O que é daltonismo? Sintomas e causas

O daltonismo é uma condição genética que afeta a percepção das cores. As pessoas com daltonismo podem ter dificuldade em distinguir certas cores, principalmente o vermelho e o verde. Isso acontece devido a um defeito nos cones da retina, células responsáveis pela percepção das cores. Os sintomas mais comuns do daltonismo incluem dificuldade em diferenciar cores, especialmente tons de vermelho e verde, e problemas em identificar cores em objetos do dia a dia, como semáforos e sinais de trânsito. As causas do daltonismo estão relacionadas a mutações genéticas nos cromossomos responsáveis pela percepção das cores. A condição é mais comum em homens do que em mulheres, devido ao fato de que o gene responsável pelo daltonismo está localizado no cromossomo X.

Daltonismo: causas e definição da condição que afeta a percepção de cores.

O daltonismo é uma condição genética que afeta a percepção das cores. As pessoas com daltonismo têm dificuldade em distinguir certas cores, principalmente o vermelho e o verde. Esta condição é mais comum em homens do que em mulheres, devido ao fato de que o gene responsável pela percepção das cores está localizado no cromossomo X.

Existem diferentes tipos de daltonismo, sendo o mais comum o daltonismo vermelho-verde. As causas do daltonismo estão relacionadas com a falta ou má formação dos cones na retina, que são responsáveis por detectar as cores. Isso pode ser herdado dos pais ou causado por mutações genéticas.

Os sintomas do daltonismo incluem dificuldade em distinguir cores, especialmente o vermelho e o verde, confusão entre tons semelhantes, e dificuldade em identificar cores em mapas ou gráficos. É importante fazer um teste de visão de cores para confirmar o diagnóstico e determinar o tipo de daltonismo.

As causas estão relacionadas com a falta ou má formação dos cones na retina, e os sintomas incluem dificuldade em distinguir cores e confusão entre tons semelhantes.

Qual é a percepção visual do daltônico em relação às cores?

O daltonismo é uma condição genética que afeta a percepção das cores. As pessoas com daltonismo têm dificuldade em distinguir certas cores, especialmente o vermelho e o verde. Isso ocorre devido a uma deficiência ou ausência de cones sensíveis a essas cores na retina.

Para os daltônicos, as cores podem parecer desbotadas, mais escuras ou até mesmo completamente diferentes do que as pessoas com visão normal percebem. Por exemplo, um daltônico pode confundir o vermelho com o verde, o azul com o roxo ou o amarelo com o laranja.

Essa condição pode causar dificuldades em tarefas cotidianas, como escolher roupas que combinem, ler mapas ou sinais de trânsito e até mesmo em algumas profissões que exigem a capacidade de distinguir cores com precisão, como design gráfico ou eletricista.

Por isso, é importante que os daltônicos sejam diagnosticados precocemente e aprendam a lidar com suas limitações visuais. Apesar de não haver cura para o daltonismo, existem métodos e dispositivos que podem ajudar a melhorar a percepção das cores e facilitar a vida do indivíduo afetado.

Tipos de daltonismo: conheça as 4 variações de visão de cores prejudicada.

O daltonismo é uma condição genética que afeta a capacidade de distinguir certas cores. Existem quatro tipos principais de daltonismo, cada um afetando a percepção das cores de maneira diferente.

O tipo mais comum de daltonismo é o deuteranopia, que é a dificuldade em distinguir o verde do vermelho. Outro tipo é o protanopia, que causa dificuldade em diferenciar o vermelho do verde e do azul. Já o tritanopia afeta a percepção do azul e do amarelo. Por fim, o monocromatismo é o tipo mais raro, no qual a pessoa enxerga apenas em tons de cinza.

Os sintomas do daltonismo incluem dificuldade em distinguir cores, confusão entre tons semelhantes e problemas em identificar sinais de trânsito coloridos. As causas do daltonismo estão relacionadas a genes defeituosos que afetam a produção de pigmentos nas células da retina.

Embora não haja cura para o daltonismo, existem dispositivos e óculos especiais que podem ajudar a melhorar a percepção das cores. É importante consultar um oftalmologista para obter um diagnóstico preciso e receber orientações sobre como lidar com essa condição.

Qual região do olho é afetada pelo daltonismo?

O daltonismo é uma condição genética que afeta a percepção das cores. As pessoas com daltonismo têm dificuldade em distinguir certas cores, especialmente o vermelho e o verde. Essa condição é mais comum em homens do que em mulheres, devido ao fato de que o gene responsável pela percepção das cores está localizado no cromossomo X.

Relacionado:  Genograma da família: símbolos, como é feito e exemplo

O daltonismo é causado por uma alteração nos cones da retina, que são responsáveis por detectar as cores. Existem três tipos de cones: os que percebem o vermelho, os que percebem o verde e os que percebem o azul. No caso do daltonismo, os cones responsáveis pelo vermelho e pelo verde são afetados, resultando em uma percepção distorcida das cores.

Os sintomas do daltonismo incluem dificuldade em distinguir certas cores, especialmente o vermelho e o verde, e dificuldade em ver tons sutis de cores. Algumas pessoas com daltonismo também podem ter dificuldade em distinguir cores em situações de pouca luz.

O daltonismo é uma condição genética e não pode ser curada, mas existem maneiras de lidar com a condição, como usar óculos de correção de cor. Se você suspeita que possui daltonismo, é importante procurar um oftalmologista para fazer um exame de visão e obter um diagnóstico preciso.

É uma condição genética que não tem cura, mas pode ser gerenciada com a ajuda de óculos especiais.

O que é daltonismo? Sintomas e causas

A cegueira cor ou cor cegueira é uma deficiência de olho caracterizado por uma incapacidade para ver ou diferenciar cores sob condições de luz normal.A origem de seu nome vem do químico e matemático John Dalton (1766 – 1844), que era o detentor desse defeito genético.

Dalton notou sua deficiência visual porque confundiu os frascos em seu laboratório, causando um incidente.Em sua obra Fatos Extraordinários relacionados à visão das cores (1794), ele explica como as pessoas daltônicas percebiam as cores e tentavam dar uma explicação sobre as causas do distúrbio.

O que é daltonismo? Sintomas e causas 1

O daltonismo é o resultado da ausência ou mau funcionamento de um ou mais cones das células sensoriais da retina. Os cones são responsáveis ​​pela luz transformada em energia elétrica para atingir o cérebro através do nervo óptico.

Tipos de daltonismo

A gravidade do envolvimento é variável e pode ser classificada de acordo com o grau em três tipos de anomalias de cores.

Dicromatismo

As pessoas que sofrem de dicromatismo percebem uma gama menor de cores porque sofrem de disfunção em um dos três mecanismos básicos da cor. Três variantes são conhecidas:

Protanopia . Falta de pigmentos que absorvem comprimentos de onda longos. As pessoas afetadas não percebem a cor vermelha e só conseguem ver tons de azul ou amarelo.

Deuteranopia : falta de pigmentos que absorvem comprimentos de onda médios. As pessoas aflitas veem a cor verde em tons de amarelo.

Tritanopia : falta de pigmentos que absorvem comprimentos de onda curtos. As pessoas afetadas confundem amarelo e azul e vêem apenas tons azulados e avermelhados.

Tricomatismo anômalo

Ele é o mais sofrido. O indivíduo apresenta todos os três tipos de cones, mas possui alguma deficiência que impede o funcionamento normal, alterando a percepção das cores. É dividido em três grupos: protanomalia, deuteranomalia e tritanomalia.

Achromatopsia

Variante mais séria do daltonismo. O indivíduo só vê branco, preto, cinza e todos os seus tons, impedindo-o de perceber qualquer cor. Os motivos podem ser a ausência de qualquer um dos cones ou por razões neurológicas.

Geralmente está associado a ambliopia, sensibilidade à luz, baixa visão ou nistagmo (movimento ocular involuntário). Aqueles que sofrem de acromatopsia são muito sensíveis à luz solar.

Causas

As causas que causam deficiências na visão de cores podem ser classificadas em duas seções:

Causas genéticas

O defeito na maioria dos casos é genético. Isso é transmitido através de um gene recessivo ligado ao cromossomo X.

Adquirida

São aqueles que não têm relação com a genética. Eles são produzidos por vários fatores, como:

Doenças crônicas (Alzheimer, diabetes, glaucoma, leucemia, esclerose múltipla ou degeneração macular)

Acidentes ou derrames que danificam a retina ou certas áreas do cérebro que levam à distorção visual.

medicamentos e drogas . Embora existam vários medicamentos que podem causar esse distúrbio, o medicamento hidroxicloroquina (Plaquenil), usado para doenças como a artrite reumatóide, é o problema mais comum.

Produtos químicos industriais ou ambientais . Houve casos em que o monóxido de carbono, sulfeto de carbono ou chumbo podem desenvolver daltonismo.

Relacionado:  Namaste: O que significa e qual é o seu símbolo?

Idade . Pessoas com mais de 60 anos podem experimentar mudanças físicas que afetam sua capacidade de ver cores.

Quem é afetado pelo daltonismo?

O daltonismo pode afetar qualquer pessoa, devido a um problema genético herdado. No entanto, os homens são muito mais propensos a sofrer com isso do que as mulheres.

Estima-se que 1,5% dos homens sofram de daltonismo, enquanto apenas 0,5% das mulheres têm deficiência na distinção de cores.

Isso ocorre porque esse distúrbio está ligado a mutações de genes recessivos. Lembre-se de que as mulheres são compostas por dois cromossomos X, enquanto os homens têm um cromossomo X e outro Y.

No cromossomo X, é onde os genes que causam daltonismo se desenvolvem, além de outras doenças como a hemofilia.

Se ambos os sexos têm o cromossomo X, por que isso afeta mais o homem? A razão é que o outro cromossomo X da mulher compensa as alterações. Ou seja, eles contêm o gene saudável, que, sendo predominante, evita o desenvolvimento de doenças genéticas na maioria das vezes.

No entanto , o homem, possuidor do cromossomo Y, não pode compensar esse tipo de alteração genética e tem maior probabilidade de desenvolver daltonismo.

Assim, as mulheres podem transmitir a doença se um de seus cromossomos contiver os genes, mas só podem desenvolvê-la se os dois cromossomos afetados.

Diagnóstico

Para confirmar que uma pessoa sofre de daltonismo, os oftalmologistas realizam um teste simples através das cartas de Ishihara.Desenhadas pelo Dr. Shonobu Ishihara (1879-1963) no início do século XX, as letras são o método mais confiável, simples e econômico da atualidade.

As letras são compostas por uma série de pontos circulares em diferentes tons que formam um número visível para pessoas com visão normal. No caso de uma pessoa que sofre de uma desordem com cores, ela será incapaz de reconhecer qualquer número.

Dependendo do tipo de daltonismo, serão utilizados tons de azul, verde e marrom (protanopia) ou vermelho, amarelo e laranja (deuteranopia).

Para determinar o nível de daltonismo, o teste consiste em 38 letras, embora normalmente sejam necessários menos de 20 para determinar se uma pessoa sofre ou não da doença.

O que é daltonismo? Sintomas e causas 2

Cartas de Ishihara. Na imagem à esquerda, uma pessoa com visão normal vê o número 6, enquanto um daltônico não vê nada. Na imagem à direita, uma pessoa com visão normal vê o número 2, enquanto um daltônico não vê nada.

As cartas de Ishihara não são o único método para diagnosticar o daltonismo. Embora seu uso seja menos frequente, existem vários testes que também podem ser úteis:

teste de Jean Jouannic. Semelhante aos cartões Ishihar, com a diferença de que a imagem a ser reconhecida pode ser uma letra, número ou figura geométrica. Geralmente é usado para testes em crianças pequenas devido à sua simplicidade.

Teste de Farnsworth. O teste consiste no pedido de uma série de fichas de cores para que as cores sejam classificadas gradualmente.

Anomaloscópio. É um instrumento que serve para diagnosticar o tipo e o grau de alteração cromática. É o teste de visão mais confiável, mas seu uso não é muito comum devido à sua complexidade e ao custo de aquisição do modelo.

Embora seja fácil encontrar algum desses testes na Internet, eles não são totalmente confiáveis, pois o brilho ou o contraste das telas dos computadores ou dispositivos móveis podem distorcer a imagem.

O mais aconselhável é comparecer a uma consulta de oftalmologista ou oftalmologista para realizar o teste corretamente.

Daltonismo em crianças

Muitos autores mostraram que as habilidades visuais têm uma estreita relação com o desempenho acadêmico. Uma boa visão, resistente à fadiga e eficaz antes de certas tarefas, como a leitura, é importante nos primeiros anos de escolaridade.

Embora o uso da cor na escola sirva como código ou material em várias atividades de aprendizagem da educação infantil, há poucos estudos realizados sobre a influência de anomalias na visão de cores no contexto escolar e pouco é consenso. ao afirmar se afeta ou não os alunos.

Segundo Lillo (1996), “o grupo de alterações na percepção de cores conhecido como ‘daltonismo’ afeta uma porcentagem significativa de meninos nos países europeus e, dada a importância dos materiais cromáticos na escola infantil, tende a dificultar a integração escolar de crianças ”.

Relacionado:  Quanto pesa o cérebro de um adulto?

Por outro lado, um estudo publicado no Journal of Education (2003) sobre o desempenho de escolares com daltonismo na Educação Infantil, afirma que existem 5% das crianças em salas de aula que sofrem de daltonismo, mas não foram capazes de verificar se esse distúrbio visual afeta significativamente em seu desempenho educacional.

De qualquer forma, é importante detectar anormalidades visuais em crianças, afetando ou não o desempenho escolar, pois se isso pode ser um quebra-cabeça para o bebê no seu dia a dia.

Para fazer isso, os oftalmologistas recomendam o acompanhamento dos pais aos filhos por meio de jogos como o uso de figuras ou lençóis com cores primárias, percebem como eles colorem em seus desenhos em casa ou na escola e, é claro, recorrem a alguns dos métodos teste para pessoas daltônicas como as mencionadas acima.

Se uma criança sofre de daltonismo a partir do momento em que o oftalmologista o diagnostica, é importante explicar as razões de sua doença e fazê-la ver que isso não é um problema, mas uma condição que pode ser superada com certas técnicas.

Você tem uma cura?

O daltonismo não tem cura. A resposta é clara, uma vez que não existe tratamento conhecido e é um distúrbio ao longo da vida.

Nos últimos tempos, alguns pesquisadores realizaram experimentos com aqueles que afirmam que abrem uma porta de esperança para os daltônicos.Listamos alguns deles que tiveram impacto na mídia:

Óculos que curam o daltonismo

Em 2013, os neurobiologistas americanos desenvolveram um tipo de lente chamada Oxy-Iso que, segundo seus inventores, permitiu melhorar a percepção das cores verde e vermelha em pessoas daltônicas.

No entanto, sua confiabilidade é questionada, pois os testadores do dispositivo garantem que as cores amarelo e azul não sejam mais percebidas.

Terapia gênica

Pesquisadores das universidades de Washington e da Flórida, nos Estados Unidos, experimentaram macacos-esquilo, alguns primatas que não conseguem distinguir verde e vermelho, com terapia genética.

Eles foram implantados através de um vírus, genes corretivos que reparavam o daltonismo, sendo um sucesso total.Esses genes fizeram com que a retina do macaco produzisse opsina, uma substância que fabrica pigmentos visuais que servem para distinguir vermelho de verde.

O problema é que, hoje, não está provado que essa modificação genética possa representar um risco em humanos.

Algumas curiosidades

– 350 milhões de pessoas sofrem de daltonismo em todo o mundo.

– 17% das pessoas não descobrem que sofrem de daltonismo após 20 anos.

– Paul Newman, Mark Zuckerberg, William IV, Vincent Van Gogh, Bill Clinton, Mark Twain, Bing Crosby ou Keanu Reeves são ou foram daltônicos.

– Em alguns países como o Brasil, os daltônicos não podem obter uma carteira de motorista.

– Pessoas daltônicas não podem acessar alguns trabalhos, como piloto de avião, bombeiro ou policial.

– Algumas pessoas daltônicas não conseguem determinar se uma banana ou outros alimentos estão maduros ou não.

– Embora as cartas de Ishihara sejam o teste de diagnóstico mais famoso, o professor J. Stilling, em 1883, já inventou placas pseudo-isocromáticas para detectar daltonismo.

– A empresa de automóveis Ford e a Universidade de Cambridge trabalham juntas para projetar um carro adaptado às pessoas que sofrem de daltonismo.

Referências

  1. Adams AJ, Verdon WA, Spivey BE. Visão de cores. In: Tasman W, Jaeger EA, orgs. Fundamentos de Oftalmologia Clínica de Duane. 2013 ed. Filadélfia, PA: Lippincott Williams & Wilkins; 2013: vol. 2, cap. 19.
  2. Wiggs JL. Genética molecular de doenças oculares selecionadas. In: Yanoff M, Duker JS, orgs. Oftalmologia 4th ed. St. Louis, Missouri: Elsevier Saunders; 2014: cap. 1.2.
  3. Katherine M, William W. Hauswirth, Qiuhong L, Thomas B. C, James A. K, Matthew C. M, Jay Neitz e Maureen Neitz Terapia genética para daltonismo vermelho-verde em primatas adultos. Nature 461, 784-787 (2009).
  4. S. Ishihara, Testes para daltonismo (Handaya, Tóquio, Hongo Harukicho, 1917.
  5. Lillo J (1999) Percepção de cores. p. 301-338.
  6. Montanero M, Díaz F, Pardo P, Palomino I, Gil J, Pérez AL, soro I. daltonismo e desempenho escolar na educação infantil. Revista de Educação, ISSN 0034-8082, No. 330, 2003, p. 449-462.

Deixe um comentário