Magoya: significado, origem, exemplos de uso

Magoya é considerada uma das palavras argentinas e uruguaias mais usadas no discurso coloquial, especialmente porque geralmente é acompanhada pelas frases: “Vá para Magoya” ou “Vá para Magoya”.

Segundo alguns especialistas e usuários da Internet, “Magoya” é um nome inventado que faz parte da cultura popular e cuja figura se assemelha a outras entidades nacionais como “Montoto”, “Mongo” e “Mengeche”. Além disso, são reconhecidos como representantes de mentiras, absurdos e irresponsabilidades no pagamento de dívidas.

Magoya: significado, origem, exemplos de uso 1

Popularmente, estima-se que a palavra seja usada em frases diferentes, dependendo do contexto em que é encontrada. No entanto, tudo parece indicar que na maioria das vezes se refere a situações impossíveis ou à descrença que existe em torno do cumprimento da palavra de uma pessoa.

“Magoya” é uma parte vital da cultura argentina, a ponto de compor canções e até poemas sobre ela.

Significado

A palavra por si só não tem significado próprio, pois, segundo especialistas, é um nome inventado entre uruguaios e argentinos. No entanto, pode ser considerado como o equivalente aos tradicionais “Zutano”, “Mengano” e “Fulano”.

Por outro lado, é possível encontrá-lo em duas frases típicas, que fazem parte das expressões mais comuns da lunfarda:

– “Vá contar a Magoya”: refere-se à descrença nas palavras de uma pessoa; portanto, ele é obrigado a dizer a mesma coisa, exceto a Magoya. Embora esse seja o significado mais comum, acredita-se que seja também uma maneira mais ou menos sarcástica de indicar o desejo de que essa pessoa pare de se incomodar.

– “Vá e carregue Magoya”: indica que a ação será impossível de executar, independentemente dos motivos. Isso se aplica especialmente quando você não deseja pagar o valor de uma determinada dívida.

Relacionado:  José Moreno Villa: biografia e obras

Origem

Embora “Magoya” seja uma das palavras mais usadas no discurso coloquial de argentinos e uruguaios, a precisão do momento em que apareceu no discurso popular é desconhecida.

A verdade é que, para ambas as culturas, é um sobrenome inventado, com o objetivo principal de ser usado de maneira jocular em situações da vida cotidiana. Nesse ponto, vale a pena mencionar algumas versões sobre a origem dessa famosa palavra:

Acredita-se que tenha surgido da conjugação das palavras “mágico” e “já”, expressões usadas nos espetáculos de mágica, que foram tomadas como referência para sugerir que continuaríamos a fugir de responsabilidades desaparecendo “magicamente”.

-Alguns internautas e moradores da Internet indicam que o sobrenome surgiu graças ao tango homônimo de María Elena Walsh. Uma de suas estrofes é a seguinte: “Vá em frente, diga a Magoya que você pagou por sua decepção e a história de que Deus é argentino. Vá correndo, conte a ele.

-Outra versão indica que “Magoya” é realmente uma variação de “Mengano” e “Fulano”, embora o processo de sua formação não seja conhecido exatamente.

Outras expressões argentinas

Algumas expressões igualmente populares no discurso comum dos argentinos são:

“Vá e cante para Gardel”

A conotação dessa frase se refere a quando se acredita que uma pessoa é melhor do que outras em uma determinada situação. O mesmo, a propósito, tem a ver com o talento do cantor Carlos Gardel, que ainda é considerado o melhor artista de tango até hoje.

“Vá chorar / cobrar Montoto”

Acredita-se que seja uma das variantes descritas acima e cujo significado indica que não haverá responsabilidade pelo cancelamento de uma dívida no futuro.

Segundo especialistas, acredita-se que “Montoto” era um funcionário muito rigoroso que trabalhava em um banco no interior do país.

Relacionado:  Salvador Díaz Mirón: biografia, obras

“A quadra e a máquina de salsicha”

Tem a ver com as pessoas que desejam obter o máximo de benefícios com o mínimo de esforço. Também é usado para qualificar as pessoas que desejam todos os tipos de luxo, mas a um custo baixo.

“Estar nas mãos”

Tem vários significados: um dos mais populares tem a ver com um profundo estado de amor. O outro tem a ver com a disponibilidade limitada de tempo devido à grande quantidade de trabalho.

“Esteja no forno” / “Esteja no forno com batatas”

Refere-se a esse tipo de problema que é tão importante que impede a capacidade de avançar ou retomar o ritmo usual das coisas. Parece também indicar que um erro grave foi cometido, e resta apenas esperar pela repreensão do outro.

“O cabelo do ovo”

Tem semelhança com o conhecido “procure a quinta perna do gato”. Em essência, trata-se de examinar respostas ou suposições porque você sofre de desconfiança de uma determinada situação.

“Não tem sua tia”

Curiosamente, essa expressão é uma derivação da frase original “Não há atutia”. Esta última palavra era uma substância derivada do cobre que era usada como tratamento para algumas doenças.

No entanto, graças às alterações originadas ao longo do tempo, mudou para “não há tia” como forma de dizer que não há solução para o problema que você tem.

“Faça um cayetano” / “sem levantar a perdiz”

Essas expressões têm mais ou menos o mesmo significado, pois se referem a fazer algo em silêncio ou sem a intenção de levantar suspeitas de outros, para que não tirem vantagem de nenhum tipo.

“Você pegou o lado dos tomates”

Tem a ver com a interpretação incorreta de algo que foi dito em contraste com a idéia original do outro interlocutor.

Relacionado:  Texto argumentativo: características, estrutura, tipos, exemplos

Exemplos de uso

Embora algumas das frases abaixo já tenham sido mencionadas acima, elas serão colocadas da mesma maneira porque correspondem ao uso diário no qual esta palavra é usada:

– “Vá e cante para Magoya.”

– “Vá e chore para Magoya.”

– “Pare, pare tudo isso. Vá contar a Magoya.

– “Aquele garoto é sempre o mesmo. Deixe ele contar para Magoya.

– “O que você vai para a Europa com o que economiza? Mas vá contar a Magoya.

Referências

  1. O que vai dizer a Magoya? (sf). No dicionário atual. Retirado: 4 de julho de 2018. No real Dictionary of Dictionaryactual.com.
  2. Quem é Magoya? (2012). Em Extremista.com.ar. Retirado: 4 de julho de 2018. Em Extremista.com.ar de extremista.com.ar.
  3. De onde vem a frase … (sf). Em Taringa. Recuperado: 4 de julho de 2018. Em Taringa, de taringa.net.
  4. As frases que apenas os argentinos podem entender. (2015). No Diário Registrado. Retirado: 4 de julho de 2018. No Diário Registrado de diarioregistrado.com.
  5. Magoya (sf). Em espanhol Oxford Living Dictionaries. Retirado: 4 de julho de 2018. Em espanhol Oxford Living Dictionaries em www.oxforddictionaries.com.
  6. Magoya: Você já sabe meu nome. Agora eu conheci minha história. (2017). Em Taringa. Recuperado: 4 de julho de 2018. Em Taringa, de taringa.net.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies