas derivam dos autores da aprendizagem social: Bandura, Kanfer, Mischel, Staats. Todos eles enfatizam a importância de aspectos cognitivos e mediação na explicação do comportamento.

Expansão e fundamentação metodológica (1970-1990)

É um estágio aplicado muito mais prático, caracterizado por definições de modificação de comportamento já mais epistemológicas. As aplicações da fundação na investigação e as teorias derivadas foram separadas.

Iniciou o desenvolvimento de técnicas cognitivas, como terapia racional-emocional e reestruturação cognitiva, além de técnicas de autocontrole, modelagem e feedback.

Nesse estágio, o treinamento em habilidades de autocontrole começou a ser importante para uma maior generalização do que foi aprendido na terapia e para fornecer ao paciente recursos para enfrentar os problemas.

Os tratamentos tornaram-se mais complexos, integrando várias técnicas, e foram aplicados a padrões comportamentais mais globais e generalizados. O papel do relacionamento terapeuta-cliente e das habilidades do terapeuta foram enfatizados.

Variáveis ​​como estilos de atribuição, autoeficácia e repertórios comportamentais básicos tornaram-se mais importantes em terapias e teorias relacionadas à modificação de comportamento nesse momento.

O campo de aplicação da modificação de comportamento foi ampliado, pois não havia limitações teóricas, para muitas áreas da saúde além da saúde mental e para o ambiente educacional, de trabalho e comunitário. As intervenções começaram a ser aplicadas em formato individual, grupal ou comunitário.

Relacionado:  Crianças Sobredotadas: 9 Sintomas para Reconhecer

Reconceptualização (1990-presente)

Nesta etapa, tentamos colocar a teoria em prática com o desenvolvimento de vários modelos explicativos. A ênfase se concentrou no fundamento teórico das técnicas e nos modelos explicativos dos distúrbios para orientar a avaliação e a intervenção.

Eles começam a usar o conhecimento da psicologia como ciência, especialmente a psicologia cognitiva experimental (pesquisa sobre percepção, atenção, memória, pensamento, etc.).

A ênfase permanece na avaliação da eficácia dos procedimentos terapêuticos, uma vez que não faz sentido estudar os processos subjacentes das técnicas, se elas não forem comprovadamente eficazes.

Além do conhecimento da psicologia cognitiva, o conhecimento de outras disciplinas como fisiologia, neuropsicologia e farmacologia são integrados.

Variáveis ​​ambientais como o contexto adquirem maior importância, assim como o autocontrole emocional.

Técnicas

O objetivo da modificação de comportamento não é entender por que ou como um determinado comportamento começou, embora sejam dados relevantes. Esta área se concentra na mudança de comportamento, para a qual várias técnicas são usadas, incluindo as que serão descritas abaixo:

Reforço positivo

Modificação de comportamento: histórico, técnicas e aplicações 5

Essa técnica, baseada em teorias comportamentais, consiste em combinar um estímulo positivo com um comportamento específico. Um bom exemplo de reforço positivo seria quando os professores recompensassem seus alunos com adesivos por tirar boas notas.

O reforço positivo também é frequentemente usado no treinamento de cães. Premiar o comportamento dos animais com algo para comer é reforçar positivamente o comportamento emitido.

Reforço negativo

Esta técnica é o oposto do reforço positivo. Consiste em combinar o desaparecimento de um estímulo negativo ou aversivo com um comportamento específico.

Uma criança que fica furiosa toda vez que come vegetais e finalmente consegue comer outra coisa é um bom exemplo de reforço negativo. A criança está recebendo, através de sua birra, o desaparecimento do estímulo negativo que é o vegetal.

Punição

Modificação de comportamento: histórico, técnicas e aplicações 6

A punição é projetada para enfraquecer comportamentos, combinando um estímulo desagradável com um comportamento. Receber uma multa por excesso de velocidade é um bom exemplo de punição.

Inundação

As técnicas de inundação envolvem expor a pessoa a objetos, estímulos ou situações que as causam medo, intensa e rapidamente: por exemplo, forçar alguém com medo de cobras a segurar uma por dez minutos.

Dessensibilização sistemática

Também é usado para tratar fobias e envolve ensinar o indivíduo a manter a calma enquanto se concentra em seu medo particular. Por exemplo, alguém com medo de pontes poderia começar olhando uma foto de uma ponte, depois poderia continuar pensando em permanecer em uma ponte e, finalmente, andar em uma ponte real.

Terapia aversiva

Consiste em combinar um estímulo desagradável com um comportamento indesejado para eliminar esse comportamento. Para parar de roer as unhas, por exemplo, existe uma substância que é aplicada e faz com que as unhas tenham um gosto ruim. Pintar as unhas com esta substância ajuda a eliminar o comportamento de roer as unhas.

Aplicações

O uso de técnicas de modificação de comportamento pode parecer bastante óbvio em crianças e animais, mas também é aplicado em adultos, em níveis mais complexos.

Relacionado:  O que é educação emocional?

Transtornos mentais

Do ponto de vista clínico, a modificação de comportamento se aplica a praticamente todos os distúrbios clínicos ou problemas do DSM-IV-TR e CID-10, e também a problemas de relacionamento interpessoal (dificuldades de casal, mediação familiar, violência sexo, etc.), nos quais apresentou resultados satisfatórios.

Doenças físicas

Da mesma forma, foi aplicada ao campo das doenças físicas, tanto na promoção da saúde, prevenção e tratamento, quanto na melhoria dos sistemas de políticas e cuidados de saúde.

Recursos humanos

Outras áreas em que é aplicada são a área industrial e de recursos humanos, a fim de melhorar o desempenho e a segurança no trabalho e para a prevenção de riscos ocupacionais, ou na psicologia do esporte para melhorar o desempenho. Além disso, aplica-se a populações específicas: idosos, crianças, deficientes …

Em resumo, a modificação de comportamento se aplica a pessoas de todas as idades, culturas e todos os tipos de problemas psicológicos. Suas técnicas são eficazes para muitos problemas e grupos de pessoas para quem a psicoterapia tradicional não teve resposta.

No entanto, deve-se ter em mente que certas técnicas de modificação de comportamento podem não ser o tratamento ideal ou mais eficaz para alguns indivíduos.

Crítica da modificação de comportamento

Uma das críticas mais difundidas sobre as teorias subjacentes a essa área é cética com a suposição de que a probabilidade de comportamento aumenta apenas quando é reforçada.

Essa premissa é contrária às evidências demonstradas pela pesquisa de Albert Bandura na Universidade de Stanford. Suas descobertas indicam que comportamentos violentos são imitados, sem serem reforçados, em estudos realizados com crianças que viram filmes mostrando vários indivíduos sendo violentos.

Bandura acredita que a personalidade humana e o aprendizado são o resultado da interação entre o ambiente, o comportamento e os processos psicológicos. Há evidências, no entanto, de que a imitação é um tipo de comportamento que pode ser aprendido como qualquer outro.

Foi mostrado que as crianças imitam comportamentos que nunca foram emitidos antes ou que nunca foram recompensados, depois de serem instruídos a imitar, em geral.

Referências

  1. O que é modificação de comportamento? – Definição, técnicas e exemplos – Transcrição da vídeo e da lição | Study.com (2016). Study.com Recuperado em 4 de dezembro de 2016
  2. Modificação de comportamento (2016). Recuperado em 4 de dezembro de 2016
  3. Modificação de comportamento – crianças, terapia, adultos, Definição, Propósito, Descrição, Resultados. (2016). Minddisorders.com Consultado em 5 de dezembro de 2016, de minddisorders.com
  4. Elizabeth Halper, P. & Elizabeth Halper, P. (2016). O que é modificação de comportamento? LIVESTRONG.COM. Recuperado em 5 de dezembro de 2016
  5. Inundações: a exposição a uma fobia pode ajudá-lo a superá-la? (2016). Psychologistworld.com Recuperado em 5 de dezembro de 2016
  6. 8 Técnicas úteis de modificação de comportamento para adultos – Meditação de operação. (2016) Operation Meditation.com Recuperado em 5 de dezembro de 2016
  7. Quais são algumas técnicas de modificação de comportamento? (2016). Reference.com Obtido em 6 de dezembro de 2016

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies