Organismos multicelulares: características, funções e exemplos

Os organismos multicelulares são seres vivos que são constituídos por mais de uma célula, em oposição aos organismos unicelulares que consistem em apenas uma célula. Esses organismos possuem uma divisão de trabalho entre as diferentes células que os compõem, permitindo a realização de funções específicas e complexas.

As células dos organismos multicelulares podem se agrupar em tecidos, órgãos e sistemas, cada um desempenhando uma função específica para garantir o funcionamento adequado do organismo como um todo. Essa especialização celular permite uma maior eficiência na realização das atividades vitais, como nutrição, reprodução, locomoção e resposta a estímulos ambientais.

Alguns exemplos de organismos multicelulares incluem animais, plantas e fungos. Cada um desses grupos apresenta características únicas e adaptações específicas para seu ambiente e estilo de vida. A diversidade de organismos multicelulares é enorme, com uma ampla variedade de formas, tamanhos e estruturas, refletindo a complexidade e a evolução da vida no planeta Terra.

Qual a importância dos organismos multicelulares no funcionamento dos ecossistemas?

Os organismos multicelulares desempenham um papel fundamental no funcionamento dos ecossistemas. Eles são responsáveis por funções vitais que garantem a estabilidade e a diversidade dos ambientes naturais. Esses organismos possuem características únicas que os tornam essenciais para a manutenção da vida na Terra.

Uma das principais características dos organismos multicelulares é a sua capacidade de realizar funções especializadas dentro de um ecossistema. Cada célula desempenha um papel específico que contribui para o equilíbrio ecológico. Por exemplo, as plantas são responsáveis pela produção de oxigênio, enquanto os animais realizam a dispersão de sementes e o controle populacional de outras espécies.

Além disso, os organismos multicelulares são capazes de formar relações complexas e interdependentes entre si e com o ambiente. Essas interações são essenciais para a manutenção da cadeia alimentar, do ciclo de nutrientes e da regulação do clima. Sem a presença desses organismos, os ecossistemas seriam incapazes de funcionar de forma eficiente.

Alguns exemplos de organismos multicelulares incluem árvores, animais e fungos. Cada um desses grupos desempenha um papel único e fundamental na dinâmica dos ecossistemas. As árvores, por exemplo, são responsáveis pela produção de oxigênio, pela absorção de dióxido de carbono e pela criação de habitats para outras espécies.

Em resumo, os organismos multicelulares são essenciais para o funcionamento dos ecossistemas devido às suas funções especializadas, às interações complexas que estabelecem e à diversidade que proporcionam aos ambientes naturais. Sem eles, os ecossistemas seriam desequilibrados e incapazes de sustentar a vida na Terra.

Características dos organismos formados por várias células: o que os diferencia?

Os organismos multicelulares são compostos por diversas células que se organizam de forma cooperativa para desempenhar funções específicas e garantir a sobrevivência do organismo como um todo. Essa organização celular permite uma maior complexidade e especialização das funções desempenhadas, o que os diferencia dos organismos unicelulares.

Uma das principais características dos organismos multicelulares é a divisão de trabalho entre as diferentes células que compõem o organismo. Cada tipo de célula é responsável por realizar uma função específica, contribuindo para o funcionamento harmonioso do organismo como um todo. Essa especialização celular permite uma maior eficiência na realização das diversas atividades necessárias para a sobrevivência do organismo.

Além disso, os organismos multicelulares possuem uma maior capacidade de adaptação ao meio ambiente em comparação com os organismos unicelulares. A diversidade de células e a capacidade de se especializarem em diferentes funções permitem que esses organismos respondam de forma mais eficaz às mudanças ambientais, garantindo sua sobrevivência e reprodução.

Outra característica importante dos organismos multicelulares é a presença de uma estrutura complexa de comunicação entre as células. Mecanismos de sinalização celular permitem que as diferentes células do organismo interajam entre si, coordenando suas atividades e garantindo o funcionamento adequado do organismo como um todo.

Em resumo, os organismos multicelulares se diferenciam dos organismos unicelulares pela divisão de trabalho entre as células, pela maior capacidade de adaptação ao meio ambiente e pela presença de uma estrutura complexa de comunicação celular. Essas características permitem que esses organismos alcancem um maior grau de complexidade e eficiência em suas funções, garantindo sua sobrevivência e reprodução no ambiente em que estão inseridos.

Quais tipos de organismos possuem mais de uma célula em seu corpo?

Os organismos multicelulares são aqueles que possuem mais de uma célula em seu corpo. Diferentemente dos organismos unicelulares, que consistem em apenas uma célula, os organismos multicelulares são compostos por várias células especializadas que desempenham funções específicas no organismo.

Essas células podem se organizar de forma a formar tecidos, órgãos e sistemas, permitindo que o organismo realize funções complexas e se adapte a diferentes ambientes. Os organismos multicelulares podem ser encontrados em diversos grupos taxonômicos, desde plantas e animais até fungos e protistas.

Um exemplo de organismo multicelular são os animais, que possuem uma grande diversidade de células que se organizam em tecidos, órgãos e sistemas para realizar funções vitais como a digestão, a respiração e a locomoção. Outro exemplo são as plantas, que possuem células especializadas em realizar fotossíntese, transporte de nutrientes e suporte estrutural.

Relacionado:  Protostomados: características, nutrição, reprodução

Em resumo, os organismos multicelulares são aqueles que possuem mais de uma célula em seu corpo, permitindo a formação de estruturas complexas e a realização de funções especializadas. Essa organização celular é fundamental para a sobrevivência e adaptação desses organismos aos diferentes ambientes em que vivem.

Definição de animais multicelulares: organismos formados por várias células especializadas em funções específicas.

Os organismos multicelulares são aqueles formados por várias células especializadas em funções específicas. Essas células trabalham em conjunto para garantir a sobrevivência e o funcionamento do organismo como um todo. Diferentemente dos organismos unicelulares, que possuem apenas uma célula, os organismos multicelulares são mais complexos e possuem uma maior diversidade de estruturas e funções.

As células dos organismos multicelulares são organizadas em tecidos, que por sua vez formam órgãos e sistemas. Cada célula desempenha um papel importante no funcionamento do organismo, contribuindo para a realização de diversas funções vitais, como a digestão, a respiração e a reprodução.

Um dos principais benefícios de ser um organismo multicelular é a capacidade de realizar diversas atividades de forma mais eficiente. Ao ter células especializadas em funções específicas, o organismo pode desempenhar tarefas de maneira mais eficaz e com maior precisão. Além disso, a divisão do trabalho entre as células permite uma maior adaptação e sobrevivência em diferentes ambientes.

Alguns exemplos de organismos multicelulares incluem os animais, as plantas e os fungos. Cada um desses grupos apresenta características e estruturas únicas, adaptadas às suas necessidades e ao seu ambiente. Os animais, por exemplo, possuem sistemas nervoso e muscular altamente desenvolvidos, que lhes permitem mover-se e interagir com o meio ambiente de forma eficiente.

Em resumo, os organismos multicelulares são formados por várias células especializadas em funções específicas, que trabalham em conjunto para garantir a sobrevivência e o funcionamento do organismo como um todo.

Organismos multicelulares: características, funções e exemplos

Um organismo multicelular é um ser vivo formado por várias células. O termo multicelular também é frequentemente usado. Os seres orgânicos que nos cercam, e que podemos observar a olho nu, são multicelulares.

A característica mais notável desse grupo de organismos é o nível de organização estrutural que eles possuem. As células tendem a se especializar para desempenhar funções muito específicas e são agrupadas em tecidos. À medida que aumentamos a complexidade, os tecidos formam órgãos e esses sistemas.

Organismos multicelulares: características, funções e exemplos 1

Os animais são seres multicelulares.Fonte: pixabay.com

O conceito se opõe ao dos organismos unicelulares, compostos por uma única célula. A esse grupo pertencem bactérias , arquéias , protozoários, entre outros. Nesse grande grupo, os organismos devem compactar todas as funções básicas da vida (nutrição, reprodução, metabolismo etc.) em uma única célula.

Origem e evolução

A multicelularidade evoluiu em várias linhagens eucarióticas , levando ao aparecimento de plantas , fungos e animais . De acordo com as evidências, as cianobactérias multicelulares surgiram no início da evolução e, posteriormente, outras formas multicelulares apareceram, independentemente, em diferentes linhagens evolutivas.

Como é evidente, a transição de uma entidade unicelular para uma multicelular ocorreu no início da evolução e repetidamente. Por essas razões, é lógico supor que a multicelularidade represente fortes vantagens seletivas para seres orgânicos. Mais tarde, as vantagens de ser multicelular serão discutidas em detalhes.

Vários pressupostos teóricos tiveram que ocorrer para obter esse fenômeno: aderências entre células vizinhas, comunicação, cooperação e especialização entre elas.

Precursores de organismos multicelulares

Estima-se que os organismos multicelulares tenham evoluído de seus ancestrais unicelulares cerca de 1,7 bilhão de anos atrás. Nesse evento ancestral, alguns organismos eucarióticos unicelulares formaram um tipo de agregados multicelulares que pareciam ser uma transição evolutiva de organismos em uma célula para multicelular.

Hoje, observamos organismos vivos que exibem esse padrão de agrupamento. Por exemplo, as algas verdes do gênero Volvox são associadas aos seus pares para formar uma colônia. Pensa-se que deveria ter existido no passado um precursor semelhante ao Volvox que originou as plantas atuais.

Um aumento na especialização de cada célula pode levar a colônia a ser um verdadeiro organismo multicelular. No entanto, outra visão também pode ser aplicada para explicar a origem dos organismos unicelulares. Para explicar os dois lados, usaremos dois exemplos das espécies atuais.

O volvocaceano

Este grupo de organismos é constituído por configurações celulares. Por exemplo, um organismo do gênero Gonium consiste em uma “placa” plana de cerca de 4 a 16 células, cada uma com seu flagelo. O gênero Pandorina, enquanto isso, é uma esfera de 16 células. Assim, encontramos vários exemplos em que o número de células aumenta.

Existem gêneros que exibem um padrão de diferenciação interessante: cada célula da colônia tem um “papel”, assim como acontece em um organismo. Especificamente, as células somáticas são divididas das células sexuais.

Dictyostelium

Outro exemplo de arranjo multicelular em organismos unicelulares é encontrado no gênero Dictyostelium . O ciclo de vida desse organismo inclui uma fase sexual e uma assexual.

Durante o ciclo assexual, uma ameba solitária se desenvolve em troncos em decomposição, se alimenta de bactérias e se reproduz por fissão binária . Em tempos de escassez de alimentos, um número significativo dessas amebas se reúne em um corpo viscoso capaz de se mover em um ambiente escuro e úmido.

Ambos os exemplos de espécies vivas podem ser uma indicação possível de como a multicelularidade começou nos tempos antigos.

Vantagens de ser multicelular

Organismos multicelulares: características, funções e exemplos 2

Manada de elefantes no Serengeti

As células são a unidade básica da vida, e organismos maiores tendem a aparecer como agregados dessas unidades e não como uma única célula que aumenta de tamanho.

É verdade que a natureza experimentou formas unicelulares relativamente grandes, como as algas marinhas unicelulares, mas esses casos são raros e muito específicos.

Organismos unicelulares têm sido bem sucedidos na história evolutiva dos seres vivos. Eles representam mais da metade da massa total de organismos vivos e colonizaram com sucesso os ambientes mais extremos. No entanto, que vantagens um corpo multicelular oferece?

Área de superfície ideal

Por que um organismo grande é composto por células pequenas melhor do que uma célula grande? A resposta a esta pergunta está relacionada à área da superfície.

A superfície da célula deve ser capaz de mediar a troca de moléculas do interior celular para o ambiente externo. Se a massa celular é dividida em pequenas unidades, a área de superfície disponível para a atividade metabólica aumenta.

É impossível manter uma proporção ideal de superfície e massa simplesmente aumentando o tamanho de uma única célula. Por esse motivo, a multicelularidade é um recurso adaptativo que permite o aumento do tamanho dos organismos.

Especialização

Do ponto de vista bioquímico, muitos organismos unicelulares são versáteis e são capazes de sintetizar virtualmente qualquer molécula baseada em nutrientes muito simples.

Em contraste, as células de um organismo multicelular são especializadas para várias funções e esses organismos têm um maior grau de complexidade. Essa especialização permite que a função ocorra com mais eficácia – em comparação com uma célula que deve executar todas as funções vitais básicas.

Além disso, se uma “porção” do organismo é afetada – ou morre -, não resulta na morte de todo o indivíduo.

Colonização de nicho

Organismos multicelulares são melhor adaptados à vida em certos ambientes que seriam totalmente inacessíveis às formas unicelulares.

O conjunto mais extraordinário de adaptações inclui aquelas que permitiram a colonização da terra. Enquanto organismos unicelulares vivem principalmente em ambientes aquosos, formas multicelulares conseguiram colonizar a terra, o ar e os oceanos.

Diversidade

Uma das conseqüências de ser formado por mais de uma célula é a possibilidade de se apresentar em diferentes “formas” ou morfologias. Portanto, a multicelularidade se traduz em uma maior diversidade de seres orgânicos.

Nesse grupo de seres vivos, encontramos milhões de formas, sistemas orgânicos especializados e padrões de comportamento. Essa extensa diversidade aumenta os tipos de ambientes que os organismos são capazes de explorar.

Veja o caso dos artrópodes. Este grupo apresenta uma diversidade impressionante de formas, que conseguiram colonizar praticamente todos os ambientes.

Caracteristicas

Organismos multicelulares: características, funções e exemplos 3

Besouros são seres com milhões de células. Fonte: flickr.com

Organização

Organismos multicelulares são caracterizados principalmente por apresentar uma organização hierárquica de seus elementos estruturais. Além disso, apresentam desenvolvimento embrionário, ciclos de vida e processos fisiológicos complexos.

Dessa forma, a matéria viva apresenta diferentes níveis de organização, onde, ao subir de um nível para outro, encontramos algo qualitativamente diferente e possui propriedades que não existiam no nível anterior. Os níveis mais altos de organização contêm todos os inferiores. Assim, cada nível é um componente de uma ordem superior.

Diferenciação celular

Os tipos de células que compõem seres multicelulares são diferentes entre si, pois sintetizam e acumulam diferentes tipos de moléculas e proteínas de RNA .

Eles fazem isso sem alterar o material genético, ou seja, a sequência de DNA . Não importa quão diferentes duas células estejam no mesmo indivíduo, elas têm o mesmo DNA.

Esse fenômeno foi testado graças a uma série de experimentos clássicos em que o núcleo de uma célula totalmente desenvolvida de um sapo é injetado no óvulo, cujo núcleo foi removido. O novo núcleo é capaz de direcionar o processo de desenvolvimento, e o resultado é um girino normal.

Experiências semelhantes foram realizadas em organismos vegetais e em mamíferos, obtendo as mesmas conclusões.

Nos seres humanos, por exemplo, encontramos mais de 200 tipos de células, com características únicas em termos de estrutura, função e metabolismo. Todas essas células são derivadas de uma única célula, após a fertilização.

Formação de tecido

Organismos multicelulares são formados por células, mas estes não são agrupados aleatoriamente para dar origem a uma massa homogênea. Pelo contrário, as células tendem a se especializar, ou seja, elas cumprem uma função específica dentro dos organismos.

Relacionado:  Qual é a lei do dízimo ecológico ou 10%?

As células que são semelhantes umas às outras, são agrupadas em um nível mais alto de complexidade chamado de tecidos. As células são mantidas juntas por proteínas especiais e junções celulares que estabelecem conexões entre os citoplasmas das células vizinhas.

Tecidos em animais

Nos animais mais complexos, encontramos uma série de tecidos classificados de acordo com a função que desempenham e a morfologia celular de seus componentes em: tecido muscular, epitelial, conjuntivo ou conjuntivo e nervoso.

O tecido muscular é formado por células contráteis que conseguem transformar energia química em mecânica e está associado a funções de mobilidade. Eles são classificados nos músculos esquelético, liso e cardíaco.

O tecido epitelial é responsável pelo revestimento de órgãos e cavidades. Eles também fazem parte do parênquima de muitos órgãos.

O tecido conjuntivo é o tipo mais heterogêneo, e sua principal função é a coesão dos diferentes tecidos que compõem os órgãos.

Finalmente, o tecido nervoso é responsável por apreciar os estímulos internos ou externos que o corpo recebe e traduzi-los em um impulso nervoso.

Os metazoários geralmente têm seus tecidos organizados de maneira semelhante. No entanto, as esponjas do mar ou porifers – que são considerados os animais multicelulares mais simples – têm um esquema muito particular.

O corpo de uma esponja é um conjunto de células incorporadas em uma matriz extracelular. O suporte vem de uma série de pequenas espículas (semelhantes a agulhas) e proteínas.

Tecidos vegetais

Nas plantas, as células são agrupadas em tecidos que cumprem uma função específica. Eles têm a peculiaridade de que há apenas um tipo de tecido no qual as células podem ser ativamente divididas, e esse é um tecido meristemático. O restante dos tecidos é chamado de adulto e perdeu a capacidade de se dividir.

Eles são classificados em tecidos de proteção, que, como o nome indica, são responsáveis ​​por proteger o corpo de secar e de qualquer desgaste mecânico. Este é classificado em tecido epidérmico e suberose.

Os tecidos fundamentais ou o parênquima constituem a maioria do corpo do organismo vegetal e preenchem o interior dos tecidos. Nesse grupo, encontramos o parênquima assimilador, rico em cloroplastos ; ao parênquima de reserva, típico dos frutos, raízes e caules e da condução de sais, água e seiva elaborada.

Formação de órgãos

Em um nível mais alto de complexidade, encontramos os órgãos. Um ou mais tipos de tecidos estão associados para dar origem a um órgão. Por exemplo, o coração e o fígado dos animais; e as folhas e caules das plantas.

Treinamento de sistemas

No próximo nível, temos o agrupamento dos órgãos. Essas estruturas são agrupadas em sistemas para orquestrar funções específicas e trabalhar de maneira coordenada. Entre os sistemas orgânicos mais conhecidos, temos o sistema digestivo, o sistema nervoso e o sistema circulatório.

Formação de organismos

Ao agrupar os sistemas orgânicos, obtemos um organismo discreto e independente. As assembléias de órgãos são capazes de desempenhar todas as funções vitais de crescimento e desenvolvimento para manter o organismo vivo.

Funções vitais

A função vital dos seres orgânicos inclui os processos de nutrição, interação e reprodução. Organismos multicelulares mostram processos muito heterogêneos dentro de suas funções vitais.

Em termos de nutrição, podemos dividir os seres vivos em autotróficos e heterotróficos . As plantas são autotróficas, pois podem obter seus próprios alimentos através da fotossíntese . Enquanto isso, os animais e os fungos devem receber seus alimentos ativamente, para que sejam heterotróficos.

A reprodução também é muito variada. Em plantas e animais, existem espécies capazes de se reproduzir de maneira sexual ou assexuada , ou apresentando ambas as modalidades reprodutivas.

Exemplos

Organismos multicelulares: características, funções e exemplos 4

Água-viva da lua. (Aurelia aurita). Autor: Alasdair flickr.com/photos/csakkarin

Os organismos multicelulares mais proeminentes são plantas e animais. Qualquer ser vivo que observamos a olho nu (sem usar um microscópio) são organismos multicelulares.

Um mamífero, uma água-viva do mar, um inseto, uma árvore, um cacto, todos são exemplos de seres multicelulares.

No grupo de fungos, também existem variantes multicelulares, como fungos que usamos frequentemente na cozinha.

Referências

  1. Cooper, GM e Hausman, RE (2004).A célula: abordagem molecular . Medicinska naklada.
  2. Furusawa, C. & Kaneko, K. (2002). Origem de organismos multicelulares como conseqüência inevitável de sistemas dinâmicos.O registro anatômico: uma publicação oficial da Associação Americana de Anatomistas , 268 (3), 327-342.
  3. Gilbert SF (2000). Biologia do Desenvolvimento . Sinauer Associates.
  4. Kaiser, D. (2001). Construindo um organismo multicelular.Revisão anual de genética , 35 (1), 103-123.
  5. Lodish, H., Berk, A., Zipursky, SL, Matsudaira, P., Baltimore, D. e Darnell, J. (2013).Biologia celular molecular . WH freeman.
  6. Michod, RE, Viossat, Y., Solari, CA, Hurand, M. e Nedelcu, AM (2006). Evolução da história de vida e a origem da multicelularidade.Revista de Biologia Teórica , 239 (2), 257-272.
  7. Rosslenbroich, B. (2014).Sobre a origem da autonomia: um novo olhar sobre as principais transições da evolução . Springer Science & Business Media.

Deixe um comentário