Hemianopia: sintomas, causas, tipos e tratamento

A hemianopia é uma condição oftalmológica caracterizada pela perda parcial ou total da visão em metade do campo visual de uma pessoa. Os sintomas mais comuns incluem dificuldade em enxergar objetos, pessoas ou movimentos do lado afetado, podendo gerar problemas de orientação e mobilidade. As causas da hemianopia podem estar relacionadas a lesões cerebrais, acidentes vasculares cerebrais, tumores, traumas ou doenças degenerativas. Existem dois tipos principais de hemianopia: homônima (afetando o mesmo lado do campo visual em ambos os olhos) e heterônima (afetando lados opostos). O tratamento varia de acordo com a causa subjacente, podendo incluir terapia visual, reabilitação, uso de lentes especiais ou cirurgia em casos específicos. É importante buscar acompanhamento médico especializado para um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Quais são as causas da hemianopsia?

A hemianopsia é uma condição na qual uma pessoa perde metade do campo visual em um ou ambos os olhos. As causas dessa condição podem variar, e podem incluir lesões cerebrais, acidentes vasculares cerebrais, tumores cerebrais, doenças neurodegenerativas, traumas cranianos e outras condições que afetam o cérebro ou os nervos ópticos.

Um dos principais fatores que contribuem para a hemianopsia é a lesão no córtex visual primário, localizado na parte posterior do cérebro. Quando essa área é danificada, a informação visual não pode ser processada corretamente, levando à perda de parte do campo visual.

Outras causas da hemianopsia podem incluir danos nos nervos ópticos, no trato óptico ou em outras áreas do cérebro responsáveis pelo processamento visual. Algumas condições genéticas também podem estar associadas à hemianopsia, bem como certas infecções ou inflamações que afetam o sistema nervoso central.

Em resumo, as causas da hemianopsia podem ser diversas, mas geralmente estão relacionadas a danos no cérebro, nos nervos ópticos ou em outras áreas responsáveis pelo processamento visual. É importante procurar um médico caso você apresente sintomas de hemianopsia, para que seja feito um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Conheça os diferentes tipos de hemianopsia e suas características específicas de manifestação visual.

A hemianopsia é uma condição visual em que a pessoa perde metade do campo visual de um ou ambos os olhos. Existem diferentes tipos de hemianopsia, cada um com características específicas de manifestação visual.

Um dos tipos mais comuns é a hemianopsia homônima, em que metade do campo visual é perdido em ambos os olhos do mesmo lado. Por exemplo, se a hemianopsia for do lado esquerdo, a pessoa terá perda de visão no lado esquerdo de ambos os olhos. Já a hemianopsia heterônima é quando a perda de visão ocorre em lados opostos de cada olho.

Além disso, a hemianopsia pode ser classificada como superior ou inferior, dependendo da parte do campo visual que está comprometida. Na hemianopsia superior, a perda de visão ocorre na metade superior do campo visual, enquanto na hemianopsia inferior, a perda é na metade inferior.

As causas da hemianopsia podem variar, sendo comuns lesões cerebrais, acidentes vasculares cerebrais (AVCs) e tumores. O tratamento da hemianopsia geralmente envolve terapia visual, reabilitação e adaptações no ambiente para facilitar a vida do paciente.

É importante que as pessoas com hemianopsia recebam acompanhamento médico adequado para lidar com os desafios da perda de visão e aprender a se adaptar a essa condição. Com o suporte necessário, é possível melhorar a qualidade de vida e a independência dos pacientes com hemianopsia.

Avaliação da hemianopsia: métodos e testes para identificar perda de campo visual.

A hemianopsia é uma condição em que metade do campo visual de uma pessoa é perdido devido a lesões no cérebro ou nos olhos. Para identificar a perda de campo visual em pacientes com hemianopsia, são utilizados diferentes métodos e testes.

Um dos testes mais comuns para avaliar a hemianopsia é o teste de confrontação, no qual o paciente é instruído a olhar para frente enquanto o examinador movimenta os dedos ou objetos em diferentes áreas do campo visual. Se o paciente não consegue ver esses estímulos em uma metade do campo visual, isso pode indicar a presença de hemianopsia.

Relacionado:  Fómites: Características, como eles lidam e exemplos

Outro método de avaliação da hemianopsia é a campimetria, que é um exame que mede com precisão a sensibilidade do campo visual em diferentes pontos. Durante o teste, o paciente é instruído a olhar para um ponto fixo e pressionar um botão sempre que ver um estímulo luminoso em diferentes áreas do campo visual.

Além disso, a perimetria computadorizada é um teste mais avançado que utiliza um computador para mapear com precisão o campo visual do paciente e identificar qualquer perda de sensibilidade.

Em casos de hemianopsia, o tratamento pode incluir terapia visual para ajudar o paciente a compensar a perda de campo visual, bem como reabilitação visual para melhorar a qualidade de vida e a independência do paciente.

Entenda a deficiência visual conhecida como hemianopsia temporal em detalhes e suas causas possíveis.

A hemianopsia temporal é uma forma de deficiência visual que afeta metade do campo visual de uma pessoa, especificamente do lado temporal. Isso significa que a pessoa tem dificuldade em enxergar objetos que estão do lado oposto ao lobo temporal do cérebro. Esta condição pode ser causada por lesões ou danos no cérebro, principalmente na região occipital.

As causas possíveis da hemianopsia temporal incluem acidentes vasculares cerebrais (AVC), traumatismos cranianos, tumores cerebrais, aneurismas, entre outros. Nestes casos, a lesão no cérebro interfere na transmissão correta das informações visuais, levando a uma perda parcial do campo visual.

Os sintomas da hemianopsia temporal incluem dificuldade em perceber objetos ou pessoas do lado afetado, colisões frequentes com objetos que estão no lado cego, dificuldade em ler ou assistir televisão, entre outros. É importante buscar ajuda médica caso esses sintomas sejam percebidos, para um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

O tratamento da hemianopsia temporal pode envolver terapias de reabilitação visual, como treinamento para melhorar a consciência do campo visual restante e estratégias para compensar a perda visual. Em alguns casos, óculos especiais ou dispositivos de ampliação podem ser recomendados para melhorar a qualidade de vida do paciente.

Em resumo, a hemianopsia temporal é uma deficiência visual que afeta metade do campo visual de uma pessoa, devido a lesões ou danos no cérebro. Os sintomas incluem dificuldade em enxergar objetos do lado afetado e o tratamento envolve terapias de reabilitação visual e o uso de dispositivos especiais. É fundamental buscar ajuda médica para um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Hemianopia: sintomas, causas, tipos e tratamento

O hemianopia é a perda da visão em um ou ambos os olhos, mas apenas metade do campo visual. Apesar da peculiaridade dessa condição, não é incomum na prática médica, apresentando-se em diferentes graus e com características diferentes, dependendo da causa, gravidade e concomitantes.

Etimologicamente falando, a palavra tem três componentes de origem grega: hemi , que significa “metade”; an , que é um prefixo relacionado à “falta de” ou “ausência” e opsia , associado à “visão”. A palavra traduziria literalmente “falta de meia visão” ou “ausência de metade de um campo visual”.

Hemianopia: sintomas, causas, tipos e tratamento 1

Qualquer que seja a origem da doença, o fator comum é a lesão do nervo óptico. Dependendo do caminho afetado, do mesmo lado ou do lado contralateral, um ou outro tipo de hemianopia aparecerá. Deve-se lembrar que todas as fibras do nervo óptico são encontradas no quiasma, algumas das quais se cruzam e outras não.

As causas mais comuns desse distúrbio são tumores no sistema nervoso central, traumatismo craniano e doença cerebrovascular. Também as cirurgias cerebrais podem ter como complicação certos danos da via óptica que produz hemianopia. Algumas doenças neurológicas e imunológicas estão presentes neste quadro.

O tratamento da hemianopia dependerá da causa. Infelizmente, alguns casos não têm cura e podem ser progressivos, levando à total falta de visão.

Relacionado:  Tuberculose linfonodal: sintomas, causas, tratamento

No entanto, a maioria dos pacientes com hemianopia tem a possibilidade de melhorar se a origem da doença for tratada a tempo e adequadamente.

Sintomas

Como explicado em outras ocasiões, e apesar da possível confusão, é importante esclarecer que a hemianopia é um sinal clínico, para que não tenha sintomas próprios. O que ele possui são características particulares que dependerão da doença causada por essa perda parcial da visão.

A característica fundamental da hemianopia é a diminuição da acuidade visual no meio do campo visual. Essa diminuição deve ser de um grau considerado cegueira médica e legal. O mais comum é que são metades paralelas à linha média nasal.

Pacientes que sofrem de algum tipo de hemianopia geralmente têm dificuldade em ler devido ao envolvimento do campo visual.

A marcha também é danificada, frequentemente tropeçando em objetos na estrada ou em outras pessoas. Em alguns casos, existem alucinações, escotomas cintilantes e efeitos de luz patológicos.

Causas

Como mencionado na introdução, existem diferentes causas de hemianopia, qualquer que seja a metade visual afetada. Os mais importantes são mencionados abaixo:

Lesões cerebrais

Muitos pacientes que sofrem de trauma generalizado ou trauma craniocerebral apresentam hemianopia entre seus sintomas.

Essas lesões podem ser agudas, como em acidentes de carro; ou crônicas, como as sofridas por muitos atletas em suas práticas (por exemplo, boxeadores ou jogadores de futebol).

O tempo de aparecimento dos sintomas nestes últimos dependerá da gravidade e frequência do trauma. A hemianopia é geralmente permanente nesses casos, uma vez que não há lesão sólida bem definida que possa tentar ser removida, mas sim um dano celular próprio, somático ou axonal.

Tumores cerebrais

Embora o efeito do tumor seja compressivo ou de deslocamento, seu comportamento é semelhante a traumas repetidos.

À medida que o tumor cresce, ele pressiona certas estruturas cerebrais e, se alguma delas estiver relacionada ao nervo óptico, a visão será afetada, quase sempre progressivamente.

A principal diferença com o trauma é que essas lesões geralmente são bem definidas na anatomia cerebral. Isso não significa que tudo pode ser operado ou resolvido, mas oferece uma chance maior de melhoria se os tratamentos, médicos e cirúrgicos, forem iniciados a tempo.

Doenças cerebrovasculares

Os chamados derrames são uma causa comum de hemianopia. Se a área do cérebro afetada pela interrupção repentina do suprimento sanguíneo – por obstrução do vaso que o alimenta ou por ruptura do vaso – realiza tarefas visuais, pode ocorrer hemianopia ou outro comprometimento da visão.

Embora raras, podem ocorrer doenças cerebrovasculares dos vasos que suprem o nervo óptico. A neuropatia óptica isquêmica pode ser anterior ou posterior, dependendo do segmento do nervo afetado, sendo a porção anterior ou frontal (também conhecida como cabeça do nervo) a mais envolvida (90%).

Enxaqueca

A enxaqueca vascular, uma patologia frequente na população jovem, pode produzir hemianopia na sua apresentação mais grave.

Muitos pacientes com enxaqueca relatam perda parcial da visão durante crises dolorosas; Esse achado é transitório e desaparece quando a dor de cabeça desaparece.

Esse fenômeno parece estar relacionado à interrupção momentânea do fluxo sanguíneo no nervo óptico devido à vasoconstrição da própria enxaqueca.

Alguns autores também atribuem o aparecimento de distúrbios visuais durante a enxaqueca à inflamação do tecido cerebral e artérias próximas que ocorre nesses casos.

Neurite óptica

Também conhecida como neurite retro-orbital, é a inflamação do nervo óptico que causa perda de visão e dor ao mobilizar o olho. Em apenas 90% dos pacientes, apenas um olho está comprometido e é sempre acompanhado por alterações na resposta pupilar do lado afetado.

A maioria dos casos é de origem idiopática – ou seja, a causa é desconhecida – embora sua relação com outras patologias sistêmicas tenha sido comprovada.

Algumas dessas doenças são esclerose múltipla, lúpus eritematoso, síndrome de Sjögren, sarcoidose, neuropatias desmielinizantes e infecções como HIV / AIDS ou mononucleose.

Relacionado:  Rinofaringite: sintomas, causas, diagnóstico e tratamentos

Tipos

A classificação da hemianopia é simples e baseia-se em dois parâmetros: alteração de um ou ambos os olhos e campos visuais comprometidos.

Hemianopia unilateral

Nesse caso, apenas um dos olhos é afetado, independentemente da metade alterada.

Hemianopia bilateral

Ambos os olhos estão comprometidos, mas não necessariamente a mesma metade de cada lado. Por sua vez, isso pode ser classificado como:

Hemianopia homônima

É a hemianopia bilateral em que os dois olhos afetaram a mesma metade do campo visual, a metade direita ou a esquerda.

Nesses casos, a lesão do nervo óptico ocorre entre a retina e o quiasma; portanto, a perda de inervação ocorre do mesmo lado do campo visual comprometido.

Quando a lesão está nas bandas ópticas, após a formação do quiasma, a perda da visão afeta metade do campo visual oposto ao lado da lesão.

Esse tipo de hemianopia é chamado de hemianopia homônima contralateral. Apesar disso, o mesmo campo visual é afetado nos dois olhos.

Heterhino hemianopia

Como esperado, nesse tipo de hemianopia, o lado direito do campo visual é afetado em um olho e o lado esquerdo no outro. A metade afetada em um olho ou no outro, sempre diferente um do outro, dependerá da localização da lesão.

Binasal Heterhino Hemianopia

Nesse tipo de heterómin hemianopia, a metade direita do campo visual do olho esquerdo e a metade esquerda do campo visual do olho direito são afetadas.

Para simplificar o conceito, pode-se dizer que os dois campos visuais voltados para o nariz estão alterados.

Heterómin bitemporal heterómin

Nesse tipo de hemianopia heterómina, a metade esquerda do campo visual do olho esquerdo e a metade direita do campo visual do olho direito são alteradas. Em resumo, a visão é perdida para os ouvidos de ambos os lados.

Tratamento

Como não é uma doença em si, mas um sintoma, o tratamento dependerá do manejo da patologia causal. Por esse mesmo motivo, o leque de alternativas terapêuticas é bastante amplo, incluindo as seguintes opções:

Cirurgia

Os danos causados ​​por certos tumores ou trauma agudo podem ser resolvidos através de procedimentos cirúrgicos. O mesmo vale para a presença de hematomas intraparenquimatosos que comprimem as estruturas ópticas que causam hemianopia.

Hemianopia: sintomas, causas, tipos e tratamento 2

Se a cirurgia for bem sucedida, a cura é geralmente imediata. No entanto, alguns casos exigirão outros tratamentos complementares que ajudem a recuperar a visão permanentemente.

Tratamento medicamentoso

Se a causa da hemianopia é alguma patologia médica, como as relacionadas à neurite óptica, o tratamento geralmente é com medicamentos ou drogas.

Pela mesma etiologia da hemianopia, os esteróides são os medicamentos mais utilizados, pois ajudam a controlar a resposta imune e servem como anti-inflamatórios.

Terapia visual

Certos exercícios visuais realizados com equipamentos tecnológicos, que estimulam as terminações do nervo óptico, provaram ser úteis na recuperação da visão.

Outras terapias, que também tiram proveito de alguns estímulos auditivos e estímulos visuais, melhoram as condições do paciente.

Existem óculos especiais, criados para cada indivíduo em particular, que têm a capacidade de expandir o campo visual do paciente. Isto é conseguido através da inserção de alguns prismas nas lentes, o que melhora a visão do paciente enquanto os utiliza.

Alguns pacientes recebem treinamento especializado para tirar proveito dos campos visuais saudáveis ​​de ambos os olhos. Os pacientes incorporam essas técnicas visuais em suas vidas diárias e relatam uma melhora significativa no desempenho de suas tarefas habituais.

Referências

  1. Obuchowska, I. e Mariak, Z. (2012). Hemianopia homônima.Klinika Oczna, 114 (3): 226-229.
  2. Goodwin Denise (2014). Hemianopia homônima: desafios e soluções.Clinical Ophthalmology, 8: 1919-1927.
  3. Kerr, Sarah J. (2011). HemianopiaCancer Care of Western New York, recuperado de: cancercarewny.com
  4. Bel Marra Health (2018). Hemianopia: Tipos, causas, sintomas, diagnóstico e tratamento. Recuperado de: belmarrahealth.com
  5. Equipe Pro Visu (2016). Neurite óptica Recuperado de: provisu.ch
  6. Iftikhar, Noreen (2018). Hemianopia. Recuperado de: healthline.com
  7. Wikipedia (2018). Hemianopia Recuperado de: en.wikipedia.org

Deixe um comentário