Mesopotâmia: história, localização, economia, religião, cultura

Mesopotâmia: história, localização, economia, religião, cultura

Mesopotâmia é o nome dado à área do Oriente Médio localizada entre os rios Eufrates e Tigre. De fato, a própria palavra significa “entre dois rios”. Esta região tem grande importância histórica, pois foi lá que a agricultura começou a ser praticada, foram fundadas as primeiras cidades e surgiram as primeiras civilizações.

Os historiadores apontam que a civilização na Mesopotâmia apareceu por volta de 5000 aC, embora alguns autores afirmem que era em 3500 aC Seu território pode ser dividido em duas regiões diferentes: a Mesopotâmia Alta, habitada pelos assírios, e a Mesopotâmia Baixa, onde residiam. Sumérios e caldeus.

A história da Mesopotâmia estava cheia de guerras entre as diferentes civilizações que causaram a ascensão e queda dos impérios que foram criados. A última invasão, realizada pelos persas, é usada pelos historiadores para sinalizar o declínio dos povos da região.

Além de ser o berço da civilização, a Mesopotâmia apresentou inúmeras inovações, tanto técnicas quanto políticas. Entre os mais destacados estão a roda, o sistema de irrigação, os primeiros compêndios de leis ou escritos.

Origem e história

A terra perto dos rios Tigre e Eufrates era muito propícia ao cultivo. Todos os anos os rios transbordavam e aumentavam a fertilidade da terra. No entanto, a região tinha um problema: a falta de chuva. Isso fez com que a agricultura não pudesse começar a praticar até que os habitantes da área aprendessem a controlar o fluxo da água.

Embora existam discrepâncias nas datas, os historiadores afirmam que as primeiras comunidades agrícolas foram localizadas no norte da região por volta de 7000 aC. Por sua vez, elas não apareceram no sul até 5500 aC.

Na última data, os habitantes da Suméria, no sul da Mesopotâmia, começaram a construir canais de irrigação, represas e piscinas. Graças a essas infra-estruturas, eles conseguiram cultivar uma infinidade de produtos e a população aumentou consideravelmente.

Os historiadores dividiram a história da Mesopotâmia em cinco períodos, com cinco impérios diferentes: os impérios sumério, acadiano, babilônico, assírio e neobabilônico.

Período El Obeid (5500-4000 aC)

Sabe-se que os primeiros assentamentos desse período ocorreram por volta de 5000 aC; no entanto, seu maior esplendor ocorreu cerca de 500 anos depois.

Durante esse período, alguns povos nômades das montanhas Zagros chegaram à área. Os assentamentos aumentaram de tamanho e a organização social estava mudando para se adaptar à população maior.

Uma das cidades mais importantes deste período é a que lhe dá o nome: o Obeida. Os restos encontrados provam que as casas foram construídas com tijolos de barro assados.

Da mesma forma, nesta fase, alguns edifícios religiosos já foram erguidos dentro das cidades. Devido à sua forma em socalcos e planta retangular, os especialistas dizem que foi o pano de fundo dos zigurates. .

Outra das características desse período foi o desenvolvimento de técnicas de irrigação, principalmente de canais de irrigação.

Os sumérios

A primeira grande civilização mesopotâmica foi a suméria. Esta cidade fundou a partir de 3000 aC uma série de cidades-estados, entre as quais Uruk, Uma ou Ur. Cada uma delas era governada por um rei absoluto cuja legitimidade vinha de ser o vigário do deus protetor da localidade.

Apesar da importância desta civilização e das listas de seus reis, a verdade é que não há muita informação sobre eles.

Sabe-se, por exemplo, que sua economia era baseada na agricultura e que eles foram os primeiros a usar a escrita cuneiforme. Além disso, sabe-se que eles construíram grandes templos religiosos.

Da mesma forma, as evidências mostram que a cidade de Uruk espalhou sua cultura pelo sul da Mesopotâmia. Graças à sua influência, mais cidades foram construídas em outras áreas. Guerras frequentes fizeram com que essas cidades fossem equipadas com muralhas defensivas.

O Império Acadiano

A prosperidade alcançada pelos sumérios trouxe várias tribos nômades para a região. Entre esses povos, de origem semítica, estavam árabes, hebreus e sírios. As invasões foram constantes desde 2500 aC e logo conseguiram arrancar a predominância política dos sumérios.

As ondas migratórias atingiram o norte da Mesopotâmia por volta de 3000 aC Como conseqüência, grupos como os amorreus foram criados, incluindo fenícios, hebreus, aramaicos e acadianos, povo semítico que ganhou mais relevância.

Os acadianos, por volta de 1350 aC, conquistaram a cidade de Kiš. Mais tarde, liderados por Sargón, eles fundaram uma nova capital chamada Agadé e passaram a conquistar o resto das cidades sumérias. Após essa conquista, o Império Acadiano se tornou o primeiro da história.

A instabilidade política na área afetou o império após a morte de Sargon. Seus sucessores, entre os quais ele se destacou, tiveram que enfrentar muitas revoltas. Apesar disso, o neto de Sargon, Naram-Sin, conseguiu ampliar seus domínios à custa de outras cidades-estados.

Finalmente, as constantes rebeliões e a invasão dos gutis e amorreus causaram o colapso do império, por volta de 2220 aC. Foram os amorreus que vieram governar toda a região.

Renascença suméria

Algumas cidades-estados sumérias conseguiram resistir aos acadianos. Entre eles, Uruk, um dos mais importantes.

Segundo uma tábua comemorativa, foi o rei de Uruk, chamado Utu-hegal, que liderou um breve renascimento do poder sumério. Por volta de 2100 aC, o monarca derrotou os gutis que se estabeleceram nas terras da Suméria.

Outro rei sumério, da cidade de Ur, derrotou Utu-hegal. Isso permitiu que Ur derrubasse Uruk como a cidade mais poderosa da região durante o chamado Renascimento Sumério.

Ao contrário do que havia acontecido anteriormente, os monarcas de Ur tentaram criar um poder sumério centralizado, à imagem do que Sargon havia feito durante o império acadiano. Além disso, iniciaram uma campanha de conquista até que seu território excedesse em extensão o que havia sido controlado pelos acadianos.

Essa etapa terminou por volta de 2003 aC, quando os conquistadores amorreus da Arábia derrotaram os sumérios.

Babilônios e assírios

Quando Ur perdeu sua hegemonia, a região experimentou um aumento gradual de várias dinastias amorreus em quase todas as cidades. Vários deles disputaram o primado durante as décadas seguintes. Os confrontos e invasões foram constantes.

Relacionado:  Revolução Argentina: antecedentes, causas e governos

Vários estados fortes apareceram no norte da Mesopotâmia, possivelmente alimentados pelo comércio com a Anatólia. Entre esses estados, destacou-se a Assíria, que conseguiu se expandir para o Mediterrâneo.

O império paleobabyloniano

A chegada de Hamurabi ao trono da então sem importância Babilônia ocorreu em 1792 aC O monarca iniciou uma estratégia para estender seus domínios que começou com um confronto com Ur.

Depois de derrotar vários reinos vizinhos e uma coalizão formada pelas cidades da costa do Tigre, Hamurabi se proclamou Acad da Suméria, um título que surgiu no período Sargon e foi usado para enfatizar o controle sobre toda a Mesopotâmia.

A expansão do reino continuou nos anos seguintes, até que, em 1753, foi concluída anexando a Assíria e Eshnunna, no norte da Mesopotâmia.

O trabalho de Hamurabi levou sua figura a ser mitologizada. Além de seus triunfos militares, ele foi responsável por realizar grandes infra-estruturas e preparar o primeiro código de leis para a humanidade.

Após a morte do monarca, em 1750 aC, seu filho Samsu-iluna ocupou o trono. A partir desse momento, o reino começou a ser atacado por uma tribo nômade, os Casitas. Essas tentativas de invasão continuaram ao longo do século XVII aC, destruindo o império.

Finalmente, o monarca hitita Mursili I pôs fim à resistência babilônica e os Casitas tomaram conta da região.

Assírios

Por volta de 1250 aC, os assírios assumiram o controle de toda a Mesopotâmia do norte. Esta cidade foi organizada em cidades-estados, com uma monarquia muito centralizada nas duas capitais da região: Nínive e Assur.

Antes que isso acontecesse, os assírios haviam alcançado uma posição dominante na atividade comercial com a Anatólia. Nessa península, eles estabeleceram alguns portos comerciais que costumavam transportar ouro, prata e bronze.

Os assírios, que haviam estado sob o domínio de outros impérios antes de estabelecer seu próprio reino, também eram grandes guerreiros, com a reputação de serem muito violentos. Seu domínio da forja de ferro os dotou de melhores armas.

Um de seus momentos de maior esplendor foi durante o reinado de Tiglatpileser I (1115-1077 aC). Este rei derrotou Nabucodonosor I na Babilônia e estendeu seus domínios ao Mediterrâneo. No entanto, sua força declinou no século seguinte.

Império Neobabilônico

Outro povo semita, os caldeus, foi responsável pela recuperação da Babilônia por seu poder. Foi o rei Nabopolasar, no final do século VII, quem reformulou a cidade. Seu filho Nabucodonosor II herdou o trono e se tornou um dos governantes mais importantes de toda a história da Mesopotâmia.

Graças a suas políticas e às conquistas que realizou, seu império se espalhou da Mesopotâmia para a Síria e a costa do Mar Mediterrâneo.

Invasão persa

Esse renascimento da Babilônia durou até 539 aC, quando o rei persa Ciro conquistou a cidade e estabeleceu seu domínio em todo o território da Mesopotâmia.

Localização geográfica e temporal

A Mesopotâmia, como o próprio nome indica, está localizada entre os rios Tigre e Eufrates no Oriente Médio.

Geograficamente, está localizado ao norte da península Arábica. O território que abrigava as primeiras civilizações limita ao leste com o Irã, ao norte com Anatólia e ao oeste com Síria.

Local temporário

Alguns autores afirmam que a civilização na Mesopotâmia nasceu por volta de 3500 a. C. Outros, por outro lado, apontam que isso ocorreu antes, por volta de 5000 aC. C.

Além disso, a invasão pelos persas é usada para marcar o fim de suas civilizações mais importantes.

Economia Mesopotâmica

Muitos especialistas consideram que a economia propriamente dita nasceu na Mesopotâmia. O motivo dessa afirmação é que, pela primeira vez, eles levaram em conta a situação econômica ao se organizarem.

Deve-se ter em mente que as circunstâncias econômicas variaram durante os mais de quatro mil anos de história de suas civilizações. Além disso, essas atividades foram realizadas em um contexto de contínuas guerras e invasões. No entanto, algumas facetas de sua economia foram mantidas ao longo do tempo.

agricultura

A situação geográfica da Mesopotâmia, entre o Tigre e o Eufrates, fez da agricultura sua principal atividade econômica.

No entanto, a falta de chuva dificultava o cultivo em terras distantes das bacias hidrográficas. Por esse motivo, os habitantes da região tiveram que construir um sistema de irrigação eficiente que levasse água para suas terras.

Além de inovações técnicas para melhorar a irrigação, os mesopotâmicos foram os inventores da roda e do arado. Com o uso de ambos os elementos, eles foram capazes de trabalhar a terra mais facilmente.

Entre os produtos mais comuns estavam cereais (cevada, trigo, centeio ou gergelim), oliveiras, tamareiras ou uvas.

Comércio

A princípio, tudo o que era produzido era destinado ao consumo interno. Com o tempo, começaram a existir superávits que poderiam ser usados ​​no comércio.

Por outro lado, os artesãos também produziam artigos que poderiam ser utilizados no comércio, como recipientes para alimentos, ferramentas, decorações ou pesos para teares.

Os sumérios estabeleceram rotas comerciais que alcançavam lugares distantes na época. Assim, sabe-se que eles chegaram à Anatólia, Síria e Índia. Normalmente, eles trocavam produtos produzidos na Mesopotâmia por matérias-primas, como madeira, pedra ou metais.

Metalurgia

Metais como cobre ou bronze muito em breve começaram a ser usados ​​na Mesopotâmia. Na maioria das vezes, esses metais destinavam-se a fabricar armas mais fortes. Da mesma forma, eles também foram usados ​​para fazer ferramentas de trabalho.

O bronze tornou-se mais comum por volta de 3500 aC Esta liga de cobre-estanho era mais forte que outros materiais e era usada para ferramentas, armas ou ornamentos. Outro uso dessa liga que melhorou muito a vida da região foi como material para fazer chapas de metal para os arados que os bois arrastaram.

Religião

As diferentes civilizações que se estabeleceram na Mesopotâmia tinham seus próprios deuses e crenças. Um aspecto comum era que todas as religiões eram politeístas.

Relacionado:  Bandeira de Popayán: História e Significado

Características dos deuses 

Como observado, as várias religiões na Mesopotâmia eram politeístas. Isso significa que eles adoravam uma grande variedade de deuses.

Como na mitologia grega, os deuses da Mesopotâmia tinham uma aparência e comportamento totalmente humanos. Assim, eles comeram, casaram, brigaram entre si ou tiveram filhos. No entanto, ao contrário dos homens, essas divindades eram imortais e tinham grandes poderes.

Em geral, os habitantes da Mesopotâmia temiam seus deuses. Estes eram muito vingativos e não hesitavam em ser cruéis sem os humanos lhe obedecerem. Mesmo os reis não estavam livres para serem punidos, por isso sempre consultavam os oráculos para ver se as divindades aprovavam suas decisões.

Deuses principais

O panteão de deuses na Mesopotâmia era totalmente hierárquico. Dessa maneira, havia algumas divindades maiores e outras menores.

Os deuses sumérios mais importantes foram Enlil (deus da água), Enki (deus da terra) e Aun (deus do céu). Após a invasão dos povos semitas, essa tríade foi alterada por Ishtar (deusa da guerra, fertilidade e amor), Sin (deus da lua) e Shamash (divindade das estrelas e do sol ).

O governo de Babilônia no segundo milênio aC trouxe mais mudanças religiosas. Marduk, deus da cidade, estava aumentando em importância e acabou se tornando o deus principal.

Sacerdotes

A importância da religião fez dos padres uma das classes mais poderosas. Seu trabalho era realizar os ritos correspondentes todos os dias e encarregar-se da organização dos festivais religiosos. Os padres, homens e mulheres, sempre eram de famílias de classe alta.

As religiões dos habitantes da Mesopotâmia incluíam magia entre suas crenças. Por esse motivo, eles pensavam que os padres tinham certos poderes que lhes permitiam, por exemplo, realizar exorcismos.

Outro fator importante na religião mesopotâmica do terceiro milênio aC foi a existência de prostituição sagrada. Foi relacionado ao culto de Ishtar.

Os fiéis pagavam uma sacerdotisa para ter relações sexuais com ela e, assim, honrar a deusa. As mulheres que ocupavam esses cargos de sacerdotisa eram socialmente respeitadas.

Cultura mesopotâmica

Como aconteceu na economia ou na política, a Mesopotâmia foi o berço de inúmeras contribuições no campo da cultura. O mais importante, possivelmente, foi o desenvolvimento da escrita.

Literatura

No início, a escrita era usada apenas em documentos oficiais, especialmente para manter contas. Mais tarde, passou a ser usado para refletir eventos, histórias, lendas ou catástrofes.

Isso representou o nascimento da literatura escrita, que inicialmente se concentrava em aspectos religiosos.

Assim, os sumérios escreveram sobre três grandes temas:

  • Os hinos, que eram textos para honrar os deuses.
  • Os reis ou as cidades, mitos em que as histórias estreladas pelos deuses estavam relacionadas.
  • Lamentações, que registraram qualquer evento catastrófico e culparam a raiva dos deuses.

Os sumérios começaram a escrever um tipo de poema de diálogo, além de compilações de provérbios.

Escultura

A escultura mesopotâmica teve como tema principal seus deuses e governantes. Cada obra era perfeitamente individualizada e frequentemente incluía o nome do personagem representado.

As técnicas mais utilizadas foram o relevo, monumental e parietal, estela, tijolos esmaltados e o selo. Estes últimos permitiram desenvolver uma história completa neles.

Ao representar seres humanos, os artistas não procuravam uma proporção perfeita. A cabeça e o rosto não mantiveram proporções, em uma técnica chamada realismo conceitual. Os corpos, por outro lado, eram totalmente simétricos.

Outro tema recorrente foi a representação de touros grandes. Nesse caso, os escultores optaram pelo realismo. Esses animais foram considerados gênios protetores na região.

Organização política e social

Embora houvesse várias civilizações na área, a organização política manteve algumas características comuns. Assim, a monarquia absoluta era a forma de governo em todos os territórios. A legitimidade dos reis veio dos deuses, uma vez que eram considerados seus descendentes.

Guerras

A princípio, os habitantes da Mesopotâmia se organizaram em cidades-estados independentes. As guerras entre eles foram muito frequentes, pois todos procuravam aumentar seu poder e território. No entanto, durante o período sumério, nenhuma grande unificação ocorreu.

Foi o Império acadiano que conseguiu unificar um território sob o mesmo rei. Pela primeira vez, o poder foi concentrado e os governantes criaram dinastias.

Apesar dessa conquista, o império não durou muito tempo. Os babilônios conquistaram seu território e estabeleceram sua própria unidade política.

Estrutura do governo

Como observado, o rei acumulou todo o poder na política da Mesopotâmia. Na maioria dos casos, acreditava-se que o monarca descesse diretamente da Cidade dos Deuses.

Entre os títulos que os reis se deram, destacaram-se os de “rei do universo” ou “grande rei”. Igualmente, a denominação de “pastor” também era relativamente frequente, pois eles deveriam guiar seu povo.

Três dos monarcas mais importantes foram Sargão, o Grande, Gilgamesh e Hamurabi. A sucessão ao trono caiu para o primeiro filho do sexo masculino.

Abaixo do rei, na estrita hierarquia social, estavam os sumos sacerdotes, os escribas, os militares, os comerciantes, os chamados bens comuns e, finalmente, os escravos.

Contribuições da cultura mesopotâmica

As diferentes civilizações que dominaram a Mesopotâmia contribuíram com uma grande quantidade de novidades técnicas, sociais e políticas.

agricultura

A primeira dessas contribuições foi a agricultura. A importância histórica de poder controlar as culturas era enorme, pois fazia com que o ser humano se tornasse sedentário, construísse cidades e, finalmente, surgissem as primeiras civilizações.

Junto com o desenvolvimento da agricultura, os mesopotâmicos também aprenderam a domesticar animais, que criavam gado

Escrita

Os historiadores afirmam que a escrita apareceu por volta de 3300 aC na Mesopotâmia. Os textos mais antigos eram registros comerciais e listas de produtos agrícolas destinados a serem entregues aos templos.

Os escribas, encarregados de escrever esses textos, usavam uma ferramenta pontiaguda para escrever em tábuas de barro.

Com o tempo, o sistema evoluiu e se tornou mais complexo. Assim, as informações deixadas por escrito foram expandidas.

Esse primeiro sistema de escrita usava sinais (pictogramas). Era sobre representar objetos reais com desenhos. Após 500 anos, esses sinais se tornaram mais complexos para representar idéias abstratas.

Relacionado:  Viborazo: antecedentes, causas e consequências

Da mesma forma, os pictogramas gradualmente deram lugar a símbolos fonéticos, que representavam sons.

Direitos iguais entre homens e mulheres

Embora a sociedade mesopotâmica fosse totalmente hierárquica, suas leis consagraram a igualdade entre homens e mulheres de várias maneiras.

Entre os direitos mais importantes concedidos às mulheres, iguais aos homens, estavam os direitos de possuir a terra, solicitar e obter um divórcio, ser comerciante ou fundar seus próprios negócios.

Leis

Outra contribuição importante que apareceu na Mesopotâmia foram os códigos legais. Estes foram baseados nas decisões tomadas pelos diferentes reis.

Investigações arqueológicas encontraram vestígios de vários desses códigos. Entre eles, destacam-se os de Urukagina, Lipit Ishtar e, sobretudo, o de Hamurabi.

Este último código é considerado o melhor exemplo do trabalho legislativo da época. O rei Hamurabi ordenou deixar um registro por escrito de mais de 200 leis aplicáveis ​​a todo o território que ele governava.

Tecnologia e inovações

A base dos avanços tecnológicos feitos na Mesopotâmia foi o domínio do fogo. Isso resultou em uma grande melhoria na capacidade técnica dos fornos, o que permitiu obter gesso e cal.

Esses dois materiais foram usados ​​para revestir os recipientes de madeira que foram colocados diretamente nos fornos. É uma técnica chamada louça branca e é considerada um antecessor da cerâmica.

Os restos encontrados nos depósitos de Beidha confirmam que esta técnica remonta, pelo menos, ao 9º milênio aC. De lá, se espalhou para o norte e para o resto do território. Entre 5600 e 3600 aC, já estava em uso em toda a Mesopotâmia.

Aparência de metalurgia

Os arqueólogos encontraram alguns pequenos objetos metálicos fabricados pelo homem que datam do 6º milênio aC, mas só em meados do terceiro milênio aC os fornos melhoraram o suficiente para generalizar o uso de metais e o surgimento da metalurgia.

Os sítios arqueológicos do terceiro milênio aC contêm numerosos objetos metálicos cuja composição mostra que foram feitos por fundição e não por escultura. Além disso, alguns feitos de ligas começam a aparecer.

O primeiro metal obtido através da liga foi o bronze, que acabou substituindo o cobre como principal material de ferramentas e armas. Suas vantagens eram sua maior resistência e dureza, o que dava grandes vantagens às civilizações que a operavam.

O próximo passo na evolução da metalurgia ocorreu entre 1200 e 1000 aC: o uso de ferro. Até então, era um material muito escasso, com um custo semelhante ao do ouro. Novas técnicas de extração e fundição tornaram seu uso muito mais frequente.

Armas e ferramentas de ferro, com sua maior resistência, foram fatores fundamentais na evolução das sociedades, bem como nas guerras entre diferentes civilizações.

A roda

A roda foi outra das invenções atribuídas aos mesopotâmicos. A princípio, esse objeto era usado na agricultura, melhorando o arado da terra.

Mais tarde, também passou a ser utilizado no transporte. O arqueólogo Sir Leonard Woolley encontrou em 1922 um veículo composto por dois vagões de quatro rodas. Este transporte, encontrado na cidade de Ur, é considerado um dos mais antigos conhecidos.

Irrigação

Como observado, a fertilidade das terras agrícolas na Mesopotâmia foi limitada às bacias hidrográficas. A falta de chuvas, especialmente no sul, fez com que a terra secasse no verão e as colheitas fossem escassas.

Os habitantes da Mesopotâmia tiveram que encontrar sistemas para transportar água dos rios para terras remotas. Para isso, eles construíram os primeiros sistemas de irrigação. Os mais antigos e básicos eram os canais que levavam o líquido de sua origem às terras agrícolas para irrigá-lo.

Inclinação

A última etapa do esplendor das civilizações mesopotâmicas ocorreu durante o Império Neobabilônico, especialmente durante o reinado de Nabucodonosor II.

Esse reavivamento babilônico durou aproximadamente um século. Mais tarde, sua civilização sucumbiu ao impulso dos persas comandados por Ciro, o Grande.

Invasão persa

O fim do domínio babilônico foi causado por vários fatores, externos e internos. Entre os últimos, destacou-se a oposição do povo ao monarca Nabonido, filho de uma sacerdotisa assíria e que chegou ao poder após derrubar o rei legítimo.

O poderoso clero também se posicionou contra Nabonido. Isso eliminou o culto ao deus Marduk e estabeleceu um novo dedicado a Sin, o deus da lua.

Por outro lado, Ciro, o Grande, governante do Império Aquemênida, conquistara um vasto território a leste da Mesopotâmia. Em todo o Oriente Médio, apenas o Império Neobabilônico manteve sua independência e controlou a Mesopotâmia, Síria, Judéia, partes da Arábia e Fenícia.

Finalmente, Cyrus afirmou que ele era o sucessor legítimo dos antigos monarcas da Babilônia. Com o tempo, sua popularidade na Babilônia foi maior que a de Nabonido.

Queda da Babilônia

Ciro, o Grande, finalmente invadiu a Babilônia em 539 aC Os documentos que relatam a conquista são contraditórios entre si, pois alguns indicam que a cidade foi sitiada e outros que ela não podia apresentar resistência e foi conquistada sem a necessidade de lutar.

O único fato comum que os historiadores conseguiram extrair é que Ciro ordenou que as águas do rio Eufrates fossem desviadas para que pudessem ser atravessadas sem problemas. Depois disso, suas tropas entraram na Babilônia em uma noite em que um banquete estava sendo celebrado. A cidade foi tomada sem batalha.

Assuntos de interesse

Deuses da Mesopotâmia .

Governantes da Mesopotâmia .

Contribuições da Mesopotâmia .

Principais cidades .

Atividades econômicas mesopotâmicas .

Referências

  1. História universal. Mesopotâmia antiga. Obtido em mihistoriauniversal.com
  2. Portal Educacional. Mesopotâmia. Obtido em portaleducativo.net
  3. Departamento de Educação do Governo Basco. Mesopotâmia. Obtido de hiru.eus
  4. Editores da History.com. Mesopotâmia. Obtido em history.com
  5. Khan Academy. Civilizações mesopotâmicas antigas. Obtido em khanacademy.org
  6. Dietz O. Edzard, Richard N. Frye, Wolfram Th. Von Soden. História da Mesopotâmia. Obtido em britannica.com
  7. Young, Sarah P. Mesopotâmia antiga e a ascensão da civilização. Obtido em ancient-origins.net
  8. Nelson, Ken. História: Mesopotâmia Antiga para Crianças. Obtido em ducksters.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies