Modernismo literário: contexto histórico, características, temas, autores e obras

Modernismo literário: contexto histórico, características, temas, autores e obras

A literatura modernista  foi um movimento literário que se desenvolveu no final do século XIX e no início do século XX. Caracterizou-se por sua estética preciosa, pela exaltação e refinamento dos sentidos e pelo uso de imagens e lugares exóticos.

Além disso, o movimento modernista destacou-se por fugir de questões políticas e sociais em suas obras, concentrando-se principalmente na perfeição da linguagem e na criação de mundos mágicos e distantes. Da mesma forma, sentimentos e paixões humanas também foram um tópico de interesse para os escritores desse fenômeno literário.

Alguns autores consideram que o modernismo nasceu com a publicação da coleção de poesia Azul (1888) do autor Rubén Darío. Este trabalho foi escolhido devido ao impacto que causou em seu tempo; a coleção de poesias serviu de inspiração para outros grandes autores do momento, como Amado Nervo e Manuel Díaz Rodríguez.

O modernismo literário nasceu como conseqüência do positivismo dominante do momento, uma maneira de pensar cuja abordagem científica e mercantilista rejeitava manifestações subjetivas. Em outras palavras, a literatura modernista surgiu como uma rejeição a essa tendência filosófica porque os artistas se sentiam sufocados diante dos processos industriais e do excessivo pragmatismo da época.

Em linhas gerais, o modernismo significou uma mudança na maneira de perceber a linguagem, a beleza e as métricas. Foi uma renovação estética que permeou a cultura ibero-americana de maneira notável.

Essa tendência literária foi tão importante na história da literatura que muitos críticos ainda se dedicam a estudá-la e analisá-la. Além disso, constitui parte fundamental das disciplinas ensinadas sobre literatura nas escolas e universidades.

Contexto histórico do modernismo literário

Segundo escritores renomados como Octavio Paz, o estilo modernista nasceu como uma resposta ao positivismo; O último consistia em uma posição filosófica que defendia o conhecimento científico, útil e verificável acima de qualquer outro método ou disciplina.

Diante desse rigor, vários artistas decidiram criar um estilo que recuperasse as manifestações subjetivas e sensíveis do homem; o objetivo do modernismo era simplesmente criar beleza e chocar o leitor através das palavras, removendo qualquer significado utilitário.

A evasão da realidade como parte da consciência modernista

O modernismo surgiu em um momento histórico em que as nações hispano-americanas estavam construindo sua identidade. No entanto, diferentemente das outras correntes estéticas, o estilo modernista destacou-se da abordagem política e social para se dedicar à criação de uma atmosfera mágica, sensível e bucólica (isto é, relacionada à natureza e ao campo).

Além disso, essa tendência foi inspirada no estilo francês para desenvolver o seu próprio; Isso fez do modernismo um fenômeno estranho na língua espanhola, já que a prática usual da época era a literatura espanhola se dedicar a representar as realidades da Península Ibérica ou americana.

Por exemplo, de um período semelhante foi a famosa Geração de 98, composta por um grupo de escritores e ensaístas que foram caracterizados principalmente por sua preocupação com a realidade social e política espanhola.

Por essa razão, afirma-se que o modernismo foi um movimento estranho que, em vez de representar as crises sociais e políticas em suas obras, preferiu a evasão como uma abordagem ideológica.

Os escritores modernistas, desiludidos com sua realidade, optaram por criar um espaço cheio de lugares distantes e natureza exótica. Além disso, em seus textos há também uma busca por preciosidade (uma tendência literária que busca refinar e embelezar expressões) e sentimentos humanos acompanhados de certas nuances eróticas.

Relacionado:  Tilde Dierética: Características e Exemplos

Por que o termo “modernismo”?

Foi Rubén Darío quem cunhou o termo “modernismo” para a corrente durante seu treinamento. Quando o poeta se referiu a essa tendência, ele disse que era “o novo espírito das letras”.

O termo “modernismo” é mencionado para destacar que o que é escrito sob esse estilo literário está de acordo com o que é vivido no momento histórico. Para fortalecer as raízes do modernismo literário, era necessário algo tangível, indo além das palavras no ar.

Tendo compreendido essa realidade, Rubén Darío publicou seu livro Azul em 1888. Insatisfeito com isso, em 1896, o poeta nicaragüense consolidou o movimento modernista com seu livro Prosas Profanas.

Características do modernismo literário

O modernismo literário foi caracterizado pelo seguinte:

– Quebra de regras anteriores

O modernismo literário rompeu com os estereótipos de rima e métrica que prevaleceram por tanto tempo, após a colonização espanhola.

Isso dá ares de liberdade e emancipação às letras, permitindo maior expressividade e dando origem ao que mais tarde se tornaria conhecido como “antipoesia”.

– Opõe-se à centralização do pensamento

Abre-se ao mundo, opondo-se abertamente ao regionalismo. Ele considera o poeta um “cidadão do mundo”, pois todo tema tem um lugar, toda cultura, não há vínculo com um costume em particular.

Essa característica o fez merecer a desgraça de muitos conservadores da época.

– Defende a independência poética do indivíduo

Cada poeta tem seu estilo único, sendo uma linguagem da alma humana. Cada indivíduo tem seu som apropriado, sua letra apropriada.

Se há algo que une os representantes desse movimento literário, é a paixão com a qual eles abordam seus temas: ou você é muito pessimista (o caso claro de Rubén Darío) ou é muito feliz (como Martí), e assim por diante. Não há termos intermediários, mas uma rendição retumbante ao sentimento.

– Rejeitar a realidade

Como mencionado acima, os escritores modernistas preferiram evitar os eventos sociais e políticos de seu tempo. Consequentemente, seus poemas ou escritos geralmente não se referem ao contexto histórico ou à realidade que estavam enfrentando.

– Use um estilo precioso

Os modernistas foram inspirados pela preciosidade francesa para desenvolver seu estilo; Essa corrente foi focada na busca pela beleza e no refinamento de formas e imagens. Isso pode ser visto no seguinte exemplo:

“(…) Ele não quer mais o palácio, nem a roda de prata,

Nem o falcão assombrado, nem o bobo da corte escarlate,

Nem os cisnes unânimes no lago azul (…) ”( Sonatina , Rubén Darío).

– Introduzir musicalidade em poemas e outros escritos

A estética modernista era caracterizada por suas frases musicais; os escritores obtiveram esse efeito com ritmos muito acentuados e outros recursos, como aliteração (repetição de sons) e sinestesia (unindo duas sensações ou imagens de significados muito diferentes. Por exemplo: “Sonora solitude”).

A musicalidade pode ser vista nos seguintes versos de Rubén Darío:

“Juventude, tesouro divino,

Você saiu para não voltar!

quando eu quero chorar, eu não choro

Relacionado:  Metadiscurso: Características e Exemplos

e às vezes choro sem querer. ”

– Use lugares e imagens exóticas

Os textos modernistas são principalmente inspirados em lugares exóticos e culturas antigas; por esse motivo, é comum encontrar paisagens que descrevem regiões do Oriente (como a Índia), selvas cheias de natureza exuberante, lugares mitológicos, entre outras.

– Competir com o romantismo

Os representantes do modernismo mostraram competição contínua com o romantismo. Consideravam a poesia romântica uma manifestação sobrecarregada de lógica e razão, aspectos que aprisionavam a imaginação e o próprio poeta.

O romantismo era considerado um elo para o verdadeiro sentimento do poeta.

– Sincretização religiosa

Os poetas modernistas pegaram o que consideravam o melhor de todas as religiões do mundo: hinduísmo, cristianismo, budismo e uniram-na em uma espécie de tratado perfeito sobre a coexistência dos seres.

O modernismo literário procurou unir os homens através de cartas, focadas naquelas coisas comuns e relacionadas. Procurou unificar os critérios e dar origem a uma verdadeira convivência.

Temas do modernismo literário

Os temas mais recorrentes na estética modernista foram os seguintes:

– Solidão e melancolia

A busca por beleza e evasão não impediu que os escritores modernistas adicionassem uma nuance triste, melancólica e solitária às suas obras. Isso demonstrou a decepção desses artistas diante da realidade e da sociedade de seu tempo.

Isso é visto no seguinte poema de Amado Nervo:

“Olhe para a lua: rasgando o véu

fora da escuridão, começa a brilhar.

Então subiu acima do meu céu

a estrela fúnebre da tristeza. ” ( Pérolas negras V )

– Histórias mitológicas

O modernismo foi caracterizado pela implementação de referências a histórias e narrativas mitológicas. Por esse motivo, é comum encontrar caracteres extraídos da cultura greco-latina. Isso é visto no poema Vênus de Rubén Darío, que se refere à deusa do amor.

– Amor e erotismo

Amor e erotismo eram temas recorrentes nos textos modernistas. Esses elementos geralmente se manifestavam através da imagem das mulheres.

Tais elementos podem ser encontrados, por exemplo, no poema mencionado anteriormente: Venus, de Rubén Darío. Eles também são encontrados no poema Soñé que tú me carregou , de Antonio Machado.

– Lugares exóticos e distantes  

Natureza e lugares estranhos também eram elementos recorrentes para escritores modernistas. Portanto, é comum encontrar referências a civilizações orientais, palácios luxuosos, princesas, sultões, entre outros.

– Natureza exuberante e temas indígenas

Normalmente, imagens da natureza eram inspiradas na fauna e flora americanas. Isso pode ser visto, por exemplo, no poema de verão de Rubén Darío.

Da mesma forma, embora a tendência modernista tenha sido influenciada pelo estilo francês, os escritores do modernismo preferiam paisagens locais e civilizações pré-hispânicas. De fato, em muitas ocasiões eles defenderam e reivindicaram a figura do índio americano nativo.

Autores e trabalhos representativos

O estilo modernista foi usado por muitos escritores ao longo da história. No entanto, alguns dos mais proeminentes foram:

– Rubén Darío (1867-1916)

Considerado pelos críticos como o pai do modernismo. Além de sua obra emblemática Azul (onde não só existem poemas, mas também contos), o escritor nicaragüense também foi aclamado por sua coleção de poesia Cantos de vida y esperanza, cinemas e outros poemas (1905) e por seu livro Los raros (1896 ), onde ele compilou seus autores favoritos.

Relacionado:  Rosario Castellanos: biografia, estilo, obras e frases

– Amado Nervo (1870-1919)

O mexicano Amado Nervo foi um dos mais importantes representantes modernistas. Nervo não apenas escreveu poesia; ele também fez romances e ensaios. Entre suas obras mais famosas, destaca-se The Interior Gardens (1905), onde o autor utiliza linguagem preciosa e muitos elementos relacionados à natureza.

– Manuel Díaz Rodríguez (1871-1927)

Era um escritor venezuelano, conhecido pelo estilo modernista. Isso pode ser visto em Broken Idols (1901), onde o autor levanta o problema enfrentado pelos intelectuais e artistas da época diante de uma sociedade cada vez mais capitalista e superficial.

– José Assunção Silva (1865-1896)

Ele era um poeta colombiano, lembrado por ter sido um precursor do movimento modernista. De fato, ele fez parte da primeira geração de poetas que se dedicaram a essa tendência literária. Seu texto mais famoso é O Livro dos Versos , precioso, mas melancólico e sombrio. É assim que se vê nos versículos:

“Em uma cova estreita e fria,

Longe do mundo e da vida louca,

Em um caixão preto com quatro pratos

Com muita sujeira entre a boca “

– Antonio Machado (1875-1939)

Na realidade, o poeta espanhol Antonio Machado era membro da Geração de 98, e é por isso que muitos de seus poemas estavam relacionados à realidade espanhola.

No entanto, alguns de seus textos foram influenciados pelo estilo modernista; É assim que pode ser visto em seus poemas Soledades (1903), obra imbuída de serenidade e nostalgia.

– José Martí (1853-1895)

Foi jornalista, poeta e pensador cubano, também considerado pelos críticos como um dos precursores do modernismo. Um de seus textos mais aclamados é o ensaio Nuestra américa (1891), no qual o autor reflete sobre os problemas do continente.

Embora Martí não tenha praticado a evasão da realidade neste ensaio, a maneira como ele usou linguagem e imagens tem uma nuance modernista.

– Julián del Casal (1863-1893)

Ele era um poeta de nacionalidade cubana, lembrado por ser uma das figuras mais emblemáticas do modernismo. De fato, ele manteve uma estreita amizade com Rubén Darío. Uma de suas obras mais destacadas foi a coleção de poemas Deixa no vento (1890), onde o poeta se refere a lugares amorosos, melancólicos e exóticos.

Referências

  1. Abril, J. (2017) A noção de viagem em Rubén Darío. Recuperado em 30 de março de 2020 de cuadernoshispanoamericaos.com
  2. Ferrada, R. (sf) O modernismo como processo literário . Retirado em 29 de março de 2020 de Scielo: scielo.conicty.cl
  3. Girardot, R. (sf) Modernismo e seu contexto histórico-social. Recuperado em 30 de março de 2020 da Biblioteca Virtual de Cervantes: cvc.cervantes.es
  4. Rodríguez, D. (sf) Modernismo: contexto histórico, características, temas, etapas . Retirado em 30 de março de 2020 de Lifeder: lifeder.com
  5. SA (2012) Visão geral do modernismo literário: autores, contexto e estilo . Retirado em 30 de março de 2020 de Study.com
  6. SA (sf) Modernismo: períodos e movimentos da literatura. Retirado em 29 de março de 2020 da Online Literature: online-literature.com
  7. SA (sf) Modernismo. Recuperado em 30 de março de 2020 da Wikipedia: en.wikipedia.org
  8. SA (sf) O que é o modernismo literário? Retirado em 30 de março de 2020 de poemanalysis.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies