Phytophthora: características, espécies, reprodução, nutrição

Phytophthora é um gênero de organismos pertencentes ao reino Fungi, conhecido por serem agentes causadores de doenças em plantas. Esses patógenos são responsáveis por várias doenças em culturas agrícolas, ornamentais e florestais, causando prejuízos econômicos significativos em todo o mundo.

Existem mais de 100 espécies de Phytophthora, sendo algumas das mais conhecidas e de maior importância agrícola a Phytophthora infestans, causadora do míldio da batata, e a Phytophthora sojae, que afeta a soja. A reprodução desses organismos pode ocorrer tanto assexuadamente, por meio de esporângios, quanto sexuadamente, através de oosporos.

Quanto à nutrição, Phytophthora é um organismo heterotrófico, ou seja, obtém seus nutrientes a partir de organismos vivos ou matéria orgânica em decomposição. Eles se alimentam de tecidos vegetais, causando danos às plantas hospedeiras e provocando o apodrecimento de raízes, caules e folhas.

Entenda o fungo Phytophthora e seus impactos na agricultura e ecossistema.

O fungo Phytophthora é um organismo microscópico que pertence ao grupo dos oomicetos. Ele é conhecido por causar doenças em plantas, principalmente em culturas agrícolas, impactando diretamente na produção de alimentos e no equilíbrio dos ecossistemas.

Existem várias espécies de Phytophthora, sendo algumas delas mais agressivas e destrutivas do que outras. Esses fungos se reproduzem através de esporos que são disseminados pelo vento, água e até mesmo por animais, facilitando a sua propagação e infecção em novas plantas.

Quando infecta uma planta, o Phytophthora se alimenta dos nutrientes presentes no hospedeiro, enfraquecendo-o e causando sintomas como murcha, manchas nas folhas, apodrecimento das raízes, entre outros. Esses sintomas podem levar à morte da planta, resultando em perdas significativas na agricultura.

Os impactos do fungo Phytophthora na agricultura são enormes, podendo causar prejuízos econômicos e sociais para os agricultores. Além disso, a presença desse fungo nos ecossistemas naturais pode afetar a biodiversidade e a saúde dos ecossistemas, desequilibrando as interações entre as espécies e causando danos ambientais.

Portanto, é fundamental estar atento aos sinais de infecção por Phytophthora nas plantas e adotar medidas de controle e prevenção, como o uso de fungicidas, rotação de culturas e manejo adequado da irrigação. A conscientização e a adoção de práticas sustentáveis na agricultura são essenciais para minimizar os impactos desse fungo na produção de alimentos e na preservação dos ecossistemas.

Dicas eficazes para combater Phytophthora e proteger suas plantas de forma adequada.

Phytophthora é um gênero de fungos que inclui mais de 100 espécies diferentes, sendo responsável por diversas doenças em plantas. Esses fungos se desenvolvem em ambientes úmidos e quentes, atacando principalmente as raízes das plantas e causando apodrecimento. Para proteger suas plantas de forma adequada e combater o Phytophthora, é importante seguir algumas dicas eficazes.

Uma das principais formas de prevenção é garantir que as plantas recebam a quantidade adequada de água, evitando o excesso que pode favorecer o desenvolvimento do fungo. Além disso, é importante manter o solo bem drenado e arejado, para evitar o acúmulo de umidade.

Outra dica importante é evitar o plantio excessivamente denso, pois a falta de circulação de ar entre as plantas pode favorecer a propagação do Phytophthora. É essencial também realizar a rotação de culturas, alternando os tipos de plantas cultivadas em determinada área, para evitar o esgotamento do solo e a proliferação do fungo.

A utilização de fertilizantes orgânicos pode ajudar a fortalecer as plantas e torná-las mais resistentes às doenças causadas pelo Phytophthora. Além disso, a aplicação de fungicidas específicos pode ser uma medida eficaz no combate ao fungo, mas é importante seguir as instruções do fabricante para garantir a eficácia do produto.

Relacionado:  Mimosa pudica: características, habitat, propriedades, cultivo

Por fim, a inspeção regular das plantas em busca de sinais de infecção, como manchas nas folhas, amarelamento e apodrecimento das raízes, é fundamental para identificar precocemente a presença do Phytophthora e tomar as medidas necessárias para combatê-lo.

Seguindo essas dicas e adotando práticas de manejo adequadas, é possível proteger suas plantas do Phytophthora e garantir um cultivo saudável e livre de doenças.

O significado da requeima e seus impactos na agricultura e meio ambiente.

A requeima é um fenômeno causado pelo fungo Phytophthora, que afeta diversas culturas agrícolas, como batata, tomate e pimentão. Este fungo é capaz de se proliferar rapidamente em condições favoráveis, como alta umidade e temperaturas amenas, levando à destruição das plantações.

Os impactos da requeima na agricultura são significativos, uma vez que pode causar grandes prejuízos aos agricultores, resultando na perda de safras inteiras. Além disso, a necessidade de utilizar produtos químicos para controlar o fungo pode aumentar os custos de produção e impactar a saúde do solo e da água.

No meio ambiente, a requeima pode causar desequilíbrios nos ecossistemas, uma vez que a morte das plantas afeta a cadeia alimentar e a biodiversidade local. Além disso, a utilização de fungicidas para controlar o Phytophthora pode contaminar o solo e a água, prejudicando a fauna e flora nativas.

Por isso, é fundamental que os agricultores estejam atentos aos sinais de requeima em suas plantações e adotem medidas preventivas, como a rotação de culturas e o manejo adequado da irrigação. Além disso, o desenvolvimento de variedades resistentes ao fungo e o uso de práticas agrícolas sustentáveis são essenciais para reduzir os impactos da requeima na agricultura e no meio ambiente.

Conceito e características da Fitóftora na soja: tudo o que você precisa saber.

A Phytophthora é um gênero de fungos oomicetos que inclui várias espécies patogênicas para plantas, incluindo a soja. Esses fungos são responsáveis por causar doenças em diversas culturas, causando prejuízos econômicos significativos para os agricultores.

As características da Phytophthora na soja incluem a capacidade de sobreviver no solo por longos períodos de tempo, além de se disseminar rapidamente em condições favoráveis, como alta umidade e temperaturas amenas. Esses fungos podem infectar as raízes, caules e folhas das plantas de soja, causando sintomas como manchas escuras nas folhas, podridão das raízes e morte das plantas.

Existem várias espécies de Phytophthora que afetam a soja, sendo a Phytophthora sojae a mais comum e devastadora. Essa espécie é capaz de se reproduzir tanto assexuadamente, através de esporângios, quanto sexualmente, formando oósporos resistentes no solo.

Em termos de nutrição, a Phytophthora na soja se alimenta dos nutrientes presentes nas células das plantas hospedeiras, enfraquecendo-as e comprometendo seu desenvolvimento. Além disso, esses fungos produzem enzimas que facilitam a penetração nas células vegetais e a disseminação da infecção.

O controle eficaz desses fungos requer medidas preventivas, como rotação de culturas, uso de sementes resistentes e manejo adequado da irrigação, visando reduzir a incidência e severidade das doenças causadas por Phytophthora na soja.

Phytophthora: características, espécies, reprodução, nutrição

Phytophthora é um gênero de oomicetos fitopatogênicos. Seu nome deriva das palavras gregas phyton (planta) e phthorá (destruidor), ou seja, destruidor de plantas. Este gênero inclui espécies necrotróficas (causando a morte dos hospedeiros) e hemibiótrofas (elas precisam do hospedeiro vivo por um tempo).

Eles atacam principalmente dicotiledôneas, sendo em muitos casos uma espécie específica dentro do gênero. Ou seja, uma espécie de Phytophthora ataca apenas uma espécie de planta. Alguns ataques a essas plantações foram causadas por grandes perdas econômicas e até mortes humanas, como foi causado por P. infestans.

Phytophthora: características, espécies, reprodução, nutrição 1

Cultivo de Phytophthora parasitica var. Nicotianae Retirado e editado de: Tashkoskip [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)].

Sua reprodução ocorre sexualmente e assexuadamente. No primeiro caso, é realizado por meio dos oosporos, enquanto no segundo estão envolvidos os clamidosporos e os zoospores.

Caracteristicas

Os representantes do gênero têm micélio cenocítico e aparência hialina. Eventualmente, eles podem apresentar partições, separando partes antigas que não possuem protoplasma do restante do micélio. Dentro do micélio há gotas de óleo.

São fitopatógenos facultativos que podem viver se alimentando de matéria orgânica em decomposição (saprófitas) ou infectando plantas, especialmente dicotiledôneas.

Eles se reproduzem assexuada ou sexualmente, embora algumas espécies não conheçam sua reprodução sexual e em outras ocorra muito raramente. Durante a reprodução sexual, ocorrem ovósporos arredondados, com superfície lisa ou moderadamente verrugosa e cor amarela ou transparente.

Na reprodução assexuada, podem ocorrer zoósporos ou clamidosporos biflagelados, geralmente arredondados e com uma parede com mais de 2 mícrons de espessura.

Taxonomia e espécies representativas

Taxonomia

Phytophthora pertence à classe Oomycetes, um grupo de organismos tradicionalmente incluídos no reino dos fungos, mas agora foram realocados no Chromista por alguns autores, enquanto outros os colocam no Reino Protista.

A classificação no nível da família também foi sujeita a alterações.Phytophthora estava originalmente localizado entre os Pythiales, junto com Pythium e outros gêneros relacionados, no entanto, análises de biologia molecular mostraram que ela tem uma maior afinidade com as plantas perenes, onde foram realocadas.

Por outro lado, essa realocação também exige revisões cuidadosas, segundo alguns autores.

O gênero Phytophthora foi descrito por De Bary em 1876 com base em P. infestans como uma espécie do tipo. Compreende cerca de cem espécies espalhadas por 10 clados, no entanto, ainda existem muitas espécies não descritas, algumas localizadas em complexos de espécies como o complexo Phytophthora megasperma .

Espécies representativas

Phytophthora cambivora

Esta é uma das espécies responsáveis ​​pela tinta castanha, uma doença que afeta a árvore com o mesmo nome. Além de parasitar o castanheiro, também pode ser encontrado no solo, onde se alimenta de matéria orgânica em decomposição.

Como parasita, afeta as raízes da planta e, dependendo do nível da raiz onde a infecção começa, pode causar a morte rápida do hospedeiro (próximo ao tronco) ou sobreviver por vários anos (raízes secundárias).

Phytophthora cinnamomi

Phytophthora cinnamoni é outra espécie que causa tinta castanha. Como P. cinnamomi tem hábitos saprófitos e parasitários, no entanto, seus efeitos sobre o hospedeiro são muito mais devastadores, a ponto de serem incluídos entre as 100 espécies invasoras mais nocivas.

Esse fungo começa invadindo o hospedeiro pelas raízes secundárias e daí avançam, via raízes primárias, para o tronco através do micélio. A infecção não tem cura e causa a morte da planta.

Phytophthora: características, espécies, reprodução, nutrição 2

Podridão do abacaxi, causada por Phytophthora cinnamoni. Retirado e editado de: Scot Nelson de Honolulu, Havaí, EUA UU. [CC BY-SA 2.0].

Phytophthora infestans

Oomiceto responsável pela doença conhecida como ferrugem tardia da batata ou também como oídio, mesmo quando pode atacar diferentes espécies de plantas, incluindo tomate e soja. Ele foi responsável pela epidemia de batata que causou a Grande Fome na Irlanda e na Escócia (1845-1849).

Relacionado:  Fase G1 (ciclo celular): descrição e importância

Reprodução

As espécies do gênero Phythophthora podem se reproduzir sexualmente por oosporos (oogamia) ou assexuadamente, com a formação, neste caso, de dois tipos de esporos, os clamidosporos e os zoospores, ambos produzidos pelo esporângio.

Reprodução assexuada

A reprodução assexuada é feita através de esporos que ocorrem nos esporângios. Esporangiofores, na maioria dos casos são indistinguíveis das hifas , embora em alguns casos possam ter um diâmetro diferente. Os esporângios são incolores ou podem ter uma tonalidade amarela muito pálida.

Essas estruturas são geralmente inseridas na forma terminal no esporangióforo, embora às vezes também possam ser intercaladas. Eles podem permanecer no esporangióforo (não decíduos) ou se destacar facilmente (decíduos), caso em que agem como estruturas de dispersão.

Phytophthora: características, espécies, reprodução, nutrição 3

Esporangióforo de Phytophthora cactorum. Retirado e editado de: Mary Ann Hansen [CC BY 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)].

Os esporangiofores produzirão dois tipos diferentes de esporos, chamados clamidosporos e zoospores. Para que os zoósporos se formem, é necessário que haja água livre. Esses zoósporos podem ser dispersos por chuvas, ar, águas de irrigação, seres humanos e alguns invertebrados.

Enquanto isso, os clamidosporos são esporos de resistência caracterizados por paredes espessas (> 2 mícrons de espessura). Esses clamidosporos podem permanecer no solo por um longo período como unidades infecciosas até que as condições sejam adequadas para a germinação.

Reprodução sexual

Os Phythophthora apresentam, como já foi dito, reprodução assexuada e sexual, no entanto, algumas espécies são muito instáveis ​​com esse último tipo de reprodução e só foram identificadas em laboratório e outras são até mesmo uma reprodução sexual completamente desconhecida.

Naqueles em que a reprodução sexual é conhecida, isso é feito através de oosporos. Os gametas são produzidos em oogônio (feminino) e anteídio (masculino). Algumas espécies podem ser homotálicas, ou seja, produzem oogonies e precedentes no mesmo micélio (são auto-férteis).

Pelo contrário, outras espécies são heterotálicas, isto é, cada micélio produz um único tipo de gametângio, masculino ou feminino. Nos dois casos, a fusão dos gametas resultará na formação de oosporos, que neste gênero ocorrem individualmente, ou seja, um único oósporo por oogônio.

Nutrição

Os oomicetos do gênero Phytophthora são fitoparasitas facultativos. Na vida livre, são saprófitas que secretam enzimas para digerir a matéria orgânica em decomposição extracelular e depois absorvem as moléculas dos materiais já digeridos.

Os parasitas, por outro lado, podem ser necrotróficos ou hemibiotróficos. Os necrotróficos secretam toxinas para matar células e tecidos hospedeiros e, em seguida, obtêm nutrientes deles.

Os hemibiótrofos, nos estágios iniciais de sua vida parasitária, absorvem os nutrientes da planta sem matá-la, mas depois agem e se alimentam como necrotróficos.

Referências

  1. DC Erwin (1983). Phytophthora : sua biologia, taxonomia, ecologia e patologia. American Phytopathological Society Press.
  2. FN Martin, ZG Abad, Y. Balci e K. Ivors (2012). Identificação e detecção de Phytophora : Revendo nosso progresso, identificando nossas necessidades. Doença Vegetal
  3. A. Drenth & D. Guest (2013). Phytophthora : o destruidor de plantas. PALMS
  4. Phytophthora , na Wikipedia. Recuperado de: en.wikipedia.org
  5. Phytophthora cambivora . Na Wikipedia Recuperado de: en.wikipedia.org
  6. C. Lira. Oomycetes Recuperado de Lifeder.org.
  7. HS Judelson (2009). Reprodução sexual em oomicetos: biologia, diversidade e contribuições para o condicionamento físico. In: K. Lamour, S. Kamoun (Eds.), Oomycetegenetics e genômica: diversidade, interações e ferramentas de pesquisa. John Wiley & Sons, Inc. Empresas

Deixe um comentário