Lexatina (bromazepam): para que serve, dose, efeitos colaterais

O Lexatin é um fármaco ansiolítico cujo ingrediente activo é o bromazepam e pertencente ao do grupo de medicamentos das benzodiazepinas.Este medicamento é geralmente usado para tratar sintomas de ansiedade, tensão, nervosismo e agitação. Da mesma forma, pode ser usado em transtornos de humor ou para interferir em problemas de sono.

Por outro lado, dados clínicos sobre a lexatina mostraram que é uma droga útil para aliviar sintomas físicos, como distúrbios do ritmo cardíaco, problemas respiratórios ou condições digestivas associadas à ansiedade.

Lexatina (bromazepam): para que serve, dose, efeitos colaterais 1

Em geral, o tratamento com lexatina é geralmente de curta duração. Tanto a prescrição quanto a administração devem ser realizadas por um profissional médico, pois é proibida a comercialização sem receita médica.

Características da Lexatina

Lexatin é a marca comercial sob a qual o bromazepam é comercializado. O bromazepam é uma substância ativa que atua nas regiões cerebrais como ansiolíticos.

A Lexatina é um medicamento ansiolítico que é usado principalmente para tratar problemas e distúrbios relacionados à ansiedade, tensão e agitação.Especificamente, está incluído nos medicamentos conhecidos como benzodiazepínicos, o grupo dos medicamentos ansiolíticos mais usados ​​atualmente.

Nos benzodiazepínicos, a lexatina é considerada uma droga leve. É um dos medicamentos ansiolíticos menos fortes e é uma boa opção terapêutica para tratar distúrbios leves da ansiedade.

Este medicamento atua no sistema nervoso central como relaxante muscular, ansiolítico e sedativo se forem utilizadas doses mais altas. É um medicamento apropriado para aumentar o relaxamento, ajudá-lo a adormecer e lidar com situações de tensão, agitação e depressão, entre outras.

Para que serve a lexatina?

Embora a administração de lexatina produza um aumento na inibição do sistema nervoso central, este medicamento não é indicado para tratar qualquer tipo de condição relacionada à ansiedade ou agitação.

Estudos clínicos demonstraram que a lexatina é uma droga eficaz no tratamento de doenças que apresentam sintomas como ansiedade, ansiedade, obsessões, compulsões, fobias e hipocôndrias.Da mesma forma, é um medicamento útil para intervir em reações emocionais exageradas que surgem de situações conflitantes e estresse.

Por sua vez, a lexatina pode ser uma boa opção terapêutica para tratar condições nas quais se conota uma dificuldade de contato e comunicação interpessoal, distúrbios comportamentais ou agressividade.

Por outro lado, várias investigações demonstraram sua adequação ao tratamento da organoenurose e, em geral, todas as somatizações causadas por excitação psíquica.

Finalmente, certos ensaios clínicos demonstraram que a lexatina pode ser um complemento muito bom para a psicoterapia ao intervir em distúrbios relacionados à ansiedade, agitação, estresse ou tensão.

Lembre-se de que a lexatina é um medicamento ansiolítico de baixa potência . Por esse motivo, é uma opção muito boa para tratar problemas leves de ansiedade, mas pode ser um medicamento ineficaz para intervir em distúrbios mais graves.

Como funciona a lexatina?

A Lexatina é um medicamento que é consumido por via oral através de cápsulas. Quando ingerida, a substância ativa da droga acessa o sangue e viaja através dele para as regiões do cérebro.

Quando a substância ativa do medicamento entra no sistema nervoso central, realiza efeitos sedativos, hipnóticos, ansiolíticos, anticonvulsivantes, amnésicos e relaxantes musculares no cérebro.Mais especificamente, a lexatina atua como um agente depressor no sistema nervoso, especialmente sobre o sistema límbico.

O cérebro possui um receptor específico para a lexatina, conhecido como complexo do ácido gama-aminobutírico (GABA). Quando a substância ativa da droga chega ao cérebro, ela se envolve nesses receptores e modifica seu funcionamento.

Lexatina (bromazepam): para que serve, dose, efeitos colaterais 2

GABA é um neurotransmissor que executa ações inibitórias no cérebro. Quando essas substâncias não agem adequadamente, a excitação do cérebro aumenta, o que pode causar sintomas de agitação ou ansiedade e diminuir o relaxamento.

Dessa maneira, a lexatina é acoplada aos receptores GABA para aumentar sua atividade. Ao aumentar a atividade do GABA, a inibição do cérebro aumenta, fato que permite combater os sintomas de ansiedade ou tensão.

O aumento da inibição de GABA causa efeitos globais no nível cerebral. Por esse motivo, a lexatina atua não apenas como ansiolítico, mas também produz efeitos sedativos, hipnóticos, anticonvulsivantes, amnésicos e relaxantes musculares.

Contra-indicações

A lexatina apresenta uma série de contra-indicações. Quando o sujeito encontra uma série de características ou situações específicas, o tratamento com este medicamento é completamente desencorajado.

O uso de lexatina é contra-indicado em indivíduos que:

  1. Eles são alérgicos ao bromazepam.
  2. Eles sofrem de dificuldades respiratórias crônicas.
  3. Eles têm distúrbios hepáticos graves.
  4. Eles sofrem de mytenia grave.
  5. Eles têm apneia do sono.
  6. Eles usam álcool ou drogas frequentemente.

Por outro lado, o consumo de lexatina nos momentos anteriores à condução de um veículo ou operação com máquinas pesadas não é recomendado, principalmente se for para ser realizado por períodos prolongados.

O uso da lexatina pode causar sonolência, diminuição do estado de alerta e inibição das habilidades mentais, fato que pode ser perigoso no momento.

Da mesma forma, o uso deste medicamento durante os períodos de gravidez e lactação não é recomendado, sem consulta prévia com o médico.

Apresentação e dose

A Lexatina é geralmente comercializada em cápsulas de 1,5 miligrama, razão pela qual o medicamento geralmente aparece sob a nomenclatura ” Lexatina 1,5 ” ou ” Lexatina 1,5 mg “.

A pessoa responsável pela determinação da dose de lexatina deve sempre ser um profissional médico. No entanto, o próprio medicamento indica que a dose diária máxima de lexatina não deve exceder 4-12 miligramas.

A dose de lexatina pode ser dividida em duas ou três doses diárias, e é importante não dobrar a dose de uma dose se a dose anterior tiver sido esquecida, pois o efeito inibitório de doses excessivas de medicamentos pode ser prejudicial.

Finalmente, é conveniente consumir cápsulas de lexatina entre 30 e 60 minutos após as refeições.

Advertências e precauções de uso

Ao usar a lexatina, uma série de condições relacionadas aos efeitos do medicamento e às características de consumo realizadas deve ser levada em consideração. Os elementos mais importantes a serem considerados são:

Amnésia

Os benzodiazepínicos em geral e a lexatina em particular podem induzir amnésia anterógrada. Essa aliteração implica a incapacidade de reter e lembrar aspectos que ocorrem após a ingestão do medicamento.

A amnésia anterógrada geralmente não ocorre imediatamente, mas geralmente ocorre após várias horas de ingestão de medicamentos. Por esse motivo, é aconselhável tomar o medicamento antes de dormir, para poder descansar por várias horas após a ingestão de lexatina.

Reações psiquiátricas e paradoxais

Ocasionalmente, o consumo de lexatina pode gerar efeitos totalmente opostos aos desejados, produzindo sintomas como inquietação, agitação, irritabilidade, ataques de raiva, alucinações ou comportamento inadequado.

Nos casos em que esses efeitos estão relacionados, é altamente importante interromper o tratamento. Esses efeitos são especialmente frequentes na população pediátrica e em indivíduos com mais de 65 anos.

Duração do tratamento

É desejável que a duração do tratamento seja a mais curta possível e não exceda duas semanas.

É importante estar ciente desses aspectos no início do tratamento e especificar o procedimento de redução progressiva da dose desde os primeiros momentos do consumo.

Uso de álcool

Durante o uso de lexatina, o uso de álcool e outros depressores do sistema nervoso central deve ser evitado.

A ingestão de outra substância depressora juntamente com a lexatina pode aumentar os efeitos do medicamento, causando sedação grave e depressão respiratória e / ou cardiovascular, o que pode ser muito perigoso para a saúde do indivíduo.

Tolerância

Quando a lexatina é usada por um longo período, seus efeitos podem diminuir. Esse fator é explicado pela tolerância gerada pelo indivíduo, ou seja, é habitual trabalhar com a ingestão do medicamento, que cada vez mais apresenta menos efeitos físicos físicos.

Grupos especiais de pacientes

Em geral, a administração de lexatina em crianças e adolescentes é desencorajada. Este medicamento deve ser administrado apenas a uma pessoa com menos de 18 anos de idade após realizar uma avaliação cuidadosa da necessidade de tratamento. Da mesma forma, a duração mínima da intervenção deve ser aplicada.

Por outro lado, pacientes idosos (acima de 65 anos) devem receber doses mais baixas do que o restante da população adulta.

Também é conveniente reduzir as doses de tratamento em indivíduos com insuficiência respiratória crônica devido ao risco do medicamento causar depressão respiratória.

A Lexatina não é um medicamento indicado para o tratamento de pessoas com insuficiência hepática grave, pois pode desencadear encefalopatia. Da mesma forma, não é um tratamento de primeira escolha para indivíduos com transtorno psicótico.

Finalmente, a lexatina não deve ser usada como tratamento exclusivo na intervenção de indivíduos com transtornos depressivos ou ansiedade associada a transtornos do humor. Nestes casos, o uso de lexatina deve ser acompanhado por um medicamento antidepressivo.

Dependência

Embora não seja um medicamento muito viciante, o uso de lexatina pode causar o desenvolvimento de dependência física e psíquica. O risco de dependência aumenta com a dose e a duração do tratamento, por isso é importante que sejam o mais baixo possível.

Da mesma forma, o risco de dependência e dependência aumenta em indivíduos com histórico de dependência de drogas ou alcoolismo, de modo que o uso de lexatina nessa população deve ser realizado com cuidado.

Efeitos adversos

Efeitos adversos não ocorrem em todos os casos, no entanto, o consumo de lexatina pode gerar qualquer uma das seguintes condições:

  1. Choque anafilático
  2. Confusão
  3. Transtorno emocional
  4. Distúrbios da libido
  5. Dependência e abuso de drogas.
  6. Síndrome de abstinência.
  7. Depressão
  8. Reações paradoxais: inquietação, agitação, irritabilidade, agressividade, delírio, alucinações, pesadelos, etc.
  9. Amnésia Anterógrada
  10. Redução de alerta.
  11. Diploia
  12. Insuficiência cardíaca.
  13. Depressão respiratória
  14. Náusea, vômito e constipação.
  15. Erupção cutânea, prurido e urticária.
  16. Fraqueza muscular
  17. Retenção urinária
  18. Quedas e fraturas.

Referências

  1. Amphoux, G; Agussol, P; Girard, J (maio de 1982). «A ação do bromazepam na ansiedade (tradução do autor)». La Nouvelle presse medicale . 11 (22): 1738-40.
  2. Bromazepam, um novo ansiolítico: um estudo comparativo com o diazepam na prática geral. Organização Real de Vigilância de Medicamentos de Clínica Geral ». JR Coll Gen Pract .34 (266): 509-12. Setembro de 1984.
  3. Bromazepam ». Esquema de Benefícios Farmacêuticos (PBS) . Governo Australiano – Departamento de Saúde. Recuperado em 23 de março de 2014.
  4. Pérez Trullen JM, Modrego Pardo PJ, Vázquez André M, López Lozano JJ (1992). «Distonia induzida por bromazepam». Pharmacother 46 (8): 375–6.
  5. Puga F, Sampaio I, Veiga H, et al. (Dezembro de 2007). »Os efeitos do bromazepam nos estágios iniciais do processamento visual de informações (P100)».Arq Neuropsiquiatr . 65 (4A): 955-9.
  6. Vademecum: Lexatin.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies