Juan Ruíz de Alarcón: biografia e obras

Juan Ruíz de Alarcón foi um dramaturgo e poeta espanhol nascido em 1581 na cidade de Taxco, no México. Conhecido por suas peças teatrais que abordavam temas como o amor, a honra e a justiça, Alarcón é considerado um dos grandes dramaturgos do Século de Ouro espanhol. Suas obras são marcadas pela profundidade psicológica de seus personagens e pela habilidade em explorar os conflitos morais e éticos da sociedade da época. Entre suas obras mais conhecidas estão “La verdad sospechosa” e “El tejedor de Segovia”. Através de suas peças, Juan Ruíz de Alarcón deixou um legado importante para a literatura espanhola e latino-americana.

Breve biografia de Juan Ruiz de Alarcón: vida, obra e legado literário.

Juan Ruiz de Alarcón foi um importante dramaturgo e poeta do século XVII, nascido em Taxco, México, em 1581. Estudou na Universidade de Salamanca, na Espanha, onde se destacou não apenas pelos seus estudos, mas também pela sua produção literária.

Sua obra é marcada por uma profunda análise psicológica dos personagens, explorando temas como o engano, a hipocrisia e a vaidade. Suas peças teatrais, como La verdad sospechosa e El tejedor de Segovia, são consideradas obras-primas do teatro do Siglo de Oro espanhol.

Juan Ruiz de Alarcón retornou ao México em 1627, onde continuou a escrever e a se dedicar ao estudo do direito. Faleceu em 1639, deixando um legado literário que influenciou gerações de escritores.

Seu estilo conciso e direto, aliado à sua capacidade de criar personagens complexos e situações intrigantes, fizeram de Juan Ruiz de Alarcón um dos grandes mestres da literatura barroca. Sua obra continua a ser estudada e apreciada até os dias de hoje, sendo um exemplo da riqueza e diversidade da literatura hispânica.

A peça mais destacada de Juan Ruiz de Alarcón: “La verdad sospechosa”.

Juan Ruiz de Alarcón foi um importante dramaturgo do século XVII, nascido em Taxco, México, em 1581. Se destacou por suas comédias de costumes e peças satíricas que refletiam a sociedade de sua época. Sua obra mais conhecida é “La verdad sospechosa”, uma comédia que aborda a questão da mentira e da dissimulação.

Na peça, o protagonista, Don García, é um jovem mentiroso que se envolve em diversas situações complicadas devido a sua tendência a inventar histórias. A trama se desenvolve de forma humorística, mostrando as consequências das mentiras de Don García e como ele acaba aprendendo a lição sobre a importância da verdade.

Alarcón utiliza o humor e a ironia para criticar a hipocrisia e a falsidade presentes na sociedade da época, fazendo com que o público reflita sobre a importância da sinceridade e da honestidade. A peça é considerada uma das mais importantes do autor, sendo até hoje encenada e estudada em todo o mundo.

Além de “La verdad sospechosa”, Juan Ruiz de Alarcón escreveu diversas outras obras de grande sucesso, como “Las paredes oyen” e “La prueba de las promesas”. Sua contribuição para a literatura espanhola e mexicana é inegável, sendo reconhecido como um dos grandes nomes do teatro do Século de Ouro.

Principais informações sobre Juan Ruiz de Alarcón: biografia, obras e contribuições literárias.

Juan Ruiz de Alarcón foi um importante dramaturgo e poeta espanhol do século XVII, nascido em Taxco, México, em 1581. Apesar de ter nascido no Novo Mundo, Alarcón foi educado na Espanha, onde estudou Direito na Universidade de Salamanca. Sua carreira literária começou com a publicação de suas primeiras obras em 1609, quando ainda era estudante.

Entre as principais obras de Juan Ruiz de Alarcón estão peças de teatro como “La verdad sospechosa”, “Las paredes oyen” e “La prueba de las promesas”. Su estilo literário era marcado pelo uso de diálogos inteligentes e pela crítica social, abordando temas como o casamento, a honra e a hipocrisia.

As contribuições literárias de Alarcón foram significativas para o teatro do período barroco, sendo reconhecido como um dos principais dramaturgos do seu tempo. Sua capacidade de criar personagens complexos e de explorar as contradições humanas fez com que suas obras fossem apreciadas tanto na Espanha quanto nas colônias espanholas na América.

Biografia de Juan Ruiz de Alarcón: conheça a vida e obra do renomado dramaturgo.

Juan Ruiz de Alarcón foi um importante dramaturgo mexicano do século XVII, nascido em 1581 na cidade de Taxco. Filho de um espanhol e uma mexicana, Ruiz de Alarcón estudou Direito na Universidade de Salamanca, na Espanha. Retornando ao México, dedicou-se à carreira jurídica, porém sua verdadeira paixão era a escrita.

Relacionado:  Ad libitum: origem e significados

Sua obra é marcada por temas como o amor, a justiça e a hipocrisia da sociedade da época. Entre suas peças mais famosas estão “La verdad sospechosa” e “La culpa busca la pena, y el agravio la venganza”. Ruiz de Alarcón é considerado um dos maiores dramaturgos do Século de Ouro Espanhol, ao lado de autores como Lope de Vega e Calderón de la Barca.

Apesar de não ter alcançado a mesma fama que seus contemporâneos, a obra de Juan Ruiz de Alarcón é reconhecida pela sua qualidade literária e profundidade psicológica. Seus personagens complexos e diálogos inteligentes demonstram sua habilidade como dramaturgo.

Juan Ruiz de Alarcón faleceu em 1639, deixando um legado importante para a literatura espanhola e mexicana. Suas peças continuam sendo encenadas e estudadas até hoje, mostrando a atemporalidade de sua obra e a relevância de suas reflexões sobre a natureza humana.

Juan Ruíz de Alarcón: biografia e obras

Juan Ruíz de Alarcón e Mendoza (1572-1639) foi um escritor e dramaturgo espanhol nascido na época do vice – reinado da Nova Espanha , hoje território mexicano. Pertencia à época da Era de Ouro da Espanha e se destacava por suas comédias características.

A maioria de suas obras caracterizava-se por um personagem com qualidades excedentes e diferente das demais, quase sempre difícil de entender. Uma das obras mais famosas deste autor foi A suspeita da verdade , com características da arte barroca por sua expressividade e contraste.

Juan Ruíz de Alarcón: biografia e obras 1

Juan Ruíz de Alarcón. Fonte: E. Gimeno [Domínio público], via Wikimedia Commons

Ruíz de Alarcón tinha pensamentos e idéias orientados para a moral e a ética; para ele, as virtudes do ser humano foram deixadas de lado em um mundo hipócrita e mentiroso. Além disso, ele era um crítico constante da sociedade de seu tempo, tanto de vícios quanto de costumes.

Biografia

Nascimento e família

Juan nasceu em Taxco, antigo território do vice-reinado de Nova Espanha, hoje conhecido como México. A data de seu nascimento é 27 de dezembro de 1572, embora haja dúvidas.

Seus pais eram o espanhol Pedro Ruíz de Alarcón e Leonor de Mendoza, cuja família era dedicada à mineração. O escritor tinha quatro irmãos.

Formação e estudos acadêmicos

Existem poucos dados sobre a infância e adolescência de Juan Ruíz de Alarcón, o mesmo se aplica aos anos de estudos. Sabe-se que parte de sua educação foi orientada pelos jesuítas nas escolas de San Pablo e San Pedro, onde lhe ensinaram gramática, latim, filosofia, poesia e teatro.

Entre 1596 e 1598, ele estudou no ensino médio, depois começou a estudar direito civil e canônico na Universidade Real e Pontifícia do México. Mais tarde, ele se mudou para a Universidade de Salamanca para aprofundar essas carreiras.

Durante o período que passou em Salamanca, começou a desenvolver seu interesse em ensaios e obras dramáticas. Ele também teve a oportunidade de conhecer Miguel de Cervantes , que influenciou seu trabalho, quando em 1606 viajou para Sevilha para trabalhar como advogado.

Em 1606, Alarcón retornou à Nova Espanha, mais tarde em 1609, obteve o título de graduado em direito. No entanto, ele não pôde fazer seus estudos de doutorado, talvez devido à falta de dinheiro. Estudos anteriores do dramaturgo foram pagos pela ajuda prestada por um parente.

Atuação como advogado

Depois de se formar, o advogado trabalhou em tribunal e, em 1611, foi nomeado consultor do corredor da Cidade do México, Garci López de Espinar. Um ano depois, o tribunal mexicano o nomeou juiz de investigação em um homicídio.

Em 1613, ele decidiu ir à Espanha, primeiro para administrar perante o rei alguns assuntos de seu irmão Pedro e, em segundo lugar, com a intenção de obter um lugar na corte. Em outubro daquele ano, ele chegou a Madri, sem obter resultados imediatos na meta trabalhista estabelecida.

Amor em Madri

Três anos depois de Alarcón chegar à Espanha, ele conheceu Ángela de Cervantes, com quem teve um relacionamento romântico. O casal não se casou, mas teve uma filha chamada Lorenza, nascida em 1617, e com quem ela reconheceu alguns anos depois.

Frutas como dramaturgo

Na Espanha, Juan Ruíz aproveitou a oportunidade para se dedicar à produção teatral, e foi assim que ele conseguiu ter um dos palcos mais férteis de sua carreira como dramaturgo. Dois de seus primeiros trabalhos foram As paredes ouvem e Os favores do mundo , que abriram as portas do círculo literário em Madri.

Relacionado:  3 breves histórias policiais para crianças e adolescentes

O escritor ganhou reconhecimento como escritor em 1617, através de poemas e peças de teatro. Em 1622, ele já havia conquistado um lugar na Academia Literária e também participou do trabalho no vice-rei do Peru, intitulado: Alguns feitos de muitos de Dom Hurtado de Mendoza, marquês de Cañete.

Críticas destrutivas e xenofobia

Seu sucesso foi marcado pelas críticas destrutivas e provocações de alguns de seus colegas, como Luís de Góngora , Francisco de Quevedo , Tirso de Molina e Lope de Vega , que zombaram de seu físico e de sua origem. No entanto, ele sabia como enfrentá-los com coragem, e não parou de escrever.

Depois que Felipe IV chegou ao trono, a atividade teatral se tornou muito importante e, consequentemente, Juan Ruíz foi beneficiado. A amizade que ele teve com o nobre e político Ramiro Núñez deu-lhe um boom maior. Entre 1622 e 1624, ele aumentou sua produção literária.

Os últimos anos de Ruíz de Alarcón

Além de sua atividade literária, Ruíz de Alarcón também se dedicou em 1625 a servir no Conselho Real e Supremo das Índias, encarregado de aconselhar o rei em seus deveres. Sua renda estava melhorando, o que lhe permitia viver de uma maneira formidável e confortável.

Durante os primeiros meses de 1639, a saúde do escritor começou a ficar deficiente, embora os problemas que ele apresentou não sejam conhecidos. No entanto, sabe-se que ele parou de ir ao Conselho das Índias. Ele morreu em 4 de agosto do mesmo ano em Madri, três dias depois de fazer seu testamento.

Trabalhos

A obra de Ruíz de Alarcón foi caracterizada pela harmonia da linguagem e pelo cuidado e lógica com que ele os elaborou. Ele usou o trocadilho e os ditados como uma maneira de ensinar e também tornar conhecidos seus pensamentos e ideais.

No que diz respeito à criação literária, a obra de Alarcón foi cronologicamente estruturada em três etapas. O primeiro nasceu em Sevilha e Nova Espanha entre 1607 e 1612, o próximo foi o das comédias de personagens no período de 1613 a 1618 e o último entre 1619 e 1625, com temas sobre honra.

Agora, ao falar sobre a publicação desses trabalhos, temos dois grandes grupos. A primeira, em 1628, com um total de 8 comédias, e a segunda em 1634, com um total de 11 obras. Há também outros escritos espalhados de datas desconhecidas no que diz respeito à criação, como é comum em todo o seu trabalho.

Seus trabalhos mais importantes foram os seguintes:

Primeiro conjunto de obras (1628)

– Os favores do mundo.

– Indústria e sorte.

– As paredes ouvem.

– O egoísta.

– A caverna de Salamanca.

– Movendo-se para melhorar.

– Tudo é empreendimento.

– O infeliz em fingir.

Breve revisão dos trabalhos mais importantes deste período

Os favores do mundo

Neste trabalho, o autor conta uma história de amor sujeita às críticas e ao mal do inimigo, que se desenvolve dentro do gênero da comédia dos emaranhados. Os protagonistas, Anarda, uma aristocrata castelhana, e o cavalheiro García Ruíz de Alarcón – talvez a família do escritor – lutam pelo que sentem.

Juan Ruíz de Alarcón: biografia e obras 2

Primeira das comédias de Juan Ruíz de Alarcón, capa. Fonte: Juan Ruiz de Alarcón [Domínio público], via Wikimedia Commons

Os inimigos do casal são a sra. Julia e Juan de Luna, que conspiram contra os amantes para enchê-los de intrigas e separá-los. No entanto, o amor vence o ódio, e o amante luta bravamente por sua amada, mesmo que ela seja casada.

Juan Ruiz consegue capturar a atenção dos leitores através das decisões desafiadoras do personagem principal. Embora seja uma comédia, o fim aberto disponível para a imaginação do público leitor rompeu com os esquemas que foram estabelecidos no momento em que foi apresentado.

As paredes ouvem

Foi considerada uma das obras mais reconhecidas do teatro clássico espanhol. É a história de um amor não correspondido, em que talvez o autor tenha se refletido no protagonista Juan de Mendoza, que quer conquistar o amor de Ana de Contreras.

As características distintivas do protagonista, sua tenacidade e seu amor puro e profundo terminam triunfando antes da palestra e do ar de galán de Mendo, que também pretendia Ana. As características psicológicas da obra são que o autor achou que possuía o virtudes de Juan de Mendoza.

O trabalho é uma comédia de emaranhados, onde as verdades vêm à tona no final, o que significa que não há tensão durante o desenvolvimento. Alarcón procurou ensinar o público sobre as consequências da mentira, por isso sempre se manteve firme na transmissão de seus princípios morais.

Relacionado:  25 contos de ficção científica inventados (curta)
O egoísta

Foi um dos primeiros trabalhos escritos pelo autor, e talvez seja por isso que muitos estudiosos e críticos o descrevem como divertido e de pouco interesse. No entanto, reconhece-se que Alarcón desenvolveu harmoniosamente as características dominantes de seus personagens e as diferentes ações.

Juan Ruiz de Alarcón a colocou em Sevilha e conta a história de um jovem casal apaixonado que passa por várias situações de emaranhamento. Quanto ao estilo, observa-se a influência de Miguel de Cervantes, especialmente em seu romance The Curious Impertinent .

Segundo conjunto de obras (1634)

Juan Ruíz de Alarcón: biografia e obras 3

Segunda parte dos trabalhos de Juan Ruíz de Alarcón. Fonte: Juan Ruiz de Alarcón [Domínio público], via Wikimedia Commons

– Os esforços de uma farsa.

– O dono das estrelas.

Amizade punida.

– Manganilla de Melilla.

Conquiste amigos.

O anticristo.

– O tecelão de Segóvia.

– O teste de promessas.

– Seios privilegiados.

– Crueldade por honra.

– O exame de maridos.

Breve revisão dos trabalhos mais importantes deste período

Os esforços de uma farsa

Juan Ruíz de Alarcón: biografia e obras 4

Gravura de Juan Ruíz de Alarcón, de E. Gallo. Fonte: Eduardo I. Gallo [Domínio público], via Wikimedia Commons

Juan Ruiz de Alarcón explicou neste trabalho a capacidade do ser humano de justificar a mentira em nome do amor, tudo sob sua perspectiva moral, pois considerava que o homem usava máscaras para ter poder. A história é cheia de conquistas, emaranhados e costumes dos séculos XVI e XVII.

Neste trabalho, o autor mostrou muitas nuances da cidade de Madri de sua época e, ao mesmo tempo, descreveu vários locais da Vila e da Corte. As características marcantes que alguns dos personagens possuem são para aprofundar os males da sociedade espanhola onde ele morava.

Os seios privilegiados

Neste trabalho, o dramaturgo desenvolveu aspectos relacionados à justiça e direito natural, bem como às circunstâncias do governo espanhol de sua época. O tema político o consagrou como uma das obras mais importantes de Ruiz de Alarcón.

O trabalho também é conhecido com o título de Nunca muito custa pouco . Conta a história do rei Alfonso V de Leão, que se envolveu com princesas do Reino de Castela no século XI, de acordo com a pesquisa realizada pelo teólogo e historiador Juan de Mariana em sua obra História Geral da Espanha .

Ruiz de Alarcón manteve seu pensamento ético e moral e tentou expor os vícios e o mau funcionamento da monarquia. Além disso, ele criou um debate entre honra e fidelidade que todo assunto do rei deveria ter para ele. As características cômicas dos personagens são do autor.

Outras obras de Juan Ruíz

– Quem é ruim é ruim acaba.

– Não há mal que para o bem não venha.

– A verdade suspeita.

Breve revisão dos trabalhos mais importantes

Quem está errado está errado

É uma das obras de Alarcón cuja data exata de criação é desconhecida, mas acredita-se que foi publicada pela primeira vez em meados do século XVIII pelo sevilhano Francisco de Leefdael. O autor alcançou um grande desenvolvimento dramático ao contar a história de um imitador mouro chamado Román Ramírez.

A verdade suspeita

Acredita-se que Ruiz de Alarcón tenha escrito este trabalho entre 1618 e 1621. Enquanto investigações como as do intelectual e filósofo dominicano Pedro Henríquez Ureña argumentam que ele foi representado em 1624 e pertencia ao segundo conjunto de obras do autor, referente a 1634.

Esta peça é a mais famosa do dramaturgo, foi orientada para o julgamento sobre a mentira. A história é baseada em uma série de enganos que o personagem de Don Garcia cria para conquistar Jacinta.

Alarcón estava interessado em dar a conhecer a falta de valores das cúpulas mais altas de seu tempo, devido às provocações e críticas que sofreu de alguns de seus colegas. Os estudiosos da peça deste dramaturgo consideram que, com este trabalho, ele alcançou a maturidade e os critérios literários.

Referências

  1. Tamaro, E. (2004-2019). Juan Ruíz de Alarcón. (N / a): Biografias e Vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com.
  2. Juan Ruíz de Alarcón. (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado em: wikipedia.org.
  3. Montero, J. (S. f.). O autor: Juan Ruíz de Alarcón. Biografia (1572-1639) . Espanha: Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes. Recuperado de: cervantesvirtual.com.
  4. Juan Ruíz de Alarcón. (2019). Cuba: Ecu Red. Recuperado de: ecured.cu.
  5. Juan Ruiz de Alarcón. (2019). Espanha: a Espanha é cultura. Recuperado de: españaescultura.es.

Deixe um comentário