José María Pino Suárez: Biografia e Trabalho

José María Pino Suárez (1869 – 1913) é conhecido por ter sido vice-presidente do México durante o mandato de Francisco I. Madero entre 1911 e a data de sua morte. Pino Suárez também ocupou outros cargos políticos, como o governo de Yucatan, o Ministério da Justiça, Instrução Pública e Belas Artes e a presidência do Senado.

Foi um dos fundadores do Club Antireeleccionista em Mérida e, além de sua atividade na vida política do país, também trabalhou como advogado e jornalista. Dentro desta última faceta, ele enfatiza seu trabalho como fundador do El Peninsular , um jornal que travou uma dura batalha contra o poder que defende a liberdade de expressão.

José María Pino Suárez: Biografia e Trabalho 1

Pino Suarez tinha outra grande paixão: poesia. Desde muito jovem, ele conseguiu publicar alguns de seus poemas em várias revistas e, mais tarde, dois de seus livros alcançaram algum sucesso no México e na Europa.

Sua morte foi enquadrada durante os eventos da Década Trágica. A revolta liderada por Victoriano Huerta contra o presidente Madero terminou com o assassinato dele e de seu vice-presidente, Pino Suárez.

Infância e estudos

José María Pino Suárez veio ao mundo em 8 de setembro de 1869 em Tenosique, Tabasco. Nascido em uma família de boa reputação, sofreu a morte de sua mãe logo após seu nascimento. Seu pai, dono de muitas empresas, procurou um professor particular para conduzir seus estudos.

Já na adolescência, Pino Suárez mudou-se para Mérida, no estado de Yucatán, para continuar seu treinamento. Ele ingressou em uma escola jesuíta, o Colegio de San Ildefonso, um dos mais conhecidos em todo o país por ter adaptado os currículos utilizados nas escolas francesas.

Terminado esse estágio, ele começou a estudar Direito na Escola de Jurisprudência de Yucatan, obtendo seu diploma em 1894.

Primeiros trabalhos

Com o título de advogado obtido, seus primeiros trabalhos foram enquadrados nessa atividade. Ele veio para abrir seu próprio escritório de advocacia na Cidade do México, onde estabeleceu sua residência em 1896 após o casamento.

Relacionado:  Independência de Guayaquil: características e personagens

Foi nessa época que ele também começou a construir uma reputação como escritor. Sem negligenciar seu trabalho como advogado, ele começou a publicar alguns de seus poemas no semanário Pepper and Mustard e em outras publicações.

Depois de 3 anos na capital, Pino retornou a Mérida. Lá, ele fez uma parceria com o sogro para entrar no mundo dos negócios.

Jornalista

Foi o sucesso nessas empresas que lhe permitiu arrecadar dinheiro suficiente para comprar uma impressora e fundar seu próprio jornal em 1904. Ele o batizou como El Peninsular e seu início foi muito promissor. No primeiro ano, ele obteve uma ótima base de leitores, o que atraiu muitos anunciantes.

O jornal tinha um conteúdo social bastante marcado e publicou vários relatórios denunciando a exploração sistemática de peões nas haciendas da região. Isso fez com que os proprietários começassem a pressionar as empresas que anunciavam no jornal, comprometendo seriamente sua viabilidade econômica.

Pino Suárez embarcou em uma batalha para defender a liberdade de expressão e publicação. Entre suas ações está a criação, juntamente com outros colegas, da Associação de Imprensa Yucatecan.

Essa experiência de confrontar os poderosos foi a primeira abordagem do futuro vice-presidente ao mundo da política.

Sua vida política

Naquela época ainda não havia chegado o momento de ele se envolver totalmente na vida política. De fato, Pino Suárez permaneceu bastante distante de qualquer visibilidade pública por três anos, de 1906 a 1909.

Encontro com Francisco I. Madero

Esse isolamento voluntário mudaria para um evento fortuito. Em 1909, Porfirio Díaz parecia ter admitido a possibilidade de realizar eleições livres, com opositores nas urnas. Alguns oponentes se organizaram para apresentar um candidato, Francisco I. Madero, e começaram a campanha.

Em junho daquele ano, Madero visita Veracruz para promover sua candidatura. Paradoxalmente, essa visita foi um fracasso do público, pois apenas 6 pessoas a receberam quando a cidade chegou, sendo uma delas José María Pino Suárez.

Relacionado:  Brasão de Popayán: História e Significado

Ele se apaixonou depois de ler um livro de Madero chamado A sucessão presidencial em 1910 e pode-se dizer que naquela época eles uniam seus destinos políticos e pessoais. Já colaborando com o candidato presidencial, José María fundou o Clube Anti-Eleitoralista em Mérida e tornou-se seu presidente.

Enquanto isso, Porfirio Díaz decidiu aprisionar Madero e não o libertou até depois das eleições. Com sinais claros de fraude, Díaz se proclama presidente, mas desta vez os oponentes reagem e proclamam o Plano de San Luis.

De acordo com esse plano, Madero assume a presidência provisória. Uma de suas primeiras decisões foi nomear Pino Suárez como governador de Yucatán de 5 de junho a 8 de agosto de 1911.

Logo depois, ele também assume o secretariado da Justiça, ocupando o cargo até 13 de novembro de 1911.

Vice-Presidência

Nem tudo foi simples naqueles primeiros momentos da vida política de Pino Suárez. Dentro de seu partido, apareceu um setor que não concordava com a importância que ele estava adquirindo.

Dada a proximidade das eleições, esse setor tinha outro nome em mente para ocupar a vice-presidência, mas Madero optou decididamente por Pino, acalmando o debate.

Como esperado, Madero e Pino Suárez vencem facilmente as eleições. O vice-presidente eleito deixou o governo de Yucatan para se dedicar inteiramente ao seu novo cargo, ao qual o Ministério da Instrução Pública se uniu.

Década trágica e assassinato

No entanto, o legislador não durou muito. Em muitas áreas da sociedade, Maduro e Pino Suárez eram vistos como uma ameaça aos seus interesses, da Igreja aos grandes proprietários de terras.

Apenas dois anos após a posse, um grupo liderado pelo militar vitoriano Huerta e o sobrinho de Porfirio Díaz, Felix, pegou em armas contra ele. Eles também foram apoiados pelo embaixador dos EUA, fortemente contrário a Madero.

As hostilidades duraram 10 dias, conhecidas como os Dez Trágicos. O confronto terminou o triunfo dos golpistas, e Pino Suárez e Madero são presos e trancados na prisão. Huerta está concorrendo à presidência.

Na tentativa de dar uma aparência de legitimidade, Huerta inventa uma manobra política que envolve Lascurain Paredes, um membro do governo Madero. Para funcionar, o presidente e o vice-presidente tiveram que renunciar.

Relacionado:  As 10 principais características da monarquia

Em circunstâncias ainda não totalmente esclarecidas, Lascurain convence os dois políticos presos a apresentar sua renúncia em troca de salvar suas vidas. No final, ambos cedem e renunciam às suas acusações.

É aí que a traição dos homens de Huerta toma forma. Em vez de libertá-los, em 22 de fevereiro de 1913 os dois foram mortos a caminho da prisão na Cidade do México. A transferência foi aprovada para ser capaz de realizar com precisão a emboscada que acabou com suas vidas.

Agradecimentos

A viúva de José María Pino Suárez foi quem conquistou a medalha Belisario Domínguez em 1969, em reconhecimento à luta do político pela democracia. Os restos do conhecido “O Cavaleiro da Lealdade” ficam na Rotunda de Pessoas Ilustres desde novembro de 1986.

Obras literárias de Pino Suárez

Embora tenha sido a vida política de Pino Suárez que o tornou um personagem histórico, sua obra poética também pode ser destacada. Segundo os críticos, seu estilo lembrou um pouco Gustavo Adolfo Becker, com um romantismo tardio.

Os dois livros mais importantes dos quais ele foi o autor foram Melancholy (1896) e Procelarias (1903). Ambos os trabalhos foram publicados no México e na Europa.

Referência

  1. Presidência da República. José María Pino Suárez 1869-1913. Obtido de gob.mx
  2. Durango.net Jose Maria Pino Suarez. Obtido de durango.net.mx
  3. A verdade. Por que Francisco I. Madero e José María Pino Suárez foram assassinados? Obtido em laverdadnoticias.com
  4. A biografia Biografia de José María Pino Suárez (1869-1913). Obtido em thebiography.us
  5. Enciclopédia de História e Cultura da América Latina. Pino Suárez, José María (1869-1913). Obtido em encyclopedia.com
  6. Werner, Michael. Enciclopédia Concisa do México. Recuperado de books.google.es
  7. México 2010. José María Pino Suárez. Obtido de english.bicentenario.gob.mx
  8. Michael C. Meyer, Angel Palerm. A Revolução Mexicana e suas consequências, 1910–40. Obtido em britannica.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies