Índice Simpson: Fórmula, Interpretação e Exemplo

O índice de Simpson é uma medida estatística utilizada para calcular a diversidade de espécies em uma determinada área. Ele leva em consideração a abundância e a equitabilidade das diferentes espécies presentes no ambiente, fornecendo uma visão mais completa da biodiversidade. Neste artigo, exploraremos a fórmula do índice de Simpson, sua interpretação e apresentaremos um exemplo prático de como calcular e interpretar esse índice.

Entendendo a interpretação do índice de Simpson: dicas e orientações práticas.

Para entender a interpretação do índice de Simpson, é importante compreender como esse índice é calculado e o que ele representa. O índice de Simpson é uma medida estatística utilizada para avaliar a diversidade de uma determinada população. Ele leva em consideração a riqueza e a abundância das espécies presentes em uma amostra.

Para calcular o índice de Simpson, é necessário utilizar a seguinte fórmula:

D = 1 – Σ (n/N)^2

Onde n representa o número de indivíduos de uma determinada espécie e N é o total de indivíduos de todas as espécies presentes na amostra.

A interpretação do índice de Simpson varia de acordo com o resultado obtido. Quanto mais próximo de 1 for o valor do índice de Simpson, maior será a diversidade da população. Por outro lado, valores próximos de 0 indicam baixa diversidade, com poucas espécies dominantes na amostra.

Para aplicar o índice de Simpson de forma eficiente, é importante seguir algumas dicas e orientações práticas. É fundamental garantir que a amostra seja representativa da população em estudo e que todos os dados sejam corretamente coletados e analisados. Além disso, é recomendável utilizar ferramentas estatísticas adequadas para calcular o índice de Simpson de maneira precisa.

Em resumo, o índice de Simpson é uma ferramenta importante para avaliar a diversidade de uma população. Entender como interpretar corretamente esse índice e seguir as orientações práticas para sua aplicação pode fornecer insights valiosos sobre a composição e a estrutura da comunidade em estudo.

Passo a passo para calcular o índice de diversidade de Simpson de forma simples.

Para calcular o índice de diversidade de Simpson de forma simples, siga os seguintes passos:

1. Liste todas as espécies presentes em uma determinada área.

2. Conte o número total de indivíduos de cada espécie.

3. Calcule a proporção de cada espécie em relação ao total de espécies.

4. Eleve cada proporção ao quadrado.

5. Some todos os quadrados obtidos no passo anterior.

6. Subtraia 1 do valor encontrado no passo anterior.

7. O resultado final é o índice de diversidade de Simpson.

Por exemplo, se tivermos 5 espécies na área e as proporções de cada uma forem 0,2, 0,3, 0,1, 0,2 e 0,2, o cálculo seria:

(0,2^2) + (0,3^2) + (0,1^2) + (0,2^2) + (0,2^2) = 0,14

1 – 0,14 = 0,86

Portanto, o índice de diversidade de Simpson para esse exemplo seria 0,86.

Interpretação do índice de Shannon: entenda a diversidade de um ecossistema através de dados.

O índice de Shannon é uma medida que nos ajuda a compreender a diversidade de um ecossistema por meio de dados. Ele leva em consideração não apenas o número de espécies presentes, mas também a abundância relativa de cada uma delas. Isso significa que um ecossistema com várias espécies, mas com uma distribuição desigual entre elas, terá um índice de Shannon mais alto do que um ecossistema com poucas espécies, mas com abundância semelhante entre elas.

A interpretação do índice de Shannon é simples: quanto maior o valor do índice, maior é a diversidade do ecossistema. Isso indica que o ecossistema é mais complexo, com uma variedade maior de interações entre as espécies. Por outro lado, um índice de Shannon baixo pode indicar que o ecossistema está mais propenso a perturbações e a perda de biodiversidade.

Relacionado:  Associações coloniais: características, tipos e exemplos

Para calcular o índice de Shannon, é necessário levar em consideração a proporção de cada espécie em relação ao total de espécies presentes no ecossistema. A fórmula matemática é um pouco mais complexa, mas pode ser facilmente calculada utilizando dados coletados em campo ou em laboratório.

Em resumo, o índice de Shannon nos fornece uma visão mais aprofundada sobre a diversidade de um ecossistema, permitindo-nos avaliar sua saúde e sua capacidade de se adaptar a mudanças ambientais. É uma ferramenta valiosa para os ecologistas e pesquisadores que buscam compreender melhor a complexidade dos sistemas naturais.

Guia prático para compreender os índices de diversidade em ecossistemas naturais.

Os índices de diversidade são ferramentas importantes para avaliar a variedade de espécies em um ecossistema natural. Um dos índices mais utilizados é o Índice Simpson, que fornece informações sobre a dominância das espécies em uma determinada área. Neste artigo, vamos explicar a fórmula, interpretação e dar um exemplo prático do Índice Simpson.

O Índice Simpson é calculado através da fórmula:

D = 1 – Σ(n(n-1) / N(N-1))

Onde:

D é o Índice de Simpson
n é o número total de indivíduos de uma espécie
N é o número total de todos os indivíduos na comunidade

A interpretação do Índice de Simpson varia de 0 a 1, sendo que quanto mais próximo de 1, menos diversificado é o ecossistema. Ou seja, quanto maior o valor do Índice de Simpson, maior a dominância de uma ou poucas espécies na comunidade.

Para exemplificar, vamos supor que em uma área de estudo foram encontradas as seguintes quantidades de indivíduos de cada espécie: A (30), B (20), C (15) e D (35).

Calculando o Índice de Simpson:

D = 1 – ((30*29 + 20*19 + 15*14 + 35*34) / (100*99))

D = 1 – (870 + 380 + 210 + 1190) / 9900

D = 1 – 2650 / 9900

D = 1 – 0,268

D = 0,732

Portanto, o Índice de Simpson para este exemplo é de 0,732, indicando que o ecossistema possui uma diversidade moderada, com uma leve dominância de algumas espécies.

Índice Simpson: Fórmula, Interpretação e Exemplo

O índice Simpson é uma fórmula usada para medir a diversidade de uma comunidade. É comumente usado para medir a biodiversidade, ou seja, a diversidade de seres vivos em um determinado local. No entanto, esse índice também é útil para medir a diversidade de elementos como escolas, locais, entre outros.

Em ecologia, o índice Simpson (entre outros índices) é frequentemente usado para quantificar a biodiversidade de um habitat. Isso leva em consideração a quantidade de espécies presentes no habitat, bem como a abundância de cada espécie.

Índice Simpson: Fórmula, Interpretação e Exemplo 1

Conceitos associados

Antes de analisar o índice de diversidade de Simpson com mais detalhes, é importante entender alguns conceitos básicos detalhados abaixo:

Diversidade biológica

A diversidade biológica é a grande variedade de seres vivos em uma área específica, é uma propriedade que pode ser quantificada de muitas maneiras diferentes. Existem dois fatores principais que são levados em consideração ao medir a diversidade: riqueza e justiça.

Riqueza é uma medida do número de diferentes organismos presentes em uma área específica; isto é, a quantidade de espécies presentes em um habitat.

No entanto, a diversidade depende não apenas da riqueza das espécies, mas também da abundância de cada espécie. A equidade compara a similaridade entre os tamanhos populacionais de cada uma das espécies presentes.

Riqueza

O número de espécies coletadas em uma amostra de habitat é uma medida de riqueza. Quanto mais espécies estiverem presentes em uma amostra, mais riqueza ela terá.

A riqueza de espécies, como medida em si, não leva em consideração o número de indivíduos em cada espécie.

Isso significa que o mesmo peso é dado às espécies que têm poucos indivíduos e às que têm muitos indivíduos. Portanto, uma margarida tem tanta influência sobre a riqueza de um habitat quanto mil botões de ouro que viveriam no mesmo lugar.

Equidade

A equidade é uma medida da abundância relativa das diferentes espécies que compõem a riqueza de uma área; isto é, em um determinado habitat, o número de indivíduos de cada espécie também afetará a biodiversidade do local.

Uma comunidade dominada por uma ou duas espécies é considerada menos diversa do que uma comunidade na qual as espécies presentes têm uma abundância semelhante.

Definição de

À medida que a riqueza e a justiça das espécies aumentam, a diversidade aumenta. O índice de diversidade de Simpson é uma medida de diversidade que leva em consideração tanto a riqueza quanto a justiça.

Ecologistas, biólogos que estudam as espécies em seu ambiente, estão interessados ​​na diversidade de espécies nos habitats que estudam. Isso ocorre porque a diversidade geralmente é proporcional à estabilidade do ecossistema : quanto maior a diversidade, maior a estabilidade.

As comunidades mais estáveis ​​têm um grande número de espécies que são distribuídas de maneira bastante uniforme em populações de bom tamanho. A poluição geralmente reduz a diversidade, favorecendo algumas espécies dominantes. A diversidade é, portanto, um fator importante no gerenciamento bem-sucedido da conservação de espécies.

Formula

É importante ressaltar que o termo “índice de diversidade Simpson” é realmente usado para se referir a qualquer um dos três índices intimamente relacionados.

O Índice Simpson (D) mede a probabilidade de dois indivíduos selecionados aleatoriamente de uma amostra pertencerem à mesma espécie (ou à mesma categoria).

Existem duas versões da fórmula para calcular D. Qualquer uma é válida, mas você precisa ser consistente.

Índice Simpson: Fórmula, Interpretação e Exemplo 2

Onde:

– n = número total de organismos de uma espécie específica.

– N = número total de organismos de todas as espécies.

O valor de D varia de 0 a 1:

– Se o valor de D der 0, significa diversidade infinita.

– Se o valor de D der 1, significa que não há diversidade.

Interpretação

O índice é uma representação da probabilidade de que dois indivíduos, dentro da mesma região e selecionados aleatoriamente, sejam da mesma espécie. O intervalo de índice do Simpson varia de 0 a 1, assim:

– Quanto mais próximo o valor de D de 1 se aproxima, menor a diversidade do habitat.

– Quanto mais próximo o valor de D de 0 se aproxima, maior a diversidade do habitat.

Ou seja, quanto maior o valor de D, menor a diversidade. Isso não é fácil de interpretar intuitivamente e pode gerar confusão, razão pela qual foi alcançado um consenso para subtrair o valor de D para 1, da seguinte forma: 1- D

Nesse caso, o valor do índice também varia de 0 a 1, mas agora, quanto maior o valor, maior a diversidade da amostra.

Isso faz mais sentido e é mais fácil de entender. Nesse caso, o índice representa a probabilidade de dois indivíduos selecionados aleatoriamente de uma amostra pertencerem a espécies diferentes.

Outra maneira de superar o problema da natureza “contra-intuitiva” do índice de Simpson é assumir o recíproco do índice; isto é, 1 / D.

Índice recíproco de Simpson (1 / D)

O valor desse índice começa com 1 como o valor mais baixo possível. Este caso representaria uma comunidade que contém apenas uma espécie. Quanto maior o valor, maior a diversidade.

O valor máximo é o número de espécies na amostra. Por exemplo: se houver cinco espécies em uma amostra, o valor máximo do índice recíproco de Simpson é 5.

Relacionado:  Nomenclatura Binomial: Antecedentes, Regras, Vantagens

O termo “índice de diversidade de Simpson” é frequentemente aplicado de maneira não precisa. Isso significa que os três índices descritos acima (índice de Simpson, índice de diversidade de Simpson e índice recíproco de Simpson), estando tão intimamente relacionados, foram citados sob o mesmo termo, de acordo com autores diferentes.

Portanto, é importante determinar qual índice foi usado em um estudo específico se você quiser fazer comparações de diversidade.

De qualquer forma, uma comunidade dominada por uma ou duas espécies é considerada menos diversa do que aquela em que várias espécies diferentes têm abundância semelhante.

Exemplo de cálculo do índice de diversidade Simpson

Amostras de flores silvestres presentes em dois campos diferentes são amostradas e os seguintes resultados são obtidos:

Índice Simpson: Fórmula, Interpretação e Exemplo 3

A primeira amostra tem mais justiça do que a segunda. Isso ocorre porque o número total de indivíduos no campo é distribuído de maneira bastante uniforme entre as três espécies.

A observação dos valores na tabela mostra a desigualdade na distribuição dos indivíduos em cada campo. No entanto, do ponto de vista da riqueza, ambos os campos são iguais porque possuem 3 espécies cada; Consequentemente, eles têm a mesma riqueza.

Em contraste, na segunda amostra, a maioria dos indivíduos são botões de ouro, a espécie dominante. Nesse campo, existem poucas margaridas e dentes de leão; portanto, o campo 2 é considerado menos diversificado que 1.

O acima é o que é observado a olho nu. Em seguida, o cálculo é feito aplicando a fórmula:

Índice Simpson: Fórmula, Interpretação e Exemplo 3

Então:

D (campo 1) = 334.450 / 1.000x (999)

D (campo 1) = 334.450 / 999.000

D (campo 1) = 0,3 -> índice de Simpson para o campo 1

D (campo 2) = 868,562 / 1.000x (999)

D (campo 2) = 868.562 / 999.000

D (campo 2) = 0,9 -> índice de Simpson para o campo 2

Então:

1-D (campo 1) = 1- 0,3

1-D (campo 1) = 0,7 -> índice de diversidade de Simpson para o campo 1

1-D (campo 2) = 1- 0,9

1-D (campo 2) = 0,1 -> índice de diversidade de Simpson para o campo 2

Finalmente:

1 / D (campo 1) = 1 / 0,3

1 / D (campo 1) = 3,33 -> índice recíproco de Simpson para o campo 1

1 / D (campo 2) = 1 / 0,9

1 / D (campo 2) = 1,11 -> índice recíproco de Simpson para o campo 2

Esses três valores diferentes representam a mesma biodiversidade. Portanto, é importante determinar qual índice foi usado para poder fazer qualquer estudo comparativo da diversidade.

Um valor do índice Simpson de 0,7 não é o mesmo que 0,7 para o índice de diversidade Simpson. O índice de Simpson dá mais peso às espécies mais abundantes em uma amostra, e a adição de espécies raras a uma amostra causa apenas pequenas alterações no valor de D.

Referências

  1. Ele, F., e Hu, XS (2005). O parâmetro de biodiversidade fundamental de Hubbell e o índice de diversidade Simpson. Ecology Letters , 8 (4), 386-390.
  2. Hill, MO (1973). Diversidade e uniformidade: uma notação unificadora e suas conseqüências. Ecology , 54 (2), 427-432.
  3. Ludwig, J. & Reynolds, J. (1988). Ecologia Estatística: Primário em Métodos e Computação ( ). John Wiley & Sons.
  4. Magurran, A. (2013). Medindo a diversidade biológica. John Wiley & Sons.
  5. Morris, EK, Caruso, T., Buscot, F., Fischer, M., Hancock, C., Maier, TS, … Rillig, MC (2014). Escolha e uso de índices de diversidade: Insights para aplicações ecológicas dos Exploradores da Biodiversidade Alemães. Ecology and Evolution , 4 (18), 3514-3524.
  6. Simpson, EH (1949). Medição da Diversidade. Nature , 163 (1946), 688.
  7. Van Der Heijden, MGA, Klironomos, JN, Ursic, M., Moutoglis, P., Streitwolf-Engel, R., Boller, T., … Sanders, IR (1998). A diversidade de fungos micorrízicos determina a biodiversidade das plantas, a variabilidade do ecossistema e a produtividade. Nature , 396 (6706), 69-72.

Deixe um comentário