Meu filho não quer ir para a escola: o que fazer?

Quando um filho se recusa a ir para a escola, os pais muitas vezes se sentem perdidos e preocupados com o que fazer. É importante entender as razões por trás dessa recusa e encontrar maneiras de lidar com a situação de forma positiva e construtiva. Neste artigo, iremos explorar algumas estratégias e dicas para ajudar os pais a lidar com esse desafio e incentivar seus filhos a voltarem para a escola com entusiasmo e motivação.

Quando a criança se recusa a ir para a escola, o que fazer?

Quando o seu filho se recusa a ir para a escola, é natural que você se preocupe e fique sem saber o que fazer. Nesse momento, é importante manter a calma e tentar entender o motivo por trás dessa recusa.

Em primeiro lugar, converse com a criança para descobrir se existe algum problema específico que esteja causando essa resistência. Pode ser que ela esteja sofrendo bullying, tenha dificuldades acadêmicas ou esteja enfrentando algum outro tipo de dificuldade na escola.

Além disso, é importante estabelecer uma rotina e horários fixos para a criança, tanto em relação aos estudos quanto ao lazer. Isso pode ajudar a criar um ambiente mais seguro e previsível para ela, o que pode diminuir a resistência em relação à escola.

Se a recusa persistir, é importante buscar ajuda de um psicólogo ou psicopedagogo para avaliar a situação e encontrar estratégias para lidar com o problema. Não force a criança a ir para a escola, mas também não ceda às chantagens ou birras.

Lembre-se de que a educação é fundamental para o desenvolvimento da criança, e é importante encontrar soluções para que ela possa frequentar a escola de forma tranquila e feliz.

Como agir diante da recusa da criança em frequentar a escola?

Quando seu filho não quer ir para a escola, pode ser um desafio para os pais lidarem com essa situação. É importante abordar o problema com calma e paciência, buscando entender os motivos por trás da recusa da criança em frequentar a escola.

Em primeiro lugar, é essencial conversar com a criança para descobrir o que está causando essa resistência. Pode ser que ela esteja enfrentando algum problema na escola, como bullying ou dificuldades acadêmicas. Ou talvez haja algo acontecendo em casa que esteja afetando seu comportamento.

É importante mostrar empatia e tentar ajudar a criança a expressar seus sentimentos. Ofereça seu apoio e esteja aberto a ouvir o que ela tem a dizer. Além disso, é fundamental conversar com os professores e a equipe escolar para obter mais informações sobre o comportamento da criança na escola.

Se a criança continuar se recusando a ir para a escola, pode ser útil procurar ajuda de um profissional, como um psicólogo infantil. Eles podem ajudar a identificar quaisquer problemas subjacentes e fornecer estratégias para lidar com a situação.

Em nenhum momento deve-se forçar a criança a ir para a escola, pois isso pode piorar a situação e causar mais ansiedade. É importante respeitar os sentimentos da criança e trabalhar juntos para encontrar uma solução que seja benéfica para todos.

Lembre-se de que a recusa da criança em ir para a escola pode ser um sinal de que algo está errado e precisa ser abordado. Com paciência, comunicação aberta e apoio, é possível ajudar a criança a superar essa fase e voltar a desfrutar da escola.

Como lidar quando a criança chora e se recusa a ir à escola?

É comum que as crianças sintam ansiedade ao se separarem dos pais e irem para a escola. No entanto, quando essa ansiedade se manifesta de forma intensa, resultando em choro e recusa em ir para a escola, os pais podem se sentir perdidos sobre como lidar com a situação.

Primeiramente, é importante tentar compreender o motivo pelo qual a criança está se recusando a ir para a escola. Pode ser que ela esteja enfrentando algum problema de relacionamento com colegas, dificuldades acadêmicas ou até mesmo bullying. Conversar de forma aberta e empática com a criança é fundamental para identificar a causa do problema.

Em seguida, é importante estabelecer uma rotina matinal calma e previsível, de forma a reduzir a ansiedade da criança. Criar uma atmosfera tranquila em casa pode ajudar a criança a se sentir mais segura e preparada para ir para a escola.

Além disso, é essencial validar os sentimentos da criança e demonstrar empatia. Dizer coisas como “Eu entendo que você está se sentindo triste” ou “É normal sentir medo às vezes” pode ajudar a criança a se sentir compreendida e acolhida.

Por fim, é importante envolver os professores e a equipe escolar no processo. Eles podem ajudar a identificar possíveis problemas na escola e trabalhar em conjunto com os pais para encontrar soluções que beneficiem a criança.

Relacionado:  Deficiência intelectual e de desenvolvimento

Ao abordar a situação de forma calma e empática, é possível ajudar a criança a superar seus medos e voltar a desfrutar da experiência escolar.

Consequências do Conselho Tutelar para jovens que não frequentam a escola.

Uma das preocupações de muitos pais é quando seus filhos se recusam a ir para a escola. Além das consequências educacionais, existe também o risco de intervenção do Conselho Tutelar. Para os jovens que não frequentam a escola, as consequências podem ser graves.

Em primeiro lugar, é importante ressaltar que a educação é um direito fundamental de todas as crianças e adolescentes. Quando um jovem não está frequentando a escola, ele está sendo privado desse direito, o que pode acarretar em consequências legais para os pais ou responsáveis. O Conselho Tutelar pode ser acionado para investigar a situação e garantir que a criança ou adolescente seja matriculado e frequente a escola regularmente.

Além disso, a ausência escolar pode levar a problemas de desenvolvimento e socialização, afetando o futuro profissional e pessoal do jovem. Sem a devida educação, as chances de inserção no mercado de trabalho e de ter uma vida plena e bem-sucedida são significativamente reduzidas.

Portanto, é fundamental que os pais estejam atentos e busquem soluções para motivar e acompanhar seus filhos na escola. Caso haja resistência ou recusa por parte do jovem, é importante procurar ajuda de profissionais da área da educação e psicologia para identificar as causas do problema e encontrar maneiras de resolvê-lo.

A intervenção do Conselho Tutelar pode ser uma medida necessária para garantir o cumprimento do direito à educação e o bem-estar do jovem. Por isso, é essencial que os pais estejam cientes das consequências da ausência escolar e ajam de forma proativa para evitar problemas futuros.

Meu filho não quer ir para a escola: o que fazer?

Meu filho não quer ir para a escola: o que fazer? 1

A escola é uma das principais áreas que contribuem para o nosso desenvolvimento e aprendizado. Naturalmente, ir à escola é algo que algumas crianças vivem com entusiasmo e alegria, enquanto outras acham tedioso ou angustiante.

De fato, às vezes podemos encontrar crianças que, por algum motivo, se recusam a ir ao centro e expressam forte oposição a essa idéia. E isso pode ser preocupante, principalmente se a criança em questão for nossa.

Portanto, muitos pais e mães consideram … ” o que fazer se meu filho não quiser ir à escola? ” Discutimos algumas idéias sobre isso ao longo deste artigo.

O que fazer quando meu filho não quiser ir à escola?

“Não quero ir ao colégio”. Provavelmente, é algo que muitos pais já ouviram em mais de uma ocasião, independentemente da idade de seus filhos. Mas, além da mera falta de desejo de ir à escola e acompanhar as aulas e o funcionamento habitual do centro, essa frase pode esconder muitas razões.

Todos eles são importantes e não faz mal avaliar o que pode levar nosso filho a dizer isso e colocar algum tipo de solução .

Nesse sentido, é necessário primeiro descobrir por que, para agir posteriormente de acordo, e depois começar a tomar medidas efetivas.

1. Avalie por que

Embora exista uma grande variabilidade no que significa, no nível cognitivo e emocional, para as crianças irem à escola, a verdade é que a recusa em ir à escola deve primeiro nos fazer refletir sobre o porquê .

Em muitos casos, é por falta de desejo, prefere se divertir em casa ou brincando, por medo de se separar dos pais, por viver isso como uma obrigação ou por falta de interesse e motivação, mas também podemos enfrentar uma fobia escolar, resistência devido a sentimentos de incapacidade, a experiência de situações estressantes, como o divórcio dos pais, nascimentos ou mortes ou o sofrimento de bullying. É até possível que ele esteja fisicamente doente ou esteja passando por uma doença (apesar de ter olhos com possíveis pretensões).

Analisar as causas que levam a criança a se recusar a ir à escola pode permitir o estabelecimento de uma estratégia apropriada para motivá-la a resolver possíveis problemas que ela possa estar tendo. Entre os diferentes aspectos que precisam ser levados em consideração para isso, alguns dos principais podem ser os seguintes.

2. Mantenha uma comunicação fluida com seu filho

Uma das principais bases de qualquer tipo de relacionamento positivo é a comunicação.

Nas relações paterno / materno-filial, isso é especialmente importante, para que a criança possa expressar seus sentimentos, medos e pensamentos com confiança e sem medo de dizer o que pode estar acontecendo.

Relacionado:  É melhor estudar a leitura em voz alta ou em silêncio?

3. Considere suas motivações e dificuldades

Às vezes, a falta de desejo de ir à escola é causada pela falta de motivação para fazê-lo, ou pela existência de problemas quando se trata de acompanhar as aulas ou entender certos aspectos deles.

É por isso que levar em consideração os interesses de seu filho e entender o que o motiva pode ser útil para otimizar suas habilidades e favorecer seu desenvolvimento e vontade de aprender .

Também detectar possíveis dificuldades é o primeiro passo para estabelecer algum tipo de diretriz ou ajuda que podemos fornecer, como ajudá-lo em sua lição de casa, explicando alguns conceitos que você não entende ou mesmo usando professores particulares.

4. Verifique se há diferenças visíveis em sua atitude antes e depois da escola

Às vezes, a existência de mudanças de comportamento e humor entre antes e depois da escola pode estar nos dizendo que algo pode ter acontecido nela, especialmente se você se recusar a ir à escola.

Nesse sentido, pode ser útil discuti-lo de forma assertiva e não invasiva , para que a criança possa se expressar livremente.

  • Você pode estar interessado: ” Comunicação assertiva: como se expressar com clareza “

5. Houve mudanças recentes na casa ou na situação da criança?

Outro elemento a ser levado em consideração ao tentar avaliar por que nosso filho não quer ir à escola é o fato de que pode ter havido alguma mudança ou fenômeno importante que envolve uma mudança considerável para isso.

Por exemplo, a morte de um parente próximo pode gerar o medo de perder outro ente querido ou morrer, algo que pode fazer com que algumas crianças não queiram se separar de suas famílias ou sair de casa por um longo tempo.

O mesmo vale para divórcios e um possível sentimento de dor ou até a crença de que a separação é sua culpa , ou o nascimento de um irmão ou irmão, seja por ciúme ou se você deseja protegê-los.

6. Converse com o centro e professores

Outro elemento que pode ser importante é manter uma comunicação fluida com o centro, para que, se algo acontecer, essa informação possa ser compartilhada.

Isso é útil tanto para se informar como o pai da criança quanto para notificar aspectos que os profissionais da escola não perceberam. Também permite gerar estratégias para solucionar possíveis problemas, como o bullying ou a presença de experiências estressantes.

Também é importante levar em consideração aspectos como as anotações ou a agenda da criança, que podem nos dar pistas sobre a presença de dificuldades em uma ou várias áreas ou problemas em sala de aula com alunos, professores ou disciplinas.

7. Amigos e outros pais: outras fontes de informação

Outra possível fonte de informação para a qual podemos descobrir se o motivo de nosso filho não querer ir para a escola é que algo aconteceu com ele ou simplesmente para obter outro ponto de vista pode acontecer indo a amigos e outros pais.

Não se trata de questioná-los sobre o nosso filho , mas eles costumam dizer se algo aconteceu em sala de aula que pode ser interessante. Agora, devemos ter em mente que devemos primeiro conversar com nossos filhos, e não ir para os outros sem mais.

Como reagir positivamente

Até agora, visualizamos alguns elementos ou aspectos a serem considerados ao avaliar o que pode estar acontecendo com nosso filho. Mas saber que isso está acontecendo sem mais nada nos ajudará muito, pois, afinal, temos que dar algum tipo de resposta a essa situação.

Nesse sentido, algumas diretrizes de ação que podem ser úteis são as seguintes.

1. Estar interessado na situação

Embora possa parecer simples e geralmente nem sempre levado em conta em um nível consciente, mostrar óbvio interesse pela criança pelo que faz e por sua recusa em ir à escola pode ser muito lisonjeiro. E é que abordar suas preocupações é um sinal de preocupação e apoio para isso.

É importante fazer essa abordagem de maneira positiva, sem sobrecarregar, violar ou invadir sua intimidade, mas mostrando que nos importamos.

2. Atitude positiva em relação à escola

Ir à escola é uma atividade que pode ser vivida de várias maneiras, mas envolve tarefas que às vezes não gostamos.

Nesse sentido, é essencial fazer um modelo para a criança , mostrando uma atitude positiva em relação à escola e aos acadêmicos.

Relacionado:  Como ajudar uma criança vítima de bullying: 7 dicas contra o bullying

Os pais que demonstram rejeição ou manifestam descontentamento com o fato de estudar, que indicam que estudar é uma perda de tempo ou que ridicularizam aqueles que o fazem, tornam mais provável que a escola seja vista negativamente pelos filhos.

3. Apoie-os em suas tarefas

Às vezes, as tarefas realizadas na escola podem ser complicadas, e alguns assuntos podem causar angústia e desconforto para os alunos se eles não conseguirem entendê-las. Nesse sentido, pode ser apropriado apoiá-los e ajudá-los em suas tarefas de casa , algo que também mostra interesse nele como pessoa e nos permite compartilhar tempo com nosso ente querido.

Obviamente, estamos falando em ajudar, não fazer a lição de casa ou tirar as responsabilidades.

4. Promova sua auto-estima e senso de auto-eficácia

Qualquer que seja o motivo pelo qual nosso filho não queira ir à escola, o fato de confiar nele e promover sua auto-estima e o pensamento de que eles são capazes de fazer isso são muito úteis. Nesse sentido, devemos mostrar interesse e apoio, fazê-lo ver e reforçar suas realizações incondicionalmente e maximizar seu potencial.

Exigências excessivas por parte do ambiente favorecem que o pequeno sinta que tudo o que faz pode ser melhor e nunca é suficiente . Você deve evitar críticas destrutivas, desvalorizações e comparações com outras pessoas.

Por outro lado, a superproteção também é negativa, uma vez que a própria criança pode parecer inútil e sentir que, sem ajuda externa, é incapaz de conseguir algo. É sobre a criança se ver como alguém válido, sentindo que, se necessário, pode recorrer à ajuda de outras pessoas.

5. Nem prêmios nem punições

É importante ter em mente que punir a falta de desejo de ir à escola pode ser contraproducente e pode transformar a própria escola em algo aversivo. Portanto, não precisamos puni-los para dizer ou sentir que não querem ir .

Da mesma forma, o oposto não deve ser recompensado, pois nesse caso, ir à escola ou expressar desejo de fazê-lo se tornaria um meio de obter recompensas.

O que devemos tentar é que ir à escola é um ato natural que pode ou não gostar, mas que deve ser feito.

6. Entre em contato com o centro

Dependendo do motivo da recusa, pode ser necessário ir ao centro educacional e conversar com os responsáveis ​​pelo problema que o originou e com os professores . Estamos falando de casos como o bullying ou de concordar com estratégias conjuntas para resolver outros problemas.

7. Abordagem sucessiva

Especialmente quando estamos enfrentando crianças muito pequenas, após um período de férias ou quando ocorreu uma situação traumática para a criança, pode ser apropriado que a introdução da criança no centro seja realizada de forma gradual e progressiva.

Ou seja, pode ser conveniente que eles passem um período mais curto na escola para se acostumarem e reduzirem o nível de ansiedade gerado por estarem na escola.

8. Higiene do sono

Uma recomendação final que pode ajudar a facilitar uma melhor disposição de ir à escola é resolver uma das possíveis causas de resistência à escola: dormir mal .

Nesse sentido, é aconselhável garantir que a criança descanse e durma o suficiente durante a noite, seguindo um horário estável (não é necessário ir dormir exatamente no mesmo horário, mas sempre ou regularmente). vá dormir em uma faixa específica).

E não apenas a programação, também é importante que o local onde você dorme encontre condições estáveis ​​e favoráveis ​​para dormir: luz, temperatura, espaço ou estímulos que possam limpar a criança (por exemplo, telas) devem ser controlados.

Também é recomendável que a cama seja reservada para dormir e que não seja habitual ser um local para outras atividades, pois, caso contrário, a criança poderá associar a cama a estímulos que a ativam e que têm mais dificuldade em adormecer.

9. Use ajuda profissional

Deve-se notar que, dependendo do caso, sua origem e se há ou não meios para fornecer uma solução, pode ser necessário e aconselhável recorrer a profissionais, seja do próprio centro (se eles o tiverem) ou externamente. Entre esses profissionais, podemos encontrar consultores, psicólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas ou até advogados em alguns casos graves.

Referências bibliográficas:

  • Butler, C. (2008). Conversa e interação social no parquinho. Aldershot: Ashgate.
  • Ginsburg, KR (2007) “A Importância da Brincadeira na Promoção do Desenvolvimento Infantil Saudável e na Manutenção de Fortes Títulos Pais-Filho” (PDF). Academia Americana de Pediatria. 119 (1).

Deixe um comentário