Futurismo Literário: Casa, Características e Representantes

O Futurismo foi um movimento artístico e literário que surgiu na Itália no início do século XX, com o objetivo de romper com as tradições e valores estabelecidos, celebrando a velocidade, a tecnologia, a modernidade e a juventude. Na literatura, o Futurismo se caracterizou pela experimentação com a linguagem, a busca por uma estética fragmentada e dinâmica, e a exaltação da vida urbana e industrial. Este movimento teve como principal representante o poeta italiano Filippo Tommaso Marinetti, que em 1909 publicou o “Manifesto Futurista”, onde delineava os princípios e ideais do Futurismo. Ao longo do século XX, o Futurismo influenciou diversos escritores e artistas ao redor do mundo, deixando um legado de inovação e ousadia na literatura.

O conceito de futurismo na literatura: uma análise sobre suas características e influências.

O Futurismo na literatura é um movimento artístico e literário que surgiu na Itália no início do século XX, tendo como principal proposta a exaltação da modernidade, da velocidade, da tecnologia e da industrialização. Os futuristas buscavam romper com as tradições e os padrões estabelecidos, propondo uma nova forma de expressão que refletisse o dinamismo e a agitação da vida urbana.

Caracterizado pela linguagem inovadora, pela quebra das normas gramaticais e pela valorização da sensação e da intuição, o Futurismo literário influenciou profundamente a literatura e as artes em geral. Seus representantes buscavam capturar a essência da modernidade em sua obra, utilizando recursos como a fragmentação, a simultaneidade de planos e a associação livre de ideias.

Entre os principais representantes do Futurismo literário estão Filippo Tommaso Marinetti, fundador do movimento, e autores como Umberto Boccioni, Giacomo Balla e Carlo Carrà. Suas obras refletem a busca pela ruptura com o passado e a exploração de novas formas de expressão, marcadas pela exaltação do progresso e da inovação.

Em suma, o Futurismo literário foi um movimento revolucionário que teve grande impacto na literatura do século XX, influenciando diversas correntes artísticas e abrindo caminho para novas experimentações estéticas. Sua ênfase na modernidade, na velocidade e na tecnologia o torna um dos movimentos mais marcantes e significativos da história da literatura.

Principais artistas do movimento futurista e suas contribuições para a arte moderna.

O Futurismo foi um movimento artístico e literário que surgiu na Itália no início do século XX, com o objetivo de romper com a tradição e celebrar a modernidade, a velocidade e a tecnologia. Dentre os principais artistas do movimento futurista, destacam-se Filippo Tommaso Marinetti, Umberto Boccioni, Gino Severini, Carlo Carrà e Giacomo Balla.

Marinetti foi o fundador e líder do Futurismo, sendo responsável pela redação do Manifesto Futurista em 1909, que pregava a exaltação da velocidade, da máquina e da guerra. Boccioni se destacou com suas pinturas dinâmicas e esculturas que representavam o movimento e a energia, influenciando a arte moderna com sua abordagem inovadora e futurista.

Severini, Carrà e Balla também contribuíram significativamente para o desenvolvimento do Futurismo, cada um trazendo sua própria visão e estilo para o movimento. Suas obras refletiam a fragmentação da realidade, a fusão de cores e formas, e a representação da vida urbana em constante transformação.

No campo da literatura, o Futurismo teve como representantes principais os escritores Giacomo Balla, Luigi Russolo e F.T. Marinetti. Eles buscavam romper com as convenções literárias tradicionais, utilizando uma linguagem inovadora e experimental para expressar a velocidade e a agitação da vida moderna.

Relacionado:  Razão lírica: características e exemplos

Em suma, os artistas do movimento futurista foram fundamentais para a arte moderna, introduzindo novas formas de expressão e explorando temas como a tecnologia, a urbanização e a velocidade. Suas contribuições influenciaram não apenas a arte e a literatura de sua época, mas também as gerações futuras de artistas e escritores.

O surgimento do futurismo ocorreu no início do século XX, na Itália.

O surgimento do futurismo ocorreu no início do século XX, na Itália. Os futuristas tinham como objetivo principal romper com as tradições e valores do passado, defendendo a modernidade, a velocidade e a tecnologia. Na literatura, o futurismo se manifestava através de textos experimentais, marcados pela exaltação da máquina, da cidade, da guerra e da violência.

As características do futurismo literário incluem a busca pela inovação linguística, a quebra das normas gramaticais e a valorização do dinamismo e da agressividade. Os futuristas acreditavam que a literatura deveria refletir o mundo em constante transformação ao seu redor, capturando a energia e a intensidade da vida moderna.

Alguns dos principais representantes do futurismo literário foram Filippo Tommaso Marinetti, fundador do movimento, e Umberto Boccioni, artista plástico e poeta futurista. Suas obras refletiam a visão futurista de uma sociedade em constante movimento, marcada pela inovação e pela ruptura com o passado.

Fases do futurismo: conheça as três etapas principais desse movimento artístico inovador.

O Futurismo foi um movimento artístico que surgiu no início do século XX, na Itália, e teve grande influência em diversas áreas, incluindo a literatura. Para compreender melhor esse movimento inovador, é importante conhecer as três principais fases pelas quais o Futurismo passou.

A primeira fase do Futurismo, conhecida como Protofuturismo, foi marcada pela publicação do Manifesto Futurista em 1909, escrito por Filippo Tommaso Marinetti. Neste manifesto, os futuristas defendiam a exaltação da modernidade, da velocidade e da tecnologia, rejeitando o passado e propondo uma ruptura com a tradição artística.

A segunda fase, chamada de Futurismo Heroico, teve seu auge entre 1910 e 1914. Nesse período, os artistas futuristas exploraram temas como a guerra, a máquina e a cidade, buscando representar a dinâmica e a energia da vida moderna. As obras literárias produzidas nessa fase eram marcadas pela experimentação formal, pela utilização de recursos tipográficos inovadores e pela busca por uma linguagem mais dinâmica e impactante.

Por fim, a terceira fase do Futurismo, denominada de Retrofuturismo, teve início após a Primeira Guerra Mundial. Neste momento, os futuristas passaram a revisitar e reinterpretar os ideais do movimento, refletindo sobre as consequências da guerra e buscando novas formas de expressão artística.

Em resumo, as três fases do Futurismo refletem a evolução e a diversidade desse movimento artístico inovador, que deixou um legado duradouro na história da arte e da literatura.

Futurismo Literário: Casa, Características e Representantes

O Futurismo literária foi um movimento que se desenvolveu durante a primeira metade do século XX. Seus representantes enfatizaram em seu trabalho a inquietação diante das mudanças que a vida moderna e o desenvolvimento das máquinas trouxeram à sociedade.

Durante seus primeiros anos, expoentes futuristas concentraram-se principalmente na Itália. No entanto, a partir da segunda década, sua influência transcendeu as fronteiras para a maior parte da Europa, especialmente entre os autores da vanguarda russa.

Futurismo Literário: Casa, Características e Representantes 1

Começos

O futurismo foi nomeado como um movimento pela primeira vez em 20 de fevereiro de 1909, no jornal parisiense Le Figaro. Nesta publicação, foi anunciado o manifesto do poeta italiano Filippo Tommaso Marinetti (retratado na imagem anterior).

Este autor cunhou a palavra Futurismo para designar seu objetivo de descartar as formas de arte tradicionais e celebrar as mudanças da modernidade.

Mudanças fundamentais, porque transcenderam a esfera industrial e fizeram referência à transformação social e cultural apresentada na época.

O manifesto de Marinetti destacou a tecnologia do carro, a beleza da velocidade, força, poder, violência, dinamismo e movimento. Ele até convidou o repúdio por tradições, refletido em instituições como museus e bibliotecas.

Sua retórica era caracterizada por ser apaixonada e agressiva, com o objetivo de inspirar raiva e provocar controvérsia. No entanto, até 1914, os poetas declarados futuristas mantiveram muitas tradições nos temas e no uso da linguagem, ao contrário do que foi afirmado no manifesto de Marinetti.

Em 1913, foi publicado o mais importante manifesto literário do futurismo, intitulado «Destruição de palavras-sintaxe-imaginação-sem fio na liberdade».

Esta publicação compartilhou os critérios estabelecidos por Marinetti em relação a um idioma despido de adjetivos, advérbios e verbos infinitivos.

Mais tarde, o desejo de usar uma linguagem mais intensa levou a um uso acentuado da onomatopéia nos poemas. Essa característica foi especialmente apresentada nos poemas que se referiam a máquinas e guerra.

Um exemplo disso é o poema intitulado “Zang, tumb tumb”, que pretendia evocar o som de armas.

Características principais

Os escritores da tendência do futurismo literário abordaram em suas obras as características urbanas e modernistas de seu tempo.

Eles também criaram mídias alternativas, incluindo noites futuristas, eventos de mídia mista e o uso de folhetos de manifesto, poemas de pôsteres e revistas que continham uma mistura de literatura, pintura e pronunciamentos teóricos.

Os escritores futuristas foram além da mera intenção de expressar as características da época: pretendiam desenvolver uma linguagem apropriada para expressar a velocidade e a crueldade do início do século XX.

Essas intenções se refletiram em novos gêneros e novas formas de divulgação, que na época eram revolucionárias.

Gêneros nascidos do futurismo literário

1- A palavra livre poesia

Como parte de seu esforço inovador, os poetas futuristas estabeleceram novos gêneros e métodos de escrita. O mais significativo deles foi a chamada “poesia de palavras livres”.

Isso pretendia afastar-se das limitações da tipografia linear, sintaxe convencional e ortografia.

2- Caligramas

Os caligramas eram um gênero inovador que fazia parte da revolução tipográfica proposta pelos poetas futuristas. Essa criação propôs que a poesia pudesse ser dinâmica em sua distribuição gráfica, além de seu conteúdo.

Esse gênero propôs uma distribuição tipográfica que adotaria alguma forma gráfica relacionada ao conteúdo do poema. Foi assim que os poemas foram criados, cuja distribuição gráfica lhes dava a forma de carros, trens, aviões, explosões etc.

Relacionado:  Qual é o orador lírico?

Futurismo russo

Os diferentes expoentes do futurismo italiano tinham características bastante comuns. No entanto, o futurismo russo foi fragmentado em diferentes grupos, como os ego-futuristas, os cubos-futuristas e o hialeah.

Os poetas futuristas russos não estavam tão interessados ​​em máquinas, velocidade e violência, como foi o caso dos italianos. Em vez disso, compartilharam com eles a intenção de renovar a linguagem e quebrar os cânones estabelecidos.

Os três principais representantes do futurismo literário

1- Marinetti

Filippo Tommaso Marinetti nasceu no Egito em 1876 e morreu em 1944 em Bellagio, Itália. Ele é considerado o fundador ideológico do futurismo literário, graças à publicação de seu Manifesto do Futurismo, em 1909.

Sua poesia foi caracterizada por experimentação anárquica, que foi consolidada ao longo do tempo. De fato, em princípio, seu trabalho foi caracterizado por violência, racismo e misoginia.

No entanto, as inovações também são reconhecidas pela criação de um novo vocabulário futurista, que representou uma ruptura significativa com a atual tradição poética.

As idéias de Marinetti foram adotadas por vários escritores italianos. Entre seus discípulos mais importantes estão os escritores Aldo Palazzeschi, Corrado Govoni e Ardengo Soffici.

2- Guillaume Apollinaire

Wilhelm Apollinaris de Kostrowitzky, mais conhecido como Guillaume Apollinaire, nasceu em 1880 em Roma e morreu em 1918 em Paris. Ele foi um poeta fundamental no desenvolvimento do futurismo e, em geral, de todas as vanguardas do século XX.

Seu trabalho era principalmente poético e apresentava diferentes características do futurismo, como controvérsia e convite para abandonar tradições.

Por exemplo, em seu trabalho “O poeta assassinado”, ele propôs ironicamente uma campanha para exterminar todos os poetas do mundo.

Uma de suas contribuições mais destacadas foi o desenvolvimento de poemas gráficos em forma de caligramas, que ele publicou em dois volumes. Nestes trabalhos são apresentadas inovações em relação às métricas da poesia tradicional.

3- Giovanni Papini

Giovanni Papini nasceu em Florença em 1881 e morreu em 1956. Ele foi um dos poetas italianos mais transcendentes, especialmente na renovação literária que ocorreu no início do século XX.

Ele trabalhou como professor e bibliotecário, e foi caracterizado como um ávido leitor. A partir de 1903, ingressou no jornalismo como fundador da revista Leonardo. Mais tarde, fundou mais duas revistas: Anima, em 1911; e Lacerba, em 1913.

Neste último, ele defendeu as tendências futuristas promovidas por Marinetti, principalmente em relação ao questionamento das tradições culturais e poéticas para escandalizar seus leitores.

Referências

  1. Biografias e vidas. (SF). Giovanni Papini. Recuperado de: biografiasyvidas.com
  2. Enciclopédia da Biografia Mundial. (2004). Guillaume Apollinaire. Recuperado de: encyclopedia.com
  3. Enciclopédia Literária.
  4. Poetas (2004). Um breve guia para o futurismo. Recuperado de: poets.org
  5. White, J. (2016). Futurismo Recuperado de: britannica.com

Deixe um comentário