O que é a pirâmide ecológica?

A pirâmide ecológica é um modelo gráfico que representa a estrutura trófica de um ecossistema, mostrando a relação entre os diferentes níveis tróficos e a quantidade de energia ou biomassa presente em cada um deles. Essa representação visual ajuda a entender a dinâmica das cadeias alimentares e a distribuição de energia dentro de um ecossistema, mostrando como a energia é transferida dos produtores para os consumidores primários, secundários e assim por diante. A pirâmide ecológica é uma ferramenta importante para o estudo da ecologia e da biodiversidade, permitindo visualizar de forma simplificada as relações entre os seres vivos em um determinado ambiente.

Entendendo a importância das pirâmides ecológicas para a cadeia alimentar dos ecossistemas.

As pirâmides ecológicas são representações gráficas que mostram a relação de energia e biomassa entre os diferentes níveis tróficos de um ecossistema. Essas pirâmides são fundamentais para entender a dinâmica da cadeia alimentar e a interdependência dos seres vivos em um determinado ambiente.

Na base da pirâmide estão os produtores, que são os organismos autotróficos responsáveis pela produção de energia a partir da fotossíntese. Em seguida, temos os consumidores primários, que se alimentam dos produtores, os consumidores secundários, que se alimentam dos consumidores primários, e assim por diante. No topo da pirâmide estão os predadores ou os carnívoros de topo, que ocupam o último nível trófico.

É importante ressaltar que a forma da pirâmide ecológica varia de acordo com o ecossistema em questão. Em ecossistemas aquáticos, por exemplo, a pirâmide pode ser invertida, com os fitoplânctons ocupando a base e os predadores ocupando o topo. Já em ecossistemas terrestres, a pirâmide normalmente tem a forma tradicional, com os produtores na base e os consumidores no topo.

A análise das pirâmides ecológicas permite compreender como a energia flui através dos diferentes níveis tróficos, mostrando a eficiência da transferência de energia ao longo da cadeia alimentar. Além disso, as pirâmides ecológicas também revelam a importância da biodiversidade e da interação entre os seres vivos para a manutenção do equilíbrio dos ecossistemas.

Em resumo, as pirâmides ecológicas são ferramentas essenciais para a compreensão da dinâmica dos ecossistemas e da cadeia alimentar, contribuindo para a conservação da natureza e para o desenvolvimento sustentável.

Conheça os 4 tipos de pirâmides ecológicas para entender melhor a cadeia alimentar.

As pirâmides ecológicas são representações gráficas que mostram a relação trófica entre os organismos de um ecossistema. Existem 4 tipos de pirâmides ecológicas, cada uma representando um aspecto diferente da cadeia alimentar.

A pirâmide de números mostra a quantidade de organismos em cada nível trófico. Geralmente, a base da pirâmide é composta por produtores, seguidos pelos consumidores primários, secundários e assim por diante. Essa pirâmide geralmente tem a forma de uma pirâmide invertida, já que um único produtor pode sustentar vários consumidores.

A pirâmide de biomassa representa a quantidade de matéria orgânica em cada nível trófico. Neste tipo de pirâmide, a base é composta pelos produtores, seguidos pelos consumidores. Uma característica importante é que a biomassa diminui à medida que se sobe na cadeia alimentar, já que a energia é perdida em cada transferência.

A pirâmide de energia mostra a quantidade de energia disponível em cada nível trófico. A base da pirâmide geralmente é composta pelos produtores, seguidos pelos consumidores. Neste tipo de pirâmide, a energia também diminui à medida que se sobe na cadeia alimentar, devido às perdas de energia durante o metabolismo dos organismos.

Relacionado:  Biomas: características e tipos

Por fim, a pirâmide de produtividade representa a taxa de produção de matéria orgânica em cada nível trófico. A base da pirâmide é composta pelos produtores, seguidos pelos consumidores. Esta pirâmide mostra a eficiência com que a energia é transferida entre os níveis tróficos, sendo crucial para entender a estabilidade do ecossistema.

Em resumo, conhecer os 4 tipos de pirâmides ecológicas é fundamental para entender melhor a cadeia alimentar e a dinâmica dos ecossistemas. Cada tipo de pirâmide fornece informações importantes sobre a relação entre os organismos e a energia que os sustenta.

Passo a passo para criar uma pirâmide ecológica de forma simples e sustentável.

Para criar uma pirâmide ecológica de forma simples e sustentável, siga os passos abaixo:

Passo 1: Escolha um ecossistema para representar na pirâmide. Pode ser uma floresta, um lago, um oceano, entre outros.

Passo 2: Identifique os produtores, consumidores primários, consumidores secundários e decompositores do ecossistema escolhido. Os produtores são os seres vivos que produzem seu próprio alimento, como as plantas. Os consumidores primários se alimentam dos produtores, os consumidores secundários se alimentam dos consumidores primários, e os decompositores decompõem a matéria orgânica morta, liberando nutrientes para o solo.

Passo 3: Desenhe a pirâmide ecológica, posicionando os produtores na base, seguidos pelos consumidores primários, consumidores secundários e decompositores no topo. Lembre-se de respeitar a ordem dos níveis tróficos.

Passo 4: Utilize materiais sustentáveis para construir a pirâmide, como papel reciclado, madeira certificada ou materiais reaproveitados.

Passo 5: Adicione informações sobre os seres vivos em cada nível da pirâmide, destacando a importância de cada um para a manutenção do equilíbrio do ecossistema.

Ao seguir esses passos, você conseguirá criar uma pirâmide ecológica de forma simples e sustentável, contribuindo para a conscientização sobre a importância da preservação do meio ambiente.

Entenda o conceito de pirâmide de energia na cadeia alimentar de um ecossistema.

A pirâmide ecológica, também conhecida como pirâmide trófica, é uma representação gráfica que ilustra a transferência de energia ao longo dos diferentes níveis tróficos em um ecossistema. Essa representação nos ajuda a visualizar como a energia flui através da cadeia alimentar, mostrando a quantidade de energia disponível em cada nível.

Na base da pirâmide estão os produtores, como as plantas, que captam a energia do sol e a transformam em energia química através da fotossíntese. Em seguida, vêm os consumidores primários, que se alimentam dos produtores, seguidos pelos consumidores secundários e terciários, que se alimentam dos consumidores anteriores.

Ao longo dos diferentes níveis tróficos, a quantidade de energia disponível diminui, devido às perdas de energia em forma de calor durante o metabolismo dos organismos. Por esse motivo, a forma mais comum de representação da pirâmide ecológica é em formato de pirâmide de energia, onde a largura de cada nível representa a quantidade de energia disponível.

É importante ressaltar que a pirâmide de energia é sempre direcional, ou seja, a energia flui de um nível para o próximo, sendo transferida entre os diferentes organismos. Além disso, ela também nos ajuda a compreender a importância da preservação dos produtores, uma vez que são responsáveis por captar a energia inicial que sustenta todo o ecossistema.

Portanto, a pirâmide de energia é uma ferramenta fundamental para entender o funcionamento dos ecossistemas e a dinâmica da cadeia alimentar, mostrando de forma clara como a energia se distribui e se transforma ao longo dos diferentes níveis tróficos.

O que é a pirâmide ecológica?

A pirâmide ecológica ou pirâmide Eltoniana representa graficamente a estrutura do ecossistema e a função trófica das comunidades de organismos (Universidade Nacional Autônoma do México, 2017).

Cada transferência de energia de um nível para outro perde cerca de 90% dela (Mata & Quevedo, 1990). Por esse motivo, os indivíduos na parte inferior recebem mais energia.

O que é a pirâmide ecológica? 1

Eles também são conhecidos pelo nome de pirâmide eltoniana, porque foi o zoólogo e ecologista animal, Charles Elton, quem a criou (Corwin, 2017).

Cada elo da cadeia trófica deve conservar quantidades adequadas da população das espécies que o constituem para auto-suprir e nutrir o elo superior.

Os 3 tipos de pirâmides que existem são números, biomassa e energia.

Níveis de pirâmide ecológica

A pirâmide ecológica consiste em 4 barras horizontais da mesma espessura, mas em tamanho decrescente, nas quais cada seção mostra a transferência de energia para o próximo nível através dos alimentos.

Cada nível da cadeia é chamado de link .

Produtores

O primeiro elo é a base da pirâmide (a área mais larga) é ocupada pelos produtores, organismos que, usando a energia obtida pela fotossíntese , sintetizam substâncias orgânicas complexas a partir de uma substância inorgânica simples (Lindeman, 2017). Os produtores são os organismos autotróficos, como plantas, monons e protistas.

Os produtores de captar a energia solar através das folhas, equipados com cloroplastos transformados substâncias inorgânicas do solo (tais como água, minerais e dióxido de carbono) em compostos orgânicos (glicose), graças à fotossíntese.

Consumidores primários

No segundo link, estão os principais consumidores , indivíduos herbívoros e plantas heterotróficas que se alimentam dos produtores (plantas, bactérias e fungos).

Esse tipo de consumidor oxida uma quantidade considerável de energia obtida na forma de energia cinética para seu funcionamento metabólico, como respirar, correr, reproduzir; e o resto a transforma em produtos químicos complexos para o seu corpo (Lindeman, 2017).

Consumidores secundários

No terceiro elo trófico, encontramos os consumidores secundários que são animais carnívoros que se alimentam de herbívoros. Como este último, seu gasto energético ocorre no funcionamento metabólico.

Consumidores terciários

Aproximando-se da cúpula da pirâmide, existem consumidores terciários que se alimentam de consumidores secundários ou de outros carnívoros.

Os catadores são um de seus membros, mas não os únicos. Por exemplo, uma águia que come uma cobra que por sua vez se alimenta de um rato.

Tipos de pirâmides

1- Pirâmides de números

É a representação gráfica na forma de uma pirâmide que mostra a relação nutricional do número de indivíduos de cada espécie ou população, em cada elo.

A pirâmide de números pode ser usada para determinar quanta população de espécies específicas pode afetar outra (Corwin, 2017).

A pirâmide de número de indivíduos em um ecossistema é quase sempre consistente com a regra dos 10% (Mata & Quevedo, 1990): a transferência de energia de um nível para outro é aproximadamente essa porcentagem, como explicamos inicialmente.

Dois tipos de cadeia alimentar são representados com essa pirâmide, dependendo do tipo de ecossistema:

  • Direto ou de Fornecedores: A quantidade de Produtores é maior que os herbívoros e carnívoros. É o tradicional e ajuda a manter o equilíbrio do ecossistema.
  • Inverso ou Parasitas e Superparasitas: O número de indivíduos dos links superiores é maior que o dos links inferiores. Essa representação poderia ser de um ecossistema em que a quantidade de carnívoros aumenta e os herbívoros são escassos devido à falta de plantas. Nesta situação, um relacionamento parasital é criado.
Relacionado:  Animais granívoros: características e exemplos

2- Pirâmides de biomassa

É a representação gráfica do fluxo de energia através da cadeia biotrófica ou alimentar (Mata & Quevedo, 1990). Em outras palavras, a pirâmide de biomassa representa a quantidade de massa ou matéria viva em cada elo trófico.

Para calcular esse indicador, o peso dos indivíduos é levado em consideração como se eles estivessem desidratados, sem necessariamente ter que sacrificá-los. É expresso em unidades de massa / unidades de superfície ou volume, ou seja, g / cm2, kg / m2, g / cm3, kg / m3 (Universidade Nacional Autônoma do México, 2017).

A forma dessa pirâmide pode ser direta ou invertida, como é o caso da pirâmide de energia.

A pirâmide de biomassa direta ilustra os casos em que a quantidade de biomassa dos produtores é maior que a dos consumidores.

A pirâmide de biomassa invertida é comum em ecossistemas aquáticos porque a quantidade de produtores (fitoplâncton) é muito menor que a quantidade de seus consumidores.

Algo importante a ser observado é que a pirâmide de números e biomassa indica apenas a quantidade de material presente durante um curto período.

A quantidade de matéria presente a qualquer momento é conhecida como biomassa colhida e não fornece nenhuma indicação da quantidade total de material produzido ou da velocidade com que esse material está sendo produzido (Phillipson, 1966, p. 14).

3- Pirâmides de energia

É a representação gráfica da quantidade de energia total consumida em cada nível trófico. Este gráfico mostra a distribuição da energia fornecida pelo sol na cadeia trófica de um ecossistema. As unidades utilizadas são calorias e / ou joules (Universidade Nacional Autônoma do México, 2017).

Portanto, quando um consumidor secundário se alimenta de um consumidor primário, o primeiro obtém energia deste último, mas não a mesma quantidade, mas aproximadamente 10%. O que não é transferido para o próximo link se torna calor.

Essa pirâmide sempre será direta, porque os Produtores sempre terão uma quantidade maior de energia disponível ao não perder parte dela na passagem de um link para outro.

Referências

  1. Faculdade de Bacharéis do Estado de Sinaloa. (2008). 1.4 Ecossistemas Em C. d. Sinaloa, Ecologia e Meio Ambiente (pp. 22-26). Hermosillo: Escola de Bacharéis do Estado de Sinaloa.
  2. Corwin, A. (2017, p. 5). Pirâmides ecológicas Retirado da Gould Academy: gouldacademy.instructure.com.
  3. Mata, A. & Quevedo, F. (1990). Pirâmides de biomassa. Em A. MAta, e F. Quevedo, Dicionário Didático de Ecologia (p. 354). Costa Rica: Editorial da Universidade da Costa Rica.
  4. Phillipson, J. (1966). Pirâmides ecológicas Em J. Phillipson, Ecological Energetics (pp. 12-15). Londres: Edward Arnold Ltd.
  5. Universidade Nacional Autônoma do México. (2017, 7 e 5). Pirâmides ecológicas Retirado do Portal Acadêmico Universidade Autônoma Nacional do México: portalacademico.cch.unam.mx.

Deixe um comentário