Onde isso tende a se concentrar na população humana?

A população humana tende a se concentrar mais em grandes populações, deixando as áreas rurais em busca de melhores condições econômicas. Isso faz as cidades crescerem e muitas cidades estão prestes a desaparecer.

As populações escolhem um site em vez de outro por diferentes razões. Os movimentos populacionais são estudados por uma ciência chamada demografia, dedicada à análise estatística de populações humanas.

Onde isso tende a se concentrar na população humana? 1

Onde está concentrada a população humana?

Atualmente, podem ser vistos os efeitos dos movimentos populacionais em megacidades como a Cidade do México, com 21 milhões de habitantes contando sua área metropolitana, ou Manila (Filipinas) com seus 24 milhões de habitantes.

Mesmo assim, eles ficam longe de populações asiáticas como Guangzhou e Shenzhen, que têm 48 milhões de habitantes.

Fatores que determinam a concentração da população

Basicamente, existem dois tipos de fatores que determinam a concentração das populações: física e humana.

Fatores físicos

Entre esses fatores, o clima se destaca. Climas extremos tornam a vida muito mais difícil; Além disso, é um elemento muito importante para que boas colheitas possam ser colhidas.

As margens dos rios e mares sempre foram lugares que atraíram população de outras áreas mais áridas e sem a riqueza que as áreas úmidas costumam oferecer.

Pelo contrário, as zonas desérticas e áridas são as que apresentam maior risco de despovoamento.

Não surpreende que os poucos habitantes que os habitam tentem alcançar as terras mais férteis, com bom tempo e que ofereçam melhores condições de vida.

Fatores humanos

Entre as razões humanas para a concentração da população, destacam-se razões históricas, econômicas e políticas.

– razões históricas

Os primeiros habitantes que decidiram deixar de ser nômades escolheram áreas com uma natureza rica que lhes permitiria sobreviver.

Relacionado:  As 5 danças e danças mais populares de Colima

Os rios eram uma ótima opção não apenas para a pesca, mas porque contribuíam para o fato de as terras circundantes serem muito férteis. Ainda existem grandes centros habitados nas margens do Nilo ou do Ganges.

Mais tarde, essas áreas seriam unidas por aquelas que facilitavam o comércio. Por exemplo, as grandes cidades que existiam ao redor da Rota da Seda, uma rota comercial que ligava a Europa e a Ásia. Cada um desses assentamentos ficava próximo a um rio que lhes permitia sobreviver.

– razões econômicas

Outro fator importante para saber onde a população geralmente fica é a economia. As pessoas tendem a deixar para trás os países ou áreas mais pobres e procuram se instalar nos mais ricos.

Os Estados Unidos e a União Européia são os maiores ímãs para quem tenta encontrar uma vida melhor.

Algumas áreas da Ásia viram sua população aumentar nos últimos tempos. Nesses casos, são movimentos internos e não externos. Em geral, todos os grandes centros urbanos atraem novos habitantes das áreas rurais do mesmo país.

– razões políticas

Eles podem ser considerados motivos de segurança, porque a população tende a deixar as áreas consideradas perigosas e se instalar da maneira mais segura.

Conflitos de guerra, conflitos sociais e até criações de novos países causaram movimentos importantes de populações de um lugar para outro nos últimos anos.

Pode-se dizer que esses são movimentos necessários para não pôr em risco a vida das pessoas.

Referências

  1. Geografia da Internet Quais são as características dos assentamentos? Obtido em geography.learnontheinternet.co.uk
  2. BBC Características de liquidação. Obtido de bbc.co.uk
  3. Calaza, Juan José. Por que as cidades crescem? (27 de outubro de 2010). Recuperado de farodevigo.es
  4. Geografia 3D Assentamentos. Obtido em 3dgeography.co.uk
  5. Kotkin, Joel. O problema com megacidades. (4 de abril de 2011). Obtido de forbes.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies