Hegemonia conservadora: causas, características, consequências, presidentes

Hegemonia conservadora: causas, características, consequências, presidentes

A hegemonia conservadora foi um período da história da Colômbia em que o Partido Conservador permaneceu no poder ininterruptamente por 44 anos. Essa etapa começou em 1886 e terminou em 1930, quando os liberais recuperaram o poder.

Confrontos entre facções políticas eram constantes na história colombiana desde sua independência. Em 1863, os liberais radicais promulgaram a Constituição Rionegro, com a qual estabeleceram uma república federal. Apesar de algumas conquistas na área de liberdades, no final da década de 1970, o país estava passando por uma grande crise.

Rafael Núñez, liberal em seus primórdios, promoveu um movimento que chamou de Regeneração. Sua intenção era revogar as reformas decretadas pelo Partido Liberal e recuperar o centralismo administrativo. Quando ele se tornou presidente, apoiado pelos conservadores, Núñez promulgou uma nova constituição, uma circunstância que deu início à hegemonia conservadora.

Durante as quatro décadas de governos conservadores, a Colômbia passou por momentos complicados, como a Guerra dos Mil Dias ou a separação do Panamá. Do lado positivo, já no século XX, o país experimentou uma grande melhoria econômica, que serviu para melhorar suas infra-estruturas.

fundo

A Colômbia, com seus vários nomes, nunca alcançou estabilidade política desde sua proclamação como país independente. Essa instabilidade foi causada, entre outros aspectos, pelo confronto entre federalistas (geralmente liberais) e centralistas (principalmente conservadores).

Um dos frequentes confrontos civis acabou levando Tomás Cipriano Mosquera à presidência. Defensor do federalismo, ele renomeou o país os Estados Unidos da Colômbia.

Radical Olympus

Quando a guerra civil terminou em 1863, os liberais radicais promulgaram a Constituição Rionegro, marcando o início do período chamado Radical Olympus.

Essa etapa durou até 1886 e foi caracterizada pela tentativa dos liberais de transformar o país. Além da introdução do federalismo, os líderes promoveram o liberalismo econômico e as medidas que buscavam modernizar a Colômbia e deixar para trás as estruturas coloniais.

Regeneração

O modelo político e econômico imposto pelo Olimpo Radical começou a desmoronar na década de 1870. A Colômbia estava passando por uma grande crise econômica, devido à fraqueza do setor privado, ao declínio das exportações (exceto no caso do café) e à falta de indústria.

Nesse contexto, uma facção dos liberais apoiou Rafael Núñez nas eleições presidenciais de 1876. Embora ele tenha perdido para Aquileo Parra, Núñez se estabeleceu como líder dos liberais independentes e começou a exigir reformas estruturais com base no que chamou de Regeneração .

Entre as mudanças exigidas por Núñez estava o fim do federalismo e a intervenção do governo central na economia. Para ele, o estado deve impulsionar a indústria, construir mais infraestrutura e favorecer o investimento estrangeiro.

Em 1878, Núñez foi eleito para o Senado, já como candidato do Partido Conservador. Da mesma forma, ele ocupou a presidência do Congresso até 1880. Nesse mesmo ano, Núñez prevaleceu nas novas eleições para a presidência da República.

Constituição de 1886

Rafael Núñez venceu as eleições de 1884 novamente, embora uma doença tenha atrasado sua incorporação ao cargo. No ano seguinte, os liberais radicais usaram um confronto interno no Estado de Santander para iniciar um levante que se espalhou por todo o país e levou a uma guerra civil.

Os liberais radicais tinham o objetivo final de derrubar Núñez. Sua tentativa não teve êxito e os conservadores foram os vencedores do concurso. Depois disso, o próprio Núñez anunciou que a Constituição Rionegro não era mais válida.

Em 10 de setembro de 1885, o presidente colombiano convocou uma Assembléia Constituinte. O resultado foi uma nova Magna Carta, aprovada em 1886, que acabou com o centralismo e os princípios liberais da anterior.

Causas

O primeiro presidente da hegemonia conservadora foi José María Serrano, que assumiu o cargo em 1886. No entanto, o homem forte do país foi Rafael Núñez.

Problemas econômicos

O governo liberal tentou melhorar a economia através de um sistema baseado no liberalismo. No entanto, os resultados não foram os esperados, especialmente após 1870.

Relacionado:  Escudo de Medellín: História e Significado

A falta de um setor privado forte e menor participação do Estado na economia causaram o empobrecimento do país. O mercado interno já fraco declinou ainda mais.

Oposição ao federalismo

O confronto entre federalistas e centralistas foi constante a partir da mesma declaração de independência. A Constituição Rionegro organizou o país como um estado federal, com amplos poderes para as províncias.

Durante o período em que o país foi chamado de Estados Unidos da Colômbia, a instabilidade era constante. Além disso, o sistema eleitoral, com votos em diferentes datas de acordo com o estado, causou problemas na formação dos órgãos de governo.

Núñez afirmou que esse federalismo estava arruinando o país e fez de sua eliminação uma das bases da Regeneração.

Relações com a Igreja

A Igreja Católica na Colômbia tinha um poder herdado da era colonial. Os liberais, especialmente sua facção radical, tentaram reduzir sua influência política e social. Para isso, decretaram a separação efetiva entre o Estado e a Igreja, além de promover a educação secular.

Os conservadores, por sua vez, mantinham laços históricos com a instituição eclesiástica e eram contra a perda de poder. Para Núñez, por exemplo, posicionar-se contra a Igreja significava não respeitar a grande maioria do povo profundamente católico.

Características da hegemonia conservadora

A Constituição de 1886 refletia todas as características da hegemonia conservadora. Esta Carta Magna, baseada na Regeneração, reorganizou o país como um estado centralista, com um presidente que acumulou poder legislativo e controle da ordem pública.

Retorno às tradições coloniais

A base social que sustentava a hegemonia conservadora era composta, principalmente, pelas classes mais altas: proprietários de terras, clérigos, militares e oligarcas. Todos concordaram com o desejo de manter as estruturas herdadas da era colonial, tanto na política quanto na economia.

Isso levou, por exemplo, que a estrutura de propriedade da terra permaneceu inalterada, bem como a rejeição da abolição da escravidão.

Proximidade com a Igreja

A aliança entre conservadores e a Igreja levou o governo a negociar uma concordata com o Vaticano que dava enormes poderes ao clero.

Durante a hegemonia conservadora, o catolicismo se tornou a religião oficial da Colômbia. A Igreja obteve a cessão da administração do sistema educacional, o que significava que era responsável pela educação estar de acordo com o padrão religioso.

Economia

O Partido Conservador tentou limitar a política de livre mercado que os liberais haviam imposto. No entanto, os primeiros anos desse período não foram bons para a economia colombiana, principalmente devido a eventos como a Guerra dos Mil Dias ou a separação do Panamá.

Em 1904, a situação começou a melhorar. O presidente Rafael Reyes concedeu ajuda a comerciantes e agricultores, o que favoreceu o consumo e as exportações. Alguns anos depois, os Estados Unidos pagaram uma grande compensação por se apropriar do Canal do Panamá, dinheiro usado para construir infraestrutura.

Por outro lado, a Colômbia também foi favorecida pelo boom nas exportações de café, que se tornaram a principal fonte de câmbio do país.

A contratação da Missão Kemmerer serviu para modernizar as estruturas econômicas colombianas. Da mesma forma, o país começou a se industrializar. Apesar de tudo isso, no final dos anos 1920 uma nova crise atingiu o país.

Repressão política e sindical

Os conservadores também revogaram parte das leis promulgadas pelos liberais na área de liberdades individuais. Assim, a censura voltou a ser comum no país, muitos jornalistas foram presos e muitos jornais fechados.

Da mesma forma, a hegemonia conservadora garantiu que os liberais não pudessem acessar posições relevantes. A isto devemos acrescentar que muitos oponentes foram enviados para a prisão ou para o exílio.

A industrialização do país, já no século XX, provocou o surgimento de organizações sindicais que tentavam melhorar os direitos dos trabalhadores. O confronto entre governos conservadores, advogados de negócios e movimentos de trabalhadores foi constante durante anos.

A repressão desencadeada teve seu clímax no chamado massacre de banana. Milhares de trabalhadores da United Fruit Company foram mortos no decorrer de uma greve pedindo melhorias no emprego.

Relacionado:  Os 4 centros cerimoniais dos principais toltecas

Consequências

A hegemonia conservadora teve importantes consequências para a Colômbia. Alguns deles, como a formação de instituições públicas estáveis ​​e positivas. Outros, como censura ou repressão sindical, são negativos.

Expansão da cafeicultura

Os governos conservadores modernizaram a indústria do café para tornar esse produto a base de suas exportações. Para fazer isso, eles ajudaram grandes empresários a melhorar a produção.

O resultado foi um aumento significativo na receita graças ao imposto de exportação de grãos. Esse dinheiro, apesar das acusações de corrupção, foi parcialmente usado para melhorar a infraestrutura.

Desenvolvimento de transporte

No início do século XX, os governos da hegemonia conservadora expandiram as redes ferroviárias em toda a Colômbia.

Em 1919, a aviação comercial começou a operar no país. O responsável era uma empresa com participação alemã.

Desenvolvimento da indústria

Os conservadores também pressionaram a industrialização do país para tentar não tornar a agricultura a única atividade econômica importante. A princípio, eles tiveram que importar máquinas do exterior, embora pouco a pouco isso tenha mudado. Boa parte dessas indústrias estava em mãos estrangeiras.

No negativo, essa industrialização causou a migração de muitos ex-trabalhadores agrícolas para as cidades. As condições de trabalho e vida eram muito negativas, com muitos bolsões de pobreza. A tentativa dos sindicatos de melhorar essa situação foi violentamente reprimida pelo governo.

Guerra de mil dias

Os liberais, removidos do poder pelos conservadores, organizaram várias revoltas armadas nas províncias. Em 1899, um deles acabou em uma sangrenta guerra civil.

Estima-se que cem mil pessoas morreram durante o conflito e o país ficou completamente devastado.

Presidentes

Os presidentes durante este período foram José Maria Campo Serrano, Eliseo Payán, Rafael Núñez, Carlos Holguín Mallarino, Miguel Antonio Caro, Manuel Antonio Sanclemente, José Manuel Marroquín, Rafael Reyes, Ramón González Valencia, Carlos Eugenio Restrepo, José Vicente Concha, Marco Fidel e José Vicente Concha. Suárez, Jorge Holguín Mallarino, Pedro Nel Ospina e Miguel Abadía Méndez

Cada mandato presidencial tinha suas próprias características: alguns presidentes, como os dois primeiros, governaram por apenas um ano, por isso tiveram pouco impacto; outros permitiram que figuras do Partido Liberal entrassem em seu governo; e alguns, como Rafael Reyes, tiveram um papel importante na história da Colômbia.

José María Campo Serrano (1886-1887), Eliseo Payán (1887) e Rafael Núñez (1887-1888)

O primeiro mandato presidencial da hegemonia conservadora teve três presidentes diferentes, uma vez que Rafael Nuñez, que tinha que ocupar o cargo, estava doente.

O primeiro, José María Campo Serrano, ocupou o cargo em 30 de março de 1886. Entre suas contribuições, sancionou a nova constituição e melhorou a iluminação da capital.

Em janeiro de 1887, Campo Serrano foi substituído por Eliseo Payán, então governador de Cauca. Seu mandato durou apenas alguns meses, já que os conservadores não gostaram de suas decisões. Assim, o presidente decretou a liberdade de imprensa e tentou negociar com liberais radicais. Este último causou sua demissão em junho do mesmo ano.

Rafael Núñez pôde então ocupar a presidência. O ideólogo da Regeneração negociou uma concordata com o Vaticano que devolveu à Igreja todo o poder perdido durante o mandato liberal.

Carlos Holguin Mallarino (1888-1892)

A doença de Núñez fez com que ele deixasse a presidência novamente em dezembro de 1888. Nesse caso, o Congresso elegeu Carlos Holguín Mallarino como seu substituto. Seu mandato foi caracterizado pela construção de novas infraestruturas, dentre as quais se destacou o primeiro hospital militar de Bogotá. Ele também foi quem fundou a Polícia Nacional

Miguel Antonio Caro (1892-1898)

As eleições de 1892 foram vencidas, mais uma vez, por Rafael Núñez. No entanto, sua doença levou seu vice-presidente, Miguel Antonio Caro, a assumir a presidência.

A instabilidade política fez Caro pedir a Núñez para assumir o poder, mas ele morreu em 18 de setembro de 1894. No ano seguinte, uma revolução organizada pelos liberais foi reprimida pelo general Rafael Reyes.

Relacionado:  15 caracteres da independência do México

Manuel Antonio Sanclemente (1898-1900) e José Manuel Marroquín (1900-1904)

Miguel Antonio Caro impôs como seu sucessor Manuel Antonio Sanclemente, que na época tinha mais de 80 anos. O vice-presidente foi José Manuel Marroquín, também muito velho. O objetivo dessa escolha era continuar exercitando o poder na sombra, mas sem alcançá-lo.

Sanclemente teve que enfrentar forte oposição, tanto dos liberais quanto do setor histórico do Partido Conservador, liderado por seu próprio vice-presidente. Isso resultou na eclosão da Guerra dos Mil Dias em 1899, um conflito que colocou os liberais contra o governo.

Mallorquin, encorajado pelos próprios conservadores, derrubou Sanclemente com um golpe em julho de 1900. A guerra continuou durante seu mandato e houve uma separação do Panamá.

Rafael Reyes (1904-1909) e Ramón González Valencia (1909-1910)

A vitória conservadora na Guerra dos Mil Dias levou muitos conservadores a se oporem a qualquer acordo com os liberais. No entanto, ao chegar à presidência, Rafael Reyes concedeu a alguns membros desse partido ingresso em seu governo.

A Colômbia estava em uma situação muito delicada. A guerra devastou o país e a separação do Panamá piorou a situação econômica. Reyes tentou impulsionar a economia apoiando o estabelecimento de novas indústrias. Além disso, promulgou uma série de medidas progressivas.

Isso causou a rejeição de muitos de seus colegas conservadores. Reyes, para evitar essa oposição, tornou-se mais autoritário. Finalmente, ele baniu seus rivais, fechou o Congresso e formou uma Assembléia Constituinte.

O presidente sofreu uma tentativa de assassinato e, apesar de ter apoio popular suficiente, decidiu entregar o poder a Jorge Holguín Mallarino em junho de 1909. Uma vez formalizada a renúncia, o Congresso nomeou Ramón González Valencia como o novo presidente. pelo que restou do mandato presidencial.

Carlos Eugenio Restrepo (1910-1914)

Restrepo se tornou presidente com o apoio dos dois partidos políticos colombianos: o conservador e o liberal. Ao assumir o cargo, a economia estava em uma situação muito delicada, principalmente devido ao déficit fiscal.

O presidente aumentou os impostos e reduziu todas as despesas, medidas com as quais alcançou um superávit em apenas um ano. Além disso, multiplicou as exportações por dois.

Por outro lado, o governo de Restrepo entrou em choque com a Igreja na tentativa de evitar sua interferência. O presidente era a favor da liberdade de religião, de imprensa e de expressão.

José Vicente Concha (1914-1918)

Após ser derrotado por Restrepo em 1910, José Vicente Concha conseguiu se tornar presidente em 1914.

Marco Fidel Suárez (1918-1922)

Os conservadores apresentaram Marcos Fidel Suárez como candidato à presidência em 1917. Depois de vencer as eleições, o presidente fundou a SCADTA, a primeira empresa de aviação do país.

Pedro Nel Ospina (1922-1926)

O mandato presidencial de Nel Ospina foi favorecido pelo pagamento de 25 milhões de dólares pelos Estados Unidos como compensação pela perda do Canal do Panamá. Com esse dinheiro, o governo promoveu fortemente a infraestrutura.

Além desse investimento em obras públicas, Nel Ospina prestou muita atenção à educação. Nesse campo, ele aprovou inúmeras leis, embora sem o apoio do Congresso. O motivo dessa rejeição foi a decisão do presidente de tirar o poder da Igreja na educação pública.

Miguel Abadía Méndez (1926-1930)

O último presidente da hegemonia conservadora assumiu o cargo após as eleições nas quais ele era o único candidato.

Abadía Méndez concentrou parte de seu mandato na melhoria das relações internacionais. Nesse sentido, alcançou acordos com vários países vizinhos para acabar com os conflitos de fronteira.

No entanto, seu mandato presidencial entrou para a história de um evento fatal: o Massacre de Bananeras.

Referências

  1. Biblioteca Nacional da Colômbia. A hegemonia conservadora. Obtido em BibliotecaNational.gov.co
  2. Restrepo, Giovanni. 9 de fevereiro de 1930: O fim da hegemonia. Obtido em week.com
  3. Colombia.com. Presidentes da Colômbia. Obtido em colombia.com
  4. Robert Louis Gilmore, William Paul McGreevey. Colômbia. Obtido em britannica.com
  5. Segurança global. Declínio da Hegemonia Conservadora. Obtido em globalsecurity.org
  6. Hutber, Jenna. Partido Conservador. Obtido em colombiareports.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies