Mary Ainsworth: biografia deste psicólogo e pesquisador

Mary Ainsworth foi uma renomada psicóloga e pesquisadora do desenvolvimento infantil, nascida em 1913, em Glendale, Ohio, nos Estados Unidos. Conhecida por suas contribuições significativas para a teoria do apego, Ainsworth dedicou grande parte de sua carreira ao estudo das relações entre bebês e suas figuras de apego. Sua pesquisa revolucionou a compreensão da importância do apego seguro na infância para o desenvolvimento saudável ao longo da vida. Ainsworth é considerada uma das figuras mais influentes na psicologia do desenvolvimento e seu legado continua a impactar a forma como entendemos as relações humanas até os dias atuais.

Qual a importância de Mary Ainsworth na construção da teoria do apego?

Mary Ainsworth foi uma renomada psicóloga e pesquisadora que desempenhou um papel fundamental na construção da teoria do apego. Nascida em 1913, em Glendale, Ohio, Ainsworth dedicou grande parte de sua carreira ao estudo das relações interpessoais, especialmente no que diz respeito ao vínculo entre crianças e seus cuidadores.

Um dos principais feitos de Mary Ainsworth foi o desenvolvimento da “Situação Estranha”, um procedimento experimental que permitia avaliar o tipo de apego existente entre uma criança e seu cuidador. Através dessa técnica, Ainsworth foi capaz de identificar três padrões principais de apego: seguro, inseguro-ambivalente e inseguro-evitativo.

Essas descobertas foram cruciais para a compreensão do desenvolvimento infantil e da importância do vínculo emocional entre a criança e seus cuidadores. Ainsworth demonstrou que um apego seguro na infância estava diretamente relacionado a uma maior capacidade de regulação emocional e social na vida adulta.

Além disso, Mary Ainsworth colaborou com o renomado psicólogo John Bowlby na elaboração da teoria do apego, que revolucionou o campo da psicologia ao destacar a importância das relações afetivas nos primeiros anos de vida. Seus estudos e pesquisas continuam a influenciar a psicologia do desenvolvimento e a prática clínica até os dias de hoje.

Seu legado continua a inspirar estudiosos e profissionais da área, destacando a relevância de suas contribuições para a psicologia.

Os três tipos de apego segundo Bowlby e Ainsworth: identificação e classificação.

Mary Ainsworth foi uma psicóloga e pesquisadora renomada, conhecida por seu trabalho ao lado de John Bowlby no estudo do apego infantil. Ainsworth desenvolveu a Teoria do Apego, baseada nas observações e pesquisas realizadas por ela e Bowlby. Segundo essa teoria, existem três tipos de apego: seguro, inseguro ambivalente e inseguro evitativo.

O apego seguro é caracterizado por uma criança que se sente confortável em explorar o ambiente, sabendo que pode contar com a figura de apego quando necessário. As crianças com esse tipo de apego tendem a desenvolver relacionamentos saudáveis e seguros ao longo da vida.

Por outro lado, o apego inseguro ambivalente é observado em crianças que mostram ansiedade e incerteza em relação à figura de apego. Elas podem alternar entre comportamentos de busca de proximidade e rejeição, mostrando dificuldade em regular suas emoções e se sentir seguras.

Finalmente, o apego inseguro evitativo é caracterizado por crianças que tendem a evitar a proximidade emocional com a figura de apego. Elas podem parecer indiferentes ou desinteressadas em relação a essa figura, muitas vezes demonstrando um comportamento independente e distante.

Ainsworth e Bowlby realizaram uma série de estudos e observações para identificar e classificar esses diferentes tipos de apego. Suas pesquisas foram fundamentais para o entendimento da importância do vínculo entre a criança e a figura de apego na formação da personalidade e nas relações interpessoais ao longo da vida.

Relacionado:  Franz Mesmer: biografia deste pioneiro da hipnose

Descubra a origem da teoria do apego e seu criador renomado na psicologia.

A teoria do apego é um dos pilares da psicologia do desenvolvimento, e foi desenvolvida por John Bowlby, um renomado psicólogo britânico. No entanto, a pesquisa de Bowlby foi ampliada e aprofundada por sua colaboradora e discípula, Mary Ainsworth.

Mary Ainsworth nasceu em 1913 em Glendale, Ohio, nos Estados Unidos. Ela estudou psicologia na Universidade de Toronto e obteve seu doutorado na Universidade de Iowa. Ainsworth se tornou conhecida por seu trabalho pioneiro na área do apego e da interação mãe-filho.

Em suas pesquisas, Ainsworth desenvolveu a “Situação Estranha”, um procedimento experimental que permitia observar como as crianças reagiam à separação e ao reencontro com suas mães. Através desses estudos, ela identificou os diferentes estilos de apego: seguro, ansioso-ambivalente e evitativo.

Os estudos de Mary Ainsworth revolucionaram a compreensão do desenvolvimento infantil e da importância do vínculo emocional entre a criança e seu cuidador. Sua pesquisa teve um impacto duradouro na psicologia e influenciou a prática clínica e educacional em todo o mundo.

Tipos de apego: conheça os 4 principais vínculos emocionais entre pessoas e objetos.

Mary Ainsworth foi uma renomada psicóloga e pesquisadora que ficou conhecida por seus estudos sobre o desenvolvimento infantil e, principalmente, pelos tipos de apego que podem se formar entre pessoas e objetos. Seu trabalho revolucionou a forma como entendemos as relações emocionais e como elas influenciam o comportamento humano.

Os 4 principais tipos de apego identificados por Mary Ainsworth são: apego seguro, apego ansioso-ambivalente, apego evitativo e apego desorganizado. O apego seguro é caracterizado por uma relação saudável e equilibrada entre a pessoa e seu objeto de afeto, com confiança, conforto e segurança. Já o apego ansioso-ambivalente é marcado por uma constante busca por proximidade e medo de abandono, levando a um comportamento inseguro e ciumento.

O apego evitativo, por sua vez, é caracterizado pela falta de proximidade emocional e pela tendência a evitar demonstrações de afeto, resultando em relacionamentos superficiais e distantes. Por fim, o apego desorganizado é marcado por um padrão de comportamento contraditório e confuso, com alternâncias entre a busca por proximidade e o afastamento.

Mary Ainsworth dedicou sua vida profissional ao estudo desses tipos de apego e suas consequências para o desenvolvimento emocional. Seu trabalho influenciou gerações de psicólogos e profissionais da saúde mental, contribuindo para uma maior compreensão da complexidade das relações humanas e da importância do vínculo emocional na formação da personalidade.

Mary Ainsworth: biografia deste psicólogo e pesquisador

Mary Ainsworth: biografia deste psicólogo e pesquisador 1

A conciliação entre trabalho e família é especialmente complicada, especialmente para as mulheres. Embora atualmente estejam sendo tomadas medidas para tornar essas duas esferas compatíveis, ainda há um longo caminho a percorrer. Sua luta começou há muitos anos com Mary Ainsworth.

Ainsworth era um psicólogo americano que apoiou essa luta há mais de 70 anos. Ele também fez outras contribuições, como a teoria do apego, através da estranha situação . Neste artigo, resumiremos uma biografia de Mary Ainsworth e uma revisão de suas contribuições.

Relacionado:  Herbert Marcuse: biografia deste filósofo alemão

Mary Ainsworth: biografia deste psicólogo americano

Mary Ainsworth era uma psicóloga americana nascida em Glendale, Ohio, em dezembro de 1913. Ela entrou na Universidade de Toronto em 1929 e se formou em 1935. Ela se considera pioneira nos estudos de apego e, consequentemente, na teoria de apego . Por outro lado, ele também estava interessado em aspectos de mulheres e seres humanos, que até então eram relegados a segundo plano.

Por sua vez, ela foi uma das psicólogas mais influentes e citadas durante o século XX, apesar de, na época, as mulheres terem um papel profissional muito limitado. Atualmente, suas contribuições continuam sendo um pilar sobre o qual construir mais estudos em psicologia.

Trajetória e vida

Mary Ainsworth nasceu nos Estados Unidos, mas sua família se mudou para Toronto, Canadá, quando ela era criança . Ele se formou em psicologia do desenvolvimento na Universidade de Toronto e obteve seu doutorado em 1939. No final de seus estudos, ingressou no corpo da marinha canadense de mulheres; Ele passou quatro anos no exército e alcançou o posto de major.

Depois de alguns anos, ela se casou e se mudou para Londres com o marido. Então ele começa a trabalhar no Instituto Tavistock com o psiquiatra John Bowlby . Os dois iniciam um caminho de pesquisa baseado nas experiências de separação de crianças com figuras de apego ou cuidadores.

Em 1953, mudou-se para Uganda e começou a trabalhar no Instituto Africano de Pesquisa Social em Kampala; Lá, ele continua sua pesquisa sobre as primeiras relações das crianças com suas mães.

Algum tempo depois, ele obteve uma posição no Instituto John Hopkins, nos Estados Unidos e, posteriormente, na Universidade da Virgínia , onde continua desenvolvendo sua teoria do apego, até que em 1984 se aposenta profissionalmente.

Finalmente, Mary Ainsworth faleceu em 1999, aos 86 anos, após uma vida dedicada ao desenvolvimento e pesquisa de uma das teorias psicológicas mais importantes que temos hoje.

  • Você pode estar interessado: ” História da psicologia: autores e principais teorias “

Teoria do anexo

Mary Ainsworth desenvolveu com John Bowlby uma das teorias psicológicas mais importantes para a compreensão do desenvolvimento social inicial: a teoria do apego. Essa teoria foi formulada inicialmente focada nas crianças, embora Mary Ainsworth, mais tarde (nos anos 60 e 70) introduzisse novos conceitos e, finalmente, nos anos 80 também estendesse a teoria aos adultos.

Para estudar o apego, ele projetou a estranha situação, que veremos detalhada nas linhas a seguir.

A estranha situação

Mary Ainsworth é conhecida, entre muitas outras contribuições, por desenhar em 1978 com seus colaboradores “The Strange Situation”: era um procedimento de laboratório para estudar o apego infantil . Consistiu em estabelecer dois episódios de separação entre a criança e seu cuidador (geralmente a mãe) para analisar o tipo de apego da criança, por meio de sua atitude e conduta de exploração sob condições de estresse (separação).

Especificamente, Mary Ainsworth e seus colaboradores estudaram crianças entre 10 e 24 meses de idade, através de 8 episódios envolvendo separações e reuniões com mães, além da presença de um estranho em algumas delas.

Relacionado:  Auguste Comte: biografia deste filósofo fundador do positivismo

A partir desse experimento, eles classificaram o apego dos filhos de acordo com o comportamento que manifestaram durante a separação, bem como a atitude deles durante o reencontro com a mãe.

Os resultados obtidos sugeriram classificar o apego em quatro tipos: apego seguro, apego ansioso evitador, apego à ansiedade resistente a ambivalentes e apego desorganizado / desorientado. Vamos ver em que consiste cada um desses tipos de anexo:

1. Anexo seguro

É o acessório mais comum (aparece em 65% das crianças). Isso implica que a criança explora ativamente quando a mãe está presente (base segura) e que fica inquieta antes da separação . Finalmente, a criança é carinhosa quando a mãe volta.

2. Evitação, rejeição ou apego indescritível

Aparece em 20% dos casos. A criança mostra pouco desconforto na separação, evita e ignora a mãe quando ela volta , fica com raiva e não a procura quando precisa. O comportamento exploratório é ativo. São crianças que podem ser muito sociáveis ​​com estranhos.

3. Acessório ambivalente ou resistente

Ocorre em 10-12% dos casos. Esse tipo de apego caracteriza as crianças que exploram pouco, que ficam próximas da mãe, que estão muito preocupadas com a separação e antes dela e que são ambivalentes antes do retorno da mãe. Eles exploram pouco e são difíceis de se acalmar .

4. Apego desorganizado e desorganizado

Aparece em 3-5% dos casos e é o padrão menos seguro. Aqui os padrões resistentes e evitadores são combinados ; comportamentos inconsistentes e contraditórios aparecem.

O trabalho de Mary Ainsworth

Mary Ainsworth enfatizou a importância de desenvolver um relacionamento saudável de apego materno, ou seja, um apego saudável e seguro na criança. Ele também destacou a influência que um apego inseguro poderia ter sobre a criança, bem como em sua fase adulta.

De acordo com a teoria do apego de Mary Ainsworth, um dos fatores essenciais que afetam o apego é a sensibilidade da mãe às necessidades do bebê , considerada vital para o desenvolvimento de um apego seguro.

Esse psicólogo falou muitas vezes a favor da necessidade de implementar programas que ajudassem as mulheres a conciliar sua carreira profissional com a maternidade . Isso aconteceu porque naquela época era quase impensável que as mulheres pudessem conciliar essas duas facetas de suas vidas. É por isso que Mary Ainsworth é considerada uma das precursoras dos programas de reconciliação entre vida profissional e vida das mães. Assim, ela era pesquisadora e, ao mesmo tempo, vingativa, e lutava pelos direitos das mulheres nesse sentido, interessando-se por aspectos muito importantes para as mulheres, sempre deixados de lado.

Referências bibliográficas:

  • Main, M. e Hesse, E. (1992). Comportamento infantil desorganizado / desorientado na Situação Estranha, lapsos no monitoramento do raciocínio e discurso durante a Entrevista de Anexo Adulto dos pais e estados dissociativos. Em M. Ammaniti e D. Stern (Eds.), Anexo e psicanálise.
  • Vasta, R.; Haith, MM; Miller, SA (2001). Psicología infantil. Ed. Ariel. Barcelona
  • Papalia, DE; Olds, SW; Feldman, RD (2005). Psicologia do desenvolvimento da infância à adolescência. McGraw-Hill Madrid
  • Fonagy, P. (2008). Teoria do apego e psicanálise. Clinic and Health, 19 (1), 131-134.

Deixe um comentário