Obsolescência programada: história, tipos, consequências

A obsolescência é uma estratégia utilizada pelos fabricantes para reduzir a vida útil dos produtos. Dessa forma, o consumo é promovido e maiores ganhos econômicos são obtidos.

Essa estratégia se originou no início do século XX, com o desenvolvimento da Revolução Industrial . Seu conceito foi mais claramente definido pelo americano Bernarda London em 1932, que propôs implementá-lo como uma lei.

Obsolescência programada: história, tipos, consequências 1

Mural sobre obsolescência programada na Catalunha. Fonte: Coentor [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Dois tipos básicos de obsolescência programada foram definidos. Na obsolescência técnica, o equipamento é projetado para ter uma curta duração. A obsolescência percebida manipula a mente do consumidor através da publicidade, de forma que considera objetos obsoletos porque não estão na moda.

A obsolescência programada tem conseqüências ambientais e sociais. No nível ambiental, o estímulo ao consumo gera uma grande quantidade de resíduos que afeta pessoas e ecossistemas. Do ponto de vista social, aumentam as desigualdades entre os países de maior renda e os menos desenvolvidos.

Para evitar a obsolescência planejada, devem ser geradas leis que proíbem essa prática e promovam a reciclagem e a produção de bens duradouros. Além disso, a conscientização do consumidor deve ser criada para tornar o consumo responsável.

As vantagens da obsolescência programada são percebidas pelas empresas, uma vez que essa prática estimula o consumo, gera lucros e gera empregos. Embora suas desvantagens sejam sofridas por todo o planeta, contribuindo para a crise ambiental ambiental global e exigindo mão-de-obra barata sem proteção ao trabalhador.

Entre alguns exemplos, temos as meias de nylon que vêm perdendo qualidade desde sua origem em 1940, passando de um produto durável para descartável atualmente. No campo tecnológico, algumas empresas como a Apple projetam seus produtos com um prazo de validade muito curto e promovem a atualização contínua de seu software.

Definição de

A obsolescência programada é uma prática associada aos processos de produção e ao modelo econômico vigente no mundo. Está relacionado ao uso da tecnologia no planejamento e fabricação de bens de consumo.

Levando em consideração essas características, diferentes autores propuseram suas próprias definições. Entre estes temos:

Giles Slade (historiador canadense) indica que é um conjunto de técnicas aplicadas para reduzir artificialmente a durabilidade. O produto fabricado foi projetado para ser útil por um curto período de tempo e, assim, estimular o consumo repetitivo.

O economista americano Barak Orbach define a obsolescência planejada como uma estratégia para reduzir o período de uso de um produto. Dessa forma, o fabricante incentiva o consumidor a substituir esse bem, devido ao seu curto prazo de validade.

Por fim, o economista colombiano Jesús Pineda considera que é uma estratégia de produção que as empresas implementam para limitar a vida útil de seus produtos. Eles são projetados para serem inutilizáveis ​​em um período planejado e conhecido.

O fator comum em todas essas definições é o planejamento do prazo de validade dos produtos para estimular o consumo.

História

A obsolescência planejada surge durante a Revolução Industrial , quando bens de consumo em massa começam a ser produzidos. Nos anos 20 (século 20), os fabricantes consideraram gerar produtos com prazo de validade menor para aumentar seus lucros.

Uma das primeiras experiências de obsolescência programada surge em 1924, com a formação do cartel Phoebus (fabricantes de lâmpadas). Eles instruíram seus engenheiros a projetar lâmpadas com materiais mais frágeis e reduzir a vida útil de 1.500 para 1.000 horas.

Antes do início da Grande Depressão , em 1928, muitos empresários já consideravam que um bem que não se desgastava afetava os processos econômicos.

Posteriormente, especialistas em economia começaram a propor teorias sobre o processo de obsolescência. Assim, em 1929, a americana Christine Frederick postulou a prática da obsolescência progressiva. Essa prática era tentar influenciar a mente do consumidor para gerar seu desejo de adquirir novos bens.

Em 1932, o empresário americano Bernard London escreveu um ensaio intitulado Fim da Depressão através da obsolescência planejada . O autor propôs uma saída para a grande crise econômica mundial que havia causado uma alta taxa de desemprego e o colapso de vários bancos.

Londres considerou que uma das causas da Grande Depressão foi que a produção de bens se tornou superior à demanda. Isso ocorreu porque as pessoas usavam os produtos por períodos muito longos.

Por esse motivo, ele propôs ao governo dos EUA quatro medidas que, segundo ele, contribuiriam para estimular a demanda. Estes foram:

  1. Destrua as mercadorias sem utilidade, o que serviria para reativar as fábricas para substituí-las.
  2. Atribua aos produtos manufaturados uma vida útil planejada conhecida pelo consumidor.
  3. Depois de decorrido o prazo de validade, o produto seria inútil por lei e deveria ser destruído. As pessoas receberiam compensação financeira para substituir este produto.
  4. Produção de novos bens para substituir os não utilizados, a fim de manter o funcionamento das indústrias e a taxa de emprego.
Relacionado:  Os 5 tipos de frutas mais importantes

As propostas de Londres não foram aceitas no nível legislativo, mas suas abordagens foram adotadas pelos fabricantes. Eles lançaram as bases para todos os planos para o design e fabricação de bens de consumo na economia capitalista.

Tipos

Obsolescência programada: história, tipos, consequências 2

Celular em desuso. Fonte: Lledorut [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

A obsolescência programada possui diferentes modalidades ou tipos, mas todos levam ao mesmo objetivo de gerar uma demanda constante dos consumidores. Entre esses tipos, temos obsolescência objetiva ou técnica e obsolescência psicológica, percebida ou subjetiva.

-Obsolescência objetiva ou técnica

Nesse modo, a obsolescência concentra-se nas características físicas do produto, para que ele se torne inutilizável em um período de tempo programado. Os diferentes tipos de obsolescência objetiva são:

Obsolescência funcional

Também é conhecida como obsolescência da qualidade, pois existe uma intenção deliberada de tornar o bem inútil em um determinado período de tempo. Os produtos são projetados e fabricados com materiais de baixa qualidade e / ou resistência, com base na vida útil programada.

Para isso, está previsto que os custos de substituição de peças ou reparo sejam semelhantes à aquisição de um novo produto. Além disso, nenhum serviço técnico é oferecido ou são produzidas peças de reposição.

Como exemplos desse tipo de obsolescência, temos a vida útil de lâmpadas ou baterias de lítio que não são recarregáveis.

Obsolescência do computador

É baseado na geração de alterações computacionais em equipamentos eletrônicos, a fim de torná-los obsoletos em um determinado período. Isso pode ser alcançado afetando o software (programas de computador) ou o hardware (elementos físicos dos equipamentos eletrônicos).

Quando o software é afetado, são criados programas que tornam o anterior obsoleto. Isso leva os consumidores a comprar a nova versão, que pode ser reforçada por não oferecer serviço técnico para o software antigo.

No caso de hardware, o fabricante oferece ao consumidor atualizações remotas de software que não podem ser processadas pelo equipamento. Dessa forma, o hardware se torna obsoleto e a aquisição de um novo é promovida.

Obsolescência por notificação

Essa estratégia é que o fabricante informe o consumidor sobre a vida útil do bem. Para isso, o produto recebe um sinal que é ativado no momento do período de uso planejado.

Nesse sentido, o produto ainda pode ser útil, mas o consumidor é incentivado a substituí-lo. É o caso das escovas de dentes elétricas que possuem uma tela que indica que elas devem ser substituídas.

Um dos casos que é considerado mais agressivo nesse tipo de obsolescência programada é o das impressoras. Muitas dessas máquinas são programadas para parar de funcionar após um certo número de impressões, colocando um chip para bloqueá-las.

Obsolescência psicológica, percebida ou subjetiva

Nesse tipo de obsolescência, o consumidor percebe que o produto é obsoleto mesmo se útil, devido a uma alteração no design ou no estilo. O objeto se torna menos desejável, mesmo que seja funcional, porque não segue as tendências da moda.

Esse modo de obsolescência manipula a mente do consumidor e o leva a pensar que o produto que ele possui está desatualizado. Assim, é incentivado a adquirir o modelo mais moderno que está sendo promovido no mercado.

A obsolescência percebida é considerada uma das características típicas da chamada “sociedade de consumo”. Promove o consumo em massa de bens e serviços para não atender às necessidades reais, mas aos desejos criados pela publicidade.

Os exemplos mais importantes desse tipo de obsolescência são encontrados na indústria de moda e automóveis.

Consequências

A obsolescência programada como prática comum dos processos industriais tem sérias conseqüências para o meio ambiente e a sociedade.

Ambiental

Obsolescência programada: história, tipos, consequências 3

Incêndio em aterro sanitário de Agbogbloshie (Gana). Fonte: Muntaka Chasant [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Primeiro, essa prática é considerada um desperdício dos recursos naturais do planeta. A estimulação acelerada do consumo leva ao esgotamento de minerais não renováveis ​​e a um maior uso de energia.

Por exemplo, estima-se que, com um crescimento anual de 2% na produção, até 2030 as reservas de cobre, chumbo, níquel, prata, estanho e zinco sejam esgotadas. Por outro lado, aproximadamente 225 milhões de toneladas métricas de cobre não são utilizadas em aterros sanitários.

Relacionado:  Tornado: características, causas, tipos e consequências

Outra consequência séria da obsolescência planejada é a alta produção de resíduos de diferentes tipos. Isso acaba causando sérios problemas de contaminação por lixo, uma vez que o gerenciamento adequado dos resíduos não é realizado.

Um dos casos mais preocupantes é o de lixo eletrônico, pois a taxa de produção é muito alta. No caso de telefones celulares, sua taxa de reposição é estimada em 15 meses e mais de 400.000 vendidos diariamente.

A ONU estima que 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico são produzidas anualmente. A maior parte desse resíduo é produzida nos países mais desenvolvidos (a Espanha gera 1 milhão de toneladas por ano).

Esses resíduos eletrônicos geralmente são bastante poluentes e seu gerenciamento é ineficiente. De fato, a maioria dos resíduos eletrônicos é levada atualmente para o bairro de Agbogbloshie, na cidade de Accra (Gana).

No aterro de Agbogbloshie, os trabalhadores podem ganhar renda de até US $ 3,5 por dia recuperando metais do lixo eletrônico. No entanto, esses resíduos geram uma poluição muito alta que afeta a saúde dos trabalhadores.

Nesse aterro, os níveis de chumbo excedem mil vezes o nível máximo de tolerância. Além disso, as águas foram contaminadas afetando a biodiversidade e os incêndios liberam gases poluentes que causam doenças respiratórias .

Social

Uma das conseqüências dessa prática é a necessidade de manter taxas de produção com baixos custos. Portanto, as indústrias tentam manter sua renda usando mão-de-obra barata.

Muitas indústrias foram estabelecidas em países com economias mal desenvolvidas ou onde não há uma boa legislação de proteção do trabalho. Essas áreas incluem o Sudeste Asiático, África, China, Brasil, México e Europa Central.

Isso promove imensas desigualdades sociais, uma vez que os trabalhadores não têm capacidade para atender às suas necessidades. Por exemplo, a renda mensal média de um trabalhador têxtil na Etiópia é de US $ 21 e na Espanha, mais de US $ 800.

Estima-se que atualmente 15% da população mundial que vive em países desenvolvidos consuma 56% dos bens. Enquanto 40% dos países mais pobres, atingem apenas 11% do consumo mundial.

Por outro lado, os níveis de consumo não são sustentáveis, pois estima-se que a pegada ecológica atual seja de 1,5 planetas. Ou seja, a Terra precisaria de um ano e meio para regenerar os recursos que usamos em um ano.

Como evitar a obsolescência programada?

Vários países, principalmente na União Européia, promoveram leis para impedir o desenvolvimento dessas práticas comerciais. Na França, durante 2014, foi aprovada uma lei que aplica multa às empresas que aplicam técnicas de obsolescência programada em seus produtos.

Para evitar a obsolescência programada, o consumidor deve se conscientizar do problema e fazer um consumo responsável e sustentável. Da mesma forma, os governos devem promover campanhas de consumo responsável e leis que o incentivem.

O governo da Suécia aprovou em 2016 a redução do IVA (25% a 12%) em qualquer reparo em equipamentos diferentes. Dessa forma, eles procuram impedir que os consumidores descartem produtos que possam ter uma vida útil mais longa.

Atualmente, existem fabricantes que produzem mercadorias que não estão programadas para deixar de ser úteis. Eles são fabricados com materiais de alta qualidade e peças de reposição para prolongar sua duração e possuem etiquetas para identificá-los.

Vantagens e desvantagens

Obsolescência programada: história, tipos, consequências 4

Depósito de lixo eletrônico em Agbogbloshie (Gana). Fonte: Fairphone [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)]

As vantagens da obsolescência programada são percebidas apenas pelas empresas. Essa prática, aliada à terceirização de custos sociais e ambientais, aumenta os ganhos econômicos, estimulando o consumo de bens e serviços.

As desvantagens da obsolescência programada são ilustradas nas conseqüências ambientais e sociais mencionadas anteriormente. Isso causa danos significativos ao meio ambiente devido à alta taxa de resíduos e emissões produzidas.

Além disso, a produção acelerada de mercadorias consome matérias-primas renováveis ​​no planeta. Portanto, a obsolescência programada não é sustentável ao longo do tempo.

Finalmente, a obsolescência programada aumenta as desigualdades sociais em todo o mundo. Assim, as empresas preferem se estabelecer em países com mão de obra barata, sem leis que protejam os direitos dos trabalhadores.

Exemplos

Existem inúmeros exemplos de obsolescência planejada em todo o mundo. Aqui apresentaremos alguns dos mais emblemáticos:

Relacionado:  Saneamento ambiental: objetivos, planos, tipos, problemas

Meias de nylon (caso Dupont)

A indústria de fibra de nylon conseguiu incorporar grandes avanços tecnológicos durante os anos 40 do século XX. Essa tecnologia foi usada durante a Segunda Guerra Mundial para produzir pára-quedas e pneus, mas depois foi aplicada na elaboração de médias femininas.

As primeiras meias de nylon eram extremamente resistentes e tinham alta durabilidade, por isso o consumo diminuiu. A indústria americana Dupont decidiu reduzir gradualmente a qualidade das médias, a fim de reduzir sua vida útil.

A indústria estava reduzindo cada vez mais a resistência dos materiais, tornando as meias de nylon um produto praticamente descartável. A empresa justificou essa prática afirmando que os consumidores exigiam maior transparência nas peças de vestuário para torná-las mais atraentes.

No entanto, a abordagem não foi muito forte, já que os avanços tecnológicos na área possibilitariam a adoção de medidas resistentes e transparentes. Portanto, o principal objetivo dessa prática é induzir a substituição de produtos a curto prazo e aumentar o consumo.

Este exemplo é considerado para ilustrar a operação da indústria da moda e têxtil, onde os produtos são fabricados por estação. Além disso, isso é combinado com o uso de materiais com baixa durabilidade para promover a substituição de peças de vestuário.

Equipamento tecnológico (Apple Case)

A empresa de tecnologia Apple implementou políticas e protocolos de fabricação para gerar a obsolescência programada de seus produtos. Por exemplo, as baterias de lítio dos iPods conhecidos têm uma duração muito curta e devem ser substituídas com freqüência.

Por outro lado, em 2009, um parafuso fabricado e distribuído apenas pela empresa foi incluído em muitos produtos da Apple. Além disso, quando o consumidor reparava produtos mais antigos com parafusos genéricos, eles eram substituídos pelos parafusos exclusivos da Apple.

Outra prática que incentiva a obsolescência programada é a incompatibilidade de adaptadores de energia. Os adaptadores dos equipamentos mais antigos eram compatíveis entre si, mas mais tarde a empresa os projetou para torná-los incompatíveis.

Portanto, quando o usuário compra um produto da Apple, ele é forçado a comprar um pacote de acessórios que permite a conexão de diferentes equipamentos. De fato, um de seus produtos inclui um chip que desabilita a compatibilidade com outros adaptadores de dispositivos Apple.

Por fim, a marca Apple aplica uma prática muito comum em empresas de tecnologia que é a atualização de software. Dessa maneira, o consumidor é oferecido para melhorar as condições do computador, modificando os sistemas operacionais.

A obsolescência do computador é gerada, pois o hardware não pode processar a atualização dos programas e deve ser substituído.

Alimentos perecíveis (caso de iogurte)

Alguns produtos perecíveis têm curtos períodos de tempo que devem ser marcados com rótulos de data de validade. Após esse período, o consumo do produto pode ser arriscado para a saúde.

Existem outros produtos com uma duração muito maior e com etiquetas de data de consumo preferenciais. Esta data indica o tempo até o qual o produto tem a qualidade oferecida pelo fabricante.

No entanto, ingerir alimentos após a data de consumo preferencial não traz riscos à saúde. Na Espanha, o regulamento estabelece que os iogurtes devem ter uma data preferida de consumo e não uma data de validade.

No entanto, os fabricantes não alteraram o rótulo e continuam a colocar a data de validade de aproximadamente 28 dias. Isso faz com que o usuário descarte um grande número de produtos que ainda são adequados para consumo.

Referências

  1. Anabalón P (2016) Obsolescência programada: análise do direito comparado e projeções de sua aplicação em questões civis e direito do consumidor no Chile. Trabalho para me formar em ciências jurídicas e sociais. Faculdade de Direito, Universidade do Chile, Chile. 101 pp.
  2. Bianchi L (2018) A influência do princípio do consumo sustentável no combate à obsolescência programada, a garantia de “produtos duráveis” e o direito à informação dos consumidores na Argentina. Private Law Review 34: 277-310.
  3. Carrascosa A (2015) Obsolescência programada: análise da possibilidade de sua proibição. Eu trabalho para me qualificar para o diploma de direito. Faculdade de Direito, Universidade Pompeu Fabra, Barcelona, ​​Espanha. 52 pp.
  4. Rodríguez M (2017) Obsolescência de produtos e consumo responsável. Estratégias públicas e sociais para o desenvolvimento sustentável. Distribuição e consumo 1: 95-101.
  5. Vázquez-Rodríguez G (2015) Obsolescência programada: história de uma má ideia. Herreriana 11: 3-8.
  6. Yang Z (2016) A obsolescência planejada. Eu trabalho para me qualificar para um diploma de bacharel em economia. Faculdade de Economia e Negócios, Universidade do País Basco, Espanha. 33 pp.

Deixe um comentário