Os 4 estilos parentais educacionais e suas características

Os estilos de educação parental consulte o conjunto de comportamentos de pais com seus filhos para inculcar normas e valores culturais.Há pais que são mais ou menos exigentes, e isso fará com que os filhos tenham mais ou menos esforço para alcançar os objetivos.

Também existem pais e mães que estabelecem uma ampla variedade de normas, muito inflexíveis e com punições exigentes, se não forem cumpridas, assim como há aqueles que, se punem punições no final, não as colocam em prática, e aqueles que não usam diretamente a punição como método educacional

Os 4 estilos parentais educacionais e suas características 1

Como esperado, essas dimensões não são governadas apenas por seus extremos (nada de afetivo-muito afetivo, nada de exigente-muito exigente), mas são organizadas em uma linha contínua com muitos graus e nuances.

Dimensões do comportamento de pais e mães

Quando analisamos as dimensões básicas do comportamento de pais e mães, encontramos duas principais:

Carinho e comunicação

É a importância que os pais dão ao carinho e ao carinho no relacionamento com os filhos. O tom emocional que direciona as interações entre pais, mães e filhos, bem como o nível de trocas comunicativas existentes nessas interações.

Existem pais e mães que mantêm um relacionamento caloroso e íntimo com seus filhos, que os motivam a expressar suas emoções e pensamentos. No entanto, também existem pais cujo relacionamento com os filhos é mais frio. Há menos trocas comunicativas com seus filhos, menos expressões de afeto e, às vezes, governa a hostilidade.

O controle e os requisitos

Consiste principalmente em disciplina. Quanto os pais exigem dos filhos, até que ponto eles controlam seu comportamento, se há punições ou não … e como eles abordam situações que representam desafios para os filhos.

Os 4 estilos educacionais dos pais

As dimensões que mencionamos antes são a base dos quatro estilos parentais típicos de seus filhos. Aqui está uma tabela resumida dos quatro estilos educacionais, dependendo da combinação entre os níveis das dimensões básicas.

Os 4 estilos parentais educacionais e suas características 2

1-O estilo democrático

É aquele seguido pelos pais que mantêm afeto e aceitação explícitos, mostram sensibilidade às necessidades de seus filhos, favorecem sua expressão verbal expressando sentimentos e pensamentos.

Eles também têm um alto nível de demanda que busca o esforço de seus filhos, deixa regras claras que os tornam conhecidos e cumprem as punições ou penalidades.

O relacionamento com os filhos é caracterizado por ser caloroso, íntimo, afetuoso e comunicativo. Eles tendem a manter diálogos explicativos com seus filhos com base no raciocínio e na coerência. Eles usam reforço positivo e incentivam seus filhos a melhorarem-se continuamente.

Esse estilo educacional é o mais procurado e recomendado em geral, uma vez que são demonstrados seus efeitos positivos na saúde mental das crianças.

Relacionado:  Psicopatia infantil: sintomas, causas e tratamentos

Os filhos de pais democráticos

São essas crianças com as características geralmente mais desejadas pela atual cultura ocidental. Eles são caracterizados por alta auto-estima, com confiança em si mesmos, que se esforçam para atingir seus objetivos e não desistem facilmente. Eles enfrentam novas situações com confiança e entusiasmo.

Eles têm boas habilidades sociais, são socialmente competentes e têm grande inteligência emocional, o que lhes permite expressar, entender e controlar suas próprias emoções, bem como entender as dos outros e ter empatia .

2-O estilo autoritário

Os pais que seguem esse estilo educacional dão grande importância às normas, controle e demanda, mas emoções e afetos não desempenham um papel de liderança em suas interações com os filhos.

Eles geralmente não expressam abertamente o afeto por seus filhos e não são muito sensíveis às necessidades de seus filhos (especialmente necessidades de amor, carinho e apoio emocional).

Às vezes, eles têm uma grande necessidade de controle sobre seus filhos, o que eles expressam como uma reafirmação de poder sobre eles, sem explicações. Eles não dão importância às crianças que entendem por que precisam fazer o que lhes pedem, para que as regras não sejam explicadas razoavelmente, são impostas.

Frases como “porque eu digo”, “porque sou seu pai / mãe” ou “esta é minha casa e você fará o que eu digo” são típicas de pais autoritários.

Eles tendem a usar punições e ameaças como forma de moldar o comportamento de seus filhos, que cumprem rigorosamente.

Os filhos de pais autoritários

Essas crianças costumam ter baixa auto-estima, uma vez que seus pais não levam em consideração suas necessidades emocionais e emocionais no mesmo nível das normas. Eles aprenderam que poder e demandas externas são uma prioridade, e é por isso que eles são obedientes e submissos a poderes externos.

No entanto, são crianças inseguras com baixa inteligência emocional, que dificilmente têm autocontrole sobre suas emoções ou comportamentos quando uma fonte externa de controle está ausente. Por esse motivo, eles são vulneráveis ​​a apresentar comportamentos agressivos em situações cujo autocontrole depende apenas de si mesmos.

Além disso, eles não são muito hábeis nas relações sociais, pois não entendem bem as emoções e os comportamentos dos outros, governando neles a insegurança.

3-O estilo permissivo

Ao contrário do que acontece no estilo autoritário, o estilo permissivo é caracterizado por altos níveis emocionais e emocionais. Esses pais priorizam o bem-estar de seus filhos em detrimento de qualquer coisa, e são os interesses e desejos da criança que governam o relacionamento pai / mãe-filho.

Relacionado:  Aprendizagem esperada: para que servem e exemplos

Conseqüentemente, são pais pouco exigentes, que apresentam poucas regras e desafios para seus filhos. Dada a dificuldade, eles permitirão que seus filhos desistam facilmente e tenderão a não cumprir as punições e ameaças que colocam em seus filhos (se forem usados).

Os filhos de pais permissivos

Essas crianças são caracterizadas por serem muito alegres, divertidas e expressivas. No entanto, não acostumadas a normas, limites, demandas e esforços, também são crianças muito imaturas, incapazes de controlar seus impulsos e que desistem facilmente.

Além disso, são geralmente crianças muito egoístas, pois sempre as priorizaram acima de tudo e não tiveram que desistir das coisas pelos outros.

4-O estilo indiferente / negligente

Este último estilo educacional pode ser descrito como inexistente. Na verdade, os pais prestam pouca atenção aos filhos em ambas as dimensões, para que normas e afetos brilhem por causa de sua ausência.

Suas relações com as crianças são frias e distantes, com pouca sensibilidade em relação às necessidades dos pequenos, às vezes esquecendo até as necessidades básicas (alimentação, higiene e cuidados).

Além disso, embora geralmente não estabeleçam limites e normas, às vezes exercem controle excessivo e injustificado, totalmente incoerente, o que apenas deixa as crianças tonto com seu próprio comportamento e emoções.

Filhos de pais indiferentes / negligentes

Essas crianças têm problemas de identidade e baixa auto-estima. Eles não sabem a importância das normas e, portanto, dificilmente as cumprirão. Além disso, são pouco sensíveis às necessidades dos outros e especialmente vulneráveis ​​a apresentar problemas comportamentais, com os conflitos pessoais e sociais que isso implica.

Educar na família

Quando falamos em educar na família, nos referimos ao processo que pais e mães fazem com seus filhos quando se trata de ajudá-los a desenvolver suas faculdades intelectuais, morais, emocionais e emocionais.

Todas essas faculdades são essenciais para o desenvolvimento das crianças, embora na sociedade dos graus acadêmicos em que nos encontramos, ela parece ser priorizada acima de todo o desenvolvimento cognitivo.

A verdade é que o desenvolvimento emocional é um dos elementos essenciais das pessoas, que ajudam na compreensão do mundo e da personalidade. A inteligência emocional nos permite expressar emoções, compreendê-las e controlá-las, bem como entender as emoções dos outros.

Isso não significa que normas e desenvolvimento cognitivo não sejam importantes, mas que um bom desenvolvimento emocional acompanhe o desenvolvimento cognitivo ideal. Ambos os aspectos são realimentados e devem ser levados em consideração na educação das crianças.

Desenvolvimento de personalidade e emoção

O desenvolvimento da personalidade e das emoções das crianças depende em grande parte dos processos educacionais e de socialização. Sua auto-estima está ligada, em grande parte, à forma como você se sente valorizado por seus pais, e o aprendizado sobre as emoções estará ligado à socialização e aos processos afetivos que ocorrem na sua família.

Relacionado:  O que são estratégias didáticas?

Nas primeiras idades das crianças, sua família tem um grande peso nesses processos, uma vez que as crianças ainda são domocentristas, ou seja, seus pais e irmãos, se os tiverem, são o centro de sua vida e cerca de Eles baseiam sua realidade.

Além disso, as influências que as crianças e suas famílias recebem são multidirecionais. Por exemplo, o relacionamento do casal com os pais afetará o filho ou o temperamento do filho afetará os pais. Além disso, o relacionamento entre irmãos, ou cada criança com cada pai, terá um impacto no núcleo da família: tudo conta.

Por esse motivo, devemos entender a família como um sistema de relações interpessoais recíprocas, que não está isolado do ambiente circundante nem é alheio a suas influências: relação dos pais com a escola, etc. Eles também são importantes no desenvolvimento da família e do núcleo familiar como um sistema.

De qualquer forma, a educação oferecida pelos pais aos filhos é fundamental em seu desenvolvimento, porque será a pessoa que lhes dirá como se relacionar com o mundo, quais são as coisas importantes ou o quanto elas devem se amar.

Referências

  1. Associação Americana de Psicologia (2016). Pais e professores: Qual é a conexão em nossas salas de aula? Parte um de dois: como os estilos de ensino podem afetar os resultados comportamentais e educacionais na sala de aula. Recuperado em 1 de maio de 2016.
  2. Associação Americana de Psicologia (2016). Dicas de comunicação para os pais. Recuperado em 2 de maio de 2016.
  3. Baumrind, D. (1991). A influência do estilo parental na competência do adolescente e no uso de substâncias. Jornal do início da adolescência, 11 (1), 56-95.
  4. Berryman, K., Power, R., Hollitt, S. (2016). Estilos parentais Recuperado em 2 de maio de 2016.
  5. Marsiglia, C., Walczyk, J., Buboltz, W., Griffith-Ross, D. (2007). Impacto dos estilos parentais e lócus de controle no sucesso psicossocial de adultos emergentes. Revista de Educação e Desenvolvimento Humano, 1 (1).
  6. Palacios, J., Marchesi, A e Coll, C. (1999). Desenvolvimento psicológico e educação. 1. Psicologia evolucionária. Madri: Aliança.
  7. Ciência dos Pais (2016). Estilos parentais: Um guia para os mais preocupados com a ciência. Recuperado em 2 de maio de 2016.
  8. Verywell (2016). Estilos parentais Recuperado em 1 de maio de 2016.

Deixe um comentário