Ligirofobia: sintomas, causas e tratamentos

A ligirofobia é um tipo de fobia específica caracterizada pelo medo excessivo e irracional de baratas. As pessoas que sofrem desse transtorno podem experimentar sintomas como ansiedade extrema, palpitações, sudorese, tremores e até mesmo ataques de pânico ao se depararem com esses insetos. As causas da ligirofobia podem estar relacionadas a experiências traumáticas do passado, predisposição genética ou influências ambientais. O tratamento para a ligirofobia pode envolver terapia cognitivo-comportamental, exposição gradual à situação temida e, em alguns casos, o uso de medicamentos para controlar a ansiedade. É importante buscar ajuda profissional para lidar com esse medo incapacitante e melhorar a qualidade de vida.

Entenda o significado e os sintomas da Ligirofobia: medo de ruídos altos e estridentes.

A Ligirofobia é um medo irracional e intenso de ruídos altos e estridentes. Indivíduos que sofrem desse distúrbio podem experimentar ansiedade intensa, pânico, tremores, sudorese e até mesmo ataques de pânico quando expostos a sons altos. Alguns dos sintomas comuns da Ligirofobia incluem taquicardia, dificuldade para respirar, sensação de sufocamento, náuseas e tonturas.

As causas da Ligirofobia podem variar de pessoa para pessoa, mas geralmente estão relacionadas a experiências traumáticas do passado, como ter sido exposto a um evento extremamente barulhento ou ter presenciado alguém sofrendo devido a um ruído alto. Algumas pessoas também podem desenvolver ligirofobia devido a uma predisposição genética para transtornos de ansiedade.

O tratamento da Ligirofobia geralmente envolve terapia cognitivo-comportamental, que ajuda o indivíduo a enfrentar seus medos gradualmente e a aprender técnicas de relaxamento para lidar com a ansiedade. Além disso, a medicação pode ser prescrita em casos mais graves para ajudar a controlar os sintomas.

É importante buscar ajuda de um profissional de saúde mental se você ou alguém que você conhece sofre de Ligirofobia. Com o tratamento adequado, é possível aprender a lidar com o medo de ruídos altos e estridentes e melhorar a qualidade de vida.

Os impactos provocados pela fobia em diversas áreas da vida.

A ligirofobia é o medo irracional e persistente de risos e brincadeiras. Assim como outras fobias, ela pode ter impactos significativos em diversas áreas da vida de uma pessoa. Os sintomas dessa fobia podem incluir ansiedade intensa, palpitações, sudorese, tremores e até mesmo ataques de pânico.

Na área social, a ligirofobia pode levar a um isolamento e dificuldade em estabelecer relacionamentos interpessoais saudáveis. A pessoa pode evitar situações sociais onde possa ocorrer risos ou brincadeiras, o que pode afetar sua vida social e profissional.

No campo profissional, a ligirofobia pode prejudicar o desempenho no trabalho, especialmente em ambientes que promovem interações sociais e descontração. A pessoa pode ter dificuldade em participar de reuniões, apresentações ou eventos corporativos, o que pode limitar suas oportunidades de crescimento e desenvolvimento profissional.

Além disso, a ligirofobia pode afetar a saúde mental da pessoa, causando estresse crônico, ansiedade e até depressão. O medo constante de situações que possam desencadear risos ou brincadeiras pode levar a um estado de alerta constante e exaustão emocional.

O tratamento para a ligirofobia pode incluir terapia cognitivo-comportamental, técnicas de relaxamento e exposição gradual a situações temidas. É importante buscar ajuda de um profissional de saúde mental para identificar as causas da fobia e desenvolver estratégias para lidar com ela.

É fundamental buscar ajuda e tratamento adequados para superar esse medo irracional e viver uma vida mais plena e satisfatória.

Qual é a melhor opção de tratamento para lidar com fobias?

Ligirofobia é o medo irracional de risos ou de ser ridicularizado. Esta fobia pode causar ansiedade intensa e afetar a qualidade de vida da pessoa que a possui. Os sintomas da ligirofobia incluem palpitações, sudorese, tremores, dificuldade em respirar e evitação de situações que possam levar ao riso.

As causas da ligirofobia podem variar de pessoa para pessoa, podendo estar relacionadas a experiências traumáticas passadas, predisposição genética ou influências ambientais. Independentemente da causa, é importante procurar ajuda profissional para lidar com essa fobia e melhorar a qualidade de vida.

Existem várias opções de tratamento para lidar com a ligirofobia. A terapia cognitivo-comportamental é uma das abordagens mais eficazes para tratar fobias, incluindo a ligirofobia. Este tipo de terapia ajuda a pessoa a identificar e modificar padrões de pensamento e comportamento que contribuem para o medo irracional.

Além da terapia cognitivo-comportamental, a exposição gradual a situações que causam medo também pode ser benéfica no tratamento da ligirofobia. A exposição gradual, acompanhada por um terapeuta especializado, ajuda a pessoa a enfrentar o medo de forma controlada e a aprender estratégias para lidar com a ansiedade.

Outras opções de tratamento para a ligirofobia incluem o uso de medicação para controlar os sintomas de ansiedade e técnicas de relaxamento, como a meditação e a respiração profunda. É importante consultar um profissional de saúde mental para avaliar o melhor plano de tratamento para cada caso específico.

Relacionado:  Aracnofobia: causas, sintomas e tratamento

É importante procurar ajuda profissional e seguir o plano de tratamento recomendado para superar esse medo irracional e melhorar a qualidade de vida.

Qual é o medo mais prevalente globalmente?

A Ligirofobia, também conhecida como o medo de rir, é um dos medos mais prevalentes globalmente. Muitas pessoas podem achar estranho ter medo de algo tão natural como o riso, mas para aqueles que sofrem dessa fobia, o riso pode ser extremamente angustiante.

Os sintomas da Ligirofobia podem incluir ansiedade extrema, palpitações cardíacas, sudorese, tremores e até mesmo ataques de pânico. As causas desse medo podem variar de pessoa para pessoa, mas algumas possíveis razões incluem experiências traumáticas relacionadas ao riso, crenças culturais negativas sobre o riso ou até mesmo condições de saúde mental como a ansiedade social.

O tratamento para a Ligirofobia pode envolver terapia cognitivo-comportamental, exposição gradual ao riso e técnicas de relaxamento. É importante procurar ajuda de um profissional de saúde mental para encontrar a melhor abordagem de tratamento para cada caso específico.

Com o apoio adequado e o tratamento adequado, é possível superar esse medo e viver uma vida mais plena e feliz.

Ligirofobia: sintomas, causas e tratamentos

O fonofobia é um medo irracional, intenso e persistente da presença ou antecipação de ruídos altos e natureza inesperada, como explosões.Uma fobia específica é um medo irracional e intenso em relação a algo que não é perigoso ou, no caso de ser assim, não é tanto quanto a pessoa que sofre da fobia o percebe.

Ou seja, quando uma pessoa sofre de uma fobia específica, ela tende a catastrofizar as consequências que o fato de permanecer em contato com esse temido estímulo pode ter.

Ligirofobia: sintomas, causas e tratamentos 1

Tipos de ligirofobias

Pessoas que sofrem de medo irracional de barulhos altos, isto é, que sofrem de ligirofobia, podem apresentar medo de:

Balões inchados

Essas pessoas não suportam o fato de um balão explodir. Às vezes, a pessoa se sente incapaz de permanecer no mesmo espaço que o objeto.

Firecrackers

As pessoas sentem um medo irracional em relação aos fogos de artifício. Por exemplo, situações em que outras pessoas jogam fogos de artifício, ouvem um foguete de longe ou o simples ato de pensar que podem jogar um gera uma resposta de ansiedade.

Foguetes, castelos de fogos de artifício, etc.

Pessoas com ligirofobia podem sentir medo desses objetos.

¿ Como para dizer se este é um caso de fonofobia?

Para saber se estamos diante de uma fobia específica ou um medo, devemos seguir as diretrizes fornecidas pelos critérios do DSM-5.Para o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) , enfrentaríamos uma fobia de ruído alto se:

  • A pessoa experimentará intensa ansiedade em face de barulho alto ou em antecipação a barulho, neste caso, fogos de artifício, balões …
  • Se o ruído alto for evitado ativamente com medo e ansiedade imediatos e intensos.
  • Se o medo ou a ansiedade produzida por esse barulho for desproporcional à situação e ao contexto sociocultural.
  • Se a pessoa tentar evitar persistentemente as situações em que ocorrem ruídos altos.
  • Esse medo do ruído causa desconforto ou deterioração significativa em outras áreas da vida da pessoa.
  • Esse medo irracional de ruídos altos não deve ser causado por outro distúrbio mental.

As pessoas que sofrem dessa fobia temem estímulos que produzem ruídos altos, como fogos de artifício, castelos de fogos de artifício, balões quando explodem …

Pessoas com ligirofobia, quando ouvem um som com essas características, desenvolvem uma resposta imediata à ansiedade que pode levar a um ataque de pânico.

Nas crianças, a ansiedade pode se manifestar através do choro, birra ou imobilidade, por exemplo.

As pessoas que vivem com ligirofobia tendem a experimentar as festas com muito medo, pois tradicionalmente, muitas delas são comemoradas com fogos de artifício ou foguetes, como o Natal, nas Fallas de Valência, na véspera de Ano Novo, em casamentos ou comunhões … Em todas essas festas O barulho geralmente é garantido.

Além disso, algumas pessoas são incapazes de observar uma pessoa inchando um balão e, dependendo da intensidade da fobia, alguns indivíduos podem não permanecer na mesma sala que um balão inchado, pois temem que ele exploda.

No entanto, esse medo irracional permite que as pessoas levem uma vida normal, pois são capazes de evitar a maioria das situações nas quais uma explosão ocorrerá.

Causas

O medo é uma emoção básica que nos coloca a salvo de situações potencialmente perigosas. Assim, o medo não é em si negativo. As emoções básicas são legais e necessárias, e o medo é necessário para nossa sobrevivência.

Essa emoção é sentida a partir do segundo mês de vida e as situações que tememos variam com a idade. Os medos são muito comuns na infância e são passageiros, ou seja, eles aparecerão e desaparecerão.

O papel desses medos evolucionários ajudará a criança a lidar adequadamente com situações difíceis e ameaçadoras que ela encontrará ao longo de seu crescimento.

No entanto, às vezes eles podem levar à fobia quando geram desconforto clinicamente significativo e interferem nas diferentes áreas da vida do indivíduo.

O medo de ruídos altos surge em torno do primeiro ano de vida e deve desaparecer ao longo de 3 anos.Às vezes, esses medos persistem e se tornam desproporcionais e pouco adaptativos, ou seja, quando estaríamos falando de uma fobia.

O papel dos pais

A maneira como os pais lidam com os medos da infância terá um impacto em sua manutenção ou recuperação.

Por exemplo, se uma mãe, quando seu filho está com medo, fica nervosa, começa a protegê-lo para parar de ouvir as explosões, corre com seu filho para uma situação segura, o filho interpretará que sua mãe o está colocando exceto os fogos de artifício que são potencialmente perigosos, mantendo assim o problema.

Embora esse medo irracional possa desaparecer, é comum que, sem tratamento adequado, persista até a idade adulta.

As fobias específicas, no nosso caso, a ligirofobia, podem ter se originado após uma experiência aversiva direta, ou seja, encontramos o caso de pessoas que, após uma situação, desenvolveram um medo irracional de barulhos altos.

Esse processo pelo qual uma fobia pode ser adquirida é chamado de condicionamento clássico. A pessoa associa um evento que a princípio não é perigoso para uma reação de ansiedade.

Por exemplo, um adulto que explode um balão próximo e tem uma resposta de ansiedade. A partir desse momento, toda vez que ele vê um balão, uma resposta de ansiedade é desencadeada, pois associa esse estímulo ao medo.

Outra das maneiras pelas quais uma fobia pode ser adquirida é através das informações que terceiros podem fornecer a você sobre uma experiência ruim com alguns dos estímulos temidos (fogo de artifício, balão, foguete etc.).

Ver alguém com uma experiência aversiva com o estímulo temido também é um gatilho para o estabelecimento da fobia, por exemplo, ver como um amigo seu explode um balão e o atinge nos olhos

Vulnerabilidade biológica e vulnerabilidade psicológica

Muitas pessoas consideram por que desenvolveram uma fobia se havia mais pessoas no momento do incidente e nem todo mundo aconteceu. A questão de: “E por que isso tem que acontecer comigo?”

Isso ocorre devido à vulnerabilidade individual. Quando falamos sobre vulnerabilidade, nos referimos à predisposição de que cada indivíduo tem para desenvolver uma certa patologia.

Falar em vulnerabilidade biológica refere-se ao fato de que algumas características do nosso organismo podem favorecer o desenvolvimento de uma determinada patologia.No caso de fobias específicas, é provável que as pessoas que têm mais facilidade para desenvolvê-las tenham um sistema nervoso autônomo mais reativo.

O sistema nervoso autônomo (formado pelo sistema nervoso simpático e pelo sistema nervoso parassimpático) é o que está envolvido na resposta à ansiedade.

A vulnerabilidade psicológica refere-se às características psicológicas estáveis ​​ou situacionais do indivíduo que facilitam o desenvolvimento de uma patologia.

Por exemplo, o fato de a pessoa ter um transtorno de ansiedade pré-mórbido ou de estar passando por uma situação estressante na vida facilita a criação mais fácil da fobia.

Por que é mantido?

Depois de viver uma experiência desagradável com um ruído alto e desenvolver ligirofobia, a pessoa tende a evitar qualquer situação em que a situação temida possa surgir.

Esses comportamentos de prevenção, se mantidos ao longo do tempo, impedem o processo de habituação.Uma pessoa que sofre de medo de barulhos altos evita e evita estratégias para aliviar seu desconforto.

Algumas das estratégias utilizadas são:

  • Tome medicação ansiolítica.
  • Cubra seus ouvidos.
  • Verifique se não há balões, fogos de artifício, etc. Em qualquer comemoração.
  • Sair de uma situação em que percebe que pode haver barulho, por exemplo, sair de uma festa, um quarto, mudar de caminho etc.
  • Não saia nos dias que se espera que sejam fogos de artifício.
  • Sair nos dias em que sei que haverá ruídos sob algumas condições (evite certas ruas onde se sabe que o ruído está concentrado, planeje a hora do dia para sair, sempre esteja acompanhado, leve alguns remédios no bolso, saia somente para áreas classificadas como “seguras”.

Esse comportamento da pessoa em segurança é um mecanismo natural que o indivíduo desenvolve para aliviar seu desconforto.

Relacionado:  Hidrofobia: sintomas, causas e tratamentos

O que esse indivíduo não sabe é que toda vez que evita essa situação, ele fortalece as conexões entre o estímulo e o medo que produz, uma vez que a sequência é automatizada.

A pessoa aprende que sair da situação temida ou evitá-la diretamente produz alívio, então nosso cérebro aceita esse comportamento como comportamento adaptativo que nos coloca a salvo.

Nosso cérebro entende que o ruído é muito perigoso e que é importante que, sempre que apresentamos ou pensemos que é muito provável que ocorra, devemos fugir.

Além disso, quando as pessoas com ligirofobia emitem esse comportamento de escape de maneira sistemática, elas não têm permissão para verificar se o ruído não é realmente perigoso, ou seja, elas não permitem o desenvolvimento do processo de prevenção.

Avaliação

Para abordar adequadamente o tratamento de uma fobia específica, como a ligirofobia, é importante realizar uma avaliação completa do problema.Os objetivos básicos para avaliá-lo são:

  • Isole as situações temidas e / ou evitadas.
  • Numere as condições específicas associadas a diferentes níveis de medo.
  • Descubra como evitar o desconforto gerado por essa situação.

A avaliação psicológica é o processo pelo qual obtemos informações sobre o problema, conhecendo todos os parâmetros. A ferramenta mais utilizada para avaliar é a entrevista psicológica.

Na entrevista, os dados serão coletados em:

  • Dados sociodemográficos (idade, sexo, profissão …).
  • Tratamentos anteriores
  • Nível de interferência do problema.
  • Expectativas em relação à terapia.
  • Capacidade de suportar a aversão.
  • Situações concretas que provocam a resposta da ansiedade.
  • Tentativas de lidar com a ansiedade.
  • Comportamentos de fuga e fuga.
  • Como as pessoas ao seu redor reagem.
  • Existência de outras fobias.
  • Persistência de outros medos evolucionários desconhecidos.

Tratamento

O tratamento de escolha para abordar a ligirofobia é a exposição in vivo. A exposição é uma técnica psicológica que envolve a apresentação do estímulo temido sem permitir que o indivíduo implemente estratégias de fuga / fuga.

É por isso que é tão importante avaliar todas as respostas dadas pelo sujeito como uma tentativa de aliviar a ansiedade que ele sofre.

Quando o procedimento de exposição é iniciado, a ansiedade aumenta e, se não iniciarmos os comportamentos de fuga e fuga, chega um momento em que a ansiedade se estabiliza e começa a descer até atingir níveis baixos, ou seja, a ansiedade diminui. Forma de sino gaussiano.

Cada vez que usamos esse procedimento, a ansiedade aumenta para níveis mais baixos e diminui mais rapidamente.Chegará um momento em que, após inúmeras apresentações, o temido estímulo não produzirá resposta de ansiedade. É quando diremos que o fenômeno da habituação se desenvolveu.

Para realizar o procedimento de exposição, a primeira coisa é classificar as situações. Pedimos à pessoa que avalie todas as situações de 0 a 10 de ansiedade e as ordene.

Um exemplo de hierarquia seria o seguinte:

  • 1ª situação: balão inchado ao meio em cima da mesa.
  • 2ª situação: balão inchado completamente na mesa.
  • 3ª situação: segure o globo inchado ao meio nas minhas mãos.
  • 4ª situação: segure completamente o balão inchado nas mãos.
  • 5ª situação: mexer no balão totalmente inchado.
  • 6 situação: fique na sala enquanto uma pessoa aperta o globo tentando explodi-lo.
  • 7ª situação: outra pessoa perfura o globo.
  • 8ª situação: a própria pessoa perfura o globo.

Uma vez elaborada a hierarquia, começamos com a primeira situação. No nosso caso, a pessoa deve permanecer na frente do globo inchado pela metade na mesa até que a ansiedade seja 0.

A pessoa não pode executar nenhum dos comportamentos de segurança, como afastar-se do globo, sair da sala etc.

No início da exposição, solicitaremos seu nível de ansiedade e, a cada 10 minutos, solicitaremos seu nível de ansiedade.

Quando o sujeito diz que sua ansiedade é igual a zero, vamos deixar mais alguns minutos e encerrar a sessão. Este procedimento será repetido tantas vezes até que a pessoa coloque um balão meio inchado na mesa e não fique ansioso.

Quando a pessoa perceber que sua ansiedade por essa situação projetada especificamente é igual a 0, passaremos para a segunda situação.

O tratamento de exposição mostrou-se eficaz para fobias, embora pareça um tratamento difícil para o paciente, mas pode ser graduado tanto quanto necessário.

O importante é chegar ao fim da hierarquia, porque permanecer em níveis intermediários significa arriscar voltar aos medos do passado.

E você, você sabia da ligirofobia?

Referências

  1. Echeburúa, Ey de Corral, P (2009) Transtornos de ansiedade na infância e adolescência. Coleção de olhos solares. Pirâmide
  2. Labrador, F (2004) Técnicas de modificação de comportamento. Pirâmide
  3. Pastor, C. e Sevillá, J. (2011) Tratamento psicológico da hipocondria e ansiedade generalizada . Publicações do Center for Behavior Therapy.

Deixe um comentário