Neutralismo (relação biológica): teorias e exemplos

O neutralismo é um conceito em ecologia que descreve a relação entre duas espécies em que uma não é afetada pela presença da outra. Nesse tipo de interação biológica, não há benefício ou prejuízo mútuo entre as espécies envolvidas. Existem diversas teorias que explicam o neutralismo, como a teoria da competição e a teoria da neutralidade. Alguns exemplos de neutralismo na natureza incluem a relação entre plantas que competem por luz solar em uma floresta densa, ou a interação entre diferentes espécies de aves que ocupam nichos ecológicos semelhantes em uma determinada área. A compreensão do neutralismo é fundamental para o estudo das interações entre os seres vivos e seus ambientes.

Exemplificação do conceito de neutralismo: entenda o que é e veja exemplos práticos.

O neutralismo é um conceito importante dentro da relação biológica entre as espécies, que se baseia na ideia de que algumas interações entre organismos não exercem influência significativa sobre a sobrevivência ou evolução de ambas as partes. Em outras palavras, é uma relação em que não há benefício ou prejuízo mútuo entre os indivíduos envolvidos.

Para compreender melhor o neutralismo, é fundamental observar exemplos práticos dessa relação na natureza. Um exemplo clássico é a interação entre duas espécies de plantas que compartilham o mesmo habitat, mas não competem diretamente por recursos, como luz solar ou nutrientes do solo. Nesse caso, as plantas coexistem de forma neutra, sem que uma exerça impacto direto sobre a outra.

Outro exemplo interessante de neutralismo é a relação entre certas espécies de aves e borboletas. Enquanto as aves se alimentam de insetos e sementes, as borboletas não são afetadas diretamente por essas interações, já que possuem estratégias de defesa ou alimentação que as protegem dos predadores.

Em resumo, o neutralismo é uma relação biológica em que não há interações significativas entre os organismos envolvidos. É importante destacar que o neutralismo não deve ser confundido com outras formas de interação, como o mutualismo ou o parasitismo, que envolvem benefício ou prejuízo para pelo menos uma das partes.

Qual a importância dos animais nas funções ecológicas do ecossistema?

Os animais desempenham um papel fundamental nas funções ecológicas do ecossistema. Eles contribuem para a polinização das plantas, dispersão de sementes, controle de pragas e decomposição de matéria orgânica. Além disso, os animais ajudam a manter o equilíbrio do ecossistema, regulando as populações de outras espécies e participando de cadeias alimentares complexas.

Um exemplo claro da importância dos animais nas funções ecológicas é a relação de mutualismo entre as abelhas e as flores. As abelhas se alimentam do néctar das flores e, em troca, polinizam as plantas, permitindo a produção de frutos e sementes. Sem essa interação, muitas espécies de plantas não conseguiriam se reproduzir e manter seus ciclos de vida.

No entanto, é importante ressaltar que nem todas as relações entre os seres vivos são de interdependência. O neutralismo é uma teoria que descreve uma relação biológica em que duas espécies coexistem no mesmo espaço, sem interações significativas entre elas. Um exemplo de neutralismo é a convivência entre duas espécies de plantas que ocupam diferentes nichos ecológicos, não competindo diretamente por recursos.

Relacionado:  10 fungos extintos e suas características

Em resumo, os animais desempenham um papel crucial nas funções ecológicas do ecossistema, contribuindo para a manutenção da biodiversidade e o equilíbrio ambiental. A compreensão dessas interações é essencial para a conservação da natureza e a sustentabilidade dos ecossistemas.

Diferenças entre comensalismo, mutualismo e parasitismo: principais características e relações entre os seres vivos.

Existem diferentes tipos de interações biológicas entre os seres vivos, cada uma com suas próprias características e consequências. Três exemplos comuns são o comensalismo, o mutualismo e o parasitismo.

No comensalismo, uma espécie se beneficia da presença de outra sem causar nenhum dano a ela. Ou seja, um dos organismos se beneficia da relação enquanto o outro não é afetado. Um exemplo clássico é o pássaro que se alimenta dos restos de comida de um mamífero sem prejudicá-lo.

Já no mutualismo, ambas as espécies envolvidas se beneficiam da interação. Nesse tipo de relação, os organismos dependem um do outro para sobreviver. Um exemplo conhecido é a relação entre as plantas e os polinizadores, onde ambos se beneficiam da troca de alimentos e proteção.

Por fim, no parasitismo, uma espécie se beneficia às custas da outra, que é prejudicada. O organismo parasita se alimenta ou utiliza os recursos do hospedeiro sem oferecer nenhum benefício em troca. Um exemplo comum é a relação entre pulgas e cães, onde as pulgas se alimentam do sangue do cão e podem causar doenças.

Neutralismo: teorias e exemplos

O neutralismo é uma teoria que sugere que algumas interações biológicas entre os seres vivos não causam impacto significativo em nenhum dos envolvidos. Nesse caso, as espécies coexistem sem interações diretas que afetem seu sucesso reprodutivo ou sobrevivência.

Um exemplo de neutralismo é a relação entre duas espécies de plantas que ocupam diferentes nichos ecológicos, não competindo diretamente por recursos. Outro exemplo seria a convivência de duas espécies de aves que se alimentam de insetos diferentes, não interferindo uma na sobrevivência da outra.

Em resumo, as interações biológicas podem variar desde relações harmônicas, como o mutualismo, até relações desarmônicas, como o parasitismo. O neutralismo, por sua vez, representa uma categoria onde as interações entre os seres vivos não afetam significativamente o sucesso reprodutivo ou a sobrevivência das espécies envolvidas.

Neutralismo (relação biológica): teorias e exemplos

O neutralismo em ecologia é uma relação ou interacção entre as duas entidades biológicas, em que nenhuma das partes está favoravelmente ou desfavoravelmente afectados. Segundo vários autores, relacionamentos deste tipo são praticamente impossíveis por natureza. As espécies são expostas a relacionamentos extremamente complexos, portanto é difícil provar um relacionamento neutralista.

Na grande maioria das interações, as espécies que participam são afetadas de uma maneira ou de outra. Existem mais dois modelos, comensalismo e amensalismo, que propõem neutralidade para uma das espécies participantes e a outra terá um efeito positivo ou negativo – respectivamente.

Neutralismo (relação biológica): teorias e exemplos 1

Fonte: NIAID [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)], via Wikimedia Commons

Os estudos empíricos têm sido poucos, pois existem dificuldades experimentais para provar que a interação não tem efeito. No entanto, propõe-se que a interação entre bactérias de gêneros específicos não tenha efeito sobre elas.

Relações biológicas

Comunidades ecológicas são definidas como o conjunto de populações que vivem ao mesmo tempo em uma área comum.

Essas comunidades são moldadas por uma rede de interações complexas e dinâmicas. Os relacionamentos que ocorrem entre indivíduos podem ser classificados em duas categorias bastante amplas: diretas ou indiretas.

Relações diretas

Como o nome indica, efeitos diretos ocorrem quando a interação em si afeta a adequação dos indivíduos envolvidos no processo, sem a necessidade de terceiros. Por exemplo, um beija-flor polinizando uma flor é um exemplo de interação direta entre duas espécies.

Os ecologistas geralmente classificam essas interações diretas em oito tipos, dependendo do efeito do relacionamento – seja positivo, negativo ou neutro: mutualismo, comensalismo, predação, herbivoria, parasitismo, amensalismo, competição e neutralismo.

A interação discutida neste artigo, neutralismo, implica que o relacionamento não tem efeito em nenhuma das espécies envolvidas nessa interação. No entanto, a maioria da literatura concorda que esse fenômeno é raro e improvável.

Em muitos casos, o efeito é neutro em uma das espécies, enquanto no outro indivíduo envolvido no processo, a interação pode ter resultados positivos ou negativos. A seguir, discutiremos esse tipo de interações que são compostas de uma parte “neutra”.

Comensalismo

No comensalismo, por exemplo, um dos organismos é afetado positivamente pela interação, enquanto o segundo não é afetado. Relacionamentos deste tipo são considerados duráveis ​​e estáveis. Alguns microorganismos se beneficiam do crescimento em um hospedeiro, no qual eles não têm efeito.

De fato, a maior parte de nossa biota é considerada como organismos comensais. Embora não produzam benefícios individualmente, evitem coletivamente – através da competição – que organismos patogênicos se desenvolvam.

Além disso, foi demonstrado que certos microrganismos que antes eram considerados “comensais” realmente têm um efeito positivo no hospedeiro – como uma síntese de vitaminas.

No caso das plantas, existem certas sementes que precisam germinar em ambientes desérticos com temperaturas muito altas e só podem ser alcançadas à sombra de outras plantas.

Nesse caso, o organismo que se desenvolverá a partir da semente é beneficiado, mas as plantas que a cercam não são afetadas. Esse fenômeno é conhecido como nodricismo. Da mesma forma, as plantas epífitas representam um caso amplamente conhecido de interações comensais.

Tremendo

Por outro lado, o amensalismo também envolve um efeito neutro em uma das espécies e, na outra, o efeito é negativo. Alguns modelos dessa interação envolvem o gênero Penicillium, que secreta certos produtos químicos que matam bactérias próximas.

Relacionado:  O que é uma espécie biológica?

O conceito pode ser extrapolado para o reino vegetal. Certas plantas secretam uma série de substâncias que inibem o crescimento de concorrentes em potencial em seu perímetro.

Efeitos indiretos

O segundo tipo de efeito que molda as comunidades vegetais é indireto. Isso ocorre quando o impacto de um organismo em outro é mediado ou transmitido por terceiros. Por exemplo, A tem um efeito em B, que afeta C.

São propostos sete modelos de interações complexas que podem ocorrer, como predação chave, competição indireta, comensalismo indireto, entre outros.

Logicamente, são as interações que têm efeitos – e não neutralismos – que formam essas redes complexas. Além disso, eles são os que têm um efeito importante na comunidade de organismos.

Teorias

Poucas teorias foram desenvolvidas no campo da ecologia sobre o neutralismo. Essa falta de informação deve-se principalmente à falta de evidências empíricas da existência de relações nas quais a aptidão dos organismos envolvidos não é afetada.

Exemplos

Embora o neutralismo não seja amplamente aceito pelos ecologistas, alguns propõem que em certas espécies de bactérias dos gêneros Lactobacillus e Streptococcus existe uma relação neutra.

O primeiro gênero, Lactobacillus, caracteriza-se por ser um bacilo longo ou curvo, que responde positivamente à coloração de Gram. Seu nome é devido à sua capacidade metabólica para a formação de ácido lático, considerada uma bactéria láctica. É um componente importante da flora bacteriana normal do nosso organismo.

Enquanto isso , o estreptococo é uma bactéria em forma de coco e responde positivamente à coloração de Gram. É também uma bactéria do ácido láctico e, em humanos, é a causa de uma série de patologias, como amigdalite, meningite, pneumonia, entre outras.

Assim, quando ambos os gêneros bacterianos coexistem no mesmo habitat, parece que a presença de um não tem maior efeito sobre o outro e vice-versa.

Outros significados do termo neutralismo

Geralmente, o conceito de “neutralismo” nas ciências biológicas é usado no contexto da biologia evolutiva moderna. A teoria neutra da evolução molecular foi proposta por Kimura, e procura explicar as mudanças que ocorrem no nível do DNA.

De acordo com essa teoria, a grande maioria das mutações que são fixadas no DNA por desvio de genes, por serem seletivamente neutras. O termo “neutralismo” ou “seletivamente neutro” é equivalente a dizer que eles não supõem nenhuma vantagem ou desvantagem para o organismo.

Referências

  1. Jaksic, F. (2007).Ecologia das comunidades . Edições UC.
  2. Moon, D. C., Moon, J. & Keagy, A. (2010) Interações diretas e indiretas.Nature Education Knowledge 3 (10), 50.
  3. Nei, M. (2005). Selecionismo e neutralismo na evolução molecular.Biologia molecular e evolução , 22 (12), 2318-2342.
  4. Odum, EP, Ortega, A., e Teresatr, M. (2006).Fundamentos da ecologia .
  5. Shipton, WA (2014).A biologia dos fungos que afetam a saúde humana . PartridgeIndia.
  6. Smith, RL (1980).Ecologia e biologia de campo .
  7. Valdés, TV, & Cano-Santana, Z. (2005).Ecologia e meio ambiente . Pearson Education.

Deixe um comentário