Nacionalismo musical: características, espanhol, mexicano, argentino

O nacionalismo musical é um movimento artístico que surgiu no final do século XIX e início do século XX, buscando valorizar e exaltar a cultura e identidade de um país por meio da música. Na Espanha, o nacionalismo musical foi representado por compositores como Isaac Albéniz e Manuel de Falla, que utilizaram elementos da música folclórica espanhola em suas composições. No México, o nacionalismo musical foi marcado por compositores como Silvestre Revueltas e Carlos Chávez, que incorporaram ritmos e temas da música tradicional mexicana em suas obras. Já na Argentina, o nacionalismo musical foi representado por compositores como Alberto Ginastera e Astor Piazzolla, que exploraram elementos da música folclórica argentina em suas composições, criando um som distintamente argentino. Esses três países tiveram um papel importante no desenvolvimento do nacionalismo musical e deixaram um legado duradouro na música clássica.

Conheça a famosa música argentina que conquistou o mundo com seu ritmo envolvente.

O Nacionalismo musical é um movimento que busca valorizar as tradições musicais de um país, incorporando elementos da cultura local em suas composições. Dentre os países que se destacam nesse movimento estão o espanhol, o mexicano e o argentino.

Na Argentina, a música folclórica tem grande influência no Nacionalismo musical. Um dos maiores sucessos desse gênero é a famosa música “La Cumparsita”, que conquistou o mundo com seu ritmo envolvente e suas melodias marcantes.

Composta por Gerardo Matos Rodríguez em 1916, “La Cumparsita” é considerada o hino do tango argentino. Sua combinação de instrumentos como a guitarra e o bandoneón, juntamente com sua letra emocionante, fazem dela uma das músicas mais reconhecidas internacionalmente.

O Nacionalismo musical argentino também se destaca por valorizar as tradições indígenas e africanas, incorporando ritmos e instrumentos característicos dessas culturas em suas composições. Isso contribui para a riqueza e diversidade da música do país.

Portanto, se você ainda não conhece “La Cumparsita”, não perca a oportunidade de se encantar com essa música argentina que conquistou o mundo com seu ritmo envolvente e suas raízes culturais marcantes.

A evolução da música argentina: dos ritmos folclóricos ao tango e rock internacional.

O Nacionalismo musical é um movimento que busca resgatar as tradições e identidade de um país por meio da música. Caracterizado pela utilização de elementos culturais locais, ele se manifesta de maneira única em cada região do mundo. Na Espanha, por exemplo, o Nacionalismo musical está presente nas obras de compositores como Isaac Albéniz e Manuel de Falla, que incorporam ritmos e melodias tradicionais espanholas em suas composições.

No México, o Nacionalismo musical é marcado pela influência da música indígena e folclórica, que se reflete nas obras de compositores como Silvestre Revueltas e Carlos Chávez. A riqueza e diversidade da cultura mexicana são evidentes nas composições que combinam elementos tradicionais com técnicas modernas.

Já na Argentina, a evolução da música reflete a mistura de influências europeias e indígenas que caracterizam a identidade cultural do país. Os ritmos folclóricos, como a chacarera e o zamba, são expressões autênticas da cultura argentina, marcadas pelo uso de instrumentos como a guitarra e o bandoneón.

O tango, por sua vez, é um gênero musical que nasceu nas ruas de Buenos Aires e se tornou um símbolo da Argentina em todo o mundo. Com suas letras melancólicas e ritmo cadenciado, o tango reflete as emoções e a vida nas cidades portenhas, tornando-se uma das principais expressões do Nacionalismo musical argentino.

Com o passar do tempo, a música argentina foi influenciada por estilos internacionais, como o rock e o pop. Bandas como Soda Stereo e Los Fabulosos Cadillacs levaram a música argentina para além das fronteiras do país, conquistando fãs em todo o mundo e mostrando a diversidade e criatividade da cena musical argentina.

Tradição musical argentina em destaque: sons autênticos de um país rico em cultura.

O Nacionalismo musical é um movimento artístico que surgiu no século XIX e teve grande influência na música erudita de diversos países, como Espanha, México e Argentina. Cada país desenvolveu características próprias em suas composições, buscando valorizar suas raízes culturais e tradições.

A tradição musical argentina se destaca pela mistura de influências indígenas, europeias e africanas, resultando em uma rica diversidade sonora. Instrumentos como a guitarra, o bandoneón e o bombo leguero são frequentemente utilizados para criar uma sonoridade única e autêntica.

Relacionado:  Como foi o traje da cultura de Teotihuacan?

Os compositores argentinos, como Astor Piazzolla e Carlos Gardel, são reconhecidos mundialmente por suas contribuições para a música popular e erudita. Suas obras refletem a identidade cultural do país, incorporando elementos do tango, da milonga e da música folclórica.

O Nacionalismo musical argentino se destaca pela valorização da identidade nacional, pela busca por uma linguagem musical autêntica e pela incorporação de elementos folclóricos em suas composições. Essa abordagem única e genuína contribui para a preservação e difusão da rica cultura musical argentina.

A evolução dos ritmos e gêneros musicais da América Latina ao longo dos séculos.

A música na América Latina tem uma rica história de evolução ao longo dos séculos, refletindo a diversidade cultural e influências de diferentes povos. O Nacionalismo musical é um movimento que surgiu no século XIX e teve grande impacto na música latino-americana, buscando valorizar as tradições e identidade de cada país.

No caso da Espanha, a música nacionalista se caracteriza por elementos como o uso de ritmos e melodias tradicionais, como o flamenco e a música folclórica. Compositores como Manuel de Falla e Isaac Albéniz foram importantes representantes desse movimento, incorporando elementos da cultura espanhola em suas obras.

O México também teve um papel significativo no Nacionalismo musical, com compositores como Carlos Chávez e Silvestre Revueltas explorando temas e ritmos mexicanos em suas composições. A música mexicana tradicional, com sua rica mistura de influências indígenas e europeias, foi uma fonte de inspiração para esses artistas.

Já na Argentina, o Nacionalismo musical se manifestou através de compositores como Alberto Ginastera e Astor Piazzolla, que incorporaram elementos do tango e da música folclórica argentina em suas obras. O tango, em particular, tornou-se um símbolo da identidade musical argentina, refletindo as tradições e emoções do povo.

A evolução dos ritmos e gêneros musicais da América Latina ao longo dos séculos é um reflexo da diversidade cultural e das influências históricas que moldaram a música da região. O Nacionalismo musical desempenhou um papel fundamental nesse processo, valorizando as tradições e identidade de cada país e enriquecendo o cenário musical latino-americano.

Nacionalismo musical: características, espanhol, mexicano, argentino

O nacionalismo musical une todos os estilos que melhoram características identificadas com as suas tradições culturais no nível regional ou nacional. Os ritmos, melodias ou temas das músicas geralmente estão intimamente ligados ao folclore popular.

Foi catalogado como a resposta dos países ao surgimento do romantismo musical, que foi dominado por autores alemães no século XIX. No entanto, foi mais longe, pois foi um movimento que se desenvolveu em diferentes partes do mundo e procurou agrupar pessoas em torno de sua própria cultura.

Nacionalismo musical: características, espanhol, mexicano, argentino 1

Josef Danhauser [Domínio público]. via Wikimedia Commons

Os ritmos conhecidos como música folclórica , étnica ou tradicional eram geralmente a base sonora do nacionalismo musical que, regularmente, era conjugado com ideais de liberdade e independência, tanto de um domínio real quanto ideológico de um povo sobre o outro.

Também aqueles países que tiveram que se redefinir na imaginação popular de seus próprios habitantes aproveitaram os benefícios que o nacionalismo musical dava, como foi o caso da Espanha após a perda de seu império, que já foi um dos maiores, mais prósperos e poderosos do país. mundo

Da mesma forma, na América Latina, emergiram diferentes focos do nacionalismo musical, através dos quais os países recém-criados buscavam uma identidade redefinida com o uso de suas experiências particulares.

Nacionalismo

Nacionalismo é um conceito que ganhou força durante o século XIX. Alguns o definem como sentimento, outros como teoria ou doutrina, que cria em uma determinada população uma unidade fundamentada em identidade cultural, lealdade ao país e território em que nasce e cuja história é compartilhada por indivíduos.

Entre os vários elementos que contribuíram para a criação desse fenômeno estão linguagem, religião, tradição e limites naturais que existem em um espaço geográfico.

Relacionado:  Antonio José de Sucre, Grande Marechal de Ayacucho: biografia

De qualquer forma, a cultura é um importante reforço ideológico que sempre promoveu o nacionalismo nas aldeias.

Origem e História

Acredita-se que o nacionalismo musical tenha surgido em oposição ao domínio existente na esfera acadêmica de três potências européias, como a França, a Itália e a Alemanha em algum momento.Então, vários autores começaram a dar ao trabalho características particulares relacionadas à sua própria cultura.

Embora alguns teóricos afirmem que ele se opunha ao romantismo alemão, outros sugerem que era apenas contra o próprio alemão, mas fazia parte dos movimentos românticos do século XIX, com a adição de que eles aprimoravam a cultura de cada região.

Franz Liszt é visto, não apenas como um dos principais expoentes do nacionalismo musical, mas também como um de seus precursores. Seus rapsódias húngaros serviram como exemplo da introdução do folclore tradicional à música acadêmica.

Muitos consideram a figura de Napoleão Bonaparte como um dos gatilhos do nacionalismo europeu, já que os países decidiram se unir para repelir forças estrangeiras. Foi mais tarde quando o papel da música veio reforçar os valores da unidade e autodeterminação dos Estados.

Nacionalismo musical: características, espanhol, mexicano, argentino 2

Jean Auguste Dominique Ingres [Domínio público]. via Wikimedia Commons

No entanto, o nacionalismo musical foi um fenômeno praticamente global, uma vez que nos países do continente americano também teve popularidade, principalmente nos Estados Unidos, Brasil, Argentina e México.

Caracteristicas

– O principal no nacionalismo musical era encontrar um sentimento de pertença na arte. Ou seja, eles constantemente buscavam inspiração nas tradições do país.

– O tradicional ganhou destaque para ser considerado uma referência clara do que é compartilhado com orgulho por todos os membros da sociedade nacional.

– Incluídos regularmente instrumentos de folclore ou música popular, para alcançar a interpretação dos ritmos e sons derivados deles.

– Novas formas de composição foram criadas que não replicavam as tradições francesas, alemãs e italianas.

– Foi usado como símbolo de rebelião contra os poderes que, em algum momento, representavam algum tipo de opressão pela liberdade e autodeterminação de um determinado Estado.

– A composição foi mais aberta, deixando espaço para que eles levassem em conta e se fundissem com trabalhos acadêmicos com outros tipos de expressões artísticas, como dança, poesia ou atuação.

Nacionalismo musical espanhol

Uma das principais faces desse gênero na Espanha foi o compositor original Felipe Pedrell, de Tortosa, em Tarragona. Ele promoveu uma escola lírica independente da influência estrangeira no final do século XIX. Ele foi inspirado pelo Renascimento e pelo barroco espanhol.

Nacionalismo musical: características, espanhol, mexicano, argentino 3

Felipe Pedrell. phot. Lokner [Domínio público] via Wikimedia Commons

No final daquele século, a música se tornou uma arte importante para os espanhóis, que encontraram nela uma nova maneira de se identificar como nação. Ritmos populares como fandangos e malagueñas foram introduzidos nas novas obras.

Outro dos grandes expoentes do nacionalismo musical espanhol foi Francisco Asenjo Barbieri. O trabalho deste último compositor estava vinculado às artes do espetáculo, pois ele era responsável por fortalecer o teatro musical na forma de zarzuelas.

Entre as composições mais conhecidas de Asenjo Barbieri estão Play with Fire (1851), Bread and Bulls (1864) e El barberillo de Lavapies (1874).

A partir desses dois personagens, o nacionalismo musical espanhol continuou a tomar forma. Eles formaram alguns discípulos que seguiram os passos de Barbieri e Pedrell. Entre os nomes mais destacados estão os de Joaquín Turina, Isaac Albéniz e Enrique Granados.

Durante a última metade do século XIX e o início do século XX, foram feitas tentativas para que as novas gerações se identificassem com uma escola fundamentalmente espanhola. Entre os temas frequentes das composições, a vida nacional teve um destaque inquestionável.

Nacionalismo musical argentino

Nacionalismo musical: características, espanhol, mexicano, argentino 4

Rostos e máscaras [Domínio público]. via Wikimedia Commons

Durante o século XIX, a Argentina recebeu um grande número de imigrantes, especialmente europeus, que procuraram prosperar economicamente naquele país latino-americano, cujas perspectivas eram brilhantes na época.

Relacionado:  Bandeira do Amazonas (Colômbia): história e significado

Logo, os estrangeiros que haviam sido incluídos nos círculos intelectuais foram rejeitados pelos próprios argentinos, que viram sua identidade nacional ameaçada pela chegada súbita e maciça de influência estrangeira.

Foi então que os valores argentinos se reuniram em torno da figura tradicional do gaúcho. Por meio daquele habitante dos pampas, foram destacadas as principais características do conceito de tradicionalidade e identidade nacional.

Os primeiros compositores do nacionalismo musical argentino não se dedicaram exclusivamente a composições folclóricas. No entanto, em alguns de seus trabalhos, eles poderiam incluir elementos tradicionais.

Os verdadeiros pioneiros do resgate musical nacional argentino foram Luis J. Bernasconi e Saturnino Berón, este último autor de alguns poemas e sinfonias sinfônicos. Outros nomes de destaque dos autores de peças do nacionalismo musical argentino foram Hargreaves e Juan Alaïs.

Todo o movimento também esteve vinculado à reavaliação da dança e da música folclórica argentina que, graças ao retorno às tradições nacionais, se espalharam e popularizaram por todo o território.

Nacionalismo musical mexicano

Nacionalismo musical: características, espanhol, mexicano, argentino 5

Carlos Chavez Carl Van Vechten [Domínio público]. via Wikimedia Commons

Nesta nação, a necessidade de reafirmar sua essência social estava nas mãos da Revolução Mexicana, que causou sérios danos sociais e econômicos. No entanto, esse movimento social foi responsável por usar a cultura como um método de propaganda para espalhar raízes nacionais.

A corrente do nacionalismo musical ocupou o centro das atenções nas primeiras décadas do século XX. Um de seus precursores mais importantes foi Manuel M. Ponce, que decidiu usar elementos populares para fortalecer a música nacional.

A composição mais famosa de Ponce foi Estrellita (1912). Ele evocou raízes nacionais, dando à guitarra um papel de liderança em seu trabalho. Além disso, ele foi responsável por estudar as tradições culturais mexicanas e escrever sobre isso, o que melhorou a concepção do nacionalismo musical.

No entanto, muitos afirmam que o trabalho de Ponce foi grandemente influenciado pela tradição européia.

Diz-se então que o nacionalismo musical mexicano foi realmente desenvolvido em todo o seu potencial por Carlos Chávez, responsável pela criação de instituições de música acadêmica no país e muito próximo da política nacional.

Suas composições estavam intimamente ligadas às políticas de esquerda implementadas no país durante esse período.

Outro dos grandes expoentes do nacionalismo musical mexicano foi Silvestre Revueltas. Uma das características mais interessantes de seu trabalho foi que ele tentou se destacar da ideologia como o único fator para a promoção de tradições populares na música acadêmica.

Outros

Alguns consideram que o nacionalismo musical teve suas raízes na Rússia do século XIX, pois foi lá que o Grupo dos Cinco foi formado , consistindo em Musorgski, Balakirev, Borodin, Rimsky-Kórsakov e Cuí.

Eles receberam a tarefa de incluir nas composições musicais aquelas tradições russas que antes eram desprezadas por se afastarem da influência ocidental clássica.

Enquanto isso, na Itália, graças ao il risorgimento, a ópera era o estilo musical que compositores nacionalistas como Giuseppe Verdi adotaram.

Essas tentativas de produzir uma cultura própria com a qual as pessoas pudessem se sentir identificadas foram replicadas em muitas partes do mundo, embora fosse especialmente popular em países como Tchecoslováquia, Polônia, Hungria, Noruega, Suécia ou Finlândia.

Referências

  1. In.wikipedia.org. (2019).nacionalismo musical . [online] Disponível em: en.wikipedia.org [Acessado em 15 de fevereiro de 2019].
  2. Buffo, R. (2017). O problema do nacionalismo musical argentino.Revista IIMVC , 31, pp. 15-54.
  3. Bordón, E. (2019).Música nacionalista – Edição impressa – ABC Color . [online] Abc.com.py. Disponível em: www.abc.com.py [Acesso em 15 fev. 2019].
  4. O grande B do México. (2019).O nacionalismo musical . [online] Disponível em: imer.mx [Acessado em 15 de fevereiro de 2019].
  5. Velazco, J. (1998). Nacionalismo musical mexicano.Cuadernos de Música Iberoamericana , 6, pp. 65-78.
  6. Orozco Nuñez, M. (2017).A construção da identidade nacionalista assina na Espanha através da música nos séculos XIX e XX: a presença do folclore andaluz no nacionalismo musical espanhol . Cádis: Universidade de Cádis.

Deixe um comentário