Períodos históricos da Colômbia (indígena – período republicano)

Períodos históricos da Colômbia (indígena - período republicano)

Existem cinco períodos na história da Colômbia : o período indígena, a conquista, o período colonial, a independência e o período republicano. Esses cinco estágios abrangem toda a história do país, desde a chegada dos primeiros colonos cerca de 20.000 anos atrás até os dias atuais.

A divisão feita pelos especialistas permite estudar toda a história da Colômbia de maneira mais metódica. Cada estágio termina com algum evento importante que marca um ponto de virada, mas sem o qual não seria possível entender os eventos subsequentes. Um exemplo é a chegada dos espanhóis, que encerram o período indígena e inicia o da conquista.

Após os anos de conquista, os espanhóis governaram as atuais terras colombianas por vários séculos. A invasão napoleônica da Península Ibérica e o descontentamento dos crioulos levaram às guerras de independência, cujo sucesso marcou o início de uma nova etapa.

Finalmente, o fracasso das tentativas de criar uma grande nação naquela área da América Latina fez com que o último período, o republicano, começasse. Isso, que continua até hoje, foi marcado no início por confrontos entre liberais e conservadores, com sangrentas guerras civis.

Período indígena

A chegada dos primeiros seres humanos no território colombiano ocorreu cerca de 20.000 anos atrás. Uma das teorias mais aceitas afirma que elas vieram da América do Norte e entraram na Colômbia através da costa do Caribe e do leste. Dessas áreas, começaram a se mudar para o interior até chegar aos Andes.

Evolução das primeiras cidades

Os primeiros grupos humanos nômades pisaram na Colômbia durante o período paleoindiano. Evidências de sua presença foram encontradas na Amazônia colombiana, mais especificamente na Serra de Chiribiquete.

Da mesma forma, traços humanos também foram encontrados na savana de Bogotá, no centro do país. Medellín e Cundinamarca são outras regiões onde há evidências da presença desses primeiros colonos.

Já no período arcaico, esses povos começaram a adotar um estilo de vida sedentário, embora ainda não fosse generalizado. Alguns grupos iniciaram práticas agrícolas e povoaram as margens de rios, lagos e mares.

O estilo de vida sedentário permitiu que alguns povos evoluíssem social e culturalmente. Entre eles, destacam-se os Muiscas e os Taironas, ambos da cultura Chibcha.

Este primeiro período da história da Colômbia durou até 1500 dC. C., quando os espanhóis chegaram na área.

Período de conquista

Em 1492, Cristóvão Colombo chegou a terras americanas em nome dos reis Isabel de Castilla e Fernando de Aragón. Seu primeiro destino foram as ilhas do Caribe. Ainda levaria algum tempo até que os espanhóis iniciassem suas campanhas para conquistar o continente.

Chegada dos espanhóis à Colômbia

Os primeiros navios espanhóis chegaram à Colômbia em 1499. Pouco depois, em 1501, outra expedição sob o comando de Rodrigo de Bastidas percorreu toda a costa que separa La Guajira de Cartagena das Índias. No entanto, o primeiro assentamento no continente não foi fundado até 1509: San Sebastián de Urabá.

Esse primeiro assentamento foi abandonado logo depois. A população mudou-se para o Golfo de Urabá, onde os espanhóis fundaram Santa Maria a Antígua do Darían, que se tornaria a capital do primeiro governo espanhol.

A conquista espanhola, que durou 50 anos, significou que os indígenas foram despojados de suas terras, além de uma enorme perda de vidas. Assim, Gonzalo Jiménez de Quesada derrotou os Chibchas e assumiu o controle de seu território. Este explorador fundou Santa Fe de Bogotá e nomeou a região como Novo Reino de Granada.

No entanto, em 1548, a coroa espanhola criou a Audiência Real de Santafé de Bogotá como parte do território do Vice-reinado do Peru.

Período colonial

No início deste período, o território do que mais tarde seria a Colômbia era constituído pelas províncias de Cartagena e Santa Marta, na Audiência Real de Santo Domingo, e de Popayán, sob o controle do Vice-reinado do Peru.

Naquele ano, a Audiência Real de Santafé de Bogotá assumiu a jurisdição dessas províncias e começou a ampliar seu território com a anexação de outras províncias.

Enquanto isso, a venda de terras pela coroa espanhola aos governantes e conquistadores levou à criação de grandes propriedades. As minas também passaram a mãos particulares e, para compensar a falta de trabalho, os escravos começaram a chegar da África. Além disso, o número de colonos vindos da Espanha também aumentou.

Vice-reinado de Nova Granada

A dificuldade de governar um território tão grande quanto o do vice-reinado do Peru foi uma das causas que levaram Felipe V a criar, em 1717, o vice-reinado de Nova Granada. Isso incluiu o público de Santafé, Panamá e Quito, além das províncias da Venezuela.

Esse vice-reinado foi dissolvido e reformado em várias ocasiões. Sua capital era a cidade de Santa Fe, embora decisões importantes ainda estivessem sendo tomadas na Espanha.

Período de independência

As idéias do Iluminismo chegaram ao território americano no final do século XVIII. Em 1793, Antonio Nariño traduziu Os direitos do homem e do cidadão, em meio ao crescente descontentamento dos crioulos.

A invasão napoleônica da Espanha e a abdicação forçada do rei Fernando VII causaram a ascensão dos movimentos de independência em toda a América Latina. Em Bogotá, houve uma revolta em 1810.

Essa insurreição acabaria sendo o germe de um período efêmero de independência, chamado Patria Boba, que durou até 1816. No entanto, surgiram numerosos conflitos internos entre os partidários do federalismo e os do centralismo, uma constante na história colombiana. Eu não sei

A guerra entre centralistas e federalistas terminou em dezembro de 1814, quando o exército de Simón Bolívar assumiu o controle de Santafé de Bogotá e Cundinamarca.

Apesar da criação de uma federação, a reação dos espanhóis terminou com a primeira experiência independente do território colombiano.

A independência

Bolívar continuou lutando para alcançar a independência dos territórios coloniais. Depois de derrotar os espanhóis na batalha de Boyacá, em 1819, ele tinha o caminho livre para conquistar Santa Fé.

O Libertador entrou na capital em 10 de agosto de 1819. Nove dias depois, proclamou a independência. Com isso, o território que fazia parte do vice-reinado de Nova Granada tornou-se a República Federal da Gran Colômbia.

Período republicano

O último período da história da Colômbia abrange de 1819 até os dias atuais. Seu início corresponde à proclamação do país como República.

Este período, no entanto, possui várias etapas com características muito diferentes, muitas delas marcadas por guerras civis.

República da Gran Colômbia

As bases para a criação da Gran Colômbia foram promulgadas no Congresso de Angostura, realizado em 15 de fevereiro de 1519. No entanto, sua fundação real não chegou até dezembro daquele ano.

O território inicial da Gran Colômbia incluía os departamentos de Quito, Venezuela e a antiga Nova Granada. Naquela época, sua criação foi o primeiro passo no projeto de Bolívar para criar um único país formado por antigos territórios coloniais.

O primeiro presidente da Gran Colombia foi o próprio Bolívar. No entanto, ele logo lançou uma nova campanha militar e deixou Francisco de Paula Santander em seu lugar.

Os combates internos obrigaram Bolívar a voltar. Para tentar resolver os problemas, ele estabeleceu uma ditadura, que ainda piorava a situação. Finalmente, a Gran Colombia foi dividida em três nações: Venezuela, Equador e Nova Granada.

Republic of New Granada

Após a separação da Venezuela e do Equador, em 17 de novembro de 1831, uma nova constituição foi promulgada pela qual a República de Granada foi criada. Naquela época, seu território era o mesmo do antigo vice-reinado em 1810.

Nesse período, apareceram os dois partidos que marcariam o resto da história do país: o liberal e o conservador.

Estados Unidos da Colômbia

A partir de então, a Colômbia sofreu confrontos frequentes entre os partidários de seus dois principais partidos políticos.

Depois de encerrar uma dessas guerras civis, em 1863, o país mudou de nome novamente. A vitória dos liberais federalistas causou uma mudança constitucional e a adoção do nome Estados Unidos da Colômbia. A Constituição de Rio Negro também incluía liberdade de negócios, educação e culto.

A organização federal também não funcionou muito bem, pois os estados cada vez mais buscavam mais poderes. Além disso, a economia entrou em crise. Isso provocou a reação dos conservadores, que, em 1886, eliminaram o federalismo e restauraram a religião católica ao seu caráter oficial.

República da Colômbia

O novo estado centralizado retornou à organização territorial com base em departamentos. A centralização política e administrativa estava quase completa e as províncias estavam sujeitas a Bogotá.

Como em outras ocasiões, essa mudança não trouxe estabilidade ao país. Uma nova guerra, a Guerra dos Mil Dias, começou no início do século XX. Os liberais conquistaram a vitória, mas o país foi devastado pelos anos de conflito. Além disso, o Panamá, até então um departamento colombiano, aproveitou a oportunidade para declarar sua independência com o apoio dos EUA.

Logo depois, o general Rafael Reyes (conservador) assumiu a presidência. No início, suas medidas eram progressivas e incluíam liberais em seu governo, mas depois ele começou a cair no autoritarismo.

Após o abandono forçado de Reyes, os conservadores desfrutaram de um estágio de hegemonia política que durou até 1930 e foi caracterizado por uma grande repressão aos simpatizantes liberais.

O retorno dos liberais ao governo, em 1930, não foi fácil. Além de ter que enfrentar uma guerra com o Peru, o partido sofreu numerosos confrontos internos. Alguns de seus membros estavam comprometidos em realizar profundas reformas no país, enquanto outros eram mais moderados.

A violência

A figura mais popular entre os liberais foi Jorge Eliécer Gaitán. No entanto, outros setores do partido preferiram apresentar seus próprios candidatos para as eleições, o que levou a vitória a ir para a conservadora Ospina Pérez.

Apesar disso, a liderança popular de Gaitán era indubitável e ninguém duvidava que ele se tornaria presidente. Somente seu assassinato, cometido em 9 de abril de 1948, interrompeu sua carreira política. As pessoas foram às ruas para protestar violentamente, em uma revolta conhecida como Bogotazo.

A instabilidade política que se seguiu a essa revolta atingiu todo o país e causou o início do período chamado Violência. A luta bipartidária mais uma vez devastou o país. Mesmo uma tentativa de um governo de coalizão não conseguiu parar os combates. Finalmente, um golpe de estado liderado por Rojas Pinilla em 1953 terminou esta etapa.

O governo de Rojas Pinilla foi caracterizado pela forte repressão de qualquer oponente. Da mesma forma, eliminou a liberdade de imprensa e expressão.

Os dois principais partidos se reuniram para encerrar seu regime. O apoio do exército foi essencial para o sucesso deles.

Frente Nacional

Após a experiência anterior, conservadores e liberais chegaram a um acordo sem precedentes na história da Colômbia. Por meio da chamada Frente Nacional, as duas partes concordaram em alternar no poder a cada quatro anos, além de distribuir as posições mais importantes.

A Frente Nacional funcionou normalmente até 1970, quando Rojas Pinillas, que voltou à política, perdeu as eleições para o conservador Misael Pastrana em meio a alegações de fraude. Uma das conseqüências foi o surgimento de grupos armados como as FARC ou o movimento de 19 de abril.

Final do século XX e XXI

As décadas seguintes foram marcadas por confrontos do governo com esses grupos armados, aos quais o Exército de Libertação Nacional se juntou.

A violência piorou com o aparecimento de grupos paramilitares que combatiam os guerrilheiros, sem esquecer o crescente poder dos cartéis de drogas. Ataques, violações de direitos humanos e seqüestros são comuns há mais de 30 anos.

Nos anos 90, o M-19 abandonou as armas e decidiu participar da vida política. No ano seguinte, o presidente César Gaviria promoveu a promulgação de uma nova constituição.

Apesar da incorporação do M-19 no sistema partidário, as FARC continuaram operando em grande parte do país. A resposta do governo variou da tentativa de diálogo do presidente Andrés Pastrana à resposta militar do presidente Álvaro Uribe Vélez.

Finalmente, em 2017, o governo de Juan Manuel Santos e as FARC assinaram um acordo que pôs fim à atividade armada do grupo.

Referências

  1. Sociedade Geográfica da Colômbia. Processo histórico do estado colombiano. Obtido em sogeocol.edu.co
  2. Moreno Montalvo, Gustavo. Breve história da Colômbia. Obtido de larepublica.co
  3. Coyne, Shannon. Período colonial da Colômbia. Obtido em libguides.cng.edu
  4. Clemente Garavito, Harvey F. Kline, James J. Parsons, William Paul McGreevey e Robert Louis Gilmore. Colômbia. Obtido em britannica.com
  5. Grupo de Educação Ideal. Colonização da Colômbia. Obtido em donquijote.org
  6. Manual de área da Biblioteca do Congresso dos EUA. O período de reconciliação. Recuperado de motherearthtravel.com
  7. Fundação Mundial da Paz. Colômbia: Violência. Obtido em sites.tufts.edu

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies