Karl Popper: Biografia, Pensamento, Contribuições e Obras

Karl Popper (1902-1994) foi um filósofo austríaco-britânico, considerado um dos pensadores mais importantes e influentes da filosofia do século XX. Ele fez grandes contribuições para a filosofia natural e a das ciências sociais.

As idéias de Popper giravam em torno do pensamento de que o conhecimento evolui a partir das experiências da mente. Ele negou a ideia de que as decisões de cada pessoa estavam ligadas a eventos anteriores predeterminados. Portanto, é considerado um metafísico inscrito nas idéias do antideterminismo.

Karl Popper: Biografia, Pensamento, Contribuições e Obras 1

Pela biblioteca LSE [Sem restrições], via Wikimedia Commons

Além disso, ele conseguiu fornecer contribuições significativas para várias áreas do conhecimento político. Ele procurou reconciliar certas idéias que compartilhavam princípios básicos, mas não eram nada semelhantes, como socialismo e social-democracia.

Ele se opôs, através de suas idéias, ao pensamento clássico de ramos filosóficos, como o pensamento indutivista. Ele também criou as bases para a filosofia epistemológica conhecida como “racionalismo crítico”.

Biografia

Criação

Karl Popper nasceu em Viena em 28 de julho de 1902. Na época de seu nascimento, sua cidade natal era considerada um dos principais expoentes da cultura no mundo ocidental.

O ambiente cultural de Viena a que Popper foi exposto foi complementado pela maneira como seus pais o criaram: através de livros e conhecimentos. Tanto sua mãe quanto seu pai eram pessoas altamente envolvidas com idéias culturais, como música, leis e filosofia.

Considera-se que os pais de Popper foram responsáveis ​​por incutir um profundo interesse nas idéias sociais e políticas do mundo, o que o levou ao campo da filosofia .

Outro aspecto muito importante de sua educação foi o interesse de Popper pela música. Sua mãe despertou seu interesse no campo musical, e a criatividade musical fez com que ele gerasse muitas novas idéias em filosofia.

De fato, as comparações que Popper conseguiu fazer entre diferentes ramos do pensamento crítico e dogmático são atribuídas ao seu interesse pela música.

Estudos

Quando jovem, ele estudou em uma escola alemã chamada Realgymnasium, que prepara os alunos para os estudos universitários. No entanto, ele não concordou com os padrões educacionais dos professores.

Logo após sua curta estadia em Realgymnasium, ele ficou doente e teve que ficar em casa por vários meses. Como ele não estava feliz com seu centro de estudos, ele o deixou para estudar na Universidade de Viena em 1918.

Curiosamente, Popper decidiu não se matricular imediatamente na faculdade. Ao longo de 1919, ele se envolveu com a política de esquerda e considera-se que este foi um dos anos mais cruciais para sua formação como filósofo.

Ele se matriculou em uma escola para estudantes com visões socialistas e, por pouco tempo, tornou-se marxista. No entanto, ele não concordou com as idéias do famoso pensador alemão e abandonou a disciplina do marxismo rapidamente.

Ele estava mergulhado no pensamento filosófico de vários autores renomados da época, como Sigmund Freud e Alfred Adler . Além disso, ele incutiu nas ciências e fez parte de um discurso proferido por Einstein em Viena, sobre sua teoria da relatividade.

Avanços Profissionais

Originalmente, era difícil para Popper se adaptar a uma única carreira. De fato, ele passou alguns anos de sua juventude treinando como marceneiro, antes de se tornar professor em meados da década de 1920.

Em 1925, ele obteve um diploma para ensinar nas escolas primárias. Em 1929, ele solicitou um diploma adicional, que lhe foi concedido, para ensinar matemática e filosofia nas escolas secundárias.

Então, na Universidade de Viena, ele fez doutorado no departamento de psicologia da universidade. Lá ele conheceu dois dos psicólogos mais importantes do país. Um desses psicólogos foi Karl Bühler, que ficou profundamente interessado no trabalho de doutorado de Popper.

Trabalho de doutorado

O trabalho de doutorado de Popper tratou de um estudo sobre a memória humana , assunto sobre o qual Popper já tinha conhecimento prévio.

No entanto, Buhler convenceu Popper de que ele mudou o foco de seu trabalho, que se tornou uma análise dos problemas metodológicos da psicologia cognitiva. Ele obteve seu diploma, com este trabalho, em 1928.

Este foi o primeiro trabalho de Popper que criticou abertamente outras idéias psicológicas. A partir desse ponto, ele dedicou sua vida à análise do lado científico da psicologia e à abordagem filosófica em relação ao método usado no pensamento.

Suas idéias eram consistentes com muitos dos outros pensadores do Círculo de Viena, o que o levou a dedicar sua vida ao estudo da filosofia e deixar para trás aspectos psicológicos.

Foi a partir desse momento que Popper se tornou considerado um dos principais filósofos analíticos da época, junto com outros pensadores como Russell e Gottlob Frege.

Vida pessoal

Em 1930, ele se casou com uma mulher chamada Josephine Anna Henninger, a quem eles conheciam pelo apelido “Hennie”. Ela o ajudou a manter seu bem-estar econômico ao longo de sua vida e também o ajudou em vários projetos profissionais, atuando como assistente.

Durante os primeiros anos do casamento, ambos decidiram que seria melhor não ter filhos. O casal permaneceu fiel à sua palavra durante todo o casamento.

Além disso, em 1937, ele teve que ir trabalhar na Universidade de Canterbury, na Nova Zelândia. Lá ele permaneceu até o final da Segunda Guerra Mundial. Sua esposa teve problemas para se adaptar à vida neste país e o próprio Popper não se deu bem com o chefe de departamento.

A Segunda Guerra fez com que ele concentrasse seu trabalho na filosofia social e política. Ele criticou abertamente idéias totalitárias, como as de Hitler.

Reconhecimento

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, Popper mudou-se para a Inglaterra para ensinar na Universidade de Londres. Já morando no país britânico, dedicou-se a escrever um grande número de obras literárias e sua reputação como pensador filosófico aumentou exponencialmente.

Popper começou a ser reconhecido como um dos pensadores sociais e filosóficos mais influentes do mundo. As obras que ele escreveu – na Inglaterra – são consideradas hoje como obras pioneiras no campo da filosofia moderna.

No entanto, além do reconhecimento que ele estava recebendo em nível profissional, ele se tornou uma pessoa bastante pessoal.

Sua personalidade era bastante agressiva com pessoas que discordavam de suas idéias. Além disso, a mentalidade ampliada do filósofo não se encaixava bem no povo de uma Inglaterra que havia emergido recentemente dos horrores da Segunda Guerra Mundial.

Além de seus problemas pessoais, seus trabalhos e trabalhos nunca deixaram de ser reconhecidos como fontes de inspiração, tanto na Inglaterra quanto em toda a Europa.

Últimos anos

Durante seus últimos anos de vida, Popper foi criticado abertamente pela abordagem que seus estudos tiveram sobre a ciência. Além disso, ele foi criticado pelo grande número de trabalhos focados na “lógica da falsificação”.

Ele trabalhou na Universidade de Londres até sua aposentadoria em 1969. Em 1965, ele foi cavaleiro da coroa britânica, que se tornou Sir Karl Popper. Após sua aposentadoria, ele continuou trabalhando como escritor e palestrante até sua morte em 1994.

Pensando

O principal conhecimento que Popper usou para desenvolver suas idéias reside na maneira como ele teve que ver o método indutivo nas ciências empíricas.

De acordo com essas idéias, uma hipótese científica pode ser verificada pela observação contínua do mesmo evento, repetidamente.

No entanto, alguns estudos subsequentes de outros filósofos provam que apenas um estudo infinito desses fenômenos torna a teoria de Popper inteiramente correta.

Popper usou o argumento de outros cientistas para explicar que as hipóteses podem ser determinadas por um critério de falsificação. Ou seja, um cientista pode verificar a validade de suas idéias determinando uma exceção a elas. Se não há nada contrário à hipótese, isso significa que ela é válida.

Segundo Popper, ciências como astrologia e metafísica não são consideradas ciências reais, pois não aderem aos princípios dos critérios de falsificação estabelecidos pelo pensador.

Isso também inclui a história marxista (as idéias que ele se negou) e a aclamada psicanálise de Sigmund Freud.

Contribuições

Problema de demarcação e falsificação

De acordo com essa teoria de Popper, é possível distinguir entre uma teoria de uma ciência empírica e outra de uma ciência não empírica.

Por meio desse método, Popper procurou determinar quais são as diferenças metodológicas entre várias disciplinas científicas, como física e disciplinas não científicas, como a metafísica filosófica.

Basicamente, Popper disse que é capaz de determinar quais teorias têm bases científicas e quais outras têm bases não científicas, dependendo do tipo de argumento usado para prová-las.

Em princípio, a grande diferença é que as teorias científicas garantem coisas que, no futuro, podem ser reveladas como falsas por meio de evidências.

Por outro lado, teorias com bases não científicas simplesmente garantem algo e isso não pode ser determinado como falso, uma vez que não há como provar isso.

Uma das principais idéias que Popper usou para demonstrar essa teoria foi o contraste entre as idéias da psicanálise de Sigmund Freud e a teoria da relatividade de Albert Einstein.

Racionalidade

Segundo Popper, a racionalidade não é uma ideia inteiramente limitada ao campo das ciências empíricas. Simplesmente veja a racionalidade como um método usado para encontrar contradições no conhecimento e depois eliminá-las.

A partir dessa idéia, é possível discutir idéias metafísicas com princípios racionais. Alguns estudantes do filósofo chegaram a dizer que todas as idéias podem ser estudadas dentro de um contexto racional, embora o próprio Popper nunca tenha concordado completamente com essas teorias.

As contribuições para o que pode ser considerado racional foram sua principal fortaleza que moldou as idéias de suas outras teorias.

Segundo Popper, a filosofia tradicional é afetada pelo fato de muitos autores aderirem ao princípio da razão suficiente. Esse princípio garante que tudo deve ter uma razão ou causa, mas Popper acha que nem todas as idéias (ou mesmo teorias) devem ter uma justificativa.

Filosofia política

Sua maior contribuição à filosofia política foi sua crítica às idéias do historicismo, pelas quais geralmente é atribuída alta importância a um período histórico. Segundo Popper, o historicismo é a principal causa pela qual novos regimes autoritários e totalitários são desenvolvidos no mundo.

Popper diz que o pensamento humano é um fator que se desenvolve à medida que a raça humana evolui, portanto, prever um evento futuro usando algo que aconteceu no passado não é válido.

Não é possível que uma sociedade saiba de que maneira ela saberá no futuro, de uma maneira ou de outra, de modo que o historicismo perde sua validade de acordo com a teoria de Popper.

Além disso, um grande crítico de Popper estava relacionado ao seu trabalho com o partido de esquerda durante sua juventude. Ele percebeu que as revoltas marxistas causavam muitos problemas na sociedade e, além disso, não eram corretamente orientadas no que diz respeito à ideologia.

O grande problema do marxismo e uma de suas principais contribuições é a diferenciação entre as idéias de igualdade e liberdade. Os marxistas colocam a igualdade em primeiro lugar, enquanto Popper determinava a liberdade como a principal ferramenta das sociedades modernas.

Trabalhos

Ao longo de sua vida, Popper escreveu um grande número de livros e obras literárias que influenciaram (e influenciaram) muitos filósofos em todo o mundo. Entre seus trabalhos mais importantes estão:

A lógica da pesquisa científica

Escrito em Viena em 1934, A lógica da pesquisa científica é considerada o trabalho mais influente de Popper. No livro, Popper apresenta suas idéias de falsificacionismo e aborda os tópicos de probabilidade científica.

A miséria do historicismo

Publicado em 1957, The Misery of Historicism é um livro de Popper no qual ele fala sobre os perigos do uso do historicismo em um conceito político.

Segundo o filósofo, as idéias historicistas são perigosas e os principais instigadores de regimes corruptos e autoritários.

A sociedade aberta e seus inimigos

Popper escreveu este livro durante a Segunda Guerra Mundial e foi publicado em 1945. Neste livro, ele criticou filósofos como Marx e Platão por usar o historicismo como base em suas idéias filosóficas. É um de seus textos mais importantes, mas também um dos mais criticados.

Referências

  1. Karl Popper, Stanford Encyclopedia of Philosohpy, 1997. Extraído de Stanford.edu
  2. Karl Popper, Encyclopaedia Britannica, 2018. Extraído de Britannica.com
  3. Karl Popper: Filosofia da Ciência, Internet Encyclopedia of Philosophy, (sd). Retirado de iep.utm.edu
  4. Filosofia da Ciência (de acordo com Karl Popper), Universidade de Melbourne, 2017. Extraído de unimelb.edu.au
  5. Trabalhos de Karl Popper em inglês, The Karl Popper Website, 2011. Extraído de tkpw.net

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies