Memória processual: tipos, funcionamento e fisiologia

A memória processual ou instrumental está armazenando procedimentos, habilidades ou do motor ou habilidades cognitivas que permitem às pessoas para interagir com o ambiente.

É um tipo de memória inconsciente de longo prazo e reflete a maneira de fazer as coisas (habilidades motoras). Por exemplo: escrever, andar de bicicleta, dirigir um carro, tocar um instrumento, entre outros.

Memória processual: tipos, funcionamento e fisiologia 1

Geralmente, os sistemas de memória são divididos em dois tipos: memória declarativa e memória não declarativa ou implícita. A primeira é aquela que armazena informações que podem ser comunicadas verbalmente, consistindo em aprendizado consciente.

Por outro lado, o segundo tipo é uma memória difícil de verbalizar ou transformar em imagens. Dentro dela há memória processual. Isso é ativado quando você precisa executar uma tarefa, e as funções aprendidas geralmente são habilidades automatizadas.

O principal substrato cerebral da memória processual é o estriado, gânglios da base , córtex pré-motor e cerebelo .

O desenvolvimento da memória processual ocorre em maior extensão na infância. E é continuamente modificado pelas experiências e práticas diárias. É verdade que na idade adulta é mais complicado adquirir esse tipo de habilidade do que na infância, pois exige um esforço extra.

Conceito de memória processual

A memória processual consiste em hábitos, habilidades e habilidades motoras que o sistema motor adquire e incorpora em seus próprios circuitos. Para que esse tipo de memória seja adquirido, é necessário que sejam realizados vários testes de treinamento que permitam que a habilidade seja automatizada.

O conhecimento progride inconscientemente e é continuamente modulado pela experiência. Assim, eles são ajustados ao longo da vida para a prática repetida.

Em fases mais avançadas, a prática torna as habilidades cognitivas ou motoras mais precisas e rápidas. Isso se torna um hábito, um comportamento que é executado automaticamente.

Tipos de memória processual

Parece haver dois tipos de memória processual, com diferentes locais principais no cérebro.

O primeiro refere-se à aquisição de hábitos e habilidades. Ou seja, a capacidade de desenvolver repertórios comportamentais estereotipados, como escrever, cozinhar, tocar piano … Esse tipo de memória processual é sobre comportamentos direcionados a um objetivo e está alojado no sistema estriado do cérebro.

O segundo é um sistema muito mais simples. Refere-se a adaptações sensoriomotoras específicas, ou seja, ajustar nossos reflexos ou desenvolver reflexos condicionados.

São ajustes do corpo, permitindo a execução de movimentos finos e precisos, além de reflexos condicionados. Está localizado no sistema cerebelar.

Como funciona a memória processual?

A memória processual começa a se formar logo que você aprende a andar, conversar ou comer. Essas habilidades são repetidas e enraizadas para serem feitas automaticamente. Não é necessário pensar conscientemente sobre como realizar essas atividades motoras.

É difícil apontar quando você aprendeu a executar esses tipos de ações. Eles geralmente são aprendidos durante a primeira infância e continuam a funcionar inconscientemente.

A aquisição dessas habilidades requer treinamento, embora seja verdade que o treinamento nem sempre garante que a habilidade seja desenvolvida. Podemos dizer que a aprendizagem processual foi adquirida quando o comportamento muda graças ao treinamento.

Aparentemente, existem estruturas em nosso cérebro que controlam o aprendizado inicial das memórias processuais, o aprendizado tardio e a automação.

Substrato cerebral

Memória processual: tipos, funcionamento e fisiologia 2

Quando aprendemos um hábito, uma área do nosso cérebro chamada gânglios da base é ativada. Os gânglios da base são estruturas subcorticais que têm múltiplas conexões com todo o cérebro.

Especificamente, eles permitem a troca de informações entre as áreas inferiores do cérebro (como o tronco cerebral) e as áreas superiores (como o córtex).

Essa estrutura parece desempenhar um papel seletivo na aprendizagem processual de hábitos e habilidades. Também participa de outros sistemas de memória não declarativa, como condicionamento clássico ou operante.

Dentro dos gânglios da base, uma região chamada núcleo estriado se destaca na aquisição de hábitos. Ele recebe informações da maior parte do córtex cerebral, além de outras partes dos gânglios da base.

Relacionado:  O que é a memória humana? (Psicologia)

O estriado é dividido em estriado associativo e estriado sensório-motor. Ambos têm funções diferentes no aprendizado e na automação de habilidades.

Primeiras etapas do aprendizado processual: estriatum associativo

Quando estamos nos estágios iniciais do aprendizado processual, o estriado associativo é ativado. Curiosamente, como a atividade é de treinamento e aprendizado, essa área diminui sua atividade. Assim, quando estamos aprendendo a dirigir, o estriado associativo é ativado.

Por exemplo, em um estudo de Miyachi et al. (2002), verificou-se que, se o estriado associativo fosse temporariamente inativado, novas seqüências de movimentos não poderiam ser aprendidas. No entanto, os sujeitos poderiam executar padrões motores já aprendidos.

Estágios tardios da aprendizagem processual: estriado sensório-motor

Nos estágios posteriores do aprendizado processual, outra estrutura se torna ativa: o estriado sensório-motor. Essa área possui um padrão de atividade oposto ao estriado associativo, ou seja, é ativado quando a habilidade já foi adquirida e é automática.

Assim, uma vez que a capacidade de dirigir tenha sido suficientemente treinada e já seja automática, o estriado associativo reduz sua atividade enquanto aumenta a ativação do estriado sensório-motor.

Além disso, ficou provado que um bloqueio temporário do estriado sensório-motor impede que as seqüências aprendidas sejam executadas. Embora não interrompa o aprendizado de novas habilidades.

No entanto, parece haver mais um passo. Observou-se que quando uma tarefa já é muito bem aprendida e automatizada, os neurônios do estriado sensório-motor também param de responder.

Córtex cerebral e memória processual

Memória processual: tipos, funcionamento e fisiologia 3

O que acontece então? Aparentemente, quando um comportamento é muito bem aprendido, o córtex cerebral (córtex) é ativado principalmente. Mais especificamente, as áreas motora e pré-motora.

Embora isso também pareça depender de quão complexa é a sequência de movimentos aprendidos. Assim, se os movimentos são simples, o córtex é predominantemente ativado.

Por outro lado, se a sequência for muito complexa, alguns neurônios do estriado sensório-motor continuam ativados. Além de ativar como suporte as regiões motora e pré-motora do córtex cerebral.

Por outro lado, foi demonstrado que há uma diminuição na atividade das áreas do cérebro que controlam a atenção (pré-frontal e parietal) quando realizamos tarefas altamente automatizadas. Enquanto, como mencionado, a atividade aumenta nas áreas motora e pré-motora.

Cerebelo e memória processual

Memória processual: tipos, funcionamento e fisiologia 4

Cerebelo (azul)

O cerebelo também parece participar da memória processual. Especificamente, ele participa refinando e tornando os movimentos aprendidos mais precisos. Ou seja, nos dá mais agilidade na execução de nossas habilidades motoras.

Além disso, ajuda a aprender novas habilidades motoras e consolidá-las através das células de Purkinje.

Sistema límbico e memória processual

Memória processual: tipos, funcionamento e fisiologia 5

Como em outros sistemas de memória, o sistema límbico desempenha um papel importante no aprendizado processual. Isso ocorre porque se refere a processos de motivação e emoção.

Por esse motivo, quando estamos motivados ou interessados ​​em aprender uma tarefa, aprendemos mais facilmente e permanecemos mais tempo em nossa memória.

Mecanismos fisiológicos

Memória processual: tipos, funcionamento e fisiologia 6

Foi demonstrado que, quando adquirimos um aprendizado, as conexões e estruturas dos neurônios envolvidos mudam.

Assim, através de uma série de processos, as habilidades aprendidas passam a fazer parte da memória de longo prazo, refletida na reorganização dos circuitos neurais.

Certas sinapses (conexões entre neurônios) são fortalecidas e outras enfraquecem, enquanto os espinhos dendríticos dos neurônios mudam de tamanho, aumentando.

Por outro lado, a presença de dopamina é essencial para a memória processual. A dopamina é um neurotransmissor do sistema nervoso que possui múltiplas funções, incluindo o aumento da motivação e um senso de recompensa. Além de permitir o movimento e, claro, o aprendizado.

Facilita principalmente o aprendizado que ocorre graças a recompensas, por exemplo, aprender a pressionar um determinado botão para obter comida.

Avaliação

Existem vários testes com os quais avaliar a capacidade da memória procedural em humanos. Os estudos costumam usar esses testes comparando o desempenho entre pacientes com problemas de memória e pessoas saudáveis.

Relacionado:  Lobo temporal: características, anatomia e funções

As tarefas mais usadas para avaliar a memória procedural são:

Tarefa probabilística de previsão do tempo

Nesta tarefa, a aprendizagem cognitiva procedural é medida. O participante recebe quatro tipos diferentes de cartões, onde diferentes figuras geométricas aparecem. Cada carta representa uma certa probabilidade de chover ou brilhar.

Na próxima etapa, o assunto é apresentado com três cartões agrupados. Ele terá que descobrir se, reunindo os dados, há uma maior chance de sol ou chuva.

Após sua resposta, o examinador lhe dirá se a resposta está correta ou não. Portanto, o participante de cada teste aprende gradualmente a identificar quais cartões têm maior probabilidade de estar associados ao sol ou à chuva.

Pacientes com alterações nos gânglios da base, como os que sofrem da doença de Parkinson, deixam de aprender gradualmente essa tarefa, mesmo que sua memória explícita esteja intacta.

Teste de tempo de reação seqüencial

Esta tarefa avalia o aprendizado de sequência. Nele, são apresentados estímulos visuais em uma tela, geralmente letras (ABCD …). O participante é instruído a observar a posição de um deles (por exemplo, B).

O participante deve pressionar uma das quatro teclas, dependendo de onde estiver o estímulo alvo, o mais rápido possível. Os dedos médio e indicador esquerdo, e os indicadores direito e médio são usados.

A princípio, as posições são aleatórias, mas na fase seguinte seguem um certo padrão. Por exemplo: DBCACBDCBA … Então, após várias tentativas, o paciente deve aprender os movimentos necessários e automatizá-los.

Tarefa do Rotary Chase

Esta tarefa é realizada com um dispositivo especial que possui uma placa rotativa. Em uma parte da placa há uma ponta de metal. O participante deve colocar uma haste no ponto de metal pelo maior tempo possível, sem esquecer que a placa faz movimentos circulares que precisam ser seguidos.

Teste de espelho

Essa tarefa requer uma boa coordenação olho-mão. Avalie a capacidade de aprender uma habilidade motora específica, como traçar o contorno de uma estrela. No entanto, para esta tarefa, o participante pode apenas ver o reflexo da imagem que desenha no espelho.

No início, os erros são habituais, mas após várias repetições, os movimentos são controlados através da observação da própria mão e do desenho no espelho. Em pacientes saudáveis, cada vez menos erros são cometidos.

Sonho e memória processual

Memória processual: tipos, funcionamento e fisiologia 7

Foi amplamente demonstrado que a memória processual é consolidada através de um processo off-line. Ou seja, configuramos nossas memórias instrumentais em períodos de descanso entre exercícios motorizados, especialmente durante o sono.

Dessa forma, observou-se que as tarefas motoras parecem melhorar acentuadamente quando avaliadas após um intervalo de descanso.

Isso acontece com qualquer tipo de memória. Após um período de prática, verificou-se que é benéfico descansar para que o que foi aprendido seja corrigido. Esses efeitos são aprimorados se você descansar logo após o período de treinamento.

Memória processual e conscientização

A memória processual tem relações complexas com a consciência. Tradicionalmente, nos referimos a esse tipo de memória como uma memória inconsciente que não envolve esforço.

No entanto, estudos experimentais provaram que há uma ativação neuronal antes que surja um planejamento consciente do movimento a ser realizado.

Ou seja, o desejo consciente de executar um movimento é realmente uma “ilusão”. De fato, de acordo com diferentes estudos, às vezes “estar ciente” de nossos movimentos automáticos pode afetar negativamente a execução da tarefa.

Dessa maneira, quando tomamos consciência de nossa sequência de movimentos, às vezes pioramos o desempenho e cometemos mais erros. Portanto, muitos autores enfatizam acima de tudo que a memória processual, quando já está bem estabelecida, não requer atenção ou supervisão dos próprios atos para fazê-los bem.

Relacionado:  Como o cérebro humano aprende?

Distúrbios que afetam a memória processual

Há um conjunto de estruturas corticais e subcorticais que intervêm em diferentes funções da memória processual. Uma lesão seletiva de qualquer um deles produz vários distúrbios nas funções motoras, como paralisia, apraxia, ataxia, tremor, movimentos coreicos ou distonia.

Gânglios da base

Muitos estudos analisaram as patologias que afetam a memória para conhecer os tipos de memórias existentes e como elas funcionam.

Nesse caso, foram examinadas as possíveis conseqüências de um mau funcionamento dos gânglios da base ou de outras estruturas na aprendizagem e execução de tarefas.

Para isso, nos vários estudos são utilizados diferentes testes de avaliação comparando pessoas saudáveis ​​e outras com alguma afetação da memória processual. Ou, pacientes com danos na memória processual e outros pacientes com outros danos à memória.

Por exemplo, na doença de Parkinson, há déficit de dopamina no estriado e anormalidades no desempenho foram observadas em determinadas tarefas de memória. Também pode haver problemas na doença de Huntington, onde há danos nas conexões entre os gânglios da base e o córtex cerebral.

Dificuldades também surgirão em pacientes com danos cerebrais em algumas das estruturas cerebrais envolvidas (por exemplo, as produzidas por um derrame).

No entanto, hoje o papel exato que os gânglios da base desempenham no aprendizado de movimentos é um tanto controverso.

Verificou-se que, durante o aprendizado motor, certas áreas do cérebro são ativadas em participantes saudáveis. Alguns deles eram o córtex pré-frontal dorsolateral, a área motora suplementar, o córtex cingulado anterior … assim como os gânglios da base.

No entanto, diferentes áreas (como o cerebelo) foram ativadas nos pacientes de Parkinson. Além disso, o estriado e os gânglios da base estavam inativos. Parece que a compensação é dada pelo sistema córtico-cerebelar, pois a via córtico-estriatal está danificada.

Em pacientes com esta doença e com Huntington, também foi observada uma maior ativação do hipocampo e das vias cortical-tálamo.

Em outro estudo, eles avaliaram pacientes que sofreram um derrame que afetou os gânglios da base e os compararam com participantes saudáveis.

Eles descobriram que os pacientes afetados aprendem as seqüências motoras mais lentamente, demoram mais para dar as respostas e são menos precisas do que as dos participantes saudáveis.

Aparentemente, as explicações dadas pelos autores são que esses indivíduos têm problemas em dividir a sequência motora em elementos organizados e coordenados. Assim, suas respostas são desorganizadas e levam mais tempo para serem elaboradas.

Referências

  1. Ashby, FG, Turner, BO e Horvitz, JC (2010). Contribuição dos gânglios corticais e basais para a aprendizagem e a automação do hábito. Tendências em ciências cognitivas, 14 (5), 208-215.
  2. Boyd LA, Edwards JD, Siengsukon CS, Vidoni ED, Wessel BD, Linsdell MA (2009). O chunking seqüenciado motor é prejudicado pelo derrame basal dos gânglios Neurobiologia da aprendizagem e da memória, 35-44.
  3. Carrillo-Mora, P. (2010). Sistemas de memória: revisão histórica, classificação e conceitos atuais. Primeira parte: História, taxonomia da memória, sistemas de memória de longo prazo: memória semântica. Saúde mental, 33 (1), 85-93.
  4. MEMÓRIA DECLARATIVA (EXPLÍCITO) E PROCEDIMENTAL (IMPLÍCITO). (2010). Obtido da memória humana: human-memory.net.
  5. Diekelmann, S., & Born, J. (2010). A função de memória do sono. Nature Reviews Neuroscience, 11 (2), 114-126.
  6. Eichenbaum, H. (2003). Neurociência cognitiva da memória. Barcelona: Ariel.
  7. Brown, EM e Morales, JAP (2012). Fundamentos da aprendizagem e da língua (Vol. 247). Uoc editorial.
  8. Miyachi, S. et al. (2002) Ativação diferencial dos neurônios estriados em macacos nos estágios inicial e tardio da aprendizagem processual. Exp. Brain Res. 146, 122-126.
  9. Memória processual (sf). Recuperado em 12 de janeiro de 2017, da Wikipedia.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies