Max Uhle: biografia, teorias e obras

Max Uhle: biografia, teorias e obras

Max Uhle (1856-1944) foi um arqueólogo alemão que realizou a maior parte de seu trabalho na América Latina. Suas maiores contribuições foram relacionadas às culturas pré-colombianas do Peru, embora muitas de suas conclusões tenham sido refutadas por estudos posteriores.

O arqueólogo, conhecido pelos latino-americanos como Federico Max Uhle, fez sua primeira viagem ao Peru depois que o museu de Dresden, onde trabalhava, publicou um artigo sobre os necrópoles de Ancón. Depois de um tempo em Berlim, Uhle fez uma viagem que o levou à Argentina, Bolívia e Peru.

Muitos especialistas consideram Uhle como o pai da arqueologia científica no Peru. Seu trabalho serviu para espalhar e aprimorar o passado antes dos incas, que sempre foram considerados de pouco interesse. Ele também foi o primeiro a usar o método estratigráfico e a entender a relação entre a iconografia do Tiahuanaco com outras existentes em outras partes do país.

Os dados coletados em suas investigações levaram Uhle a levantar a chamada teoria da imigração sobre a origem da cultura andina. Segundo sua hipótese, isso surgiu das contribuições dos habitantes da Mesoamérica. No entanto, essa teoria foi descartada após o trabalho de Julio C. Tello.

Biografia

Friedrich Maximilian Uhle Lorenz, nome completo do arqueólogo, nasceu em 25 de março de 1856 em Dresden, uma cidade alemã que fazia parte do Reino da Saxônia.

Aos 13 anos, Uhle começou a estudar na escola Königlich Siichsische Fürsten-und Landesschule, St. Afra bei Meissen. Depois de se formar em 1875, ele entrou na Universidade de Leipzig.

No ano seguinte, ele se mudou para a Universidade de Göttingen por um ano, mas retornou a Leipzig para terminar sua formação e obter um doutorado em linguística em 1880.

Primeiros trabalhos

Apenas um ano depois de fazer um doutorado, Uhle encontrou seu primeiro emprego, no Museu Real de Zoologia, Antropologia e Arqueologia, em Dresden. O futuro arqueólogo permaneceu nesta instituição até 1888. Nesta fase, seu trabalho foi muito focado na antropologia.

Um dos eventos que influenciaria o futuro emprego de Uhle ocorreu enquanto trabalhava neste museu. Foi a publicação de um trabalho sobre uma escavação no Peru, especificamente na região andina. Seu título era A Necrópole de Ancón, no Peru .

Em 1888, Uhle já estava claro que queria focar seu trabalho na antropologia andina. Depois de deixar o emprego em Dresden, ele começou uma nova etapa no Museu de Etnologia de Berlim.

Transfer para Berlim

O Museu de Etnologia de Berlim, sob a direção de Adolf Bastian, estava se tornando um dos centros de referência para estudos sobre a América. Em seu primeiro ano no museu, Uhle, além de seu trabalho habitual, assumiu a secretaria do VII Congresso Internacional de Americanistas, realizado na cidade.

Relacionado:  As 7 principais causas da Revolução Mexicana

O interesse de Uhle na arqueologia latino-americana, especialmente na arqueologia peruana, cresceu durante esses anos. Naquela época, os museus alemães tinham peças suficientes do Peru, e muitos colecionadores haviam vendido suas coleções para salvá-las dos efeitos da guerra do Pacífico.

Primeiras viagens

O Museu Etnológico e o próprio governo alemão enviaram Uhle à América Latina para realizar vários estudos. Seu primeiro destino foi a Argentina, onde investigou a área de difusão dos quíchuas. De lá, ele foi para a Bolívia com a intenção de cavar nas ruínas de Tiahuanaco, embora não tenha obtido a autorização necessária.

O resultado dessas primeiras explorações foi a publicação de As ruínas de Tiahuanaco, nas terras altas do Peru antigo , um trabalho que Uhle realizou junto com o fotógrafo B. von Grumbkow. Especialistas classificaram este trabalho como o primeiro de natureza científica no site.

Durante a mesma viagem, o arqueólogo alemão investigou os Uros do Lago Titicaca e depois se mudou para Cuzco. Essa jornada resultou em um novo teste: a esfera de influência do país dos incas.

Estados Unidos

O próximo destino de Max Uhle era a Filadélfia, nos Estados Unidos. Lá, ele começou a trabalhar na Universidade da Pensilvânia, onde permaneceu por vários anos. Foi nessa cidade americana que ele se casou com Charlotte Grosse.

Enquanto trabalhava na universidade, Uhle não parou de preparar novas expedições ao Peru. O patrocínio da Sociedade Americana de Exploração da Filadélfia e de Phoebe Hearst, mãe do magnata William Randolph Hearst, permitiram que ela transformasse seu próximo projeto em realidade.

Expedição ao Peru

Uhle chegou à capital peruana, Lima, em 1896. Suas primeiras escavações foram realizadas em Pachacámac, localizado no vale Lurín. Nesse local, o arqueólogo se tornou pioneiro no uso do método estratigráfico na América, uma técnica que calcula a idade de alguns restos, de acordo com sua posição nos estratos analisados.

Após a conclusão desses estudos, Uhle retornou à Filadélfia para explicar os resultados obtidos, que se tornaram a base de um de seus livros de maior prestígio: Pachacámac.

Uhle foi o primeiro a confirmar a expansão da cultura Tiahuanaco em todo o Peru. A alegação foi baseada em suas descobertas de restos cerâmicos e têxteis dessa cultura no litoral.

Missão da Universidade da Califórnia

Uma nova expedição, desta vez organizada pela Universidade da Califórnia, trouxe Uhle de volta à costa peruana em 1898. Sua missão era explorar locais da região, incluindo o Hollow of the Moon, no estilo Moche. Suas obras de namoro no vale de Moche foram essenciais para entender a cronologia pré-inca no Peru.

Após esses trabalhos, o arqueólogo dirigiu escavações em Marcahuamachuco, Wiracochapampa e Cerro Amaru. Os resultados foram publicados em 1900 no jornal La Industria e representaram a primeira sequência cultural em Moche.

Relacionado:  Bandeira de Neiva: História e Significado

Terceira viagem ao Peru

Em 1901, Max Uhle retornou aos Estados Unidos com o material obtido durante as escavações. Por um tempo, ele atuou como professor na Universidade da Califórnia. O apoio deste centro permitiu-lhe organizar sua terceira viagem ao Peru, em 1903.

Nessa ocasião, sua equipe realizou escavações em Ancon, Huaral Viejo, Supe, Cerro Trinidad e San Nicolás. Essas obras aumentaram seu prestígio e o Museu Histórico de Lima o nomeou diretor de sua seção de arqueologia em 1906, cargo que ocupou até 1912.

Algumas divergências com o governo peruano levaram Uhle a abandonar seu posto e seguir para o Chile. Lá, ele foi contratado como diretor do Museu Arqueológico e Antropológico. Da mesma forma, ele realizou escavações em Tacna, Pisagua, Calama e Arica.

Em 1917, ele se tornou o primeiro pesquisador a descrever cientificamente as múmias de Chinchorro.

Equador

Em 1919, Max Uhle mudou de país novamente. Seu novo destino foi o Equador, onde investigou os restos encontrados em Tumibamba ou Loja, entre outros lugares.

O arqueólogo permaneceu no Equador até 1933, quando retornou à Alemanha por um tempo. Com ele, ele carregou um grande volume de informações sobre as escavações realizadas ao longo de 40 anos.

Últimos anos

Uhle ainda teve tempo de voltar mais uma vez ao Peru. Essa viagem ocorreu em 1939, quando ele participou do XXVII Congresso Internacional de Americanistas, realizado em Lima. Durante essa reunião, Uhle apresentou suas teorias sobre a origem e procedência das antigas civilizações americanas.

O arqueólogo ficou por um tempo no Peru devido ao início na Europa da Segunda Guerra Mundial. Quando o Peru declarou seu apoio aos aliados, Uhle correu o destino de outros alemães residentes no país e foi deportado.

Alguns anos depois, em 11 de maio de 1944, Max Uhle faleceu em Loeben, na Polônia.

Teorias

Max Uhle foi o autor de importantes descobertas sobre sociedades pré-colombianas na América do Sul. Seus trabalhos não se limitaram apenas à arqueologia e antropologia, mas também a lingüística.

Teoria da imigração

A principal teoria desenvolvida por Max Uhle foi o imigrante. Para o considerado fundador da arqueologia científica no Peru, as antigas altas culturas peruanas vieram da Mesoamérica, mais especificamente da cultura maia.

O arqueólogo foi baseado em vários fatores, como a maior antiguidade das culturas da costa em comparação com as das montanhas. Para Uhle, essa influência mesoamericana teria atingido o Peru tanto por via marítima quanto por terra.

Essa teoria foi refutada por Julio César Tello, o descobridor da cultura Chavín. Suas escavações mostraram que Uhle estava errado e que as culturas indígenas peruanas haviam se desenvolvido independentemente.

Relacionado:  As 11 frases mais importantes de Hipatia em Alexandria

Tocam

Kultur und Industrie südamerikanischer Völker

Este trabalho foi dividido em dois volumes por Uhle entre 1889 e 1890. O trabalho contém uma análise das coleções etnográficas e arqueológicas da América do Sul. A importância deste trabalho sobreviveu até hoje, pois é uma referência para a compreensão da cultura dos povos indígenas do continente.

As ruínas de Tiahuanaco

Em 1892, Uhle publicou ” Die Ruinenstätte von Tiahuanaco ” ( As ruínas de Tiahuanaco ) foi publicado em 1892. É um trabalho que descreve e analisa os dados obtidos por Stübel após suas escavações em Tiahuanaco.

Uma das contribuições deste trabalho foi estabelecer que o estilo da cultura Tiahuanaco era anterior ao Inca. Esse fato foi a base para o desenvolvimento posterior de uma cronologia dos restos arqueológicos da América Latina.

Trabalhos sobre a arica

Durante os anos de 1918 e 1919, Max Uhle publicou vários livros sobre as aricas. O primeiro deles viu a luz na Revista Histórica do Peru, sob o título de Arica aborígine .

Mais tarde, o arqueólogo publicou Os Aborígines de Arica e o Homem Americano , desta vez no Jornal Chileno de História e Geografia.

Dentro desse tema, o autor também publicou A Arqueologia de Arica e Tacna e, em 1922, um texto intitulado Fundamentos Arqueológicos e Étnicos de Arica e Tacna .

Pachacamac

Possivelmente Pachacamac  foi o trabalho mais destacado entre todos os publicados pela Uhle. Para escrevê-lo, ele usou todos os dados coletados de várias expedições.

O Pachacamac foi publicado em 1903 e foi feito em linguagem acessível mesmo para não profissionais. Por esse motivo, o trabalho marcou um ponto de virada na disseminação da arqueologia nos Andes.

Principais trabalhos

  • Die Ruinen von Tiahuanaco (1892), em colaboração com Alphons Stübel.
  • Pachacámac (1903).
  • A esfera de influência do país dos incas (1908).
  • As relações pré-históricas entre Peru e Argentina (1912).
  • As origens dos incas (1912).
  • Die Ruinen von Moche (1913).
  • Die Muschelhügel von Ancón (1913).
  • As fortalezas incas de Incallajta e Machupicchu (1917)
  • Arqueologia de Arica e Tacna (1919).
  • Fundamentos étnicos e arqueológicos de Arica e Tacna (1922).
  • Os princípios das antigas civilizações peruanas (1920).
  • Os princípios das civilizações no planalto peruano (1920).
  • As civilizações antigas do Peru contra a arqueologia e a história do continente americano (1935).

Referências

  1. Biografias e vida. Max Uhle. Obtido de biografiasyvidas.com
  2. Povos nativos. Friedrich Max Uhle. Obtido de povosoriginario.com
  3. Arqueologia do Peru. Max Uhle. Obtido em arqueologiadelperu.com
  4. Revolvy. Max Uhle. Obtido em revolvy.com
  5. Hirst, K. Kris. Cultura Chinchorro. Obtido em thoughtco.com
  6. WikiMili. Max Uhle. Obtido em wikimili.com
  7. Pasta Pedagógica. Teoria da imigração. Recuperado da pasta pedagogical.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies