Paralelismo: características, usos e exemplos

O paralelismo é uma figura de linguagem que consiste na repetição de estruturas sintáticas semelhantes em um texto, criando um efeito de harmonia e equilíbrio. Essa técnica é amplamente utilizada na literatura, na música, na publicidade e em diversas outras áreas da comunicação. Neste artigo, iremos explorar as características do paralelismo, seus diferentes usos e apresentar alguns exemplos para ilustrar como essa figura de linguagem pode enriquecer a expressão e a compreensão de um texto.

Paralelismo: conceito e exemplos práticos para entender sua aplicação na língua portuguesa.

O paralelismo é um recurso linguístico que consiste na repetição de estruturas sintáticas semelhantes em uma frase ou texto. Ele tem o objetivo de tornar a comunicação mais clara, enfatizar ideias e criar um ritmo agradável na leitura. O paralelismo pode ocorrer em diversos níveis, como na repetição de palavras, de estruturas gramaticais ou de ideias.

Um exemplo simples de paralelismo é a seguinte frase: “O amor é paciente, é benigno, não arde em ciúmes”. Neste caso, há uma repetição da estrutura “é” seguida de adjetivos, criando um efeito de paralelismo e enfatizando as características do amor.

No entanto, o paralelismo não se restringe apenas a frases curtas. Ele pode ser encontrado em textos mais longos, como em discursos políticos, poemas e músicas. Um exemplo famoso de paralelismo é a música “Pais e Filhos” da banda Legião Urbana, em que a estrutura paralela “Quem me dera ao menos uma vez / Que o mais simples fosse visto como o mais importante” é repetida ao longo da canção.

Ao entender e aplicar o paralelismo corretamente, é possível melhorar a clareza e a eficácia da comunicação escrita e falada.

Aprenda a utilizar o paralelismo de forma eficaz em sua escrita e comunicação.

O paralelismo é uma técnica de escrita e comunicação que consiste em usar estruturas gramaticais semelhantes para enfatizar uma ideia ou criar um efeito de harmonia e equilíbrio no texto. Esta técnica ajuda a tornar a leitura mais fluida e agradável, além de facilitar a compreensão da mensagem pelo leitor.

Para utilizar o paralelismo de forma eficaz, é importante manter a consistência na estrutura das frases e dos parágrafos. Isso significa que as ideias devem ser apresentadas de forma simétrica, com elementos semelhantes organizados de maneira uniforme. Além disso, é fundamental escolher palavras e expressões que sejam equivalentes em termos de significado e função.

Existem diferentes tipos de paralelismo, como o paralelismo sintático, o paralelismo semântico e o paralelismo estrutural. Cada um desses tipos pode ser utilizado de acordo com as necessidades do texto e os objetivos do autor. Por exemplo, o paralelismo sintático envolve a repetição de uma estrutura gramatical, como em “amar é viver, viver é amar”. Já o paralelismo semântico consiste na repetição de ideias ou conceitos similares, como em “trabalhar duro, estudar com afinco”.

Relacionado:  10 poemas da natureza dos grandes autores

Para ilustrar melhor o conceito de paralelismo, vejamos alguns exemplos:

Exemplo 1: “Ele gosta de correr, nadar e pedalar.”

Exemplo 2: “Ela é inteligente, talentosa e determinada.”

Como podemos ver nos exemplos acima, o paralelismo ajuda a criar uma sensação de equilíbrio e harmonia no texto, tornando a leitura mais agradável e impactante. Portanto, ao escrever ou se comunicar, lembre-se de utilizar essa técnica para aprimorar a clareza e a eficácia da sua mensagem.

Expressões utilizadas no paralelismo: quais são e como empregá-las corretamente na escrita.

No paralelismo, as expressões desempenham um papel fundamental na construção de frases equilibradas e harmoniosas. Existem várias expressões comuns que podem ser utilizadas para criar paralelismo, tais como: “não apenas… mas também”, “tanto… quanto”, “assim como”, “nem… nem” e “nem só… mas também”.

Para empregar essas expressões corretamente na escrita, é importante garantir que elas sejam utilizadas de forma consistente e que as estruturas das frases sejam paralelas. Isso significa que as palavras e as estruturas gramaticais devem ser semelhantes em cada parte da frase que está sendo comparada.

Por exemplo, em vez de escrever “Ela gosta de correr, nadar e também ciclismo”, o correto seria: “Ela gosta de correr, nadar e também de pedalar”. Neste caso, as atividades (correr, nadar e pedalar) estão apresentadas de forma paralela, o que torna a frase mais coesa e fácil de ser compreendida.

Portanto, ao utilizar expressões no paralelismo, é essencial prestar atenção à estrutura das frases para garantir a sua clareza e coesão. Praticar o uso correto dessas expressões pode ajudar a melhorar a qualidade da escrita e a tornar o texto mais fluido e agradável de ler.

Qual a finalidade de utilizar o paralelismo ao escrever ou falar textos?

O paralelismo é uma figura de linguagem que consiste na repetição de estruturas sintáticas semelhantes em uma frase ou texto. Sua finalidade é criar um efeito de harmonia e equilíbrio, tornando a comunicação mais clara, enfática e elegante.

Através do paralelismo, o autor ou orador consegue enfatizar ideias, destacar pontos importantes e facilitar a compreensão do leitor ou ouvinte. Além disso, essa técnica ajuda a manter a coesão e a coerência do texto, tornando-o mais fluido e agradável de ler ou escutar.

No entanto, é importante utilizar o paralelismo com moderação, pois seu excesso pode tornar o texto monótono e cansativo. É preciso encontrar um equilíbrio entre a repetição de estruturas e a variedade de expressões, para garantir que a mensagem seja transmitida de forma eficaz.

Paralelismo: características, usos e exemplos

Paralelismo: características, usos e exemplos

O paralelismo é um dispositivo literário é organizar sequencialmente e repetitivamente os elementos de uma frase ou frase. Ao mesmo tempo, é gerada a possibilidade de alternar alguns dos componentes da frase. Um exemplo de Calambur é: eu que andava inquieto, eu que andava inquieto e descalço.

O dicionário da Real Academia Espanhola (RAE) define paralelismo como “a organização uniforme de componentes similares que compõem uma unidade seqüencial sintática”. Etimologicamente, a palavra vem do grego parallelos , que se traduz como “similaridade que liga dois elementos”.

Por outro lado, como o paralelismo é uma figura de repetição, abre caminho para a intensificação e força da mensagem expressa na declaração. Este elemento literário é apresentado das seguintes maneiras: parison, semântica, correlacional, isocolon, sinônimo, antitético e sintético. Paralelismo é comumente usado em poesia.

Características do paralelismo

O paralelismo é caracterizado pelos seguintes aspectos:

– Organização

O paralelismo é caracterizado principalmente pela organização simétrica e eqüitativa dos componentes sucessivos que compõem a estrutura de uma declaração. Nesse sentido, o texto mantém coerência e significado lógico.

Exemplo:

Ela vai para o mar, vai com o corpo da onda até a origem.

– Repetição

O paralelismo é uma figura literária repetitiva, em virtude do uso contínuo de elementos iguais ou similares em um texto. Isso é aplicado para dar maior força ao que é expresso.

Exemplo:

A vida bate forte, a vida bate forte e você precisa continuar vivendo.

– expressividade

Uma característica marcante do paralelismo é a força expressiva que contribui para os textos em que é usado. Isso se deve à maneira como os componentes sintáticos das frases são distribuídos e, ao mesmo tempo, à qualidade repetitiva dos elementos das frases.

Exemplo:

Para onde vai tanta lágrima viva? Para onde vai tanta miséria?

– Ritmo

O paralelismo goza de ritmo e som, o que ocorre devido à repetição de palavras e à distribuição simétrica dos componentes linguísticos. Por esse motivo, essa figura literária é amplamente utilizada na poesia, pois dá aos versos beleza, musicalidade, profundidade e intensidade.

Exemplo:

Eu te amei no norte da vida,

Eu te amei e era cedo, gostaria de morrer duas vezes. (Juan Ortiz)

Formulários

Paralelismo é uma figura retórica usada para dar aos textos força de expressão e dinamismo rítmico, como mencionado nas linhas anteriores. Ao mesmo tempo, esse elemento literário permite capturar a atenção do destinatário através da repetição dos componentes que compõem as frases e parágrafos.

Em suma, o paralelismo traz intensidade, dinamismo e som aos escritos. Por isso, é usado em poemas, músicas, histórias e romances. Alguns dos autores que fizeram uso dessa técnica foram: Garcilaso de la Vega, Gustavo Adolfo Bécquer, Lope de Vega e Luis de Góngora.

Agora, uma vez que o conceito, as características e os usos do paralelismo sejam conhecidos, os tipos mais comuns são descritos abaixo:

Tipos de paralelismo

Paralelismo isocolônico

Esse tipo de paralelismo se refere à semelhança que existe no comprimento das sílabas em termos que são repetidos em uma frase em um texto em prosa. Na poesia, é conhecido como ‘isosilabismo’.

Relacionado:  Quais são os elementos de uma fábula?

Exemplo:

Eu estava naquela noite, fui com eles ismos ,

Eu estava andando entre sombras e abismos .

Estava tudo árido e deserto ,

cada um parecia diferente, como morto .

Paralelismo de Paris

Esse tipo de paralelismo se refere à semelhança que existe entre duas frases ou sentenças pertencentes a um poema ou prosa. A semelhança ocorre na métrica e na lógica de sua estrutura sintática. Também é conhecido como paralelismo sintático.

Exemplo:

Onde você está indo com a vida a reboque?

Para onde vou com esta minha ferida?

Ela não sabe o que custa amor

Ele não sabia o que seria amor.

Paralelismo semântico

Essa variedade de paralelismo é baseada na repetição das mesmas idéias e pensamentos, mas usando palavras e frases diferentes. É freqüentemente visto em poemas e salmos bíblicos.

Exemplo:

O homem busca o bem e não pode encontrá-lo,

e ele foge por causa de sua casta humana.

Paralelismo de correlação

O paralelismo de correlação é baseado em colocar simetricamente as palavras dentro de uma frase para criar uma estrutura uniforme.

Exemplo:

O mar agitado que a sirene toca,

suas fortes ondas dançam ao vento,

a mulher com sal beija a boca,

e imediatamente preenche toda a respiração.

Paralelismo sinônimo

Isso se caracteriza por repetir quase inteiramente a idéia da frase original.

Exemplo:

O gato mau fugiu na noite fria,

O homem mau para a alma fria, à noite fugiu com o gato.

Paralelismo sintético

Nesse caso, a semelhança entre as declarações ocorre estruturalmente. De fato, não existe uma relação direta de significados. No entanto, a segunda frase pode fortalecer a ideia da primeira.

Exemplo:

Toda pessoa é um mundo.

E o mundo, muitas vezes, não é nada.

Paralelismo antitético

Esse tipo de paralelismo tem a particularidade de que suas partes se opõem, ou seja, contradizem ou são contrárias.

Exemplo:

Na noite fria a vida espera,

também a morte com seus enganos.

Exemplos

– O que será agora que nada se sabe? O que será agora que o mundo nos escapa? (Sinônimo).

– O cachorro anda que late para ver se morde, mas quando sua boca está silenciosa é uma faca. (Atitético).

– Se ele vai e lança, certamente ele vence; se ela vai e lança, ele certamente perde. (Sintático).

– Amanhã o albatroz sai em vôo, ele sai com as asas no nível do solo. (Correlação).

– Com tanta caminhada você aprende muito. De tanta caminhada, a desconfiança vem. (Sinônimo).

Referências

  1. Paralelismo (retórica). (2020). Espanha: Wikipedia. Recuperado de: es.wikipedia.org.
  2. Roca, X. (S. f.). Figura literária. Espanha: é poesia. Recuperado de: espoesia.com.
  3. Exemplos de isocolon. (2015). (N / A): retórica. Recuperado de: reticas.com.
  4. (S. f.). Cuba: EcuRed. Recuperado de: ecured.cu.
  5. (2020). Espanha: dicionário da língua espanhola. Recuperado de: dle.rae.es.

Deixe um comentário