Filosofia de Sócrates: princípios e características

A filosofia de Sócrates consiste em elementos que se entrelaçam em sua base mais fundamental: o homem idéia “conhecer a si mesmo” -e, portanto, saber o que é bom e justa- natureza humana e reconhecimento da ignorância, que abre o caminho para a possibilidade de apreender uma sabedoria nova e mais precisa.

Sem dúvida, Sócrates é um dos maiores filósofos gregos da história e suas contribuições ainda estão sendo estudadas devido à importância e particularidade de suas perspectivas, entre as quais é importante mencionar sua constante busca pelo verdadeiro conhecimento e o método dialético insubstituível.

Filosofia de Sócrates: princípios e características 1

Sócrates, grande filósofo grego

No entanto, nem tudo é tão simples com esse filósofo relevante, principalmente por causa da antiguidade de seus ensinamentos e, em segundo lugar, porque ele nunca escreveu um livro com suas próprias palavras. Isso é chamado de “problema socrático”, que será explicado em detalhes na próxima seção.

O problema socrático

Acadêmicos e filósofos, todos concordam que a figura de Sócrates e, consequentemente, todo o seu pensamento, pode não ter sido inteiramente dele. Sócrates nunca expressou sua filosofia no texto e a única coisa que está escrita sobre ele é o produto de seus seguidores, como Platão e Xenofonte.

Muitos pensadores ousam dizer que Platão até colocou Sócrates na boca de seus próprios pensamentos, especialmente nos últimos livros que escreveu. Por isso, é muito difícil discernir entre o que seus discípulos pensavam e o que Sócrates realmente defendia e acreditava.

No entanto, é tudo o que há em sua filosofia. Portanto, não há escolha a não ser tomá-la verdadeira, sempre lembrando que, se surgir alguma contradição, é provável que tenha sido de quem escreveu sobre ela e não do próprio Sócrates.

Princípio fundamental de Sócrates: desenvolvimento da dialética

O principal princípio filosófico de Sócrates era seu método dialético. Sócrates estudou profundamente questões relacionadas à cosmologia e outras variantes que o ajudariam a entender o universo e o mundo em que vivemos.

Relacionado:  A definição de filosofia de acordo com Aristóteles

No entanto, sua decepção em relação ao método científico aplicado nessas ciências naturais, juntamente com a grande rejeição das perspectivas relativísticas que os sofistas ensinavam na época, o fizeram decidir encontrar uma maneira de alcançar definições universais de todas as coisas.

Para Sócrates, as definições essenciais não eram uma questão relativa, então ele gerou um método indutivo através do qual o verdadeiro conhecimento do mundo e seus elementos poderia ser alcançado. Segundo ele, a verdade era a mesma, independentemente do local ou do indivíduo.

Dessa maneira, ele começa a aplicar o que seria chamado de método socrático. Com isso, Sócrates pretendia dialogar com amigos e conhecidos sempre com o objetivo de alcançar uma definição universal.

O método consistia em duas partes: ironia, pela qual o homem percebe sua própria ignorância das coisas; e a mayéticaica, que consistia em perguntas e respostas cada vez mais específicas até atingir um conhecimento particular.

Era extremamente importante para Sócrates que o indivíduo reconhecesse sua própria ignorância, pois sem esse passo não haveria espaço para a verdade.

Depois que a pessoa com quem ele falou aceitou sua ignorância sobre um assunto, Sócrates se dedicou a fazer perguntas que seu parceiro respondia por conta própria, determinando cada vez mais a questão principal.

Sócrates usou esse método dialético pelo resto da vida. Isso é evidente em quase todos os livros de Platão, que representam seu professor em diálogo com vários personagens sobre diferentes tópicos que ele tentou definir.

Principais crenças filosóficas de Sócrates

Filosofia de Sócrates: princípios e características 2

A morte de Sócrates por Jacques-Louis David.

Já sabendo que a filosofia de Sócrates é difícil de separar das crenças de Platão, certas verdades que Sócrates defendia podem ser estabelecidas através dos textos deste último.

Relacionado:  Callicles: Biografia e Contribuições

Algo que é dado como certo é que a maioria de seus argumentos e opiniões eram completamente diferentes dos de seus companheiros atenienses, tanto na política quanto na moral e na ética.

Sócrates sustentou e disseminou a necessidade de os homens “cuidarem de suas almas” acima das prioridades atuais, que incluíam se preocupar com uma carreira, uma família ou mesmo uma jornada política na cidade.

Moralidade e virtude

Para Sócrates, a moralidade era a base da vida do homem. Se o homem soubesse que ele era bom, bonito e justo, ele não agiria de outra maneira, mas realizando atos que promulgaram e produziram resultados dessa linhagem.

Esse filósofo grego foi reconhecido por sua ironia e moralidade, além de ter uma consciência clara de sua própria ignorância sobre os assuntos que estava discutindo. A partir disso, deriva o uso do método dialético, no qual sempre foi seu parceiro de diálogo que respondeu às suas perguntas.

Dessa maneira, ele conseguiu espalhar seu conhecimento entre amigos íntimos e amigos, com a intenção de estimular suas próprias buscas de virtude e sabedoria. Ele também acreditava que a verdadeira felicidade vinha de ser moralmente correta; isto é, somente o homem moral poderia realmente viver uma vida feliz.

Finalmente, Sócrates defendia a idéia de que havia uma natureza humana universal, com valores igualmente universais, que todo homem poderia usar como um guia para agir moralmente dia a dia.

A parte mais importante dessa teoria socrática? O desejo e a iniciativa do indivíduo de conhecer essa natureza constante e direta.

Política

Para Sócrates, as idéias e as verdadeiras essências das coisas pertencem a um mundo que somente o homem sábio pode alcançar; portanto, ele manteve firmemente uma posição segundo a qual o filósofo era o único homem capaz de governar.

Relacionado:  Heráclito: biografia, filosofia e contribuições

Se Sócrates concorda ou não com a democracia é uma questão controversa. Embora seja muito claro que Platão criticou essa forma de governo, não é certo que Sócrates pensasse o mesmo: é muito possível que muitas das frases e sentenças que este último fez contra a democracia fossem apenas o produto criativo de Platão.

Misticismo

Outra face importante da filosofia de Sócrates era o misticismo. Sabe-se que Sócrates praticava adivinhação e que ele era muito próximo de Diotima, uma sacerdotisa a quem ele atribui todo o seu conhecimento do amor.

O filósofo também é reconhecido por discutir religiões misteriosas, reencarnação e até mitos e lendas que podem ser consideradas irreais e sem sentido.

Da mesma forma, Sócrates mencionou inúmeras vezes (sempre através dos diálogos de Platão) a existência de uma voz ou sinal misterioso que foi sentido quando ele estava prestes a cometer um erro.

Embora muitos argumentem que esse sinal não passou de fenomenologia de sua própria intuição, tudo parece sugerir que Sócrates a considerava de origem divina e não dependente de seus pensamentos ou crenças.

Referências

  1. Vida e pensamento de Sócrates (2001) recuperados de webdianoia.com
  2. Cohn, Dorrit (2001) Sócrates fala por Platão? Reflexões sobre uma questão em aberto. Nova História Literária
  3. Kamtekar, R. (2009) Um companheiro para Sócrates. John Wiley & Filhos
  4. Vander Waerdt, PA. O movimento socrático. Imprensa da Universidade de Cornell, 1994
  5. Hadot, P. (1995) Filosofia como um modo de vida. Oxford, Blackwells
  6. Navia, Luis E. Sócrates, Homem e sua filosofia. University Press of America

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies