O que é o Habitus Exterior?

O Habitus Exterior é um conceito desenvolvido pelo sociólogo francês Pierre Bourdieu, que se refere aos aspectos visíveis e observáveis do comportamento de um indivíduo, como suas roupas, gestos, linguagem corporal e estilo de vida. Esses elementos constituem uma forma de expressão e comunicação que refletem as experiências, valores e crenças de uma pessoa, bem como sua posição social e cultural. O Habitus Exterior desempenha um papel importante na construção da identidade individual e na interação social, influenciando a maneira como os outros nos percebem e nos relacionamos com o mundo ao nosso redor.

Conceito de habitus na teoria de Pierre Bourdieu: entenda sua importância na sociologia contemporânea.

O conceito de habitus na teoria de Pierre Bourdieu é fundamental para compreendermos a forma como os indivíduos internalizam e reproduzem as estruturas sociais em que estão inseridos. Para o sociólogo francês, o habitus é um conjunto de disposições adquiridas que orientam as práticas e as percepções dos agentes sociais.

O termo “habitus” refere-se às estruturas mentais e corporais que orientam o comportamento dos indivíduos de forma inconsciente, moldando suas escolhas e preferências. Essas disposições são adquiridas ao longo da vida e estão enraizadas nas experiências sociais e culturais de cada um.

Para Bourdieu, o habitus é o elo entre a estrutura social e a ação individual, pois ele influencia a forma como os agentes sociais interpretam e respondem às demandas do mundo social. Dessa forma, o habitus é um elemento central para a compreensão das desigualdades e das práticas sociais.

A importância do conceito de habitus na sociologia contemporânea reside na sua capacidade de explicar como as estruturas sociais se internalizam nos indivíduos, influenciando suas ações e percepções. Além disso, o habitus também permite compreender como as desigualdades sociais são reproduzidas e legitimadas no dia a dia.

Em resumo, o habitus é um conceito-chave na teoria de Pierre Bourdieu que nos ajuda a compreender como as estruturas sociais moldam as práticas e as percepções dos agentes sociais. Sua importância na sociologia contemporânea está relacionada à sua capacidade de explicar as desigualdades sociais e as dinâmicas de poder presentes na sociedade.

A interpretação da teoria de Bourdieu e seus principais conceitos e fundamentos.

A teoria de Bourdieu é uma das mais influentes no campo das ciências sociais, sendo amplamente utilizada para analisar as relações de poder, a reprodução social e a construção de identidades. Um dos conceitos-chave dessa teoria é o Habitus Exterior, que se refere às práticas sociais e comportamentos observáveis de um indivíduo.

O Habitus Exterior é uma manifestação visível do Habitus, que é a estrutura mental e cognitiva internalizada pelos indivíduos a partir de sua experiência social. Essa estrutura influencia as escolhas, preferências e comportamentos de uma pessoa, moldando sua forma de agir no mundo. O Habitus Exterior é, portanto, uma expressão tangível do Habitus que pode ser observada por outras pessoas.

Segundo Bourdieu, o Habitus Exterior é o resultado da interação entre a estrutura social e a agência individual. Ou seja, ele é moldado pelas condições objetivas em que os indivíduos estão inseridos, mas também é construído ativamente por meio das práticas cotidianas e das interações sociais. Dessa forma, o Habitus Exterior reflete tanto a posição social de um indivíduo quanto suas escolhas e ações no contexto em que vive.

Relacionado:  Bradicardia sinusal: sintomas, causas e tratamentos

Em resumo, o Habitus Exterior é uma manifestação observável do Habitus de um indivíduo, que reflete tanto as estruturas sociais quanto as práticas e escolhas individuais. Ele é uma ferramenta fundamental para compreender como as relações de poder, as hierarquias sociais e as identidades são construídas e reproduzidas no mundo social.

Principais conceitos abordados por Bourdieu em sua teoria sociológica e cultural.

O sociólogo francês Pierre Bourdieu é conhecido por suas contribuições para a sociologia e a cultura, introduzindo conceitos fundamentais que ajudam a compreender as dinâmicas sociais e simbólicas. Entre esses conceitos, destaca-se o Habitus Exterior, que é uma peça-chave na teoria de Bourdieu.

O Habitus Exterior é uma noção que se refere às práticas e comportamentos visíveis de um indivíduo, que são moldados pelas estruturas sociais e culturais em que ele está inserido. Em outras palavras, o Habitus Exterior é a manifestação externa do habitus, que é o conjunto de disposições internalizadas que orientam as ações e percepções de cada pessoa.

Para Bourdieu, o Habitus Exterior é resultado de um processo de socialização que ocorre ao longo da vida, influenciado pela classe social, pelo capital cultural e pelas experiências vividas por cada indivíduo. Assim, as práticas e os gostos de uma pessoa refletem não apenas suas escolhas individuais, mas também as estruturas mais amplas que condicionam seu comportamento.

Portanto, ao analisar o Habitus Exterior, é possível compreender como as desigualdades sociais se reproduzem e se perpetuam, uma vez que as pessoas tendem a reproduzir padrões de comportamento e de consumo que estão de acordo com as normas e valores da classe social a que pertencem. Além disso, o Habitus Exterior também revela as lutas simbólicas que ocorrem na sociedade, evidenciando as disputas pelo poder e pelo reconhecimento.

Em suma, o conceito de Habitus Exterior de Bourdieu nos ajuda a compreender como as estruturas sociais e culturais influenciam as práticas e comportamentos das pessoas, revelando as complexas relações entre indivíduo, sociedade e cultura.

A influência do habitus no estudo da identidade cultural: uma análise essencial.

O habitus é um conceito fundamental na sociologia, introduzido por Pierre Bourdieu, que se refere aos padrões internalizados de pensamento, comportamento e percepção que moldam a forma como os indivíduos interagem com o mundo ao seu redor. No estudo da identidade cultural, o habitus desempenha um papel crucial na forma como as pessoas se identificam e se relacionam com sua cultura.

Uma das principais influências do habitus no estudo da identidade cultural é a maneira como ele molda as preferências, valores e práticas de um indivíduo. Por exemplo, indivíduos com um habitus orientado para a tradição podem valorizar práticas culturais passadas de geração em geração, enquanto aqueles com um habitus mais progressista podem estar mais abertos a novas ideias e influências.

O habitus também influencia a forma como os indivíduos se relacionam com os grupos sociais aos quais pertencem. Através do habitus, as pessoas internalizam as normas e valores de sua cultura, o que pode influenciar suas interações com outros membros da comunidade. Por exemplo, um indivíduo com um habitus mais individualista pode ter dificuldade em se integrar em uma comunidade mais coletivista.

Em suma, o habitus é um elemento essencial no estudo da identidade cultural, pois ele molda a forma como os indivíduos se identificam e se relacionam com sua cultura. Ao compreender o papel do habitus na formação da identidade cultural, os pesquisadores podem obter insights valiosos sobre como as pessoas constroem sua identidade e se relacionam com o mundo ao seu redor.

O que é o Habitus Exterior?

O habitus externo é o conjunto de dados médicos coletados por inspeção geral a olho nu, sem a realização de nenhum exame físico. Também pode ser definido como a aparência externa do paciente.

Para realizar o habitus externo, são levadas em consideração a condição do paciente, o sexo do paciente, a idade aparente, sua constituição, sua atitude, estado de consciência etc.

O que é o Habitus Exterior? 1

A condição do paciente é avaliada na condição do paciente. Geralmente é feito através de duas distinções, se você andar ou se estiver acamado.

Se o paciente puder andar, podemos excluir que ele tenha algo quebrado na parte inferior do corpo. Se o paciente estiver acamado, podemos ver se há alguma ferida que o impeça de ficar em pé ou se seu estado de consciência está alterado.

Dados observados no habitus externo

Sexo

O sexo do paciente é um fator a considerar, pois existem condições específicas do sexo. As características características de acordo com o sexo também podem nos permitir ver a incidência da doença.

Idade

A idade aparente é a idade em que o paciente aparece a olho nu. Também é importante para doenças com maior incidência em uma faixa etária da população.

A idade aparente também reflete o estilo de vida do paciente ou a história patológica que pode ter deixado uma marca no paciente.

Se o paciente estiver inconsciente e não houver uma pessoa que o acompanhe que saiba o que aconteceu ou os antecedentes, a estimativa de sua idade pode ser recomendada para alguns diagnósticos diferenciais.

Se você é um paciente pediátrico, é importante avaliar sua idade aparente conforme o esperado para o crescimento e desenvolvimento.

Constituição

A constituição do paciente também é importante devido ao seu grau de robustez. É baseado em 4 tipos de constituição. A forte constituição onde predomina o tecido muscular e ósseo; a média, onde existe uma proporção entre os três tecidos.

A constituição fraca onde os ossos predominam. E finalmente, a constituição fortemente enfraquecida, onde os indivíduos são vistos como tendo características de força, mas algo os enfraqueceu fortemente.

Atitude

A atitude do paciente também é um ponto a considerar no habitus externo. Se for escolhido livremente, o que significa que o indivíduo tem controle sobre sua atitude e pode alterá-la à vontade ou, pelo contrário, é instintivo, onde a atitude que eles têm é diminuir um incômodo, por exemplo, a posição fetal para diminuir dor abdominal

Você também pode ter uma atividade forçada, onde não pode mudar de posição devido a uma lesão física. Ou, finalmente, uma atitude passiva em que a vontade do indivíduo não pode intervir e a atitude é governada pela gravidade, como uma vírgula.

Facies

Facies são as expressões do rosto do indivíduo, que também podem nos ajudar em nosso exame do habitus externo. Os tipos de fácies podem ser muito variados.

Relacionado:  O que é sinartrose? Características e Tipos

Eles podem não ser característicos, são típicos de um indivíduo saudável e representam o humor do paciente naquele momento.

Pode ser febril ou voluptuosa, onde há uma aparência com bochechas avermelhadas, congestão conjuntiva, aumento da frequência respiratória, brilho da pele, etc.

Também pode ser uma facie típica, onde as pálpebras estão semi-fechadas, a aparência vaga, a indiferença e a falta de jeito mental, traços aguçados, descamação …

Continuando com o nosso tipo de fácies, temos leonina, caracterizada por olhos fundos e com pouco movimento, alopecia, maçãs do rosto salientes e nariz largo, lábios secos, falta de jeito intelectual … Ocorre em doenças como a hanseníase, a tuberculose ou doenças fúngicas

Adissoniana é outro tipo de facie, caracterizado por hiperpigmentação da face e membranas mucosas devido ao excesso de melanina. Geralmente ocorre em pacientes irritáveis ​​com perda de peso e está relacionada a insuficiências adrenais.

Movimentos anormais

Para continuar com o estudo do habitus externo, precisamos garantir que não haja movimentos anormais, caracterizados por tremores, convulsões e tiques.

Os movimentos coreicos, que são movimentos involuntários irregulares e desordenados, também são considerados movimentos anormais; os ateus, que são movimentos muito lentos de grande amplitude; distonianos, que são movimentos conscientes que colocam o corpo em uma posição forçada. Também incluímos movimentos hemibalísticos abruptos e centrífugos, além do parkinsoniano.

Março

Outra característica a ser levada em consideração no estudo do habitus externo é o progresso do paciente.

As marchas anormais podem ser unilaterais quando descansam apenas em um membro e, dentro disso, distinguimos marcações hemiplégicas, helcópodes e claudicantes.

Dentro das marchas anormais também são as bilaterais quando o defeito existe nas duas pernas. Podem ser atáxicos, espásticos, polineuríticos, parkinsonianos, hesitantes ou miopáticos.

Consciência

Finalmente, devemos levar em conta o estado de consciência do indivíduo. Estes podem ser diferenciados entre consciente, sonolento, confusão, obnubilação, estupor, sonolência, coma ou morte cerebral.

Os mais importantes a serem considerados são os da sonolência, quando o indivíduo é capaz de permanecer acordado, mesmo tentando, o estupor em que o paciente não tem reação a estímulos dolorosos; a sonolência, onde você começa a ver a alteração dos sinais vitais, o coma, onde não há mais consciência e morte cerebral, onde as ondas cerebrais não existem mais.

Referências

  1. BOURDIEU, Pierre. Estruturas, habitus, práticas. O sentido prático , 1991, p. 91-111.
  2. SACKETT, David L.; HAYNES, R. Brian; Peter, Peter. Epidemiologia clínica: uma ciência básica para a medicina clínica . Edições Díaz de Santos, 1989.
  3. JIMÉNEZ MURILLO, LUIS; MONTERO PÉREZ, F. JAVIER. Medicina de emergência e emergência. Guia de diagnóstico e protocolos de ação. Editorial Elsevier SL Barcelona, ​​Espanha , 2009.
  4. JIMÉNEZ, Luis; MONTERO, F. Javier. Medicina de emergência e emergência: guia de diagnóstico e protocolos de ação . Elsevier Health Sciences Espanha, 2009.
  5. MURILLO, Luis Jiménez; PÉREZ, F. Javier Montero (org.). Medicina de emergência e emergência + acesso à Web: Guia de diagnóstico e protocolos de ação . Elsevier Espanha, 2014.
  6. MURILLO, Luis Jiménez; PÉREZ, Francisco Javier Montero. Medicina de Emergência Guia terapêutico 3 ed. © 2011 . Elsevier Espanha, 2011.

Deixe um comentário