Os 9 tipos de motivação de acordo com a psicologia (com exemplos)

Os tipos de motivação são motivação intrínseca, extrínseca, motivação, positiva, negativa, primária, social, básica e cotidiana.Para atingir um objetivo, os indivíduos devem ter esse objetivo bem definido e possuir as habilidades, ativação e energia necessárias.

Além disso, você deve estar ciente de manter essa energia na atividade por períodos prolongados (que podem ser muito longos) até atingir a meta estabelecida.

Os 9 tipos de motivação de acordo com a psicologia (com exemplos) 1

Motivação significa a energia ou o impulso que uma pessoa sente para fazer alguma coisa. Estar motivado implica, então, um impulso ou uma inspiração para agir até que o objetivo desejado seja alcançado.

Geralmente é considerado um fenômeno unitário, mas pode ser variável para cada tarefa que realizamos, podendo passar de uma pequena motivação para atingir o objetivo a uma grande quantidade dele.

Mas a motivação não apenas varia no nível em que é apresentada, mas também na orientação, existem tipos diferentes. O conceito de orientação inclui as atitudes e objetivos subjacentes que produzem motivação, ou seja, seriam os diferentes fenômenos que a causam e são mantidos por Deci e Ryan (2000).

Por exemplo, uma pessoa pode estar muito envolvida em uma determinada tarefa, como pesquisar um tópico específico porque está interessada em saber mais ou porque precisa fazer um trabalho para obter uma boa nota nas aulas.

Essas pequenas variações associadas à motivação constituiriam os diferentes tipos que os autores tentaram definir ao longo do tempo.

Esse fenômeno implica um conjunto de percepções, valores, crenças, interesses e ações relacionadas. A motivação está mudando e aumentando com a idade, além disso, sua forma de aparência em crianças prediz suas características mais tarde na vida (Lai, 2011).

Tipos de motivação

Motivação intrínseca

Os 9 tipos de motivação de acordo com a psicologia (com exemplos) 2

A distinção mais frequente consiste em motivação intrínseca e motivação extrínseca (Deci e Ryan, 1985).

A motivação intrínseca está centrada no próprio indivíduo e refere-se à realização de um comportamento, porque é interessante, agradável ou agradável para a pessoa. Dessa forma, a atividade é realizada por uma satisfação inerente, em vez de pressões ou recompensas externas.

As forças que geralmente movem as pessoas nesse tipo de motivação são a novidade, o sentimento de desafio ou desafio, ou o valor estético para essa pessoa.

Esse fenômeno começou a ser observado nos animais, quando os pesquisadores contemplaram seu comportamento, perceberam que muitos seres mostram comportamentos recreativos naturais, de exploração ou que simplesmente provêm da curiosidade; embora não tenham obtido nenhum reforço ou recompensa externa ou instrumental (White, 1959). Em vez disso, o que os leva a agir são as experiências positivas associadas ao desenvolvimento das habilidades de cada um.

Os seres humanos saudáveis ​​são, desde que nascem e por natureza, exploradores, curiosos e ativos. Portanto, eles têm uma predisposição inata para conhecer o mundo, descobri-lo e aprender com ele; sem precisar de nenhum incentivo extra para pressioná-los.

Graças a essas habilidades de exploração e curiosidade, o crescimento físico, cognitivo e social será facilitado.

Segundo a pesquisa, a motivação intrínseca é mais duradoura e implica melhor aprendizado e um aumento significativo da criatividade. Tradicionalmente, os educadores consideram esse tipo de motivação mais desejável e dão melhores resultados de aprendizagem do que a motivação extrínseca.

Relacionado:  Yokoi Kenji: Biografia, Filosofia, Ensino e Livros

No entanto, pesquisas sugerem que a motivação pode ser moldada por meio de certas práticas instrucionais, embora os estudos tenham efeitos positivos e negativos (Lai, 2011).

Motivação extrínseca

Os 9 tipos de motivação de acordo com a psicologia (com exemplos) 3

É um tipo de motivação transitória que se refere à energia que parece desempenhar um determinado comportamento com o objetivo de obter algum benefício externo, embora essa atividade não seja experimentada como intrinsecamente interessante.

Muitas vezes fazemos coisas que não são do nosso agrado, mas, se as fizermos, sabemos que uma recompensa importante virá para nós. Isso seria basicamente uma motivação extrínseca.

Esse tipo de motivação é mais frequente após a primeira infância, quando essa liberdade fornecida pela motivação intrínseca precisa ser modulada para começar a se adaptar às demandas do ambiente.

Existem muitas tarefas que não são intrinsecamente interessantes para a pessoa, mas você deve começar a executá-las. Quando crianças, temos que aprender que precisamos arrumar a cama ou guardar nossas roupas e provavelmente não é uma tarefa que implique motivação interna ou intrínseca.

Em vez disso, geralmente são nossos pais que nos dão pequenas recompensas, como “se você arrumar a cama, poderá brincar”, motivando-nos extrinsecamente.

De fato, parece que, à medida que a escola avança, a motivação intrínseca se torna mais fraca e dá lugar a extrínseca. Isso acontece porque na escola temos que aprender todos os tipos de assuntos e assuntos, e muitos deles podem não ser interessantes ou divertidos para as crianças.

Nesse tipo, Deci e Ryan (1985) identificam vários subtipos, dependendo de como eles estão focados no indivíduo ou no exterior:

– Regulação externa: é a forma menos autônoma de motivação extrínseca e refere-se aos comportamentos realizados para cobrir uma demanda externa ou obter uma recompensa.

Esse subtipo é o único reconhecido pelos proponentes do condicionamento operante (como FB Skinner), uma vez que essas teorias se concentram no comportamento do indivíduo e não no seu “mundo interior”.

– Regulação introjetada: refere-se a uma motivação que aparece quando as pessoas realizam alguma atividade para evitar ansiedade ou culpa, ou para aumentar o orgulho ou aumentar seu valor. Como podemos ver, está intimamente associado à auto-estima, especificamente à manutenção ou aumento da mesma.

Não é considerado intrínseco, natural ou divertido para a pessoa, porque é considerado como a realização de tarefas para alcançar um fim.

– Regulação de identificação: essa forma é um pouco mais autônoma e significa que o indivíduo começa a dar importância pessoal a um comportamento, buscando seu valor.

Por exemplo, uma criança que memoriza as tabelas de multiplicação porque é relevante para ele obter cálculos mais complexos, teria essa motivação porque se identificou com o valor desse aprendizado.

– Regulação integrada: é a forma mais autônoma de motivação extrínseca e ocorre quando a identificação (fase anterior) já foi totalmente assimilada pela pessoa. É contemplado como um regulamento que a pessoa faz de si mesma, observando-se e integrando-a aos seus valores e necessidades. As razões pelas quais algumas tarefas são realizadas são internalizadas, assimiladas e aceitas.

Relacionado:  Motivação para Estudar: 11 Dicas para Raze

É um tipo de motivação muito semelhante em alguns aspectos ao intrínseco, mas eles diferem no fato de que a motivação da integração tem um objetivo instrumental, apesar de ser volitiva e valorizada pela pessoa.

Esses subtipos podem constituir um processo que está avançando ao longo da vida, de modo que os indivíduos estão internalizando os valores das tarefas que realizam e cada vez mais se aproximando da integração.

Embora seja necessário mencionar que em cada atividade você não precisa passar por todas as fases, mas pode iniciar novas tarefas que envolvam algum grau de motivação extrínseca. Isso dependerá de experiências anteriores ou do ambiente em que você está naquele momento.

Motivação positiva

Os 9 tipos de motivação de acordo com a psicologia (com exemplos) 4

Trata-se de iniciar uma série de atividades para alcançar algo desejável e agradável, com uma conotação positiva. É acompanhado por uma conquista ou bem-estar ao executar a tarefa que reforça a repetição dessa tarefa.

Ou seja, se uma criança recitar o alfabeto na frente dos pais e parabenizá-lo, é mais provável que ele repita esse comportamento. Acima de tudo, se recitar o alfabeto é divertido para a criança (e se é neutro, graças ao reforço dos pais, pode ser uma tarefa agradável).

Motivação negativa

Os 9 tipos de motivação de acordo com a psicologia (com exemplos) 5

Por outro lado, a motivação negativa implica a conduta de comportamentos para evitar resultados desagradáveis. Por exemplo, esfregue a louça para evitar uma discussão ou estudo para evitar o suspense de um sujeito.

Esse tipo de motivação não é altamente recomendado porque, a longo prazo, não é tão eficaz e causa desconforto e ansiedade. Isso faz com que as pessoas não se concentrem na tarefa e desejem fazê-la bem, mas para evitar as consequências negativas que podem aparecer se não o fizerem.

Motivação ou desmotivação

Os 9 tipos de motivação de acordo com a psicologia (com exemplos) 6

Deci e Ryan adicionaram em 2000 o conceito de motivação.

O indivíduo não tem intenção de agir. Isso acontece porque uma atividade específica não lhe interessa, ele não se sente competente para realizá-la ou acha que não conseguirá o resultado que deseja.

Motivação primária

Os 9 tipos de motivação de acordo com a psicologia (com exemplos) 7

Refere-se à ação do indivíduo para manter seu estado de homeostase ou equilíbrio no corpo. Eles são inatos, ajudam na sobrevivência, baseiam-se na cobertura de necessidades biológicas e estão presentes em todos os seres vivos.

Fome, sede, sexo e a fuga da dor seriam gatilhos do comportamento (Hull, 1943). Outros até introduziram a necessidade de oxigênio, para regular a temperatura do corpo, descansar ou dormir, eliminar o lixo etc.

De qualquer forma, nos seres humanos é mais complexo, de fato, eles criticaram a teoria que apóia esse tipo de motivação, já que às vezes as pessoas desfrutam de exposição a riscos ou causam um desequilíbrio em seu estado interno (como assistir filmes de ação, medo ou ir a parques de diversões).

Relacionado:  Teorias da motivação segundo as diferentes escolas de psicologia

Motivação social

Os 9 tipos de motivação de acordo com a psicologia (com exemplos) 8

Isso está relacionado à interação entre indivíduos e inclui violência ou agressão, que ocorre se houver certas chaves externas que o desencadeiam ou venham de frustrações.

A motivação para a violência pode aparecer pelo aprendizado, ou seja; porque esses comportamentos foram recompensados ​​no passado, evitaram experiências negativas ou foram observados em outras pessoas que são um modelo para nós.

Nesse tipo de motivação também está a afiliação ou o gregário, que são os comportamentos que são realizados para pertencer a um grupo ou manter contato social, porque é adaptável e altamente valorizado pelo ser vivo.

Por outro lado, também estão executando determinadas tarefas para obter reconhecimento e aceitação de outras pessoas ou obter poder sobre elas, obter segurança, adquirir bens que o estabelecem em uma posição privilegiada em relação aos outros, ou simplesmente satisfazer a necessidade de estabelecer laços sociais

Tipos de motivação no esporte

Segundo Lozano Casero (2005), psicólogo do esporte, existem outros dois tipos de motivação mais focados no esporte. Estes são:

Motivação básica

Este termo é usado para refletir o compromisso que um atleta tem com sua tarefa e implica um interesse especial e um desejo de superar seu próprio desempenho.

O objetivo é manter ou melhorar esses comportamentos e obter reconhecimento pessoal e social por eles (como prêmios).

Motivação cotidiana

Por outro lado, isso implica na sensação de satisfação do atleta por seu treinamento sozinho. Ou seja, ele se sente bem e recompensado por sua própria atividade física de rotina, independentemente de outras grandes realizações.

Está mais associado ao desempenho diário, à diversão que a atividade produz e ao próprio ambiente (colegas, hora do dia etc.)

Obviamente, esses dois tipos de motivação geralmente ocorrem juntos e estão ligados entre si, sendo essencial para perseverar no treinamento esportivo.

Referências

  1. Deci, EL & Ryan, RM (1985). Motivação intrínseca e autodeterminação no comportamento humano. Nova York: Plenum.
  2. Fuentes Melero, J. (sf). Motivação Retirado em 25 de julho de 2016, da Universidade de Murcia.
  3. Hull, CL (1943). Princípios de comportamento. Nova York: século Appleton.
  4. Lai, ER (2011). Motivação: uma revisão de literatura. Retirado em 25 de julho de 2016 de, Pearson’s Research Reports.
  5. Lozano Casero, E. (1 de abril de 2005). Psicologia: O que é motivação? Obtido na Royal Spanish Golf Federation.
  6. Motivação: positivo e negativo. (sf). Retirado em 25 de julho de 2016, de Como a psicologia pode afetar o desempenho?
  7. Ryan, RM e Deci, EL (2000). Motivações intrínsecas e extrínsecas: definições clássicas e novas direções. Contemporary Educational Psychology, 25 (1), 54-67.
  8. Sharma, A. (sf). Tipos de motivos: motivos biológicos, sociais e pessoais | Psicologia Recuperado em 25 de julho de 2016, de Psychology Discussion.
  9. White, RW (1959). Motivação reconsiderada. Psychological Review, 66, 297-333.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies