Linguagem Literária: Características e Elementos Principais

A língua literária é uma forma de expressão artística em que o escritor destina a transmitir uma ideia de certa forma, esteticamente bonito e estilizado para capturar a atenção do leitor.

Pode ser usado em prosa ou verso. Também pode ser verbal e usado na comunicação diária. A linguagem literária é uma linguagem especial, pois prioriza a maneira de transmitir a mensagem do que na própria mensagem.

Linguagem Literária: Características e Elementos Principais 1

É óbvio que uma mensagem literária despida de sua forma perde ou muda seu significado, perde seu potencial conotativo e, com ela, seu caráter literário (Sotomayor, 2000, p. 29). Usar esse modo de expressão implica inexoravelmente atividade criativa.

O uso desse dialeto linguístico costumava ser muito popular na Idade Média para criar um efeito dramático (English Oxford Living Dictionaries, 2017). Portanto, está muito presente nos escritos litúrgicos. Hoje em dia é frequente encontrá-lo em poemas, poemas e canções.

A linguagem literária é maleável o suficiente para se intrometer em outros escritos não literários, como memórias e peças jornalísticas.

Dependendo da estrutura e do conteúdo, podemos encontrar a linguagem literária nos gêneros lírico, narrativo, dramático e didático-ensaio.

Características da linguagem literária

1- Originalidade

A linguagem literária é um ato de criação consciente (González-Serna Sánchez, 2010, p. 49), no qual o escritor pode ter a liberdade de escrever de maneira original e inédita, considerando o significado adequado que atribui às palavras e aos textos. desta maneira longe da linguagem comum.

2- Vontade artística

A intenção final do que está escrito é criar uma obra de arte, isto é, que através das palavras transmita beleza. O estilo e a maneira de dizer a mensagem sobre o conteúdo em si é privilegiado.

3- Intenção comunicativa especial

A linguagem é um carro de comunicação e é o que dá sentido a ela. Portanto, a linguagem literária tem uma intenção comunicativa de comunicar a beleza literária com um objetivo prático (González-Serna Sánchez, 2010).

Relacionado:  Carlos Fuentes: biografia, estilos, obras e frases

4- Linguagem conotativa ou subjetiva

Tendo a originalidade e a ficção características da linguagem literária, o escritor é soberano ao dar o significado às palavras que deseja e dá seu discurso versátil e múltiplos significados (em oposição a um texto técnico ou não literário), ou seja, multisignificação . Dessa forma, cada receptor terá uma assimilação diferente.

5- Uso de ficção

A mensagem cria realidades ficcionais que não precisam corresponder à realidade externa. O escritor pode ser muito versátil e transportar o leitor para outras dimensões quase idênticas à vida real, mas, em última análise, irreais.

Esse mundo ficcional é o resultado da visão particular da realidade do autor, mas ao mesmo tempo gera no receptor algumas experiências vitais que especificam na leitura do horizonte de expectativas com as quais um texto se aproxima (Sotomayor, 2000 28-29).

5- Importância da forma

A relevância da forma na linguagem literária leva o escritor a cuidar da “textura” da linguagem enquanto tal, como a seleção cuidadosa de palavras, sua ordem, musicalidade, construção sintática e lexical, etc.

6- Função poética

Buscando um objetivo estético, a linguagem literária aproveita todas as possibilidades expressivas disponíveis (fônica, morfossintática e lexical) para produzir curiosidade e atenção por parte do leitor.

7- Uso de figuras retóricas ou literárias

Entenderemos aqui por <<figura>>, em seu sentido mais amplo, qualquer tipo de recurso ou manipulação da linguagem para fins persuasivos, expressivos ou estéticos (García Barrientos, 2007, p. 10).

Figuras retóricas são maneiras de usar palavras de uma maneira não convencional para causar estranheza ao leitor e conferir texto mais significativo. A partir desses recursos, encontramos uma grande variedade em duas categorias principais: dicção e pensamento.

8- Aparência em prosa ou verso

É escolhido com base nas necessidades do autor e no gênero escolhido (Herreros & García, 2017).

Relacionado:  10 exemplos de repetição como figura literária

A linguagem literária pode estar presente nas duas formas de linguagem: prosa ou verso.

Na prosa, que é a estrutura natural que a linguagem assume, nós a apreciamos em fábulas, histórias e romances. Ela serve para enriquecer a descrição dos textos.

No caso do verso, sua composição é mais cuidadosa e exigente, porque as obras líricas medem o número de sílabas (medida), os acentos rítmicos nos versos (ritmo) e a relação entre os versos e a rima (estrofes).

Podemos apreciar essa forma em poemas, poesias, hinos, canções, odes, elegias ou sonetos.

Elementos que participam da comunicação literária

Esses são os aspectos que constituem o processo de comunicação geral, mas operam de maneira diferente quando se trata de comunicação literária.

1- Emissor

É o agente que visa gerar emoções ou estimular a imaginação, uma mensagem mais sensorial em relação ao remetente da comunicação que se concentra no conteúdo.

2- Receptor

É quem recebe a mensagem. Não é uma pessoa específica, mas uma hipótese exigida pelo próprio texto (González-Serna Sánchez, 2010, p. 51).

Lembre-se de que a linguagem literária é uma expressão da comunicação artística e, sem a suposição de que “alguém” receberá a mensagem (mesmo sendo sensorial) que o autor deseja transmitir, ele perderia a consciência.

3- Canal

É o meio pelo qual a mensagem literária é comunicada. Geralmente é escrito, embora possa ser verbal quando um poema é declarado, um monólogo é contado ou cantado.

4- Contexto

O contexto, em geral, refere-se às circunstâncias temporais, espaciais e socioculturais nas quais a mensagem é circunscrita, mas no caso da linguagem literária, a liberdade do escritor de controlar sua imaginação causa o contexto da obra literária (em realidade, a de qualquer obra literária) é ela mesma (González-Serna Sánchez, 2010, p. 52).

Relacionado:  Poemas de Dadaísmo de Grandes Autores (Breve)

5- Código

Estes são os sinais que serão usados ​​para entregar a mensagem, mas, neste caso, não é usada da mesma maneira porque não há interpretação unívoca do texto, mas a multisignificação explicada.

Referências

  1. Dicionários ingleses da vida de Oxford. (2017, 7 e 6). Idioma Idioma. Obtido em inglês Oxford Living Dictionaries: en.oxforddictionaries.com/usage/literary-language
  2. García Barrientos, JL (2007). Apresentação Em JL García Barrientos, As figuras retóricas. A linguagem literária (pp. 9-11). Madri: arcos.
  3. Gómez Alonso, JC (2002). Amado Alonso: da estilística à teoria da linguagem literária. Em JC Gómez Alonso, o estilo de Amado Alonso como uma teoria da linguagem literária (pp. 105-111). Murcia: Universidade de Murcia.
  4. González-Serna Sánchez, JM (2010). Os textos literários. Em JM González-Serna Sánchez, variedades temáticas do texto (pp. 49-55). Sevilha: sala de aula de letras.
  5. Herreros, MJ, & García, E. (2017, 7 6). Unidade 2. Textos literários, características e características. Recuperado do Instituto Dom Bosco: iesdonbosco.com.
  6. Sotomayor, MV (2000). Linguagem literária, gêneros e literatura. Em F. Alonso, X. Blanch, P. Cerillo, MV Sotomayor e V. Chapa Eulate, Presente e futuro da literatura infantil (pp. 27-65). Cuenca: Edições da Universidade de Castilla-La Mancha.

Deixe um comentário