Maciço de Guayanés: formação, geografia, biodiversidade

Maciço de Guayanés: formação, geografia, biodiversidade

O maciço da Guiana , também conhecido como “escudo da Guiana”, é uma região geográfica localizada na parte nordeste da América do Sul. Abrange todo o território dos países Guiana, Suriname e Guiana Francesa, e parte do território da Venezuela (Amazonas, estados de Bolívar e parte do Delta Amacuro), Brasil (pequenas áreas do norte) e Colômbia, com uma área aproximada de 1.520 .000 quilômetros quadrados.

Quanto a seus limites, fica a leste com o Oceano Atlântico, a norte e oeste com o rio Orinoco, a sudoeste com o rio Negro pertencente à Amazônia e a sul com o rio Amazonas.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento descreveu o escudo da Guiana como uma zona de grande importância nos níveis regional e global, pois é o lar de uma ampla variedade de ecossistemas, de espécies-chave da biodiversidade e representa 25 % das florestas do mundo. Além disso, contém 20% da água doce do planeta.

As referências mais conhecidas do maciço da Guiana são:

-O Angel Falls, a cachoeira mais alta do mundo, com uma altura total de 979 metros.

-Os tepuis, um grupo de planaltos constituídos por rochas, com uma altura particularmente alta, e que constituem uma das formações mais antigas do mundo.

Ambos estão no território do maciço pertencente à Venezuela.

Formação do maciço da Guiana

De acordo com Otto Huber, um ecologista italiano que concentrou seu trabalho na Guiana Venezuelana, o território que hoje compõe o maciço da Guiana foi formado há cerca de 4.000 bilhões de anos na era pré-cambriana, o primeiro e mais longo estágio histórico da Terra.

Naquela época, durante o resfriamento da Terra, formou-se uma série de núcleos sólidos da terra que gradualmente formaram a crosta terrestre e depois prosperaram no que hoje conhecemos como continentes.

Um desses primeiros núcleos foi gerado no território onde o escudo da Guiana está hoje.

Relacionado:  Onde está localizado o Everest?

Essas superfícies originais (os núcleos mencionados anteriormente), que também nunca estiveram no fundo do mar, são as superfícies que temos hoje nos topos planos dos tepuis.

A altitude destes – que chega a 2.810 mísseis – deve-se ao fato de que, desde a sua formação e há milhões de anos, as terras originárias da Terra vêm experimentando movimentos tectônicos verticais de elevação, sem sofrer dobragem e com pouca atividade orogênica.

O nome “escudo” é usado na geologia para designar precisamente as regiões continentais formadas por rochas formadas nesse período e que nunca foram cobertas pelo mar. Portanto, o maciço também é chamado de “escudo da Guiana”.

Geografia

Dentro do escudo existem vastas áreas de savanas, como o complexo formado pelo venezuelano Gran Sabana no leste do estado Bolívar, o Rupununi Savannah no sudoeste da Guiana e o Sabanas del Roraima no norte do Brasil.

Em muitas dessas savanas, abaixo da areia, há uma camada rígida de argila, resistente à penetração das raízes das árvores.

Além disso, na forte estação das chuvas, algumas savanas tendem a inundar. Por ambas as razões, o crescimento das florestas nesses espaços é limitado.

Além disso, na área do maciço, você encontra manguezais, planícies com inúmeros rios, savanas tropicais flutuantes sazonalmente, pântanos costeiros, selvas e cadeias de montanhas isoladas; cada um com seu tipo de vegetação específico.

Com exceção de alguns centros povoados, como Puerto Ayacucho, Ciudad Guayana e Ciudad Bolívar, a maior parte do maciço é escassamente povoada e com acesso limitado, o que, embora tenha beneficiado a manutenção natural da área, dificulta sua exploração e estude.

Clima

No geral, o clima da região do escudo da Guiana é tropical e varia de acordo com a altitude da área e os efeitos dos ventos alísios nos padrões de precipitação.

Relacionado:  Depressão geográfica: tipos, causas e exemplos

Nas partes que estão ao nível do mar, como Guiana Francesa, Guiana, Suriname e Bolívar Venezuelano, a temperatura média anual é de 25 ° C.

No entanto, nas partes da selva o clima é mais úmido e chuvoso, como no estado da Amazônia venezuelana e no Brasil, podendo atingir 15 ° C nos meses mais frios.

Por outro lado, nesta região existem apenas duas estações, uma de chuva e outra de seca. Em algumas áreas, durante todo o ano, existem até duas estações chuvosas: uma de chuvas intensas entre maio e agosto e uma segunda estação mais curta e menos intensa entre dezembro e janeiro.

Biodiversidade

Uma das características mais notórias do escudo da Guiana é a biodiversidade existente em seu território, pois contém uma porcentagem significativa de espécies em relação à biodiversidade global.

Uma compilação feita pelo Programa de Diversidade Biológica do Guayana Shield estimou que existem entre 13.500 e 15.000 espécies de plantas vasculares nessa área, o que representa 5% da estimativa total mundial.

Além disso, alguns autores acreditam que 40% das espécies de plantas encontradas no Escudo são endêmicas, ou seja, elas não existem em nenhum outro lugar fora dele, o que representa cerca de 6.000 espécies.

Além disso, o número de aves presentes nesta área é significativo: 10% do total de espécies conhecidas no mundo (1.004 espécies de 10.000).

Por outro lado, na área existem 282 tipos de mamíferos em um total de aproximadamente 4.600 (6%), 269 tipos de anfíbios em um total de 5.000 (5,5%) e 295 tipos de répteis em um total de 8.100 (3). 6%).

Mesmo assim, ainda existem áreas inexploradas do escudo, como o topo de alguns tepuis e partes localizadas no Brasil e na Colômbia.

Relacionado:  Por que o Chile é um país sísmico?

Recursos

Os recursos naturais mais comumente encontrados em toda a região são diamante, bauxita, ouro, petróleo, madeira, alumínio e ferro.

A atividade extrativa desses recursos compõe uma das atividades econômicas realizadas nesses territórios, em conjunto com a agricultura e pecuária, que são realizadas em maior extensão.

No entanto, atualmente existe um grande problema de exploração ilegal desses recursos, que ocorre devido ao pouco controle governamental que os países exercem sobre essas áreas.

A maneira pela qual grupos ilegais exploram esses recursos causou efeitos negativos no meio ambiente, como:

-A desflorestação

-A contaminação de solos e rios.

Notável é o uso indevido de mercúrio para extração ilegal – o que reduz a capacidade de sustentar a vida no meio ambiente, colocando em risco grupos indígenas da região devido à ocupação desses grupos guerrilheiros e criminosos na área, entre outros.

Por tudo isso, vários especialistas exigiram que mais recursos fossem investidos para monitorar e proteger essas áreas, pois são vitais para o ecossistema geral do planeta.

Referências

  1. Agência de Notícias da ONU (2014). O Guiana Shield não possui nenhum inseto [online]. Consultado em 6 de setembro de 2017 na World Wide Web: unperiodico.unal.edu.co.
  2. Holowell, T. & Reynolds, R. (2005). Lista de verificação dos vertebrados terrestres do Escudo da Guiana [online]. Consultado em 6 de setembro de 2017 na World Wide Web: academia.edu.
  3. THOMPSON, A. (2016). O Escudo da Guiana, ‘A Casa Verde do Mundo’ [online]. Retirado em 6 de setembro de 2017 da World Wide Web: news.mongabay.com.
  4. Wikipédia, a enciclopédia livre. Retirado em 6 de setembro de 2017 da World Wide Web: Wikipedia.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies