Fauna de Ediacara: origem, características e extinção

A fauna de Ediacara é um grupo de organismos pré-históricos que viveram durante o período Ediacarano, entre 635 e 541 milhões de anos atrás. Esses seres são considerados um dos primeiros grupos de animais multicelulares a habitar a Terra, e suas características únicas têm intrigado os cientistas por décadas. Com corpos moles e semelhantes a tapetes, a fauna de Ediacara não possuía sistema nervoso, órgãos sensoriais ou sistemas digestivos complexos.

A extinção desses organismos é um mistério para os pesquisadores, mas é sabido que a fauna de Ediacara desapareceu completamente do registro fóssil há cerca de 541 milhões de anos, coincidindo com o início da explosão cambriana, um período de grande diversificação e evolução da vida na Terra. A origem exata desses organismos também é motivo de debate, mas algumas evidências sugerem que eles podem ter evoluído a partir de algas multicelulares ou de organismos unicelulares. A fauna de Ediacara representa uma parte importante da história da vida na Terra e continua a desafiar nosso entendimento sobre a evolução dos seres vivos.

Diversidade da vida pré-histórica: a incrível fauna Ediacara revelada através de fósseis.

A fauna de Ediacara é um dos capítulos mais fascinantes da vida pré-histórica. Essa incrível diversidade de organismos foi revelada através de fósseis preservados em rochas antigas, fornecendo insights valiosos sobre a evolução da vida na Terra.

Esses fósseis datam de cerca de 635 a 542 milhões de anos atrás, período conhecido como Ediacarano. Eles representam uma variedade de formas de vida que são muito diferentes das encontradas hoje em dia. Desde criaturas semelhantes a tapetes até organismos em forma de disco, a fauna de Ediacara desafia as nossas noções tradicionais sobre a evolução da vida.

As características únicas desses organismos levantam questões interessantes sobre sua origem e seu papel no ecossistema antigo. Alguns cientistas acreditam que a fauna de Ediacara representava uma experiência evolutiva que acabou sendo extinta, enquanto outros sugerem que esses organismos podem ter evoluído para formas de vida mais complexas que conhecemos hoje.

Independentemente da sua origem e destino final, a fauna de Ediacara nos lembra da incrível diversidade da vida pré-histórica e da importância de estudar os fósseis para entender a evolução da vida na Terra.

Diversidade surpreendente da fauna de Burgess: uma viagem fascinante pelo mundo pré-histórico.

A fauna de Burgess é conhecida por sua diversidade surpreendente e fascinante, proporcionando uma viagem pelo mundo pré-histórico. Este conjunto de fósseis foi descoberto em Burgess Shale, nas Montanhas Rochosas do Canadá, e revela uma variedade impressionante de criaturas marinhas.

Com uma idade estimada em cerca de 505 milhões de anos, a fauna de Burgess apresenta organismos únicos e complexos que desafiam nossa compreensão da vida na Terra. Desde trilobitas até anelídeos, passando por artrópodes e cordados primitivos, a diversidade desses fósseis é verdadeiramente surpreendente.

Mas o que torna a fauna de Burgess ainda mais fascinante é a forma como esses organismos se relacionam entre si e com o ambiente em que viviam. Esses fósseis oferecem insights valiosos sobre a ecologia e a evolução das espécies que habitavam os mares antigos.

Infelizmente, a fauna de Burgess também enfrentou sua extinção, provavelmente devido a mudanças ambientais drásticas. Ainda assim, seu legado perdura, continuando a desafiar e inspirar os cientistas modernos em sua busca por compreender a vida pré-histórica em nosso planeta.

Diversidade da fauna na região de Tommot: um estudo detalhado sobre sua biodiversidade.

A fauna de Ediacara refere-se a um grupo de organismos multicelulares fósseis que viveram durante o período Ediacarano, entre 635 e 541 milhões de anos atrás. Estes organismos foram descobertos na região de Tommot, na Rússia, e desempenharam um papel importante na evolução da vida na Terra.

Relacionado:  Vesícula celular: características, tipos e funções

A diversidade da fauna na região de Tommot é impressionante, com uma grande variedade de organismos fósseis sendo encontrados. Estes incluem formas de vida simples, como algas e corais, bem como organismos mais complexos, como medusas e vermes. A presença desses organismos fósseis fornece informações valiosas sobre a biodiversidade da região e como ela evoluiu ao longo do tempo.

Estudos detalhados sobre a fauna de Ediacara revelaram características únicas desses organismos, como corpos moles e ausência de órgãos especializados. Acredita-se que a maioria desses organismos era invertebrada e habitava ambientes marinhos rasos.

Infelizmente, a fauna de Ediacara sofreu uma extinção em massa no final do período Ediacarano, cerca de 541 milhões de anos atrás. As causas exatas dessa extinção ainda são objeto de debate, mas mudanças ambientais, como aumento da temperatura e diminuição do oxigênio nos oceanos, podem ter desempenhado um papel importante.

Em resumo, o estudo da fauna de Ediacara na região de Tommot é crucial para entender a evolução da vida na Terra e as mudanças ambientais que podem levar à extinção de espécies. A diversidade desses organismos fósseis fornece insights valiosos sobre a biodiversidade passada e como ela pode influenciar a vida no presente.

Animais do Período Cambriano: a explosão da vida marinha há mais de 500 milhões anos.

A fauna de Ediacara refere-se a um grupo de organismos multicelulares que viveram durante o período Ediacarano, que antecede o Período Cambriano. Estes organismos apresentavam uma grande variedade de formas e tamanhos, e muitos deles não possuíam equivalentes modernos. A fauna de Ediacara é considerada um importante ponto de transição na história da vida na Terra, representando os primeiros passos em direção à diversificação dos seres vivos.

Os animais do Período Cambriano, por outro lado, surgiram há mais de 500 milhões de anos e foram responsáveis por uma verdadeira explosão da vida marinha. Durante esse período, houve uma rápida diversificação dos organismos, com o aparecimento de uma grande variedade de formas de vida, incluindo os primeiros animais com conchas e exoesqueletos.

Enquanto a fauna de Ediacara estava mais relacionada a organismos sésseis e de movimentação limitada, os animais do Período Cambriano desenvolveram uma grande diversidade de estratégias de locomoção e predação. Esta explosão da vida marinha marcou o início de uma era de grande diversificação e evolução dos seres vivos.

Apesar de terem coexistido por um período de tempo, a fauna de Ediacara eventualmente entrou em declínio e extinção, enquanto os animais do Período Cambriano continuaram a evoluir e prosperar. A compreensão da origem, características e extinção da fauna de Ediacara é fundamental para entender a evolução da vida na Terra e as complexas interações que moldaram a biodiversidade que vemos hoje.

Fauna de Ediacara: origem, características e extinção

A fauna de Ediacara é um grupo de organismos que representam as diferentes espécies que viveram na Terra durante o período geológico de Ediacara, cerca de 600 milhões de anos atrás. Sua origem pode estar associada ao aumento global dos níveis de oxigênio atmosférico.

Esse fato favoreceu o desenvolvimento de metazoários primitivos, caracterizados por possuir formas muito diferentes e um corpo mole. A fauna de Ediacara é encontrada em um sítio paleontológico descoberto em 1946 por Reginald Sprigg nas montanhas de Ediacara, na Austrália.

Fauna de Ediacara: origem, características e extinção 1

Ediacara fauna. Fonte: Ryan Somma [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)], via Wikimedia Commons

Os registros fósseis dessa fauna são conservados em várias regiões do mundo (exceto na Antártica). Alguns desses lugares são a costa do Mar Branco na Rússia, Namíbia, Terra Nova e MacKenzie Mountains no Canadá. Há também amostras na cordilheira de Flinders, localizada no sul da Austrália.

Segundo alguns especialistas, essa fauna representa um importante desenvolvimento de animais multicelulares antes da explosão cambriana. A fauna de Ediacara foi uma das primeiras formas de vida que requeriam oxigênio atmosférico para seu desenvolvimento; Além disso, é considerado um precursor para organismos esqueléticos.

Origem

A história do planeta Terra provavelmente começou 4550 milhões de anos atrás. Milhares de anos depois, na era neoarcaica, a presença de estromatólitos aderidos ao substrato evidencia a existência de oxigênio livre no ambiente terrestre.

No entanto, foi apenas no Proterozóico que houve uma transição completa para uma atmosfera oxigenada. O último estágio da era neoproterozóica é conhecido como período ediacárico.

O início deste período geológico foi de 635 milhões de anos atrás e culminou em 542 milhões de anos atrás. Durante esse período, os organismos multicelulares conhecidos mais antigos viveram, como as primeiras esponjas e anêmonas.

Falta de fósseis anteriores

Uma possível explicação para a falta de ancestrais fósseis pode ser que, antes da fase multicelular do ediacarano, os seres não possuíam colágeno, uma proteína fibrosa que fortalece o corpo do animal e permite sua conservação.

Este composto orgânico é produzido apenas quando o nível de oxigênio atmosférico é superior a 3%, o que possivelmente ocorreu na Terra na época da fauna de Ediacara.

Evidências dessa biota foram encontradas em várias regiões do mundo. Sua irradiação pode ocorrer durante a explosão de Avalon, 575 milhões de anos atrás.

Relação com a fauna moderna

Existem duas teorias sobre a afinidade entre a fauna de Ediacara e as formas atuais de seres vivos.

Uma hipótese afirma que a maioria são predecessores diretos das espécies conhecidas hoje. O outro afirma que a biota de Ediacara é uma evolução isolada, sem conexão com nenhuma forma de vida atual. É por isso que eles foram agrupados em um filum separado: o Vendozoa extinto.

No entanto, a avaliação de fósseis mostra que algumas espécies de Ediacara são semelhantes às que existiam no Cambriano. Da mesma forma, alguns podem estar relacionados às organizações atuais. Por exemplo, o Kimbelerra quadrata – uma espécie que viveu no período ediacarico – mostra uma grande semelhança com os moluscos.

Embora essas abordagens possam parecer contraditórias, a existência da biota de Ediacara pode ser a explicação evolutiva de algumas espécies modernas.

Caracteristicas

Os fósseis encontrados no sítio paleontológico de Ediacara foram formados quando cobertos pela lama do fundo do mar e pela areia fina. Dessa maneira, depressões foram criadas nos corpos de areia subjacentes.

Como a lama continha uma alta porcentagem de água, enquanto secava, a espessura do leito diminuiu, dando aos fósseis um contorno achatado e arredondado. Por isso, presume-se que a fauna tenha um viés bentônico em vez de ser formado por formas de natação livre, como se acreditava anteriormente.

Presume-se que eles viviam perto dos sedimentos da plataforma continental rasa. Eles também poderiam habitar a profundidade das margens continentais que existiam naquela era pré-histórica.

Reprodução

Algumas impressões encontradas nas rochas do site Ediacara enriqueceram o conhecimento sobre aspectos relacionados à reprodução da fauna daquele período geológico.

Fósseis de Fractofusus foram encontrados em colônias, agrupadas por tamanho: grande, médio e pequeno. Por esse motivo, os pesquisadores sugerem que esses organismos tinham reprodução complexa.

Alguns destes podem ser reproduzidos por esporos assexuais ou sexuais, que foram dispersos para outras áreas por meio de água. Outros poderiam ter se espalhado assexuadamente, através de estolões.

A inferência da existência de vários modos reprodutivos em Fractofusus poderia sugerir uma vida complexa que lhes permitisse colonizar eficientemente vários habitats.

Relacionado:  Condrócitos: características, histologia, funções, cultura

Tamanho e forma dos fósseis

Os registros fósseis de Ediacara foram derivados de organismos que possuíam um corpo mole. Essas impressões têm uma grande diversidade de formas: elas existem na forma de discos formados por estruturas de seção transversal concêntrica, radiais internos ou uma combinação de ambas.

Também foram encontradas massas amorfas e folhas irregulares, que provavelmente poderiam pertencer a estruturas primitivas de esporófitos.

Os fósseis arredondados têm poucos centímetros de diâmetro, embora alguns atinjam até 20 centímetros. As impressões em forma de folha podem ser longas: medem aproximadamente um metro.

A grande maioria dos fósseis tem uma forma arredondada, semelhante à das águas-vivas. Outras formas incluem organismos alongados, agrupados em colônias, muito semelhantes às penas marinhas atuais.

Também foram encontrados organismos planos e segmentados, os quais podem estar associados ao grupo dos anélídeos. Além disso, algumas amostras eram de animais com estruturas semelhantes às pernas, o que implica que podem ser possíveis predecessores de artrópodes.

Extinção

Anteriormente, alegou-se que a fauna de Ediacara ficou completamente extinta no final do Pré-Cambriano, possivelmente devido ao forte pastoreio de animais primitivos e às variações no nível do mar que ocorreram na época.

No entanto, descobertas e pesquisas recentes confirmam que algumas espécies de Ediacara viveram durante o período cambriano.

Várias hipóteses tentam explicar a extinção da biota de Ediacara. Alguns destes são os seguintes:

Glaciations

Os períodos de frio intenso podem ser uma barreira para os organismos multicelulares continuarem a se desenvolver. Algumas espécies apareceram quase um milhão de anos após a Terra emergir de um evento natural de glaciação global.

No entanto, a diversidade de seres vivos na Antártica cria dúvidas sobre se as baixas temperaturas realmente diminuem ou aumentam a taxa de evolução.

Predação

No início do período cambriano, os organismos localizados no topo da cadeia alimentar (como Kimberella) eram predadores de micróbios. Se essa predação começou durante o declínio da fauna de Ediacara, poderia ter causado a extinção de várias espécies.

Também pode ter acontecido que alguns animais se alimentam diretamente da biota de Ediacara, contribuindo para a diminuição dos membros dessa população.

Variações ambientais

No final do Pré-Cambriano e no início do Cambriano, ocorreram grandes mudanças geológicas, climáticas e biológicas que causaram enormes variações na composição da atmosfera e nos outros componentes do ecossistema.

Esse estágio é conhecido como explosão cambriana, quando eles apareceram, vários organismos multicelulares foram diversificados e irradiados.

Embora possa ser difícil inferir o efeito dessas mudanças no desaparecimento da biota de Ediacara, a variação nos níveis de oxigênio, a separação dos supercontinentes e as mudanças na composição e no nível dos oceanos podem ter desempenhado um papel importante. muito importante.

Referências

  1. O que fazer em caso de alergia a bactéria? Assembléia fóssil, Austrália, recuperada em britannica.com.
  2. Wikipédia (2018). Biota educativa. Recuperado de en.wikipedia.org.
  3. Guy M. Narbonne (2005). A biota Ediacara: origem neoproterozóica de animais e seus ecossistemas. Revisão Anual da Terra e da Ciência Planetária. Recuperado de pages.geo.wvu.edu.
  4. H. Monroe (2014) Austrália: a terra onde o tempo começou. Ediacara fauna. Recuperado de austhrutime.com.
  5. O xisto de burgess (2011). Ediacaranos Engmantic. Museu Real de Ontário. Recuperado de burgess-shale.rom.on.ca.
  6. Breandán Anraoi MacGabhann (2014). Não existe o ‘Ediacara Biota’. Ciência direta Recuperado de sciencedirect.com
  7. Marc Laflamme, Simon AF Darroch, Sarah M. Tweedt, Kevin J. Peterson, Douglas H. Erwin (2013). O fim da biota Ediacara: Extinção, substituição biótica ou ciência direta de Cheshire Cat? Science. Recuperado de sciencedirect.com.
  8. Marc Laflamme Simon, AF Darroch (2015). Paleobiologia: Revelações Ecológicas na Reprodução Ediacarana. Ciência direta Recuperado de sciencedirect.com.

Deixe um comentário