Migração neural: é assim que as células nervosas se movem

A migração neural é um processo fundamental no desenvolvimento do sistema nervoso, no qual as células nervosas se movem de um local para outro para alcançar seu destino final. Essa migração é crucial para a formação adequada das conexões neurais e para a correta organização do cérebro. Neste artigo, exploraremos os mecanismos e fatores envolvidos na migração neural, bem como a importância desse processo para o funcionamento adequado do sistema nervoso.

Entendendo o processo de migração de células neurais durante o desenvolvimento cerebral.

A migração neural é um processo crucial no desenvolvimento do cérebro, onde as células nervosas se movem de um local para outro para se posicionarem corretamente. Esse movimento é essencial para a formação de circuitos neurais funcionais e para a organização adequada do cérebro.

Durante o desenvolvimento cerebral, as células neurais passam por diferentes fases de migração. Inicialmente, as células nervosas se originam de uma região específica do cérebro conhecida como zona germinativa. A partir daí, elas começam a se mover em direção às áreas onde serão necessárias para formar conexões neurais. Esse processo é coordenado por uma série de sinais químicos e moléculas de adesão celular que guiam as células em direção ao seu destino final.

Uma vez que as células neurais alcançam seu local de destino, elas se posicionam e estabelecem conexões sinápticas com outras células nervosas. Essas conexões são essenciais para a transmissão adequada de sinais neurais e para o funcionamento correto do cérebro.

Em algumas situações, erros durante o processo de migração neural podem levar a distúrbios neurológicos e condições como a displasia cortical. Nesses casos, as células nervosas não conseguem se posicionar corretamente no cérebro, resultando em problemas no desenvolvimento e funcionamento do sistema nervoso.

Portanto, entender como as células neurais se movem durante o desenvolvimento cerebral é fundamental para desvendar os mistérios por trás de doenças neurológicas e para desenvolver novas abordagens terapêuticas. A migração neural é um processo complexo e fascinante que continua a ser alvo de intensa pesquisa na área da neurociência.

Formação de estruturas decorrentes da migração das células da crista neural.

A migração das células da crista neural é um processo crucial no desenvolvimento embrionário, responsável pela formação de diversas estruturas no organismo. Durante o desenvolvimento inicial do embrião, as células da crista neural se separam da placa neural e migram para diferentes regiões do corpo, onde se diferenciam em diversos tipos de células, incluindo neurônios, células da glia e células pigmentares.

Essas células migratórias seguem um caminho complexo e altamente regulado, guiadas por diversos fatores químicos e físicos. Durante a migração, as células da crista neural interagem com o ambiente ao seu redor e respondem a sinais químicos que as orientam em direção ao seu destino final.

À medida que as células da crista neural se movem, elas se organizam em estruturas específicas que desempenham funções vitais no organismo. Por exemplo, a migração das células da crista neural é fundamental para a formação do sistema nervoso periférico, incluindo os gânglios nervosos e as células de Schwann.

Além disso, as células da crista neural também contribuem para a formação de estruturas como os ossos da face, as cartilagens da orelha e as células pigmentares da pele. Essas estruturas são essenciais para funções como a audição, a visão e a pigmentação da pele.

Relacionado:  Córtex motor do cérebro: partes, localização e funções

O entendimento dos mecanismos envolvidos nesse processo é essencial para o avanço da biologia do desenvolvimento e pode ter aplicações em diversas áreas da medicina, como a regeneração de tecidos e o tratamento de doenças neurodegenerativas.

Em que momento o tubo neural se forma no desenvolvimento fetal?

No desenvolvimento fetal, o tubo neural se forma durante a terceira semana de gestação. Este processo é crucial para a formação do sistema nervoso central do embrião. O tubo neural é uma estrutura que depois se desenvolve e origina o cérebro, a medula espinhal e outras estruturas do sistema nervoso.

A migração neural é um processo fundamental que ocorre durante o desenvolvimento do sistema nervoso. As células nervosas, ou neurônios, movem-se de um local para outro no cérebro em desenvolvimento. Este processo é essencial para a organização correta do sistema nervoso e para a formação de conexões funcionais entre as células nervosas.

Os neurônios migram para suas posições finais no cérebro de maneiras diferentes, como a migração radial e tangencial. Durante a migração radial, as células nervosas movem-se de dentro para fora, seguindo trilhas específicas. Já na migração tangencial, as células nervosas movem-se horizontalmente, percorrendo distâncias maiores para alcançar suas posições finais.

A abordagem do livro sobre a plasticidade neural e seu impacto no cérebro humano.

A plasticidade neural é a capacidade do cérebro de se adaptar e mudar ao longo da vida, seja em resposta a novas experiências, lesões ou mudanças ambientais. O livro aborda como esse fenômeno é essencial para o desenvolvimento saudável do cérebro, destacando a importância da migração neural no processo.

A migração neural é o movimento de células nervosas durante o desenvolvimento embrionário do cérebro. Esse processo é fundamental para a formação de circuitos neurais complexos e para a conexão entre diferentes áreas do cérebro. Erros na migração neural podem levar a distúrbios neurológicos, como autismo e epilepsia.

O livro explora como a plasticidade neural e a migração neural estão interligadas, mostrando como a capacidade do cérebro de se adaptar e mudar é fundamental para garantir um desenvolvimento saudável. Além disso, destaca como a plasticidade neural pode ser influenciada por fatores genéticos, ambientais e experiências de vida.

Migração neural: é assim que as células nervosas se movem

Migração neural: é assim que as células nervosas se movem 1

Nosso cérebro é constituído por um grande número de neurônios que se encaixam como um enorme quebra-cabeça. Graças ao fato de todos estarem na posição correta, nosso sistema nervoso pode funcionar com capacidade total e sem problemas.

No entanto, os neurônios não nascem mais em sua posição final. Mas eles se formam em outra região do sistema nervoso e devem percorrer um longo caminho até chegarem ao seu destino. Essa fase da formação do cérebro é conhecida como migração neuronal . Qualquer anomalia no seu desenvolvimento pode causar malformações graves no sistema nervoso e, consequentemente, um grande número de distúrbios neurológicos.

O que é migração neuronal?

Nosso cérebro é composto de centenas de milhares de neurônios. Um grande número dessas células nervosas se origina em locais diferentes dos que ocuparão após a chegada da idade adulta .

Esse processo é conhecido como migração neuronal, e a maioria ocorre durante o desenvolvimento embrionário , especificamente entre 12 e 20 semanas de gestação. Durante esse período, os neurônios são gerados e viajam através de nosso cérebro até se estabelecerem em sua posição final.

Esse deslocamento é possível graças aos sinais de outros neurônios, que já estão em sua posição final e desempenham um papel semelhante ao de um semáforo que direciona o tráfego, enviando diferentes tipos de sinais aos quais os neurônios respondem no processo de migração

Esse procedimento migratório ocorre da zona ventricular do tubo neural, de onde os neurônios se originam, até o local designado por eles. Durante o início da migração neuronal, essas células estão localizadas entre a zona ventricular e a zona marginal , que formam a zona intermediária, um espaço de localização transitória.

A migração neural ocorre em diferentes fases e é altamente complicada. uma vez que essas células nervosas devem percorrer uma grande distância e evitar numerosos obstáculos, para que o cérebro possa se desenvolver completa e satisfatoriamente. Para fazer isso, eles são auxiliados por um tipo de célula que forma o que é conhecido como glia radial e exerce a função de andaime através do qual os neurônios migrantes se movem.

Quando algumas dessas fases da migração neuronal não são realizadas corretamente, elas podem aparecer desde alterações na organização do cérebro até malformações cerebrais muito importantes.

  • Você pode estar interessado: ” Células gliais: muito mais que cola de neurônios “

Fases da migração

Como mencionado na seção anterior, o processo de migração neuronal ocorre em diferentes fases, especificamente em três, das quais todas e cada uma delas são essenciais para o sucesso da formação cortical. Esses estágios da migração neuronal são os seguintes.

1. Fase de proliferação celular

Nesta primeira fase, que ocorre a partir do dia 32 do ciclo gestacional, as células nervosas ou neurônios se originam.

Um grande número desses neurônios nascem nas áreas germinativas ou matrizes germinais, daí o nome da fase. Essas áreas estão localizadas nas paredes dos ventrículos laterais.

2. Fase de Migração Neural

Ao longo desta segunda fase, quando a migração neuronal ocorre. Ou seja, os neurônios deixam seu local de origem para avançar para sua posição final.

Este processo ocorre graças ao sistema radial glial. Nesse sistema, uma célula que ainda não está presente no cérebro adulto guia os neurônios para sua posição.

3. Fase de organização horizontal e vertical

Nesta última fase, ocorre a diferenciação e subsequente organização dos neurônios. Devido à complexidade desta etapa final, o seguinte explicará em que consiste e quais são suas particularidades.

Como ocorre a diferenciação?

Quando o neurônio atinge sua localização final é quando a fase de diferenciação começa , atingindo todas as qualidades morfológicas e fisiológicas de um neurônio totalmente desenvolvido. Essa diferenciação depende tanto de como esse neurônio é geneticamente pré-configurado, quanto da interação com outros neurônios e da criação das vias de conexão.

No nosso sistema nervoso, assim como no resto dos vertebrados, as células neurais se diferenciam devido a diferentes células progenitoras; que estão localizados em locais específicos do tubo neural.

Uma vez concluído o processo de diferenciação, os neurônios são organizados unindo-se , encerrando o processo de migração neuronal e finalizando completamente o desenvolvimento do nosso cérebro.

Relacionado:  O comprimento dos dedos indicaria o risco de sofrer de esquizofrenia

Defeitos neste processo biológico

Conforme detalhado no primeiro ponto, qualquer anomalia no curso da migração neuronal pode ter consequências na formação do nosso cérebro ; de malformações a alterações na organização cerebral.

As malformações mais graves estão associadas a alterações no desenvolvimento intelectual e nas epilepsias, enquanto nos problemas organizacionais o cérebro tem uma aparência externa correta, mas as conexões neurais são muito danificadas porque seu arranjo correto no cérebro não ocorreu.

Entre as causas dessas falhas estão:

  • Falha total na migração.
  • Migração interrompida ou incompleta .
  • A migração foi desviada para outro local do cérebro.
  • Nenhuma parada de migração.

Em relação às consequências desses defeitos na migração. Um desenvolvimento anormal do processo pode levar a um grande número de distúrbios e distúrbios. Entre esses distúrbios, podemos encontrar:

1. Lisencefalia

A lisencefalia é a conseqüência mais grave de uma falha da migração neuronal. Nesse caso, os neurônios iniciam sua migração, mas não conseguem concluí-la, o que causa sérias deformidades no cérebro.

Dependendo da gravidade da malformação, a lisencefalia pode ser dividida em três subtipos diferentes:

  • Lisencefalia Leve: Este tipo de malformação causa distrofia muscular congênita de Fukuyama , caracterizada por hipotonia ocasional, fragilidade e exaustão geral na criança, distúrbio do desenvolvimento intelectual e epilepsia.
  • Lisencefalia Moderada: A consequência direta desse grau de lisencefalia é a Doença Cerebral dos Olhos Musculares, cujos sintomas são distúrbios do desenvolvimento intelectual, convulsões mioclônicas e distrofia muscular congênita.
  • Lisencefalia Grave: Externalizada pela Síndrome de Walder-Walburg , que causa anormalidades graves no sistema nervoso, doenças oculares e distrofia muscular. Pacientes nascidos com esse tipo de malformação morrem após alguns meses de idade.

2. Heterotopia periventricular

Nesse caso, o problema ocorre devido a uma alteração no início da migração. Isso afeta um pequeno grupo de neurônios que se acumulam em locais diferentes daqueles que normalmente correspondem a eles.

Nesses casos, a pessoa experimenta fortes convulsões que emergem durante a adolescência . Além disso, embora geralmente tenham inteligência normal, alguns pacientes apresentam problemas de aprendizado.

3. Polimirogiria

Na polimicrogiria, o arranjo da massa neural cria pequenas convulsões anormais que são separadas por sulcos superficiais, criando uma superfície cortical irregular.

Nesta condição, dois tipos de polimicrogiria podem ser distinguidos com diferentes condições clínicas:

  • Polimicrogiria unilateral : manifesta-se por irregularidades no campo visual, convulsões focais, hemiparesia e distúrbios cognitivos.
  • Polimicrogiria bilateral : Esta malformação ocorre mais comumente e está relacionada a um grande número de sintomas e condições clínicas, como polimicrogiria frontoparietal bilateral bilateral ou síndrome perisilviana bilateral congênita.

4. Schiscephaly

A ciscefalia se diferencia por apresentar um volume normal de substância cinzenta, mas com alterações nas curvas de tamanho menor e mais superficiais do que o habitual e cercadas por sulcos muito rasos.

Essa patologia não apresenta sintomas clínicos específicos , mas estes podem variar dependendo da extensão e localização das áreas afetadas. Em alguns casos, condições clínicas visíveis podem não se manifestar, enquanto em outras pessoas podem sofrer episódios epiléticos de intensidade variável.

5. Outros

Outras alterações neurológicas que se originam de uma alteração da migração neuronal são:

  • Heterotropia em banda subcortical.
  • Holoprosencefalia
  • Colpocefalia .
  • Porencefalia .
  • Hidranencefalia

Deixe um comentário