O que são metanefrídeos?

Os metanefrídeos são uma estrutura de excreção presente em alguns animais marinhos, como moluscos e anelídeos. São órgãos responsáveis pela regulação do equilíbrio osmótico e pela excreção de resíduos metabólicos, funcionando de forma semelhante aos rins dos vertebrados. Essas estruturas são compostas por túbulos ramificados e glândulas secretoras, que filtram o sangue e eliminam os resíduos através de excreção de amônia. Os metanefrídeos desempenham um papel fundamental na manutenção da homeostase e na eliminação de substâncias tóxicas do organismo desses animais.

Metanefrideos: Descubra a definição e origem dessa misteriosa espécie alienígena.

Metanefrídeos são uma espécie alienígena misteriosa que tem intrigado cientistas e pesquisadores há décadas. Esses seres são conhecidos por sua aparência única e habilidades sensoriais avançadas, o que os torna uma espécie fascinante de estudar.

A origem dos metanefrídeos ainda é um mistério para os humanos. Alguns acreditam que eles podem ter vindo de um planeta distante, enquanto outros teorizam que foram criados em laboratório por uma civilização avançada. Independentemente de sua origem, os metanefrídeos continuam a ser um enigma para a comunidade científica.

Esses seres possuem habilidades únicas, como a capacidade de se camuflar em seu ambiente e se comunicar telepaticamente. Além disso, eles são conhecidos por sua inteligência excepcional e capacidade de se adaptar a diferentes situações rapidamente.

Os metanefrídeos são seres pacíficos por natureza, evitando conflitos sempre que possível. No entanto, eles são conhecidos por defenderem ferozmente seu território quando ameaçados, usando suas habilidades sensoriais avançadas para se protegerem.

Em resumo, os metanefrídeos são uma espécie alienígena fascinante e misteriosa, que continua a intrigar e surpreender os cientistas. Sua origem e habilidades únicas os tornam uma espécie digna de estudo e respeito no universo.

Animais que possuem Protonefrídios: saiba quais são essas espécies e como funcionam.

Os protonefrídios são estruturas excretoras presentes em alguns animais, como os platelmintos, nematódeos e moluscos. Esses órgãos são responsáveis por regular o equilíbrio osmótico e eliminar resíduos metabólicos do organismo desses animais.

Os protonefrídios são compostos por células especializadas chamadas de células flama, que possuem cílios vibráteis responsáveis pela movimentação do líquido excretor através de tubos ramificados. Esse líquido é filtrado nos tubos e os resíduos metabólicos são eliminados para o meio externo.

Em contraste com os protonefrídios, existem os metanefrídeos, que são estruturas excretoras mais complexas encontradas em animais como os insetos, aranhas e anelídeos. Os metanefrídeos são compostos por um nefrídio, um tubo torácico e um tubo de Malpighi, que realizam a filtração do líquido excretor e a reabsorção de substâncias importantes para o organismo.

Os metanefrídeos são mais eficientes na regulação do equilíbrio hidroeletrolítico e na eliminação de resíduos metabólicos, tornando-se estruturas mais avançadas do que os protonefrídios.

Em resumo, os protonefrídios são estruturas excretoras simples encontradas em alguns grupos de animais, enquanto os metanefrídeos são estruturas mais complexas e eficientes presentes em outros grupos. Ambos desempenham um papel fundamental na manutenção da homeostase dos organismos.

Relacionado:  Flora e fauna da Taiga: espécies representativas

Elementos utilizados por animais invertebrados para locomoção: quais são e como funcionam.

Os animais invertebrados utilizam diferentes elementos para se locomover no ambiente. Alguns desses elementos incluem tentáculos, pés ambulacrários, cílios e patas. Cada um desses elementos desempenha um papel específico na locomoção dos animais.

Os tentáculos são estruturas encontradas em muitos invertebrados, como polvos e águas-vivas. Eles são utilizados para a captura de alimentos e também para se deslocar através da água. Os tentáculos são flexíveis e podem se mover de forma independente, permitindo que o animal se mova em diferentes direções.

Os pés ambulacrários são encontrados em equinodermos, como estrelas-do-mar e ouriços-do-mar. Essas estruturas são equipadas com ventosas que aderem às superfícies, permitindo que o animal se desloque de maneira eficiente. Os pés ambulacrários também podem ser utilizados para se agarrar a rochas ou para se locomover em terrenos acidentados.

Os cílios são pequenas estruturas semelhantes a pelos que são encontradas em muitos invertebrados aquáticos, como plâncton e vermes. Os cílios batem de forma coordenada, criando movimentos ondulatórios que impulsionam o animal através da água. Essas estruturas são essenciais para a locomoção e para a captura de alimentos.

As patas são encontradas em artrópodes, como insetos, aranhas e crustáceos. Elas são articuladas e equipadas com garras, permitindo que o animal se mova rapidamente e se agarre a superfícies. As patas dos artrópodes são adaptadas para diferentes funções, como a corrida, a escavação e a captura de presas.

O que são metanefrídeos?

Os metanefrídeos são órgãos excretores encontrados em muitos invertebrados, como vermes, moluscos e artrópodes. Eles são responsáveis pela remoção de resíduos metabólicos do corpo do animal, ajudando a manter o equilíbrio osmótico e a eliminação de substâncias tóxicas.

Os metanefrídeos funcionam filtrando o fluido corporal do animal e extraindo os resíduos indesejados, como amônia e ácido úrico. Esses resíduos são então transportados para um tubo excretor, onde são eliminados do corpo do animal. Os metanefrídeos desempenham um papel crucial na regulação do ambiente interno do animal, garantindo a sua sobrevivência e bem-estar.

O que são metanefrídeos?

Os metanephridia são um tipo de glândula excretora encontrado exclusivamente em invertebrados pertencentes ao grupo de vermes anelídeos ou alguns moluscos e artrópodes.

Os metanefrídeos têm a função de eliminar os resíduos resultantes do processo metabólico e são responsáveis ​​por manter a concentração de todos os tipos de substâncias reguladas dentro do corpo dos vermes (Britannica, 2017).

O que são metanefrídeos? 1

Dentro do reino animal, animais vertebrados e invertebrados podem ser encontrados. Esse segundo grupo é caracterizado pelo fato de os animais que o compõem não possuírem espinha dorsal ou esqueleto interno articulado. Inclui vermes ou anelídeos, moluscos e artrópodes.

Relacionado:  Os 2 elementos de um ecossistema mais importante

A maioria dos invertebrados possui um sistema de excreção de resíduos composto por nefrídeos, que podem ser protonefrídeos (células flamejantes) ou metanefrídeos.

Esses sistemas são glândulas que cumprem uma função semelhante à dos rins em outros animais (Hine, 2015).Ao contrário dos protonefrídeos, os túbulos de metanefrídeos não possuem células em chamas e se abrem diretamente na cavidade do corpo conhecida como celoma.

Os cílios que revestem o interior de cada túbulo criam um espaço vazio onde os fluidos podem ser conduzidos para fora.

Durante esse processo, as células que revestem as paredes dos metanefrídeos são responsáveis ​​por reabsorver importantes nutrientes ainda contidos nos fluidos enquanto passam pelo túbulo.

Estrutura dos metanefrídeos

Metanefrídeos são glândulas que desempenham o papel dos rins em vermes ou anelídeos. Sua estrutura é composta por um grupo de túbulos, geralmente alguns para cada celoma (cavidade dedicada a facilitar o transporte de substâncias no interior do corpo da anélide). Estes túbulos estão abertos nas duas extremidades.

A primeira extremidade dos túbulos está localizada dentro da cavidade do celoma, formando uma estrutura semelhante à de um funil.

Nesse sentido, é conhecido como nefrostoma e possui vários cílios que o circundam, direcionando o fluxo de substâncias para o celoma. A outra extremidade é chamada nefidioporo e está localizada fora do corpo.

O nefrostoma é um ducto cheio de cílios que se abre dentro do celoma. Por outro lado, o nefriodoporo possui numerosas glândulas, dessa forma seu tamanho pode aumentar ou diminuir graças à ação das vesículas que ajudam a eliminar tudo o que está dentro.

Os túbulos dos metanefrídeos têm a capacidade de transportar líquidos por meio de um sistema de bombeamento e a ação dos cílios encontrados neles.

Por serem capazes de transportar água, eles permitem que excesso de íons, toxinas, resíduos e hormônios sejam eliminados pelo nefriodoporo (Schmidt-Nielsen, 2002).

A urina que é produzida através do processo de filtragem do sangue dos anelídeos é transformada em urina secundária com a ajuda das células que cobrem o metanefrídio.

Dessa forma, é regulada a composição química dentro do corpo dos anelídeos, extraindo apenas os produtos que não contribuem com nada e cuja concentração é alta.

Função

Os metanefrídeos cumprem a mesma função que as células flamejantes em outros invertebrados. Eles são responsáveis ​​pela remoção de resíduos do corpo de anelídeos, alguns moluscos e artrópodes (Fanjul & Hiriart, 1998).

São estruturas excretoras mais complexas que os protonefrídeos, pois são abertas nas duas extremidades, dando lugar de maneira mais rápida e fácil aos fluidos encontrados nelas. Por outro lado, eles são altamente vascularizados, para que possam contribuir para o processo de fabricação da urina.

Relacionado:  O que é o índice Shannon e para que serve?

Por ter uma abertura dupla que permite que eles sejam conectados ao exterior e ao celoma, os metanefrídeos são capazes de receber os resíduos coletados no celoma, transportando-o, filtrando-os uma segunda vez e finalmente enviando-os para fora para descarte. Em outras palavras, os metanefrídeos drenam o fluido presente no interior do celoma.

Quando os resíduos de fluidos ou urina passam do celoma para os metanefrídeos, sua concentração é isotônica; no entanto, no momento de passar pelos túbulos dos metanefrídeos, todos os sais são removidos, deixando a urina como uma substância mais diluída.

Dessa forma, a função dos metanefrídeos pode ser entendida como se fossem rins, pois visam filtrar e reabsorver as substâncias contidas na urina, formando uma solução inicial através de um processo de filtração que posteriormente será modificado por um processo de reabsorção ao passar pelos túbulos (Espanha, sd).

Aparência

A aparência, forma e tamanho do celoma e dos metanefrídeos podem variar dependendo da espécie de invertebrado que os possui.

Annelids ou worms

Nos anelídeos, o celoma é alongado; portanto, seu corpo possui diferentes conjuntos de metanefrídeos, geralmente um par para cada anel do corpo.

Moluscos

No caso dos moluscos, o celoma é apresentado como uma cavidade que inclui o pericárdio e os rins; portanto, os metanefrídeos parecem ser um rim no corpo dos moluscos.

Artrópodes

Poucos artrópodes usam o sistema de celoma e metanefrídeos para realizar o processo de excreção de resíduos.

No entanto, aqueles que possuem pequenos tubos nefróides conectados ao celoma, que é um saco de tamanho pequeno e paredes finas, conectados ao terminal interno dos túbulos excretor ou metanefrídeo.

Independentemente da aparência ou tamanho do celoma e dos metanefrídeos, as funções desempenhadas por esse sistema são sempre as mesmas no corpo de qualquer invertebrado.

É assim que os metanefrídeos são responsáveis ​​por evacuar as soluções contidas no interior do celloma, movendo-as lentamente para o exterior, enquanto filtram os nutrientes ainda presentes.

Dessa forma, os metanefrídeos estarão sempre ligados ao processo de formação de urina, filtração, reabsorção e subsequente evacuação para a parte externa do corpo (Recio, 2015).

Referências

  1. Britannica, TE (2017). Encyclopædia Britannica . Obtido em Nephridium: britannica.com
  2. Espanha, G. d. (sf). Projeto Biosfera . Obtido em EXCRETING SYSTEMS IN INVESTORS: resources.cnice.mec.es
  3. Fanjul, ML; Hiriart, M. (1998). Nephrids Em ML Fanjul, & M. Hiriart, Functional Biology of Animals (pp. 507-509). Editores do século XX.
  4. Hine, R. (2015). Metanephridium Em R. Hine, A Dictionary of Biology (p. 368). Oxford: Oxford University Press.
  5. Recio, CG (26 de novembro de 2015). Paradais-Sphynx . Obtido no aparelho excretor de animais. Tipos de sistemas e exemplos.: Paradois-sphynx.com
  6. Schmidt-Nielsen, K. (2002). Fisiologia Animal: Adaptação e Meio Ambiente. Nova York: Cambridge University Press.

Deixe um comentário