Neurodesenvolvimento: estágios, habilidades e distúrbios

O neurodesenvolvimento é o processo pelo qual o sistema nervoso se desenvolve desde a concepção até a idade adulta. Durante esse processo, ocorrem uma série de estágios e aquisições de habilidades que são essenciais para o desenvolvimento saudável do indivíduo. No entanto, em alguns casos, podem surgir distúrbios que afetam esse desenvolvimento, prejudicando as habilidades cognitivas, motoras, sociais e emocionais da pessoa. Neste contexto, é fundamental compreender os diferentes estágios do neurodesenvolvimento, as habilidades que são adquiridas em cada fase e os distúrbios que podem surgir, a fim de promover intervenções precoces e adequadas para garantir o bem-estar e a qualidade de vida das pessoas afetadas.

Descubra os sete transtornos do desenvolvimento neurológico em detalhes.

Os transtornos do desenvolvimento neurológico são condições que afetam o funcionamento do cérebro e do sistema nervoso, causando dificuldades em áreas como linguagem, comunicação, aprendizado e comportamento. Existem sete transtornos principais que são categorizados como transtornos do neurodesenvolvimento:

1. Transtorno do Espectro do Autismo (TEA): O TEA é caracterizado por dificuldades na comunicação, interação social e comportamentos repetitivos. Pessoas com TEA podem apresentar interesses restritos e dificuldades em se adaptar a mudanças.

2. Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH): O TDAH é marcado por sintomas de desatenção, hiperatividade e impulsividade. Pessoas com TDAH podem ter dificuldades em se concentrar, seguir instruções e controlar seus impulsos.

3. Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação (TDC): O TDC afeta a coordenação motora e o controle dos movimentos, levando a dificuldades em atividades como escrever, vestir-se e praticar esportes.

4. Transtorno de Aprendizagem: Os transtornos de aprendizagem afetam a capacidade da pessoa de adquirir habilidades acadêmicas, como leitura, escrita e matemática. Dislexia e discalculia são exemplos comuns de transtornos de aprendizagem.

5. Transtorno do Desenvolvimento da Linguagem: Este transtorno envolve dificuldades na aquisição e uso da linguagem, afetando a comunicação verbal e não-verbal. Pode incluir dificuldades na compreensão, expressão e interação comunicativa.

6. Transtorno do Desenvolvimento Intelectual: O desenvolvimento intelectual abaixo da média é característico deste transtorno, afetando a capacidade cognitiva da pessoa. Pode incluir dificuldades na resolução de problemas, tomada de decisões e aprendizagem de novas informações.

7. Transtorno do Desenvolvimento da Fala e da Comunicação: Este transtorno envolve dificuldades na produção e compreensão da fala, bem como na utilização da linguagem para se comunicar. Pode incluir problemas de articulação, fluência e compreensão da linguagem.

É importante reconhecer e entender os transtornos do desenvolvimento neurológico para que as pessoas afetadas possam receber o apoio e tratamento adequados. Cada transtorno apresenta desafios específicos e requer abordagens individualizadas para melhorar a qualidade de vida da pessoa.

Distúrbios do desenvolvimento: conheça as principais condições que afetam o desenvolvimento humano.

Os distúrbios do desenvolvimento são condições que afetam o desenvolvimento humano em diferentes estágios da vida. Esses distúrbios podem ter origens genéticas, ambientais ou uma combinação de ambos. É importante estar ciente das principais condições que podem interferir no desenvolvimento normal das habilidades cognitivas, motoras, sociais e emocionais de uma pessoa.

Alguns dos distúrbios do desenvolvimento mais comuns incluem o Transtorno do Espectro Autista (TEA), a Síndrome de Down, o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), a Dislexia e a Síndrome de Asperger. Cada uma dessas condições apresenta características específicas que afetam a forma como uma pessoa se desenvolve e interage com o mundo ao seu redor.

O TEA, por exemplo, é caracterizado por dificuldades na comunicação e interação social, bem como por padrões de comportamento repetitivos e interesses restritos. Já a Síndrome de Down é causada pela presença de um cromossomo extra no par 21 e está associada a características físicas distintas, como olhos amendoados e mãos curtas.

O TDAH, por sua vez, é marcado por sintomas de desatenção, hiperatividade e impulsividade, que podem afetar o desempenho acadêmico e social da pessoa. A Dislexia é um distúrbio de aprendizagem que dificulta a leitura e a escrita, enquanto a Síndrome de Asperger está relacionada a dificuldades na interação social e na comunicação não verbal.

É fundamental que haja um diagnóstico precoce e um acompanhamento adequado para pessoas com distúrbios do desenvolvimento, a fim de garantir o suporte necessário para o seu desenvolvimento. Além disso, a inclusão e a educação especial são importantes para promover a participação ativa e a autonomia dessas pessoas na sociedade.

É essencial estar ciente das principais condições e buscar informações e apoio adequados para lidar com essas questões de forma adequada.

É uma condição de desequilíbrio no desenvolvimento neurológico?

Neurodesenvolvimento refere-se ao processo de crescimento e maturação do sistema nervoso, que ocorre desde a concepção até a idade adulta. Durante esse período, diversas habilidades cognitivas, motoras, emocionais e sociais são adquiridas e aprimoradas. No entanto, em alguns casos, esse desenvolvimento pode ser afetado por distúrbios que resultam em desequilíbrios no funcionamento do sistema nervoso.

Um distúrbio do neurodesenvolvimento é uma condição que interfere no desenvolvimento típico do cérebro e do sistema nervoso, resultando em dificuldades na aquisição de habilidades específicas. Esses distúrbios podem se manifestar de diversas formas, afetando a linguagem, a coordenação motora, a atenção, o aprendizado e o comportamento.

Alguns exemplos de distúrbios do neurodesenvolvimento incluem o Transtorno do Espectro Autista (TEA), o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), a Síndrome de Down e a Dislexia. Cada um desses distúrbios apresenta características específicas e requer abordagens de intervenção adequadas para promover o desenvolvimento das habilidades afetadas.

Relacionado:  Mioclonia: sintomas, tipos, causas e tratamento

Portanto, quando falamos sobre uma condição de desequilíbrio no desenvolvimento neurológico, estamos nos referindo a distúrbios que interferem no curso normal do desenvolvimento do sistema nervoso e que impactam a aquisição de habilidades essenciais para o funcionamento adequado do indivíduo. É fundamental identificar precocemente esses distúrbios e oferecer suporte multidisciplinar para promover o desenvolvimento saudável e a qualidade de vida das pessoas afetadas.

Transtornos do neurodesenvolvimento segundo o DSM-5: quais são as características?

Os transtornos do neurodesenvolvimento, de acordo com o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), são condições que afetam o desenvolvimento do sistema nervoso e podem causar dificuldades nas habilidades motoras, cognitivas, emocionais e sociais. Esses transtornos geralmente se manifestam na infância e continuam ao longo da vida, impactando o funcionamento diário das pessoas.

Alguns dos transtornos do neurodesenvolvimento incluem o Transtorno do Espectro Autista (TEA), o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), a Síndrome de Tourette, a Síndrome de Asperger e a Dislexia. Cada um desses transtornos apresenta características específicas que podem variar de pessoa para pessoa, mas em geral, são marcados por dificuldades na comunicação, interação social, aprendizado, atenção e controle motor.

Por exemplo, no TEA, as pessoas podem apresentar dificuldades na comunicação verbal e não verbal, padrões de comportamento repetitivos e interesses restritos. Já no TDAH, os sintomas incluem desatenção, hiperatividade e impulsividade. Na Dislexia, as pessoas têm dificuldades na leitura, escrita e ortografia.

É importante ressaltar que os transtornos do neurodesenvolvimento não são causados por falta de inteligência ou esforço, mas sim por diferenças na forma como o cérebro funciona. O diagnóstico precoce e o apoio adequado são essenciais para ajudar as pessoas com esses transtornos a desenvolverem seu potencial e superarem os desafios que enfrentam.

É fundamental reconhecer e entender esses transtornos para oferecer o suporte necessário às pessoas que convivem com eles.

Neurodesenvolvimento: estágios, habilidades e distúrbios

O neurodesenvolvimento é o nome dado para o processo natural de formação do sistema nervoso desde o nascimento até à idade adulta.É uma construção morfológica e funcional excepcional, perfeitamente projetada por dois arquitetos fundamentais: genes e experiência.

Graças a eles, as conexões neurais se desenvolverão. Eles serão organizados em uma rede complexa que será responsável por funções cognitivas, como atenção, memória, habilidades motoras, etc.

Neurodesenvolvimento: estágios, habilidades e distúrbios 1

Os genes e o ambiente em que o indivíduo se desenvolve geralmente interagem entre si e influenciam o desenvolvimento em conjunto. No entanto, o grau de participação de cada um parece variar de acordo com o estágio de desenvolvimento em que estamos.

Assim, durante o desenvolvimento embrionário, a principal influência vem da genética. Nesse período, os genes determinarão a formação e organização adequadas dos circuitos cerebrais. Tanto aqueles associados a funções vitais (tronco cerebral, tálamo, hipotálamo …), quanto aqueles que constituem as áreas corticais cerebrais (áreas sensoriais, motoras ou de associação).

Através de numerosos estudos, sabe-se que o neurodesenvolvimento continua até o final da adolescência ou início da idade adulta. No entanto, o bebê já nasceu com um cérebro surpreendentemente desenvolvido em sua organização.

Com exceção de alguns núcleos neuronais específicos, quase todos os neurônios são criados antes do nascimento. Além disso, eles surgem em uma parte do cérebro que não é sua residência final.

Mais tarde, os neurônios devem se mover através do cérebro para serem colocados em seu devido lugar. Esse processo é chamado de migração e é programado geneticamente.

Se houver falhas nesse período, podem surgir distúrbios no desenvolvimento neurológico, como agenesia do corpo caloso ou lisencefalia. Embora também tenha sido associado a distúrbios como esquizofrenia ou autismo.

Uma vez localizados, os neurônios estabelecem uma infinidade de conexões entre eles. Por meio dessas conexões, emergirão as funções cognitivas, socioemocionais e comportamentais que constituirão a identidade de cada pessoa.

O ambiente começa a exercer seus efeitos assim que o bebê nasce. A partir desse momento, o indivíduo será exposto a um ambiente exigente que modificará parte de suas redes neurais.

Além disso, novas conexões surgirão para se adaptar ao contexto histórico e cultural em que está localizada. Essas alterações plásticas cerebrais são o resultado da interação entre os genes neuronais e o meio ambiente, conhecido como epigenética.

Esta declaração de Sandra Aamodt e Sam Wang (2008) ajudará você a entender a idéia:

“Os bebês não são esponjas esperando para absorver tudo o que acontece com eles. Eles vêm ao mundo com cérebros prontos para procurar certas experiências em certos estágios de desenvolvimento. ”

Estágios anatômicos do neurodesenvolvimento

Neurodesenvolvimento: estágios, habilidades e distúrbios 2

Em geral, duas fases específicas do neurodesenvolvimento podem ser definidas. São neurogênese ou formação de sistema nervoso e maturação cerebral.

Como mencionado, esse processo parece terminar no início da vida adulta, com a maturação das áreas pré-frontais do cérebro.

Primeiro, as partes mais primitivas e básicas do sistema nervoso se desenvolvem. Progressivamente são formados aqueles de maior complexidade e evolução, como o córtex cerebral.

O sistema nervoso humano começa a se desenvolver aproximadamente 18 dias após a fertilização. Naquele momento, o embrião possui três camadas: o epiblasto, o hipoblasto e o amnion.

O epiblasto e o hipoblasto gradualmente dão origem a um disco composto por três camadas celulares: o mesoderma, o ectoderma e o endoderme.

Relacionado:  Forebrain: características, desenvolvimento e diferenciação

Cerca de 3 ou 4 semanas de gestação, o tubo neural começa a se formar. Para isso, desenvolvem-se dois espessamentos que se unem formando o tubo.

Uma de suas extremidades dará origem à medula espinhal, enquanto a outra dará origem ao cérebro. O oco do tubo se tornará os ventrículos cerebrais.

No 32º dia de gestação, serão formadas 6 vesículas que darão origem ao sistema nervoso como o conhecemos. Estes são:

– A medula espinhal

– O micéfalo, que levará à medula oblonga.

– O metencéfalo, que dará origem ao cerebelo e à ponte.

– O mesencéfalo, que se tornará o tegmento, a lâmina quadrigeminal e os pedúnculos cerebrais.

– O diencéfalo, que evoluirá no tálamo e no hipotálamo.

O telencéfalo. De onde emergirá parte do hipotálamo, sistema límbico, estriado, gânglios da base e córtex cerebral.

Cerca de 7 semanas, os hemisférios cerebrais crescem e sulcos e convoluções começam a se desenvolver.

Após três meses de gestação, esses hemisférios podem ser claramente diferenciados. Surgirão o bulbo olfativo, o hipocampo , o sistema límbico, os gânglios da base e o córtex cerebral.

Quanto aos lobos, primeiro o córtex se expande rostralmente para formar os lobos frontais, depois os parietais. A seguir, o occipital e o temporal se desenvolverão.

Por outro lado, a maturação cerebral dependerá de processos celulares, como o crescimento de axônios e dendritos, sinaptogênese, morte celular programada e mielinização. Eles são explicados no final da próxima seção.

Estágios celulares do neurodesenvolvimento

Existem quatro mecanismos celulares principais responsáveis ​​pela formação e maturação do sistema nervoso:

Proliferação

É o nascimento das células nervosas. Estes surgem no tubo neural e são chamados neuroblastos. Mais tarde, eles se diferenciam em neurônios e células da glia. O nível máximo de proliferação celular ocorre ao longo de 2 a 4 meses de gestação.

Ao contrário dos neurônios, as células gliais (de suporte) continuam a proliferar após o nascimento.

Migração

Uma vez formada a célula nervosa, ela está sempre em movimento e possui informações sobre sua localização definitiva no sistema nervoso.

A migração começa nos ventrículos cerebrais e todas as células que migram ainda são neuroblastos.

Através de diferentes mecanismos, os neurônios alcançam seu lugar correspondente. Um deles é através da glia radial. É um tipo de célula glial que ajuda a migrar para o neurônio através de “fios” de suporte. Os neurônios também podem viajar por atração a outros neurônios.

A migração máxima ocorre entre 3 e 5 meses de vida intra-uterina.

Diferenciação

Quando chega ao seu destino, a célula nervosa começa a adotar uma aparência distinta. Os neuroblastos podem se tornar diferentes tipos de células nervosas.

Em que tipo eles se transformarão dependerá das informações que a célula possui, bem como da influência das células vizinhas. Dessa forma, alguns têm uma auto-organização intrínseca, enquanto outros precisam da influência do ambiente neuronal para se diferenciar.

Morte celular

A morte celular programada ou apoptose é um mecanismo natural marcado geneticamente no qual células e conexões desnecessárias são destruídas.

No início, nosso corpo cria muito mais neurônios e conexões de contas. Nesta fase, as sobras são descartadas. De fato, a grande maioria dos neurônios da medula espinhal e algumas áreas do cérebro morrem antes de nascermos.

Alguns critérios que nosso corpo tem para eliminar neurônios e conexões são: existência de conexões incorretas, tamanho da área de superfície corporal, competição ao estabelecer sinapses, níveis de substâncias químicas, etc.

Por outro lado, a maturação cerebral visa principalmente a continuidade da organização, diferenciação e conectividade celular. Especificamente, esses processos são:

Crescimento de axônio e dendrito

Os axônios são extensões de neurônios, semelhantes aos fios, que permitem conexões entre áreas distantes do cérebro.

Eles reconhecem seu caminho por uma afinidade química com o neurônio alvo. Eles possuem marcadores químicos em estágios específicos de desenvolvimento que desaparecem após serem conectados ao neurônio desejado. Os axônios crescem muito rapidamente, o que já pode ser observado no estágio de migração.

Enquanto os dendritos, as pequenas ramificações dos neurônios, crescem mais lentamente. Eles começam a se desenvolver aos 7 meses de gestação, quando as células nervosas já foram colocadas no local correspondente. Esse desenvolvimento continua após o nascimento e muda de acordo com o estímulo ambiental recebido.

Sinaptogênese

Sinaptogênese é sobre a formação de sinapses, que é o contato entre dois neurônios para trocar informações.

As primeiras sinapses podem ser observadas no quinto mês de desenvolvimento intra-uterino. No início, muitas outras sinapses da conta são estabelecidas e eliminadas, se não forem necessárias.

Curiosamente, a quantidade de sinapse diminui com a idade. Assim, uma densidade sináptica mais baixa está relacionada a habilidades cognitivas mais desenvolvidas e eficientes.

Mielinização

É um processo caracterizado pelo revestimento de mielina dos axônios. As células da glia são as que produzem essa substância, que serve para fazer com que os impulsos elétricos viajem mais rapidamente através dos axônios e gastem menos energia.

A mielinização é um processo lento que começa três meses após a fertilização. Então ocorre em diferentes períodos, dependendo da área do sistema nervoso que está se desenvolvendo.

Uma das primeiras áreas a mielinizar é o tronco cerebral, enquanto a última é a área pré-frontal.

Relacionado:  Sentido da audição: para que serve, partes, como funciona

A mielinização de uma parte do cérebro corresponde a uma melhoria da função cognitiva dessa área.

Por exemplo, observou-se que quando as áreas cerebrais da linguagem estão sendo cobertas com mielina, há um refinamento e avanço das habilidades lingüísticas da criança.

Neurodesenvolvimento e aparência de habilidades

Neurodesenvolvimento: estágios, habilidades e distúrbios 3

À medida que nosso neurodesenvolvimento progride, nossas capacidades progridem. Assim, nosso repertório de comportamentos está ficando cada vez mais amplo.

Autonomia motora

Os primeiros 3 anos de vida serão fundamentais para o domínio das habilidades motoras voluntárias.

O movimento é tão importante que as células que o regulam são amplamente distribuídas por todo o sistema nervoso. De fato, cerca de metade das células nervosas de um cérebro desenvolvido são dedicadas ao planejamento e coordenação de movimentos.

Um recém-nascido apresentará apenas reflexos motores de sucção, busca, aderência, moro, etc. Com 6 semanas, o bebê agora pode seguir objetos com os olhos.

Aos 3 meses, você pode segurar a cabeça, controlar voluntariamente a empunhadura e a chupeta. Enquanto, aos 9 meses, você pode se sentar sozinho, rastejar e pegar objetos.

Ao completar 3 anos, a criança agora pode andar sozinha, correr, pular e subir e descer escadas. Ele também será capaz de controlar os esfíncteres e expressar suas primeiras palavras. Além disso, a preferência manual já está começando a ser observada. Ou seja, se ele é destro ou canhoto.

Neurodesenvolvimento da linguagem

Após um desenvolvimento tão acelerado desde o nascimento até os 3 anos, o progresso começa a desacelerar até 10 anos. Enquanto isso, novos circuitos neurais ainda estão sendo criados e mais áreas são mielinizadas.

Durante esses anos, a linguagem começa a se desenvolver para entender o mundo exterior e construir pensamentos e interagir com os outros.

De 3 a 6 anos, há uma expansão significativa do vocabulário. Nestes anos, ele passa de cerca de 100 palavras para cerca de 2000. Enquanto de 6 para 10, o pensamento formal se desenvolve.

Embora a estimulação ambiental seja essencial para o desenvolvimento correto da linguagem, a aquisição da linguagem se deve principalmente à maturação cerebral.

Desenvolvimento de Identidade

De 10 a 20 anos, mudanças importantes ocorrem no corpo. Além de mudanças psicológicas, autonomia e relações sociais.

A base desse processo está na adolescência, caracterizada principalmente pela maturação sexual causada pelo hipotálamo. Os hormônios sexuais começarão a segregar, influenciando o desenvolvimento de caracteres sexuais.

Ao mesmo tempo, personalidade e identidade são definidas gradualmente. Algo que pode continuar virtualmente ao longo da vida.

Durante esses anos, as redes neurais são reorganizadas e muitas continuam mielinizadas. A área do cérebro que está apenas desenvolvendo nesta fase é a região pré-frontal. É isso que nos ajuda a tomar boas decisões, planejar, analisar, refletir e interromper impulsos ou emoções inadequados.

Distúrbios do desenvolvimento neurológico

Neurodesenvolvimento: estágios, habilidades e distúrbios 4

Quando há alguma alteração no desenvolvimento ou crescimento do sistema nervoso, é comum que vários distúrbios apareçam.

Esses distúrbios podem afetar a capacidade de aprender, atenção, memória, autocontrole … que se tornam visíveis à medida que a criança cresce.

Cada distúrbio é muito diferente, dependendo de qual falha ocorreu e em que estágio e processo do neurodesenvolvimento ocorreu.

Por exemplo, existem doenças que ocorrem em estágios de desenvolvimento embrionário. Por exemplo, aqueles devido ao fechamento deficiente do tubo neural. Geralmente, o bebê sobrevive raramente. Alguns deles são anencefalia e encefalocele.

Eles geralmente envolvem anormalidades neurológicas e neuropsicológicas graves, geralmente com convulsões.

Outros distúrbios correspondem a falhas no processo de migração. Esta fase é sensível a problemas genéticos, infecções e distúrbios vasculares.

Se os neuroblastos não forem colocados em seu devido lugar, podem aparecer anormalidades nas ranhuras ou nas voltas do cérebro, levando à micropoligiria. Essas anormalidades também estão associadas à agenesia do corpo caloso, distúrbios de aprendizagem como dislexia, autismo, TDAH ou esquizofrenia.

Enquanto, problemas na diferenciação neuronal podem causar alterações na formação do córtex cerebral. Isso levaria à deficiência intelectual.

Além disso, danos cerebrais precoces podem prejudicar o desenvolvimento cerebral. Quando o tecido cerebral de uma criança é ferido, não há nova proliferação neuronal para compensar a perda. No entanto, em crianças, o cérebro é muito plástico e, com tratamento adequado, suas células se reorganizam para aliviar os déficits.

Enquanto isso, anormalidades de mielinização também foram associadas a certas patologias, como a leucodistrofia.

Outros distúrbios do neurodesenvolvimento são distúrbios motores, tiques, paralisia cerebral, distúrbios de linguagem, síndromes genéticas ou transtorno do alcoolismo fetal.

Referências

  1. Identificando unidades de neuro-desenvolvimento. (sf). Retirado em 30 de março de 2017, da clínica da sua família: yourfamilyclinic.com.
  2. MJ, M. (2015). Classificação dos estágios do neurodesenvolvimento. Recuperado em 30 de março de 2017, de neurônios em crescimento: neuropediatra.org.
  3. Mediavilla-García, C. (2003). Neurobiologia do distúrbio de hiperatividade. Rev Neurol, 36 (6), 555-565.
  4. Neurodesenvolvimento (sf). Retirado em 30 de março de 2017, do Brighton Center for Pediatric Neurodevelopment: bcpn.org.
  5. Transtorno do neurodesenvolvimento. (sf). Recuperado em 30 de março de 2017, da Wikipedia: en.wikipedia.org.
  6. Redolar Ripoll, D. (2013). Neurociência Cognitiva Madri, Espanha: Editorial Panamericana Médica.
  7. Rosselli, M., Matute, E., & Ardila, A. (2010). Neuropsicologia do desenvolvimento infantil. México, Bogotá: Editorial O Manual Moderno.

Deixe um comentário